Dores do Rio Preto

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Município de Dores do Rio Preto
Dores do Rio Preto/Foto de André Luiz Pereira Nunes

Dores do Rio Preto/Foto de André Luiz Pereira Nunes
Bandeira indisponível
Brasão indisponível
Bandeira indisponível Brasão indisponível
Hino
Fundação 7 de abril de 1964 (54 anos)
Gentílico riopretense
Prefeito(a) Cleudenir José de Carvalho Neto (PDT)
(2017 – 2020)
Localização
Localização de Dores do Rio Preto
Localização de Dores do Rio Preto no Espírito Santo
Dores do Rio Preto está localizado em: Brasil
Dores do Rio Preto
Localização de Dores do Rio Preto no Brasil
20° 41' 20" S 41° 50' 42" O20° 41' 20" S 41° 50' 42" O
Unidade federativa  Espírito Santo
Mesorregião Sul Espírito-santense IBGE/2008[1]
Microrregião Alegre IBGE/2008[1]
Municípios limítrofes Guaçuí, Ibitirama, Divino de São Lourenço (ES), Caiana, Espera Feliz (MG), Porciúncula (RJ).
Distância até a capital 247 00 km
Características geográficas
Área 153,106 km² [2]
População 8 000 hab. Censo IBGE/2010[3]
Densidade 52,25 hab./km²
Altitude 774 m
Clima Tropical de Altitude Cwb
Fuso horário UTC−3
Indicadores
IDH-M 0,654 médio PNUD/2010 [4]
PIB R$ 47 977,723 mil IBGE/2008[5]
PIB per capita R$ 7 630,05 IBGE/2008[5]

Dores do Rio Preto é um município brasileiro do estado do Espírito Santo. Sua população estimada em 2010 era de aproximadamente 7.000 habitantes. É o município de acesso ao Pico da Bandeira, 3° maior pico do país, com 2892 m, no Parque Nacional do Caparaó pelo lado capixaba, sendo o único a ter uma portaria de acesso no Espírito Santo, que tem subida com nível de dificuldade menor e urbanização que facilitam movimentação e acampamento. É o município com a sede mais elevada do estado, com 774 metros. E também é o único município com sede a mais de 700 metros no extremo sul do estado. Recentemente a região do Caparaó passou a ser considerado "Reserva Mundial da Biosfera", através do Projeto Lei 10.251/2014.

Em agosto de 2014 o município, juntamente com a cidade de Irupi e Ibitirama, foram sedes da Copa América de Corrida de Aventura que contou com diversos atletas de vários países, incluindo o Brasil.

História[editar | editar código-fonte]

O começo do povoamento do município de Dores do Rio Preto, é do final do século XIX e início do século XX. Seu primeiro nome foi Vila Divisa, cujo terreno foi doado por Firmino Domingos Dias e pertencia ao município de Guaçuí.

Em 1912 foi construída a Estrada de Ferro Leopoldina que ligava Vila Divisa aos Estados do Rio de Janeiro e Minas Gerais. Esta ferrovia ajudou muito o desenvolvimento e o progresso local.

No período de 1912 a 1950, o distrito viveu seu apogeu comercial com a exportação de madeiras e de cereais.

Em 30 de dezembro de 1963 foi criado o município de Dores do Rio Preto, através da Lei nº 1.914, sendo fundado no dia 7 de abril de 1964. Sua denominação foi dada em homenagem a padroeira Nossa Senhora das Dores e ao Rio Preto, que banha a cidade.

Dores do Rio Preto foi palco da Guerrilha do Caparaó, instabilidade política ocorrida em 1964, período em que começou a Ditadura Militar no Brasil. Em 1967 as forças armadas montaram um esquema tático para capturar ex-militares que faziam parte do grupo revolucionário e que estavam refugiados no Parque Nacional do Caparaó.

O exército usou como base de acampamento todos os municípios vizinhos, assim como Dores do Rio Preto.

O primeiro prefeito do município foi o Sr. Wlademiro Azevedo Carvalho e o segundo, o Sr. Manoel Cardoso Martins, ambos nomeados pelo Governador do Estado, Francisco Lacerda de Aguiar.

A 1ª eleição no município data de 1966 quando o Augusto Otaviano foi eleito prefeito.

Geografia[editar | editar código-fonte]

A sede do município fica a 774m, porém seu ponto mais alto chega a 2892m, e há algumas áreas mais baixas, próximas ao Rio Preto, que são exploradas para a agricultura.

Clima[editar | editar código-fonte]

O clima é tropical de altitude, da variação Cwb, a temperatura média anual é de 19.2 °C, sendo as mínimas médias no mês mais frio (julho) de 9.9 °C e as máximas médias do mês mais quente (março) de 28,3 °C.

Hidrografia[editar | editar código-fonte]

Faz parte da Bacia Hidrografia do Rio Itabapoana. O principal curso d'água é o Rio Preto, que nasce na Serra do Caparaó, contorna o município, e separa o estado do Espírito Santo de Minas Gerais. O Rio Preto é um afluente do Rio Itabapoana.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. a b «Divisão Territorial do Brasil». Divisão Territorial do Brasil e Limites Territoriais. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). 1 de julho de 2008. Consultado em 11 de outubro de 2008. 
  2. IBGE (10 out. 2002). «Área territorial oficial». Resolução da Presidência do IBGE de n° 5 (R.PR-5/02). Consultado em 5 de dezembro de 2010. 
  3. «Censo Populacional 2010». Censo Populacional 2010. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). 29 de novembro de 2010. Consultado em 11 de dezembro de 2010. 
  4. «Ranking decrescente do IDH-M dos municípios do Brasil». Atlas do Desenvolvimento Humano. Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD). 2010. Consultado em 31 de agosto de 2013. 
  5. a b «Produto Interno Bruto dos Municípios 2004-2008». Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Consultado em 11 de dezembro de 2010. 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]