Dow AgroSciences

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Emblem-scales.svg
A neutralidade deste(a) artigo ou se(c)ção foi questionada, conforme razões apontadas na página de discussão.
Justifique o uso dessa marca na página de discussão e tente torná-lo mais imparcial.
Ambox important.svg
Este artigo ou seção parece estar escrito em formato publicitário.
Por favor ajude a reescrever este artigo para que possa atingir um ponto de vista neutro, evitando assim conflitos de interesse.
Para casos explícitos de propaganda, em que o título ou todo o conteúdo do artigo seja considerado como um anúncio, considere usar {{spam}}, regra n° 6 da eliminação rápida.

A Dow AgroSciences é uma das maiores empresas de ciência e tecnologia para o agronegócio do mundo[1], sendo o Brasil o seu segundo maior mercado[2]. Uma presença que vem sendo trilhada no país desde 1956, quando a agricultura nacional ainda dava seus primeiros passos rumo à produção em escala industrial. Hoje, a empresa conta com cerca de 3.000 funcionários presentes em todas as regiões, além de diversos pólos de produção e pesquisa, levando ao campo produtos e técnicas de manejo para diversos tipos de cultivo[3].

Áreas de atuação[editar | editar código-fonte]

Diante da diversidade e do tamanho da produção agrícola nacional, a DowAgroSciences Brasil desenvolve soluções em diversas frentes.

Sementes e biotecnologia[editar | editar código-fonte]

Na área de sementes e biotecnologia, oferece ao mercado híbridos de milho[4], braquiária, sorgo, girassol, além de variedades de soja[5].

Proteção de cultivos[editar | editar código-fonte]

Herbicidas[editar | editar código-fonte]

A empresa também possui amplo portfólio de herbicidas, atendendo às necessidades do produtor rural nas principais culturas do país, como soja, milho, cana-de-açúcar, arroz, algodão, hortifruti e pastagem. Há também grande demanda por herbicidas por parte de empresas ferroviárias e companhias elétricas a fim de manter estradas,linhas ferroviárias e de transmissão mais acessíveis para os profissionais da área.

Os principais produtos dessa linha são os herbicidas Spider*, Verdict* R, Combine*, DMA*, Garlon*, Gliz**, Mannejo*, Pacto*, Padron*, Plenum*, Starane*, Tordon*.

Fungicidas[editar | editar código-fonte]

Após a aquisição da Rohm and Haas Agricultural Business, em junho de 2001[6], a Dow AgroSciences aumentou suas linhas de produtos para manejo de fungos em hortaliças, frutas, videiras, pastagens, arroz e cana-de-açúcar. Fazem parte dessa linha, o Dithane* -fungicida mais vendido no mundo-, bem como o Curathane* e o Bim*.

Inseticidas[editar | editar código-fonte]

Linha de frente do desenvolvimento e comercialização de soluções em mais de cem mercados agrícolas em todo o mundo, a linha de controle de insetos da Dow AgroSciences protege culturas de alto valor, como milho, algodão, soja, frutas e hortaliças. Lorsban 480BR*, Intrepid 240SC e Tracer* são os representantes deste negócio. Multicultura e de aplicação tratorizada, o Lorsban 480BR possui excelente espectro de controle. Já a linha Intrepid 240SC é único regulador de crescimento do mercado que acelera a ecdise do inseto, podendo ser usado nas culturas do algodão, da soja, do milho e do tomate. O Tracer, por sua vez, derivado da fermentação de um organismo da natureza, foi vencedor do Green Chemistry Award em 1999 por seu controle em qualquer estágio da lagarta. Também é seletivo aos insetos benéficos.

Pesquisa e Desenvolvimento no Brasil[editar | editar código-fonte]

A Dow AgroSciences possui centros de pesquisas e laboratórios em diversos estados brasileiros, além de uma Estação Experimental na cidade de Mogi Mirim, no interior paulista. Trata-se de um dos doze Centros de Pesquisa mantidos pela empresa no mundo cujo objetivo é o desenvolvimento e a caracterização de novas tecnologias e produtos -um processo que dura em média de 8 a 10 anos.

Também em Mogi Mirim, encontra-se o Laboratório de Química Ambiental voltado ao monitoramento do impacto ambiental dos produtos em desenvolvimento. O interior paulista abriga ainda o Laboratório de Formulações, em Franco da Rocha, onde são desenvolvidas novas formulações de produtos agroquímicos, e o Laboratório de Fitopatologia para a área de Sementes, em Jardinópolis, onde são realizadas diagnoses de doenças de milho e sorgo, além da produção de inóculos dessas doenças, dando suporte ao desenvolvimento de híbridos mais resistentes.

Ainda na área de Sementes, a Dow AgroSciences mantém Unidades de Pesquisas em Guaíra (SP), Indianópolis (MG), Castro (PR) e Cravinhos (SP), essa última teve um investimento que resultará em uma expansão de sua área em quatro vezes até 2015. Em cada uma dessas localidades, avaliam-se novos híbridos de milho para grãos e silagem de planta inteira e grão úmido, milho doce, milho verde, sorgo granífero e sorgo forrageiro. Também se realizam trabalhos na área de Biotecnologia.

2014[editar | editar código-fonte]

No ano de 2014 foram inaugurados mais dois locais de produção e pesquisa. No mês de março, tiveram início as atividades da Unidade de Beneficiamento de Sementes, em Luís Eduardo Magalhães (BA)[7], onde serão realizadas etapas do processo de beneficiamento de sementes de milho, que engloba os processos de recebimento de espigas, retirada da palha, seleção, secagem e debulha (separação das sementes do sabugo).

No mês de abril, foi inaugurado o primeiro Centro de Pesquisa em Melhoramento e Conversão de Traits fora dos EUA, em Sorriso[8], no Mato Grosso. Os pesquisadores dessa unidade irão desenvolver híbridos de milho com características adaptadas ao clima tropical. Também serão realizadas pesquisas com soja, braquiária e sorgo.

Unidades Dow Agrosciences no Brasil[editar | editar código-fonte]

  • São Paulo (SP) - Escritório Central
  • Jardinópolis (SP) – Usina e Unidade de Pesquisa
  • MogiMirim (SP) - Estação Experimental
  • Cravinhos (SP)- Usina e Unidade de Pesquisa
  • Franco da Rocha (SP) – Fábrica/ Laboratório de Formulações
  • Jacareí (SP) - Fábrica
  • Guaíra (SP)- Unidade de Pesquisa
  • Sorriso (MT) - Unidade de Pesquisa
  • Castro (PR) - Unidade de Pesquisa
  • Capinópolis (MG)- Unidade de Pesquisa
  • Luís Eduardo Magalhães (BA) - Unidade de Beneficiamento de Sementes

Referências

  1. Luciano Otávio Marques de Velasco e Luciana Xavier de Lemos Capanema (2003). O SETOR DE AGROQUÍMICOS (PDF) (Tese)  Parâmetro desconhecido |acesso data= ignorado (|acessodata=) sugerido (ajuda)
  2. «Dow AgroSciences investe US$ 100 mi em semente no Brasil». Canal do Produtor/ Estadão Conteúdo / DCI  Parâmetro desconhecido |acesso data= ignorado (|acessodata=) sugerido (ajuda)
  3. «Dow AgroSciences investe US$ 100 mi em semente no Brasil». Canal do Produtor/ Estadão Conteúdo / DCI  Parâmetro desconhecido |acesso data= ignorado (|acessodata=) sugerido (ajuda)
  4. «Dow AgroSciences lança milho com cinco genes de tolerância». Globo Rural  Parâmetro desconhecido |acesso data= ignorado (|acessodata=) sugerido (ajuda)
  5. «Dow AgroSciences passa a comercializar sementes de soja». Agrolink  Parâmetro desconhecido |acesso data= ignorado (|acessodata=) sugerido (ajuda)
  6. «Dow to Acquire Rohm and Haas Company's Ag Chemicals Business». PR Newswire  Parâmetro desconhecido |acesso data= ignorado (|acessodata=) sugerido (ajuda)
  7. «Inaugurada unidade da Dow AgroSciences em Luís Eduardo». Jornal Gazeta do Oeste  Parâmetro desconhecido |acesso data= ignorado (|acessodata=) sugerido (ajuda)
  8. «Dow AgroSciences inaugura novo Centro de Pesquisa em Melhoramento e Conversão de Traits no município de Sorriso (MT)». Grupo Cultivar  Parâmetro desconhecido |acesso data= ignorado (|acessodata=) sugerido (ajuda)