Dropmire (Programa de vigilância)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
vigilância de embaixadas estrangeiras e pessoal diplomático
Servidores da NSA espalhados pelos países
Espionagem no G2O - 2009
Espionagem de Chefes de Estado

Dropmire é um programa de vigilância secreta da Agência de Segurança Nacional para vigilância de embaixadas estrangeiras e pessoal diplomático.[1][2]

A existência do programa foi revelada em junho de 2013 por Edward Snowden, publicada no jornal The Guardian.[3] O relatório publicado revela que pelo menos 38 embaixadas estrangeiras estavam sob vigilância da NSA, algumas desde 2007.[4]

Espionagem de Chefes de Estado[editar | editar código-fonte]

No início de junho de 2013, antes das revelações de Edward Snowden, o The Guardian havia publicado que a NSA havia espionados os líderes participantes do Encontro dos G-20 de 2009 em Londres, mas não havia informação da existência de um programa de vigilância específico e sistemático para tal.[5]

Já em 2010, o The Guardian havia revelado que Ban Ki-moon, chefe da ONU, havia sido espionado pela NSA. O programa de vigilância foi documentado em 2013, através dos documentos entregues aos jornais por Edward Snowden em 2013.[6]

Desde 2004 havia publicações no Brasil denunciando a espionagem norte-americana, mas só após as revelações de Snowden que elas se tornaram conhecidas pela população em geral.[7]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

  • [3] James Bamford: ‘A NSA hoje pode entrar na mente das pessoas’, por Flávia Barbosa - O Globo - 19 de março de 2014.
  • [4] Video sobre tecnologia de vigilância da NSA-Catálogo ANT (NSA) com o Catálogo da NSA - Iterativo - dispositivos de vigilância criados pela;
  • [5] NSA pode escutar todas as chamadas telefônicas em qualquer pais estrangeiro (vídeo em espanhol)
  • [6] Vídeo: Você quebrou a Internet. Nós estamos fazendo uma GNU para nós-1h 19 min Jacob Appelbaum (em inglês).