Dubai World

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.


Dubai World
دبي العالمية
Empresa estatal
Atividade Investimentos
Fundação 02 de julho de 1969 (53 anos)
Fundador(es) Ahmed bin Saeed Al Maktoum
Sede Dubai,  Emirados Árabes Unidos
Área(s) servida(s) 12 países
Pessoas-chave Ahmed bin Saeed Al Maktoum, Chairman
Jamal Majid Bin Thaniah, CEO
Empregados +5.000
Subsidiárias Dubai Ports World
Jafza
Dubai Drydocks
Maritime City
Tamweel
Tejari
Leisurecorp
Istithmar
DUTech
Island Global Yachting
Inchcape Shipping Services
P&O Ferries
Receita Aumento US$ 18 bilhões (2008)
LAJIR Aumento US$ 1.4 bilhão (2008)
Renda líquida Aumento US$ 1.17 bilhão (2008)
Website oficial www.dubaiworld.ae

Dubai World (em árabe: دبي العالمية) é uma empresa de investimentos que gerencia e supervisiona um portfólio de negócios e projetos para o Governo de Dubai em uma ampla gama de segmentos da indústria e projetos que promovem Dubai como um centro de comércio. Como subsidiária da Dubai Inc., é o porta-bandeira do emirado em investimentos globais e tem um papel central na direção da economia de Dubai. Entre os ativos estão a DP World, que causou considerável controvérsia ao tentar adquirir seis portos nos EUA, a Nakheel, que construiu os empreendimentos The Palm Islands e The World, e a Istithmar World, sua empresa de investimentos. É presidido por Ahmed bin Saeed Al Maktoum.

História[editar | editar código-fonte]

A Dubai World foi estabelecida sob um decreto ratificado em 2 de março de 2006 pelo xeique Mohammed bin Rashid Al Maktoum, governante de Dubai. Ele também é o acionista majoritário da Dubai World. Em 2 de julho de 2006, foi lançada como uma holding com mais de 50.000 funcionários em mais de 100 cidades em todo o mundo. O grupo agora tem amplos investimentos imobiliários nos Estados Unidos, no Reino Unido e na África do Sul. A Dubai World ganhou as manchetes em março de 2008, depois que seu presidente, o sultão Ahmed bin Sulayem, ameaçou tirar o dinheiro do fundo da Europa. [1] As ameaças do Dubai World vieram logo depois que a União Européia tentou estabelecer "um conjunto de princípios de transparência, previsibilidade e responsabilidade" para os fundos soberanos. [2]

Em 26 de novembro de 2009, a Dubai World propôs adiar o pagamento de sua dívida [3], o que elevou o risco do maior calote do governo desde a reestruturação da dívida argentina em 2001. Dubai World, o veículo de investimento do emirado, pediu para adiar por seis meses o pagamento de US$ 26 bilhões em dívidas. [4][5][6] A extensão da dívida abalou muitos mercados, fazendo com que muitos índices caíssem; incluindo os preços do petróleo. As ações dos EUA caíram drasticamente, mas se recuperaram de suas baixas, com os investidores concluindo que os danos poderiam estar contidos. A média industrial do Dow Jones perdeu cerca de 155 pontos, ou cerca de 1,5%, em um dia de negociação encurtado, e outras médias de ações também caíram. Os preços do petróleo caíram até 7% antes de recuperar no final do dia.

Em 12 de dezembro de 2010, Dubai nomeou o xeique Ahmed bin Saeed Al Maktoum, chefe da companhia aérea Emirates e tio do governante do estado, como presidente do conselho da Dubai World[7] em um conselho reformulado um ano após a empresa ter dito que suspenderia o pagamento de empréstimos. Ahmed bin Saeed substituiu Sultan Ahmed bin Sulayem .

Andrew (Andy) Watson, atua como diretor administrativo da Dubai World desde julho de 2011.[8]

Em 29 de janeiro de 2013, a Drydocks World assinou um memorando de entendimento para uma parceria de joint venture de US$ 2,5 bilhões com a Indonésia para desenvolver um cluster marítimo no país asiático que serviria, entre outros, à indústria petroquímica.[9]

A Dubai World anunciou em 20 de maio de 2010 que chegou a um acordo "em princípio" com a maioria de seus bancos para reestruturar dívidas no valor de US $ 23,5 bilhões (£ 16,4 bilhões). Ficaria com dívidas de US $ 14,4 bilhões após a reestruturação. Mas o acordo ainda precisa ser aprovado por outros bancos que não participaram das negociações. Os termos da reestruturação incluem a conversão de US $ 8,9 bilhões em dívida do governo em ações. O governo de Dubai e a Dubai World apresentaram essa oferta aos bancos em março de 2010, após três meses de negociações.[10]

Empresas gerenciadas[editar | editar código-fonte]

Referências[editar | editar código-fonte]

  1. Erro de citação: Etiqueta <ref> inválida; não foi fornecido texto para as refs de nome prosser
  2. Erro de citação: Etiqueta <ref> inválida; não foi fornecido texto para as refs de nome ogrady
  3. Erro de citação: Etiqueta <ref> inválida; não foi fornecido texto para as refs de nome meed091127
  4. Erro de citação: Etiqueta <ref> inválida; não foi fornecido texto para as refs de nome meed091125
  5. Erro de citação: Etiqueta <ref> inválida; não foi fornecido texto para as refs de nome bloomberg091126
  6. Erro de citação: Etiqueta <ref> inválida; não foi fornecido texto para as refs de nome ndubai091130
  7. «Dubai World Overhauled With Emirates Chairman as Chief After Debt Debacle». Bloomberg 
  8. «Executive Profile» 
  9. «Dubai Drydocks signs $2.5b Indonesia deal» 
  10. «Dubai World agrees debt deal with key banks». BBC News