Ducado de Bucovina

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Herzogtum Bukowina
Ducado da Bucovina
Bandeira de Bucovina
Brasão de Bucovina
Bandeira Brasão

Localização de Bucovina

O Ducado da Bucovina no Império Austro-Húngaro
Capital Czernowitz (Cernăuți / Chernivtsi)
Línguas Alemão, Romeno, Ucraniano
Governo Distrito Militar (1775-1787)

Kreis (1787-1849)
Terra da Coroa (1849-1918)

 - Estabelecimento 1849 
 - Extinsão 1919 
Área  
 - Total 10.442 km² 
População  
 - Censo 1910 794.929 hab. 

O Ducado de Bucovina foi uma território que pertenceu ao Império Austríaco entre 1849 e 1867 e a partir de 1867 tornou-se uma terra da coroa da Cisleitânia do império Áustro–Húngaro até o final de 1918.

Nome[editar | editar código-fonte]

O nome Bukovina entrou em uso oficial em 1775, com a anexação da região do Principado da Moldávia às posses da Monarquia dos Habsburgos (que em 1804, se tornou o Império Austríaco e em 1867 Império Áustria-Hungria).

O nome oficial alemão, die Bukowina, da província sob o domínio austríaco (1775-1918), foi derivado da forma polonesa Bukowina, que por sua vez foi derivada da palavra ucraniana Буковина (Bukovyna) e da forma eslava comum de buk, significando faia ( бук [buk] como, por exemplo, em ucraniano ou, até, Buche, em alemão). [1] [2] Outro nome alemão para a região, das Buchenland, é usado principalmente em poesia e significa "terra de faia", ou "a terra das árvores de faia" . Em romeno, em contextos literários ou poéticos, às vezes é usado o nome Țara Fagilor ("a terra das faias").

Em inglês, uma forma alternativa é The Bukovina, cada vez mais um arcaísmo, que, no entanto, é encontrado na literatura mais antiga.

História[editar | editar código-fonte]

Após a invasão mongol da Europa, as terras de Bucovina desde o século XIV faziam parte do Principado da Moldávia, com Suceava sendo a capital principesca de 1388 a 1565. No século XVI, a Moldávia ficou sob influência otomana, mas ainda mantendo sua autonomia. [3] Durante o início do século XVIII, a Moldávia se tornou o alvo da expansão para o sul do Império Russo, inaugurada pelo czar Pedro, o Grande, durante a campanha do rio Pruth de 1710-1711. Em 1769, durante a Guerra Russo-Turca de 1768-1774, a Moldávia foi ocupada por tropas russas.

Czernovitz: Sede do governo do Ducado de Bucovina, por volta de 1900

Domínio Austríaco[editar | editar código-fonte]

Após a Primeira Partição da Polônia, em 1772, a Monarquia dos Habsburgo visava uma conexão terrestre do Principado da Transilvânia ao recém-adquirido Reino da Galiza e Lodomeria . Depois que o Tratado Russo-Turco de Küçük Kaynarca foi concluído em julho de 1774, os austríacos entraram em negociações com o Sublime Porte a partir de outubro e finalmente puderam obter um território da Moldávia com uma área de cerca de 10.000 quilômetros quadrados chamado Bukowina, que eles formalmente anexaram em janeiro de 1775. Em 2 de julho de 1776, em Palamutka, os austríacos e os otomanos assinaram uma convenção de fronteira, a Monarquia dos Habsburgos devolvendo 59 das aldeias anteriormente ocupadas e permanecendo com 278 aldeias. Por se opor e protestar contra a anexação da parte noroeste da Moldávia, o governante da Moldávia, príncipe Grigore III Ghica, foi assassinado pelos otomanos. [4] [5]

Bucovina foi inicialmente um distrito militar fechado de 1775 a 1786, e depois foi incorporado como o maior distrito, Kreis Czernowitz (mais tarde também Kreis Bukowina ) do constituinte austríaco Reino da Galícia e Lodomeria . Até agora, a nobreza moldava tradicionalmente formava a classe dominante naquele território. O imperador Habsburgo José II desejou associar a região às províncias da monarquia austríaca (embora não tenha sido pertencente previamente ao Sacro Império Romano ); os suábios do Danúbio colonizaram as terras que haviam sido devastadas, que mais tarde ficaram conhecidos como alemães de Bucovina . Em meados do século XIX, a cidade de Sadhora tornou-se o centro da dinastia hassídica Sadigura. O processo de imigração promoveu o desenvolvimento econômico adicional do país multiétnico, embora permanecesse um posto avançado remoto da Monarquia do Danúbio.

Czernowitz: foto da praça principal e da prefeitura

Em 1804, a região tornou-se parte do recém-estabelecido Império Austríaco . Após a turbulência política das revoluções de 1848, o governo de Viena elevou a Bucovina a um território austríaco Kronland ( Terra da coroa ). Com efeito em 4 de março de 1849, o antigo Kreis foi declarado Herzogtum Bukowina, um ducado nominal como parte do estilo oficial completo do imperador austríaco . Foi governado por um kk Statthalter ( stadtholder ) nomeado pelo imperador, com sua residência oficial em Czernowitz desde 1850.

Em 1860, a Bucovina foi novamente amalgamada com a Galiza, mas foi restabelecida como província separada mais uma vez, de acordo com a patente de fevereiro de 1861, emitida pelo imperador Franz Joseph I. A terra restaurada da coroa recebeu sua própria dieta Landtag, incluindo uma autoridade executiva da Landesausschuss, um status que duraria até 1918. [6] Em 1867, com a reorganização do Império Austríaco como Império Austro-Húngaro, tornou-se parte dos territórios da Cisleitânia ("Austríaca"). Com a promulgação da Constituição de dezembro, o Conselho Imperial, por iniciativa do Ministério da Cidadania da Cisleitânia, liderado por Karl von Auersperg, decidiu atribuir o título de Landespräsident ao ex-stadtholder, liderando um Landesregierung (governo do estado). Nove delegados (das eleições de 1907) representaram a Bucovina na Câmara dos Deputados da Áustria.

Primeira Guerra Mundial[editar | editar código-fonte]

A principal força militar na região em tempos de paz foi o 22º Regimento de Infantaria em Czernowitz, naquele tempo o único kk Regimento Landwehr com maioria romena (54%). Assim que as hostilidades começaram, no entanto, novas unidades foram formadas a partir da população recrutada localmente. Os 22º, 23º e 41º Regimentos de Landwehr, juntamente com o 4º Regimento de Dragões, possuíam maioria romena. [7] [8] Para incentivar o recrutamento, os romenos foram autorizados a usar suas cores nacionais, além de receber orientação espiritual de padres militares étnico-romenos. [9]

Em 1914–1915, grande parte da Bucovina foi ocupada pelo 8º Exército russo sob o general Aleksei Brusilov após a derrota austro-húngara na Batalha da Galiza e só pôde ser recuperada pelas forças unidas das potências centrais após a liderança Alema na ofensiva Gorlice–Tarnów e a grande retirada russa. As tropas romenas lutaram bravamente, recebendo 62 medalhas pela bravura. Como exemplo, o 41º Regimento lutou por 54 horas continuamente. [10] Em 4 de junho de 1916, as vítimas romenas bucovinianas foram 184 mortos, 1.175 feridos e 82 capturados. [11]

No outono de 1918, o estado multiétnico da Áustria-Hungria entrou em colapso e o Ministério da Guerra ordenou oficialmente a desmobilização, embora nenhuma autoridade central tenha sido capaz de garantir o desmantelamento das armas. Em 18 de outubro de 1918, o Conselho Nacional Ucraniano estabelecido em Lemberg, Galiza, planejava declarar uma República Ucraniana que também incorporaria a Bucovina e a Rutênia dos Cárpatos . [12] Em 25 de outubro de 1918, um comitê regional ucraniano, liderado por Emilian Popowicz, foi estabelecido em Czernowitz para representar o Conselho Nacional Ucraniano em Bucovina. [12] Em 14 e 27 de outubro de 1918, por iniciativa de Sextil Pușcariu, Iancu Flondor e Isidor Bodea, a Assembléia Constituinte de Bucovina estabeleceu, em Czernowitz, o Conselho Nacional da Romênia (composto por representantes do parlamento austríaco, da dieta de Bucovina e ativistas políticos locais), que adotou uma declaração para apoiar a união de Bucovina com a Romênia e exigiu que o último governador austríaco do Landespräsident, Josef Graf Etzdorf, cedesse seu poder. [13]

Enquanto isso, as forças paramilitares locais do Conselho Nacional Ucraniano assumiram o controle sobre Czernowitz e outras partes de Bucovina, substituindo efetivamente o controle austríaco em 6 de novembro. Embora os ucranianos locais tenham tentado incorporar Bucovina na chamada República Popular da Ucrânia Ocidental, eles não conseguiram estabelecer uma administração. [14] À luz das ações dos ucranianos, o líder do Conselho Nacional da Romênia, Iancu Flondor, solicitou que o governo romeno intervevisse na Bucovina. Cinco dias depois, a 8ª Divisão romena, liderada pelo general Iacob Zadik, entrou em Czernowitz, [15] contra protestos ucranianos, [16] [17] enquanto as forças paramilitares ucranianas se retiravam sem resistência para a Galícia. [18] Outras tentativas dos ucranianos locais de incorporar partes do norte de Bucovina na República Popular da Ucrânia foram rapidamente reprimidas pelas tropas, com a liderança do Conselho Nacional da Ucrânia fugindo pelo rio Dniester, para a Galícia, que estava parcialmente sob controle militar ucraniano. [14] [18]

Depois que as tropas romenas garantiram a região, um Congresso Geral de Bucovina foi estabelecido entre 15 e 28 de novembro de 1918, que elegeu seus membros: 74 romenos, 13 rutenos, 7 alemães e 6 poloneses (esta era a composição lingüística apesar dos judeus não terem sido registrados como um grupo separado). Um entusiasmo popular surgiu em toda a região e um grande número de pessoas se reuniu na cidade para aguardar a resolução do Congresso. [19] O Congresso elegeu o político bucovino romeno Iancu Flondor como presidente e votou pela união com o Reino da Romênia, com o apoio dos representantes romenos, alemães, judeus e poloneses, e na ausência dos ucranianos . [20] [21] As razões declaradas foram que, até sua aquisição pelo Habsburgo em 1775, a Bucovina era o coração do Principado da Moldávia (onde estão os locais de sepultamento dos voivods) e o direito à autodeterminação. [22] [23]

O controle romeno da província foi reconhecido internacionalmente no Tratado de St. Germain, em 1919, e no Tratado de Trianon, em 1920, quando tanto as República da Áustria quanto o Reino da Hungria renunciaram a todas as reivindicações à Bucovina.

Adminstração[editar | editar código-fonte]

mapa de Bucovina em 1901

Em 1849, quando Kreis Bucovina foi elevado à ducado de Bucovina, a capital administrativa ainda era a capital galega e Lemberg. Por ordem do Ministério do Interior da Áustria, Czernowitz tornou-se sede do Ducado em 1850. Na patente de fevereiro de 1861 , o Ducado de Bucovina conseguiu uma representação na assembléia, a dieta Landtag com um ramo executivo da Landesausschuss liderado por um Landeshauptmann . Após a eleição legislativa da Cisleitânia de 1907, o ducado foi representado por 14 delegados na legislatura do Conselho Imperial da Áustria.

A subdivisão da terra da coroa foi alterada em 1868; em 1914, o ducado de Bucovina consistia em onze distritos políticos (Bezirke):

População Histórica[editar | editar código-fonte]

Segundo o censo austríaco de 1775, a província tinha uma população total de 86.000 habitantes (incluindo 56 aldeias que mais tarde foram devolvidas à Moldávia). O censo registrou apenas status social e alguns grupos etno-religiosos. Em 1919, o historiador Ion Nistor afirmou que os romenos constituíam uma maioria esmagadora em 1774, aproximadamente 64.000 (85%) da 75.000 da população total. Enquanto isso, cerca de 8.000 (10%) eram rutenos e 3.000 (4%) outros grupos étnicos. [24] Por outro lado, apenas quatro anos antes do mesmo Nistor anunciou que a população de 1774 consistia em 52.750 romenos (73%), 15.000 rutenos (21%) e 4.000 outros "que usavam língua romena" (6%). [25] Em 2011, uma análise anthroponimical do censo russo da população da Moldávia em 1774 afirmou uma população de 68,700 pessoas em 1774, dos quais 40.920 (59,6%) romenos, 22,810 Ruthenians e Hutsuls (33,2%), e 7,2% judeus, Ciganos e armênios . [26] Os rutenos viviam mais densamente no noroeste de Bukovina, especialmente na zona entre Prut e Dniester e os Hutsuls estavam concentrados na zona montanhosa no oeste da província, especialmente na zona dos rios Ceremuș e Putyla . Em 1787, as autoridades imperiais documentaram em Czernowitz 414 casas, das quais 153 moldavas (romenas), 84 alemãs e 76 judias, sendo o restante armênio, arnaut (albanês), tcheco, grego, húngaro, polonês e ruteno (ucraniano). [27] [28]

Durante o século XIX as políticas do Império Austríaco incentivaram o afluxo de muitos imigrantes (as autoridades austríacas incentivaram a imigração a fim de desenvolver a economia [29] ), principalmente ucranianos (na época referidos como rutenos da Galícia ) e romenos da Transilvânia e Hungria, bem como um número menor de alemães, poloneses, judeus e húngaros. [30] Os censos oficiais no Império Austríaco (mais tarde Áustria-Hungria) não registraram dados etno-linguísticos até 1850-1851. HF Müller fornece à população de 1840 usada para fins de recrutamento militar como 339.669. [31] Segundo Alecu Hurmuzaki, em 1848, 55% da população era romena. O censo austríaco de 1850 a 1851, que pela primeira vez registrou dados sobre idiomas falados, mostra 48,50% de romenos e 38,07% de rutenos [32]

Em 1843, a língua rutena foi reconhecida, juntamente com a língua romena, como "a língua do povo e da Igreja em Bucovina". [33]

Segundo as estimativas e os dados do censo da Áustria-Hungria, a população de Bucovina era:

Ano Romenos Rutenos (ucranianos) outros
1774. [34] [35] 40.920 - 64.000 59,6% - 85,33% 8.000 - 22.810 10,6% - 33,2% 3.000 - 4.970 4,0% - 7,2%
1848 [34] 209.293 55,4% 108.907 28,8% 59.381 15,8%
1851 [36] 184.718 48,5% 144.982 38,1% 51.126 13,4%
1880 [37] 190.005 33,4% 239.960 42,2% 138.758 24,4%
1890 [38] 208.301 32,4% 268.367 41,8% 165.827 25,8%
1900 [39] 229.018 31,4% 297.798 40,8% 203.379 27,8%
1910 273.254 34,1% 305.101 38,4% 216.574 27,2%

Referências

  1. «Bukovyna» 
  2. «Painted monasteries of Southern Bucovina – Brasov Travel Guide» 
  3. Kemal H. Karpat (January 2002). Studies on Ottoman Social and Political History: Selected Articles and Essays. BRILL. [S.l.: s.n.] pp. 403–. ISBN 90-04-12101-3  Verifique data em: |data= (ajuda)
  4. Marcel Cornis-Pope; John Neubauer (13 September 2006). History of the Literary Cultures of East-Central Europe: Junctures and disjunctures in the 19th and 20th centuries. John Benjamins Publishing Company. [S.l.: s.n.] pp. 62–. ISBN 978-90-272-9340-4  Verifique data em: |data= (ajuda)
  5. Grigore Ghica III, ucis pentru că s-a împotrivit cedării Bucovinei Em Português
  6. Paul R. Magocsi (2010). A History of Ukraine: The Land and Its Peoples. University of Toronto Press. [S.l.: s.n.] ISBN 978-1-4426-1021-7 
  7. Bucovina în anii primului război mondial, Fetcu, 2004, p. 221
  8. Botezul focului și al nemuririi în Bucovina anilor 1914–1918, Cozmiuc, 2015, p. 4
  9. Participarea clerului ortodox bucovinean la Primul Război Mondial și Unirea Românilor din 1918, Cutui, p. 52
  10. (Romanian)
  11. (Romanian)
  12. a b West Ukrainian National Republic and Polish-Ukrainian War
  13. a b Paul R. Magocsi (2010). A History of Ukraine: The Land and Its Peoples. University of Toronto Press. [S.l.: s.n.] ISBN 978-1-4426-1021-7 
  14. Integrarea Bucovinei in cadrul Romaniei intregite (1918–1940). Aspecte ligislative Em Português
  15. Rus, Ionas Aurelian (2008). Variables Affecting Nation-Building: The Impact Of The Ethnic Basis, The Educational System, Industrialization And Sudden Shocks. ProQuest. [S.l.: s.n.] ISBN 9781109059632 
  16. Bukovyna, Encyclopedia of Ukraine
  17. a b West Ukrainian National Republic and Polish-Ukrainian War
  18. Ion Bulei, Scurta istorie a românilor, Editura Meronia, Bucuresti, 1996, pp. 104–107
  19. Minoritatea ucraineana din Romania (1918–1940) Arquivado em 2015-10-17 no Wayback Machine.
  20. Constantin Kiriţescu (1989). Istoria războiului pentru întregirea României: 1916 – 1919. Ed. S̨tiint̨ifică s̨i Enciclopedică. [S.l.: s.n.] ISBN 978-973-29-0048-2 
  21. "Congresul general al Bucovinei, intrupand suprema putere a tarii si fiind investiti cu puterea legiuitoare, in numele suveranitatii nationale, hotaram: Unirea neconditionata si pe vecie a Bucovinei in vechile ei hotare pana la Ceremuş, Colacin si Nistru cu Regatul Romaniei". The General congress of Bukovina, embodying the supreme power of the country [Bukovina], and invested with legislative power, in the name of national sovereignty, we decide: Unconditional and eternal union of Bukovina, in its old boundaries up to Ceremuş [river], Colachin and Dniester [river] with the Kingdom of Romania.
  22. The Union Act of Bukovina with Romania (15/28 November 1918) Em Português
  23. Keith Hitchins. The Romanians 1774–1866. Oxford: Clarendon Press (1996), pp. 226
  24. Nistor, Ion (1915). Românii și rutenii în Bucovina. Romanian Academy. Bucharest: [s.n.] pp. 70–72 
  25. «Die Bevölkerung der Bukowina (von Besetzung im Jahr 1774 bis zur Revolution 1848)». Romanian Journal of Population Studies (em German). pp. 117–143 
  26. Marcel Cornis-Pope; John Neubauer (13 September 2006). History of the Literary Cultures of East-Central Europe: Junctures and disjunctures in the 19th and 20th centuries. John Benjamins Publishing Company. [S.l.: s.n.] pp. 62–. ISBN 978-90-272-9340-4  Verifique data em: |data= (ajuda)
  27. Braun, Helmut (2013). Czernowitz : die Geschichte einer untergegangenen Kulturmetropole. Links 3., aktualisierte Aufl. ed. Berlin: [s.n.] ISBN 9783861537502 
  28. Raimund Friedrich Kaindl. Das Ansiedlungswesen in der Bukowina seit der Besitzergreifung durch Österreich. Innsbruck (1902), pp. 1–71
  29. Bukovina Handbook, prepared under the Direction of the Historical Section of the British Foreign Office No.6. Published in London, Feb.1919.
  30. Müller, H F (1848). Die Bukowina im Königreiche Galizien. H.F. Müller's Kunsthandlung (em German). Wien: [s.n.] 
  31. 1855 Austrian ethnic-map showing census data in lower right corner
  32. Bukovina Handbook, prepared under the Direction of the Historical Section of the British Foreign Office No.6. Published in London, Feb.1919.
  33. a b Keith Hitchins. The Romanians 1774–1866. Oxford: Clarendon Press (1996), pp. 226
  34. «Die Bevölkerung der Bukowina (von Besetzung im Jahr 1774 bis zur Revolution 1848)». Romanian Journal of Population Studies (em German). pp. 117–143 
  35. 1855 Austrian ethnic-map showing 1851 census data in lower right corner File:Ethnographic map of austrian monarchy czoernig 1855.jpg
  36. First Austro-Hungarian census measuring the 'language spoken at home' of the population
  37. Austro-Hungarian census of 1890
  38. Austro-Hungarian census of 1900

Ligações externas[editar | editar código-fonte]