Duda Salabert

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Duda Salabert
Duda Salabert
Vereadora de Belo Horizonte
Período 1º de janeiro de 2021
até a atualidade
Dados pessoais
Nascimento 2 de maio de 1981 (40 anos)
Belo Horizonte, Minas Gerais
Nacionalidade brasileira
Alma mater Universidade Estadual de Minas Gerais
Partido PSOL (2017-2019)
PDT (2019-presente)
Profissão professora
ativista

Duda Salabert Rosa (Belo Horizonte, 2 de maio de 1981) é uma professora de literatura, ambientalista, e ativista filiada ao Partido Democrático Trabalhista (PDT). Em 2018 se notabilizou ao ter se tornado a primeira pessoa transgênero a se candidatar ao cargo de Senadora da República.[1] Em 2020, Duda Salabert foi eleita como vereadora, sendo a mais bem votada da história de Belo Horizonte, com mais de 37 mil votos.[2]

Vida pessoal[editar | editar código-fonte]

Duda nasceu com o sexo masculino e viveu socialmente como homem até 2014, quando começou a se reivindicar socialmente como mulher. A ativista é casada desde 2011 com Raísa Novaes, uma educadora que é biologicamente do sexo feminino. O casal está junto desde 2006, quando Duda era socialmente homem.[3]

Duda e Raíssa tiveram sua primeira filha, Sol, no dia 19 de junho de 2019. Como a filha foi concebida de maneira heterossexual, Duda teve que interromper o tratamento hormonal da transição de gênero.[4] Duda Salabert conseguiu sua licença de maternidade e ficou afastada do trabalho por 120 dias, mesmo não sendo gestante ou lactante, o que é considerado uma vitória para o movimento transgênero. Duda não precisou judicializar o pedido, pois a empresa em que ela trabalha, o Colégio Bernoulli, não recusou a petição. Desse modo, Duda foi reconhecida como mãe da Sol e terá o tempo necessário para ficar com a filha, não se sabe de outra mulher trans que tenha conseguido esse direito. Duda quer evitar a imposição de gênero e por isso escolheu um nome neutro para a filha.[4] A filha foi registrada como tendo duas mães.

Duda foi professora de literatura no Colégio Bernoulli em Belo Horizonte de 2007 a 2021, quando foi demitida, segundo ela, por preconceito, a partir da pressão de pais de alunos que passaram a vê-la durante aulas telepresenciais durante a Pandemia de COVID-19.[5] Em nota, a instituição afirmou que a demissão ocorreu em função da incompatibilidade do cargo público da professora com a dedicação que a instituição esperaria dela.[5]

Duda é estudante de Gestão Pública pela Universidade Estadual de Minas Gerais (UEMG).[6] Também é idealizadora e presidenta da ONG Transvest, que oferece cursos educacionais a pessoas transgênero e travesti.[7]

Carreira política[editar | editar código-fonte]

Duda se candidatou como Senadora da República por Minas Gerais, nas eleições de 2018, tornando-se a primeira pessoa transgênero a se candidatar ao cargo. Salabert obteve a maior votação do PSOL em Minas, com 351.874 votos (1,99% dos votos válidos), terminando em oitavo lugar entre os quinze candidatos ao senado em seu estado e não conseguindo ser eleita.[8][9][10] Em 21 de abril de 2019, Salabert anunciou sua saída do PSOL acusando o partido de "transfobia estrutural", alegando que o partido não investe suficientemente em candidatos transgêneros e que apenas usa essa pauta para eleger "figuras e candidaturas já privilegiadas".[11]

Duda mesmo sem partido não parou de militar e lutar pelos direitos dos transgêneros. A ONG Travest, em que ela atua, sobrevive por meio de doações, disponibilizando palestras sobre temas LGBT+, oficinas artísticas, pré-vestibular, supletivo, curso de libras, de línguas e profissionalizantes para a população trans de Belo Horizonte e região metropolitana.

No dia 16/09/2019 participou de um evento com a presença de Ciro Gomes, anunciando sua filiação ao PDT.

Em 2020, Duda Salabert foi eleita como vereadora de Belo Horizonte, pelo PDT, sendo a mais bem votada da história com mais de 37 mil votos.[2]

Referências

  1. «Duda Salabert: quem é o primeiro candidato trans ao Senado». Revista Veja. Consultado em 31 de Dezembro de 2018 
  2. a b Minas, Estado de; Minas, Estado de (15 de novembro de 2020). «Com mais de 30 mil votos, Duda Salabert é eleita vereadora e faz história em BH». Estado de Minas. Consultado em 16 de novembro de 2020 
  3. «Nasce Sol, filha da primeira candidata travesti ao Senado por Minas». Estado de Minas. Consultado em 1 de Novembro de 2021 
  4. a b «Professora trans que tentou Senado engravida a mulher: "o nome será neutro"». UOL. Consultado em 1 de Novembro de 2021 
  5. a b TEMPO, O. (6 de fevereiro de 2021). «Vereadora Duda Salabert anuncia demissão do Bernoulli e alega preconceito». Politica. Consultado em 3 de dezembro de 2021 
  6. Elizangela (8 de agosto de 2020). «Ivo Gomes e Duda Salabert conversam sobre Educação e Cultura com Roberto Viana». PDT. Consultado em 3 de dezembro de 2021 
  7. Ernesto, Marcelo. «Minas pode ter a primeira mulher travesti disputando uma das vagas ao Senado». Estado de Minas. Consultado em 31 de Dezembro de 2018 
  8. «Professora Duda Salabert». Gazeta do Povo. Consultado em 31 de Dezembro de 2018 
  9. Querino, Rangel. «Com mais de 350 mil votos ao Senado, travesti quer disputar prefeitura de BH». Observatório da Televisão. Consultado em 31 de Dezembro de 2018 
  10. «Rodrigo Pacheco, do DEM, e Carlos Viana, do PHS, são eleitos senadores por Minas Gerais». G1. Consultado em 31 de Dezembro de 2018 
  11. Guerra, Rayanderson. «Primeira trans a disputar vaga ao Senado, Duda Salabert deixa PSOL e acusa partido de 'transfobia estrutural'». O Globo. Consultado em 25 de Abril de 2019 
Ícone de esboço Este artigo sobre um político é um esboço relacionado ao Projeto Biografias de Políticos. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.