Dupla negação

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Esta página ou secção não cita fontes confiáveis e independentes, o que compromete sua credibilidade (desde Abril de 2013). Por favor, adicione referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Conteúdo sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)

Na lógica e na lógica proposicional, as regras de inferência eliminação da dupla negação e introdução da dupla negação permitem eliminar ou introduzir um par de sinais de negação. Essas regras se baseiam na equivalência de, por exemplo,

Não é verdade que não está chovendo
Portanto, está chovendo.

Formalmente, a regra da eliminação da dupla negação é:

Formalmente, a regra da introdução da dupla negação é:

Essas duas regras — eliminação da dupla negação e introdução da dupla negação — podem ser reformuladas na notação de sequentes:

,
.

Aplicando o Teorema da Dedução em cada uma dessas regras de inferência, é gerado um par de implicações válidas:

,
,

que podem ser combinadas gerando uma única bi-implicação:

.

Como a bicondicional define uma relação de equivalência, qualquer instância de ¬¬A como uma subfórmula de uma fórmula bem formada pode ser substituída por A, sem mudar o valor-verdade da fórmula correspondente.

A eliminação da dupla negação é uma regra válida na lógica clássica, mas não da lógica intuicionista. Uma sentença como Não é verdade que não está chovendo é mais fraca que Está chovendo. Esta última sentença requer uma prova de que está chovendo, enquanto a primeira requer somente uma prova de que a suposição da chuva não seja contraditória. (Essa distinção também ocorre na linguagem natural, na forma de lítotes). Já a introdução da dupla negação é uma regra válida na lógica intuicionista, assim como .

Ver também[editar | editar código-fonte]