EE-11 Urutu

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Ambox grammar.svg
Esta página ou secção precisa de correção ortográfico-gramatical.
Pode conter incorreções textuais, podendo ainda necessitar de melhoria em termos de vocabulário ou coesão, para atingir um nível de qualidade superior conforme o livro de estilo da Wikipédia. Se tem conhecimentos linguísticos, sinta-se à vontade para ajudar.
Question book.svg
Esta página ou secção não cita fontes confiáveis e independentes, o que compromete sua credibilidade (desde fevereiro de 2011). Por favor, adicione referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Conteúdo sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
EE-11 Urutu
Urutu APC (7527685248).jpg
Tipo Veículo blindado de transporte de tropas
Local de origem  Brasil
História operacional
Em serviço 1974 - presente (MINUSTAH)
Utilizadores Ver texto
Guerras Guerra Civil na Colômbia, Guerra Irã-Iraque, Invasão do Kuwait, Guerra do Golfo, MINUSTAH e a Revolta na Líbia em 2011.
Especificações
Peso 28 660 lb (13 000 kg)
Comprimento 20,01 ft (6,1 m)
Largura 8,69 ft (2,6 m)
Altura 9,51 ft (2,9 m)
Tripulação 2 homens (motorista e comandante) e até 12 soldados
Blindagem do veículo 6 a 12 mm
Armamento
primário
1 metralhadora 12,7mm Browning M2
Armamento
secundário
4 lançadores de granadas de fumaça
Motor Mercedes-Benz diesel nacional ou Detroit Diesel nacional V-6
260cv ou 190cv
Peso/potência 20.000
Suspensão 6x6 Boomerang
Alcance
Operacional
528 mi (850 km)
Velocidade 105 km/h estrada, 75 km/h terra e 8 km/h água

O EE-11 Urutu é um VBTP, fabricado no Brasil pela Engesa, em serviço desde 1970.

Histórico[editar | editar código-fonte]

O desenvolvimento do blindado de transporte de pessoal EE-11 Urutu começou em 1970. O primeiro protótipo foi construído no mesmo ano. A produção do EE-11 Urutu começou em 1974. Inicialmente produzido para as forças armadas brasileiras, logo o EE-11 Urutu foi exportado para a Bolívia, Chile, Colômbia, Chipre, Equador, Gabão, Iraque, Líbia, Marrocos, Uruguai e Venezuela. Cerca de 1.500 veículos deste tipo foram construídos.

Este blindado de transporte de pessoal tem duas camadas de blindagem. A camada externa é feita de aço duro, enquanto que a armadura interna apresenta maior viscosidade. O motor montado na frente também aumenta a proteção passiva para os ocupantes. A frente do casco fornece proteção contra munições perfurantes, enquanto a proteção em geral é contra projéteis de armas leves, estilhaços de minas e fragmentos de artilharia. O EE-11 Urutu é equipado com um sistema automático de supressão de fogo, porém o sistema de proteção NBC era apenas facultativo .

O EE-11 Urutu é armado com uma única metralhadora de 12,7 mm, montada sobre o teto. Há um número de variantes do EE-11 equipado com várias torres e diferentes tipos de armamento.

O EE-11 tem uma tripulação de um piloto e pode transportar de 12 a 14 soldados totalmente equipados. Tropas entram e saem do veículo através de portas laterais ou traseiros, ou pelo teto do veículo. Há um número de portas fogo fornecida.

Urutu utilizado pela MINUSTAH no Haiti.

Desenvolvidos pela Engesa, o Urutu e o Cascavel foram grandes sucessos de exportação. Os dois veículos possuem muitos componentes em comum e utilizam a suspensão Engesa Boomerang. O Urutu é um blindado leve e com capacidade anfíbia. Recebeu diferentes equipamentos de acordo com as necessidades dos clientes.

Atualmente, o Exército Brasileiro está desenvolvendo um programa de modernização destes veículos, de modo a estender sua vida útil, pois sua blindagem era fraca demais para suportar munição perfurante moderna para fuzil. Um exemplo desta deficiência ocorreu no Haiti há alguns anos atrás, quando uma bala perfurou a lataria do Urutu e feriu um militar brasileiro na mão.

Países como Chile, Jordânia e Iraque, já desativaram seus Urutus. Os mais novos Urutus possuem cerca de 15 anos de uso. Mas em 2006, outras 6 unidades inacabadas foram adquiridas pelo Exército Brasileiro. A média de uso destes veículos, no exército brasileiro, é superior a 30 anos.

O veículo será sucedido pelo Guarani, unidade modernizada. O governo brasileiro já encomendou 2.044 destas novas viaturas junto à empresa Iveco.[1]

Unidades entregues[editar | editar código-fonte]

Versões[editar | editar código-fonte]

Além da versão de transporte de tropa, também foram desenvolvidas versões para outras funções:

  • Porta morteiro - Apoio de fogo com um morteiro de 81mm acompanhando forças motorizadas.
  • Míssil-anticarro - Com canhão de 25mm e um lançador de míssil anticarro.
  • Apoio de fogo - Com a mesma torre de 90mm do blindado Cascavel, podia ainda transportar seis soldados, além da tripulação.
  • Antiaéreo - Com torre de dois canhões de 20mm ou um canhão de 25mm e radar.
  • Carro-oficina - Veículo de socorro, usando o mesmo chassi, pode acompanhar facilmente a coluna de blindados.
  • Antimotim - Também chamada de bigode, é adicionada uma prancha antibarricada na frente do veículo e lançadores fumígenos.
  • Ambulância - Equipada com macas e aparelhagem para primeiros-socorros.
  • Carro-comando - Permite ao comandante acompanhar a coluna blindada em seus deslocamentos e ter seu centro de operações dentro do próprio veículo.

Referências

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre Veículos militares é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.