EE RFN

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Ambox rewrite.svg
Esta página precisa ser reciclada de acordo com o livro de estilo (desde setembro de 2015).
Sinta-se livre para editá-la para que esta possa atingir um nível de qualidade superior.
Text document with red question mark.svg
Este artigo ou secção contém fontes no fim do texto, mas que não são citadas no corpo do artigo, o que compromete a confiabilidade das informações. (desde setembro de 2015)
Por favor, melhore este artigo inserindo fontes no corpo do texto quando necessário.
EE RFN
BSicon exTRAIN3.svg
Locomotiva EE preservada no Museu do Trem do Recife-PE.
Descrição
Propulsão Diesel-Elétrica
Fabricante English Eletric Co. e Vulcan Foundry Ltd.  Reino Unido
Número de encomenda 6328/51 e 6329/51
Modelo LD453
Ano de fabricação 1954
Locomotivas fabricadas 13
Classificação AAR A1A-A1A
Tipo de serviço Passageiros e Cargas
Características
Bitola 1,000 m
Tipo de truques Chapas rebitadas
Diâmetro das rodas 940 mm (37”)
Distância entre eixos 1.829 mm
Comprimento 15.326 mm
Largura 2.692 mm
Altura 3.734 mm
Peso da locomotiva 72.768 kg
Peso por eixo ~12.200 kg (motorizados)
~11.600 kg(outros)
Peso aderente 49.455 kg
Tipo de combustível Diesel
Capacidade de combustível 2.160 l
Consumo de combustível 176g por HP por hora
Fabricante do motor English Eletric
Motor primário 8SRKT
Limite de RPM 850 RPM
Tipo de motor 8 cilindros em linha, superalimentado, 4 tempos
Tamanho dos cilindros 10”(254mm) x 12”(305mm)
Tração múltipla Sim
Performance
Velocidade máxima 100 km/h
Potência total 1.000hp rebaixado para 875 hp
Fator de adesão 25%
Raio mínimo de inscrição 80 m
Freios da locomotiva Westinghouse Automatic Vacuum System
Operação
Ferrovias Originais RFN
Ferrovias que operou RFFSA
Numeração SIGO 701-713
Local de operação Nordeste
Data de entrega 1954
Ano da entrada em serviço 1954
Ano da saída do serviço RFFSA
Unidades preservadas 1
Proprietário atual Museu do Preserfe / RFFSA em Recife-PE.
Situação Demais desmanteladas

Locomotiva diesel-elétrica produzida em 1953 pela English Electric (EE) para a Rede Ferroviária do Nordeste (RFN), que buscava substituir antigas e onerosas locomotivas a vapor. Foram encomendas treze locomotivas, que entraram em operação em 1954.

A RFN foi a sucessora da companhia britânica Great Western Railway of Brazil, responsável pela operação ferroviária em Pernambuco, Paraíba, Rio Grande do Norte e Alagoas.

Foram adquiridas para fazer a rota Central do Nordeste, do Recife a Afogados da Ingazeira, 403 km, e na rota Sul, para Maceió, 347 km.

Foi especificada uma locomotiva com truques A1A-A1A, com peso máximo de 12 t por eixo, para uso em linhas de trilhos leves e pontes com baixa capacidade de suporte. A inclinação máxima desses trechos era de 2,5%, com raio de curvas mínimo de 80 metros. Foi especificado pela RFN que as locomotivas iriam fazer viagem de ida e volta em ambas as linhas sem necessidade de reabastecimento. Para manutenção foi construído junto à Estação de Edgar Werneck, no bairro de Areias, na cidade do Recife, um depósito de locomotivas e uma oficina de reparos de mecânica diesel.

Foi proposta pela English Electric (EE) uma locomotiva com peso total de 73 toneladas (abastecida), das quais 49 eram disponíveis para peso aderente, equipadas com motores e equipamentos de transmissão EE e partes mecânicas construídas pela Vulcan Foundry, em Newton-le-Willows, Reino Unido.

Vieram equipadas com um motor diesel modelo EE 8SRKT de 1.000 hp brutos. Entretanto, para aumentar sua confiabilidade, em razão do calor e da umidade do Nordeste, estes tiveram sua potência rebaixada para 874 hp, a 850 rpm. Os motores eram superalimentados por dois superalimentadores (turbos), um para cada quatro cilindros, movido pelos gases de exaustão. Tinham dois ventiladores para os motores de tração, sendo um ventilador por truque.

As locomotivas a vapor demoravam quase 14 horas para percorrer ambas as rotas, sendo esperado que as novas locomotivas diesel-elétricas reduzissem drasticamente esse tempo e ainda aumentassem a lotação máxima das composições.

Dispunham de um visual inglês bastante diferenciado das demais locomotivas diesel, de origem americana e alemã, que já haviam chegado ao território nacional.

Foram baixadas na década de 80, sendo substituídas por locomotivas ALCo RSD-8 e RS-8, que haviam chegado à RFN no final dos anos cinquenta.

Curiosidades[editar | editar código-fonte]

  • Possuíam comandos duplos, para ambos os lados da cabine, permitindo o retorno do trem sem a necessidade de se girar a locomotiva.
  • Sua pintura era similar às locomotivas vendidas em 1957 para a ferrovia argentina Ferrocarril de la Provincia de Buenos Aires (Argentina), sendo o azul predominante na locomotiva da RFN substituído pelo verde na ferrovia argentina. O apelido das máquinas argentinas era Pampas Crickets ou Las Inglesitas.
  • Encontra-se preservada estática no Recife a locomotiva nº 710 nas cores originais da RFN.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Revista Ferroviária, Estradas de Ferro Brasileiras – Locomotivas Diesel-Elétricas existentes em julho de 1957, São Paulo, 1957
  • Cavalcanti, Flavio R. English Electric n° 710 da RF do Nordeste. Revista Centro-Oeste n° 77, 1°-Abr-1993
  • Rodrigues, N.; Dardes, F. As English Electric da RF do Nordeste. Revista Centro-Oeste n° 81, 1°-ago-1993
  • Metre-Gauge locomotives for Brazil. Revista DIESEL RAILWAY TRACTION, Junho, 1954
  • Brazil´s 874-b.h.p. Metre-gauge locos. Revista The Oil Engine and Gas Turbine, Junho, 1954
  • Desenho e dados de especificação da RFFSA – Recife
  • ENGLISH ELECTRIC EXPORTESE, acesso em 15 de Dezembro de 2008.