EF-479

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
EF 479 (Ferroanel Leste)
Área de operação São Paulo
Tempo de operação 1971–Presente
Bitola Bitola larga (1,600 m)
Cerimônia de inauguração da EF 479 em Suzano (1971). Arquivo Público do Estado de São Paulo.

A EF-479 (também conhecida por Trecho Leste do Ferroanel) é uma ligação ferroviária, em bitola larga, que liga a cidade de Suzano á cidade de Rio Grande da Serra. A via parte do Ramal de São Paulo, na Estação Suzano, cruza um pequeno trecho de Ribeirão Pires, até chegar a Estação Rio Grande da Serra, onde se conecta com a Linha Santos-Jundiaí.[1]

História[editar | editar código-fonte]

O ramal foi construído entre 1966 e 1971 pela empresa J.Cardoso de Almeida Sobrinho Engenharia e Construções S/A (atual Ferreira Guedes/Grupo Agis) para atender ao projeto do Anel Ferroviário de São Paulo (correspondendo ao Trecho Leste deste), proposto pela FEPASA e Rede Ferroviária Federal (RFFSA), com o objetivo de evitar o compartilhamento da malha ferroviária entre os trens urbanos de passageiros e os trens de cargas que vêm do Ramal de São Paulo e seguem para o porto de Santos. Com 31 km de extensão, a EF-479 foi inaugurada em 4 de agosto de 1971. Sua construção custou NCr$ 23.500.000,00 à época.[2][3]

Sem este ramal, os cargueiros teriam que seguir pelo Ramal de São Paulo até a Estação Brás para acessar a Linha Santos-Jundiaí e daí seguir em direção ao porto, utilizando grandes trechos que formam a malha dos trens urbanos de passageiros, atualmente da CPTM.

Com a preferência pela Variante do Parateí, os cargueiros vindos do Ramal de São Paulo passaram a acessar a Região Metropolitana de São Paulo pela Estação Engenheiro Manuel Feio, em Itaquaquecetuba, tendo que compartilhar a malha com os trens urbanos de passageiros até a Estação Suzano, para então acessar a EF-479 e seguir para o Porto de Santos.

Por conta dos conflitos gerados pelo compartilhamentos, em 2014 a concessionaria MRS Logística concluiu a chamada Segregação Leste, uma linha de 12 km de extensão, que segue paralela aos trilhos da CPTM entre a Estação Engenheiro Manuel Feio e a Estação Suzano, sendo exclusiva para trens cargueiros, eliminando o compartilhamento. A Segregação Leste passou a ser uma "extensão" da EF-479 até o início da Variante do Parateí, em Itaquaquecetuba[4].

Operação[editar | editar código-fonte]

Em 1996 a EF-479 foi concedido pela RFFSA para a empresa MRS Logística, juntamente com o Ramal de São Paulo e a Linha Santos-Jundiaí.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. «LEI Nº 5.917 - Plano Nacional de Viação» (PDF). Câmara dos Deputados do Brasil. 1973. Consultado em 25 de abril de 2019 
  2. J.Cardoso de Almeida Sobrinho Engenharia e Construções S/A (8 de agosto de 1971). «Anúncio publicitário». Folha de S.Paulo, ano LI, edição 15393, página 7. Consultado em 25 de abril de 2019 
  3. «Andreaza inaugura primeira etapa do Anel Ferroviário». Folha de S. Paulo, ano LI, edição 15390, página 9. 5 de agosto de 1971. Consultado em 25 de abril de 2019 
  4. https://www.mrs.com.br/post-blog-mrs/mrs-conclui-segregacao-leste/

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre transporte ferroviário é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.