Ecologia organizacional

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Wikitext.svg
Esta página ou seção precisa ser wikificada (desde agosto de 2015).
Por favor ajude a formatar esta página de acordo com as diretrizes estabelecidas no livro de estilo.
Question book.svg
Esta página ou secção não cita fontes confiáveis e independentes, o que compromete sua credibilidade (desde agosto de 2015). Por favor, adicione referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Conteúdo sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)

Ecología Organizacional

A teoria da ecologia organizacional teve como publicação seminal o artigo de Michael T. Hannan e John Freeman (1977), intitulado “The population ecology of organizations”, este aborda uma diferente análise organizacional que era a teoria da ecologia organizacional, que pretendia identificar o motivo da existência de tanta diversidade de organizações. Mas ao invés de focar na adequação das organizações, esta teoria destacou a questão da seleção natural.

Para Hannan e Freeman (1977 apud Mintzberg, Ahlstrand e Lampel, 2000) as organizações podem desenvolver uma capacidade de adaptação, porem com penalidade de desempenho. A sobrevivência de uma organização adaptada depende da natureza do ambiente e as situações competitivas. Para eles o conceito de seleção, aplicado à ecologia organizacional, significa que o ambiente seleciona as organizações, causando a morte de outras, a seleção leva à evolução, que é a seleção sistemática.

Até então a unidade de análise das teorias eram organizacionais. Na abordagem ecológica dos estudos organizacionais se utiliza três unidades de análise: o individuo, a população e a comunidade. Porém, na ecologia organizacional, são cinco as unidade analisadas:

a) Membros de uma organização;

b) Subunidades;

c) Organizações individuais

d) Populações de organizações; e

e) Comunidades (populações) de organizações.

O acréscimo de mais duas unidades de análise, quando comparada à ecologia biológica, deve-se a característica que as organizações podem ser compostas em mais partes do que organismos. Membros e subunidades podem se mover entre as organizações, fenômenos este só observado em organizações humanas.

Hannan e Freeman apresentam por fim, um conceito importante para a teoria da ecologia organizacional. É noção de que, tal como na biologia, as espécies carregam com elas uma estrutura genética que contem as regras de transformação de energia em estrutura. Nas organizações, esta sua estrutura genética é representada por: a estrutura organizacional; padrões de ação e comportamento organizacional; e estrutura normativa que é a forma que as organizações são definidas e tratadas como corretas por seus membros e pela sociedade. Enfim, Hannan e Freeman propõem uma teoria de análise organizacional semelhante à teoria a análise biológica. Sendo assim a ecologia organizacional tem como objetivo identificar por que existem tantos tipos de organização.

A ecologia organizacional procura explicar como os elementos políticos, sociais e econômicos afetam as organizações num dando período de tempo.[1]

Ícone de esboço Este artigo sobre Biologia é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.
  1. Joel A. C. Baum