Ecologia profunda

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

Conceito proposto pelo filósofo e ecologista norueguês Arne Næss em 1973,[1] , a Ecologia Profunda, tradução direta do inglês deep, é um conceito filosófico que vê a humanidade como mais um fio na "teia da vida"(web of life).[1]

Cada elemento da natureza, inclusive a humanidade, deve ser preservado e respeitado para garantir o equilíbrio do sistema da biosfera. O termo foi criado para contrapor o conceito de "ecologia rasa", ideia vigente até os tempos atuais no qual humanos são o centro de tudo, a natureza somente um detalhe a ser explorado. O conceito tem sido desafiado principalmente por "ser religioso" e não levar em consideração mudanças culturais. Formas alternativas de pensar são [1] : ecofeminismo e ecologia social. Como destaca [1] , essas áreas possuem bastante em comum e deveria ser unificadas em vez de competirem entre se por atenção.

Enquanto a ecologia seria um estudo das interações entre os seres vivos e destes com o ambiente, a Ecologia Profunda é uma forma de pensar e agir, dentro da ecologia ou de qualquer outra atividade.

O conceito foi proposto como uma resposta ao paradigma dominante e à visão dominante sobre o uso dos recursos naturais. No entanto, Capra [1] encara a filosofia como algo mais, uma forma de pensar na qual se questiona tudo, em vez de descartar o que temos.

Influências[editar | editar código-fonte]

A ecologia profunda possui influência do pensamento de Gandhi, Thoreau, Rousseau, Aldo Leopoldo e muitos outros.

Arne Naess e a teoria do caos. Baseia-se em novas formas científicas de pensar, conhecidas como Pensamento sistêmico, presente em áreas como biologia sistêmica e análise de vida do ciclo do produto.

Definição de autores[editar | editar código-fonte]

Nas palavras de Fritjof Capra: "O ambientalismo superficial é antropocêntrico. Vê o homem acima ou fora da natureza, como fonte de todo valor, e atribui a natureza um valor apenas instrumental ou de uso. A Ecologia Profunda não o separa". [1]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. a b c d e f Fritjof Capra. The Web of Life: A New Scientific Understanding of Living Systems. Anchor Books Doubleday, 1996.