Economia da Coreia do Norte

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Vista de Pyongyang, a capital e o maior centro comercial do país.

A Coreia do Norte tem uma economia industrializada, autárquica, e altamente centralizada. Dos países socialistas restantes do mundo, a Coreia do Norte é um dos apenas dois, junto a Cuba, com uma economia inteiramente planejada pelo governo.

A política de isolação da Coreia do Norte faz com que o comércio internacional seja muito restrito, dificultando um potencial significativo do crescimento da economia. Apesar de sua localização estratégica no Leste da Ásia nos últimos três anos o crescimento do PIB tem sido negativo (2008-2011).[1]

Até 1998, as Nações Unidas publicavam o IDH e o PIB per capita da Coreia do Norte, que se situava em um nível médio de desenvolvimento humano em 0,766 (na 75º posição) e o PIB per capita de US$ 4 058.[2] A média salarial é de cerca de US$ 47 por mês.[3] Apesar dos problemas econômicos, a qualidade de vida está melhorando e os salários estão subindo constantemente.[4] Mercados privados de pequena escala, conhecidos como janmadang, existem em todo o país e fornecem à população comidas importadas e determinados commodities em troca de dinheiro, ajudando então a reduzir a grave fome.[5]

A economia da Coreia do Norte é completamente nacionalizada, o que significa que alimentos, habitação, saúde e educação são oferecidos pelo Estado gratuitamente.[6] A cobrança de impostos foi abolida desde 1º de abril de 1974.[7] A fim de aumentar a produtividade da agricultura e da indústria, desde os anos 1960, o governo norte-coreano introduziu inúmeros sistemas de gestão tais como o sistema de trabalho Taean.[8] No século XXI, o crescimento do PIB norte-coreano foi lento porém constante, tendo aumentado de 0,8% em 2011, depois de dois anos de crescimento negativo.[9] A agricultura ainda não produz o suficiente para alimentar a população, sendo necessário importar 340 000 toneladas de cereais no ano de 2013/2014.[10] O solo encontrado na península coreana não é muito fértil. Alguns lugares no sul são cobertos por terra vermelha; o resto da terra é ainda pior. Isto significa que altos rendimentos podem ser conseguidos apenas por constantes fertilizações do solo. Na década de 50, a região sul da península era uma das mais miseráveis do mundo. Passado décadas de profundas mudanças institucionais, a Coreia do Sul se tornou um dos líderes globais em segurança alimentar. Na Coreia do Norte, em contrapartida, a fome se transformou num mecanismo de poder utilizado pelo estado norte coreano para definir quem vive e quem morre.[11] [12] Os norte-coreanos falam sobre a “Marcha Árdua”, quando seca, fome e enchentes so­madas à perda da maioria dos parceiros comerciais do país causaram grandes re­trocessos ao país que até os anos de 1980 tinha uma qualidade de vida mais alta do que a da sua vizinha Coreia do Sul.[13]

Economia setorial[editar | editar código-fonte]

Com base em estimativas de 2002, o setor dominante da economia norte-coreana é a indústria (43,1%), seguida pela prestação de serviços (33,6%) e a agricultura (23,3%). Em 2004, foi estimado que a agricultura empregou 37% da força de trabalho, enquanto a indústria e a prestação de serviços empregaram os restantes 63%.[14] As maiores indústrias incluem produtos militares, construção de máquinas, energia elétrica, produção química, mineração, metalurgia, produção têxtil, processamento de alimentos e turismo.

Crescimento anual do PIB.[15]
2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011
1,3 % 3,7 % 1,2 % 1,8 % 2,2 % 1,0 % 1,6 % 1,8 % 3,7 % -0,9 % -0,5 % 0,8 %

Em 2011, de acordo com a FAO a Coreia do Norte importou 8 000 toneladas de maçãs e 148 000 de milho para atender o consumo interno.[16] O país tem importantes recursos naturais e é o 18º maior produtor de ferro e zinco do mundo, tendo a 22ª maior reserva de carvão do mundo. Também é o 15ª maior produtor de fluorita e o 12º maior produtor de cobre e sal na Ásia. Outras maiores reservas naturais em produção incluem: chumbo, tungstênio, grafita, magnesita, ouro, pirita, fluorita, e energia hidráulica.[14]

Comércio exterior[editar | editar código-fonte]

Granja coletiva, na província norte-coreana de Chagang.

A RPChina e a Coreia do Sul são os maiores doadores de alimentos da Coreia do Norte. Os Estados Unidos alegam que não doam alimentos devido à falta de supervisão.[17] Em 2005, a RPChina e a Coreia do Sul combinaram fornecer 1 milhão de toneladas de alimentos, cada um contribuindo metade.[18] Para além da ajuda alimentar, a RPChina fornece uma estimativa de 80 a 90 % das importações de óleo da Coreia do Norte a "preços amigáveis" que são nitidamente inferiores com preço do mercado mundial.[19]

Em 19 de setembro de 2005, a Coreia do Norte prometeu ajuda combustível e vários outros incentivos não-relacionados ao alimentício da Coreia do Sul, dos Estados Unidos, do Japão, da Rússia, e da RPChina em troca de abandonar o programa de armamento nuclear e regressar ao Tratado de Não-Proliferação de Armas Nucleares. Fornecendo alimentos em troca de abandonar programas de armamentos foi, historicamente, evitado pelos Estados Unidos para não ser visto como um "usar comida como uma arma".[20] A ajuda humanitária dos vizinhos da Coreia do Norte foi cortada, por vezes, para provocar a Coreia do Norte a retomar negociações. Por exemplo, a Coreia do Sul teve a "consideração adiada" de 500 000 toneladas de arroz para o Norte em 2006, porém a ideia de fornecer alimentos como um claro incentivo (em oposição em retomar a "ajuda humanitária em geral") tem sido evitada.[21] Há também rompimentos da ajuda devido ao roubo generalizado de vagões usados pela RPChina para entregar ajuda alimentar.[22]

Em julho de 2002, a Coreia do Norte começou a experimentar o capitalismo privado na Região Industrial de Kaesong.[23] Um pequeno número de outras áreas foram designadas como Regiões Administrativas Especiais, incluindo Sinŭiju junto com a fronteira China-Coreia do Norte. A RPChina e a Coreia do Sul são os maiores parceiros comerciais da Coreia do Norte, sendo que o comércio com a RPChina aumentou 15% a US$ 1,6 bilhões em 2005, e o comércio com a Coreia do Sul aumento 50% a mais de 1 bilhão pela primeira vez em 2005.[20] É relatado que o número de telefones móveis em Pyongyang passou de apenas 3 000 em 2002 para aproximadamente 20 000 durante o ano de 2004.[24] Em junho de 2004, no entanto, os telefones móveis tornaram-se proibidos novamente.[25] Um pequeno número de elementos capitalistas estão gradualmente se espalhando da área experimental, incluindo cartazes de publicidades ao longo de certas estradas. Visitantes recentes reportaram que o comércio de fazendas cresceu em Kaesong e Pyongyang, bem como na fronteira RPChina-Coreia do Norte, ignorando o sistema de racionamento de alimentos.

Cada vez mais investimentos externos foram aceitos desde 2002.[26]

Em um evento chamado "incidente Pong Su", em 2003, um navio de carga norte-coreano, supostamente tentando contrabandear heroína da Austrália foi apreendido por oficiais australianos, reforçando suspeitas da Austrália e dos Estados Unidos de que Pyongyang se envolve no tráfico internacional de drogas. O governo norte-coreano negou qualquer envolvimento.[27]

Turismo[editar | editar código-fonte]

O turismo na Coreia do Norte é organizado pela estatal Organização de Turismo ("Ryohaengsa"). Cada grupo de viajantes bem como visitantes/turistas individuais são permanentemente acompanhados por um ou dois "guias", que normalmente falam o idioma materno e o idioma do turista. Enquanto o turismo tem aumentado ao longo dos últimos anos, turistas de países ocidentais continuam poucos. A maioria dos turistas vem da RPChina, Rússia e Japão. Cidadãos russos da parte asiática preferem a Coreia do Norte como um destino turístico devido aos relativos baixos preços, falta de poluição e o clima mais quente. Para cidadãos dos Estados Unidos e da Coreia do Sul, é praticamente impossível obter um visto para a Coreia do Norte. Exceções a cidadãos estadunidenses são feitas para o Festival Arirang anualmente.

Na área envolta das montanhas Kŭmgangsan, a companhia Hyundai estabeleceu e opera uma área turística especial. Também é possível para sul-coreanos e norte-americanos viajar para esta área, porém apenas em grupos organizados na Coreia do Sul. Uma região administrativa especial conhecida como Região Turística de Kumgang-san existe para este propósito. Viagens para esta região foram temporariamente suspensas desde que uma mulher sul-coreana, que passeava em uma zona militar foi morta a tiros por guardas da fronteira no final de 2008.[28]

Fome[editar | editar código-fonte]

Fotografia da Península Coreana à noite, tidas através de observações da DMSP. A disparidade dos níveis de iluminação é dita por alguns como indicador da diferença em desenvolvimento energético e econômico entre o Norte e o Sul.[29] [30] .

Na década de 1990, a Coreia do Norte sofreu perturbações econômicas significativas, incluindo uma série de desastres naturais, uma má gestão econômica e uma grave escassez de recursos, após o colapso do Bloco do Leste. Isto resultou em um déficit de produção de grãos de mais de 1 milhão de toneladas do que o país precisa para atender as exigências dietéticas mínimas.[31] A fome da Coreia do Norte, conhecida como "Marcha Árdua", resultou em mortes de entre 300 000 e 800 000 norte-coreanos por ano durante uma fome de três anos, atingindo em 1997, 2 milhões de mortos, sendo "a maior estimativa possível".[32] As mortes foram provavelmente causadas por doenças relacionadas à fome, como a pneumonia, a tuberculose, e a diarreia, ao invés da inanição.[32]

Em 2006, a Anistia Internacional informou que um inquérito alimentar nacional realizado pelo governo norte-coreano, o Programa Alimentar Mundial, e a UNICEF, viu que 7% das crianças eram gravemente desnutridas; 37% eram cronicamente desnutridas; 23,4% eram abaixo do peso; e uma dentre três mães foram desnutridas e/ou anêmicas, como resultado do efeito prolongado da fome. A inflação causada por algumas das reformas econômicas em 2002, incluindo a política de Songun, foi citada como causa do aumento dos preços das comidas básicas.[33]

A história da assistência japonesa à Coreia do Norte foi marcada por agitações, a partir de uma larga comunidade de norte-coreanos pro-Pyongyang no Japão para indignação pública sobre o lançamento de um míssil norte-coreano em 1998 e revelações sobre sequestros de cidadãos japoneses.[34] Em junho de 1995, um acordo foi alcançado, em que ambos os países deveriam agir conjuntamente.[34] A Coreia do Sul proporcionaria 150 000 MT de grãos em sacos sem marcação, e o Japão proporcionaria 150 000 MT gratuitamente e outros 150 000 em condições favoráveis.[34] Em outubro de 1995 e janeiro de 1996, a Coreia do Norte novamente se aproximou do Japão para obter assistência. Nessas duas ocasiões, as quais vieram em momentos cruciais na evolução da fome, a oposição da Coreia do Sul anulou suas promoções.[34] Iniciando em 1997, os Estados Unidos começou a enviar ajuda alimentar à Coreia do Norte, através do Programa de Alimentar Mundial das Nações Unidas, para combater a fome. Os envios atingiram, em 1999, cerca de 700 000 tons, fazendo dos Estados Unidos o maior doador externo para o país na época. Sob a administração de George W. Bush, a ajuda foi drasticamente reduzida ano após ano de 350 000 tons em 2001 para 40 000 em 2004.[35] A administração de Bush recebeu duras críticas por usar "comida como uma arma" durante conversas sobre o programa de armamento nuclear da Coreia do Norte, porém insistiu que os critérios da Agência de Desenvolvimento Internacional (USAID) eram os mesmos para todos os países e que a situação da Coreia do Norte "melhorou significativamente desde seu colapso em meados dos anos 1990". A produção agricultural cresceu de cerca de 2,7 milhões toneladas métricas em 1997 para 4,2 milhões de toneladas métricas em 2004.[17]

Referências

  1. "Gross Domestic Product Estimates for North Korea for 2011" (PDF). The Bank of Korea [S.l.: s.n.] 9 de Julho de 2012. Consultado em 3 de junho de 2014.  |nome1= sem |sobrenome1= em Authors list (Ajuda)
  2. "Human Development Report 1998". United Nations Development Programme. 1998. Consultado em 2009-07-04. 
  3. Welcome to North Korea. Rule No. 1: Obey all rules, Steve Knipp, Contributor to The Christian Science Monitor. December 2, 2004.
  4. Ryu, Yi-geun; Daniel Rakove (2007-05-30). "[Feature] In reclusive North, signs of economic liberalization". The Hankyoreh The Hankyoreh Media Company [S.l.] Consultado em 2009-07-04. 
  5. Jangmadang Will Prevent “Second Food Crisis” from Developing, DailyNK, 2007-10-26
  6. "COUNTRY PROFILE: NORTH KOREA" (PDF). Library of Congress – Federal Research Division. July 2007. Consultado em 2009-07-04. 
  7. "DPRK--Only Tax-free Country". Consultado em 2009-06-19. 
  8. The Taean Work System
  9. "Gross Domestic Product Estimates for North Korea for 2011" (PDF). The Bank of Korea [S.l.: s.n.] 9 de Julho de 2012. Consultado em 3 de junho de 2014. 
  10. "2013 cereal harvest forecast to increase" UN FAO Statistics Division [S.l.] 12 de dezembro de 2013. Consultado em 3 de junho de 2014. 
  11. http://liberzone.com.br/o-pais-mais-fechado-do-mundo-2/
  12. http://player.mashpedia.com/player.php?q=OK2_JvZhFj4&lang=pt
  13. http://defence.pk/threads/13-observations-about-north-korea-by-a-western-visitor.310672/
  14. a b "Korea, North". The World Factbook. 2009. Consultado em 2009-09-19. 
  15. "Gross Domestic Product Estimates for North Korea for 2011" (PDF). The Bank of Korea [S.l.: s.n.] 9 de Julho de 2012. Consultado em 3 de junho de 2014.  |nome1= sem |sobrenome1= em Authors list (Ajuda)
  16. "Tops imports Democratic People’s Republic of Korea - 2011" UN FAO Statistics Division [S.l.] 2011. Consultado em 3 de junho de 2014. 
  17. a b "Report on U.S. Humanitarian assistance to North Koreans" (PDF). United States House Committee on Foreign Affairs. 2006-04-15. Consultado em 2007-08-01. 
  18. "North Korea: Ending Food Aid Would Deepen Hunger". Human Rights Watch. 2006-10-11. Consultado em 2007-08-02. 
  19. Nam, Sung-wook (2006-10-26). "China's N.K. policy unlikely to change". The Korea Herald. Consultado em 2007-08-02. 
  20. a b "Fourth round of Six-Party Talks". CanKor, on Korean Peace and Security. 2005-09-27. Consultado em 2007-08-01. 
  21. Faiola, Anthony (2006-07-14). "S. Korea Suspends Food Aid to North". Washington Post. Consultado em 2007-08-02. 
  22. <A class=htc href="LiveCall:47-0000779">47-0000779</A>fd2ac.html?nclick_check=1 "China halts rail freight to North Korea" |url= incorrecta (Ajuda). Financial Times. 2007-10-18. Consultado em 2007-10-18. 
  23. French, Howard W. (2002-09-25). "North Korea to Let Capitalism Loose in Investment Zone". The New York Times. Consultado em 2007-08-02. 
  24. MacKinnon, Rebecca (2005-01-17). "Chinese Cell Phone Breaches North Korean Hermit Kingdom". Yale Global Online. Consultado em 2007-08-02. 
  25. "North Korea recalls mobile phones". The Sydney Morning Herald. 2004-06-04. Consultado em 2007-08-02. 
  26. Felix Abt, North Korea – A demanding business environment / Practical advice on investing and doing business, German Asia-Pacific Business Association, Hamburg, September 2009
  27. "N Korean heroin ship sunk by jet". BBC News. 2006-03-23. Consultado em 2007-08-02. 
  28. "S Korea hopes DPRK to begin dialogue over S Korean tourist shot dead". chinaview.cn. Consultado em 2009-07-12. 
  29. Zeller Jr., Tom (October 23 2006). "The Internet Black Hole That Is North Korea" The New York Times [S.l.] Consultado em December 26 2008. 
  30. Powell, Bill (August 14 2007). "North Korea" Time [S.l.] Consultado em December 26 2008. 
  31. Federal Research Division of the US Library of Congress (2007). "North Korea - Agriculture". Country Studies. Consultado em 2007-08-01. 
  32. a b Lee, May (1998-08-19). "Famine may have killed 2 million in North Korea". CNN. Consultado em 2007-08-01. 
  33. "Asia-Pacific : North Korea". Anistia Internacional. 2007. Consultado em 2007-08-01. 
  34. a b c d Haggard Stephan; Marcus Noland (2007). Ch6 The political economy of aid: Famine in North Korea. New York: Columbia University Press. p. 137.
  35. Solomon, Jay (2005-05-20). "US Has Put Food Aid for North Korea on Hold". Wall Street Journal. Consultado em 2007-08-01. 
Portal A Wikipédia possui o portal:
Bandeira da Coreia do Norte Coreia do Norte
Bandeira • Brasão • Hino • Cultura • Demografia • Economia • Forças Armadas • Geografia • História • Portal • Política • Subdivisões • Imagens