Economia da Hungria

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Economia da Hungria
Edifícios comerciais de Budapeste.
Moeda Florim húngaro
Ano fiscal Ano calendário
Blocos comerciais OMC, União Europeia, OCDE
Banco Central Banco Nacional da Hungria
Estatísticas
Bolsa de valores Bolsa de Valores de Budapeste
PIB
  • Aumento $161,182 bilhões (nominal, 2018)[1]
  • Aumento $312,052 bilhões (PPC, 2018)[1]
Variação do PIB Aumento 4,4% (2019)[2]
PIB per capita
  • Aumento $16,484 (nominal, 2018)[1]
  • Aumento $31,914 (PPC, 2018)[1]
PIB por setor agricultura 4,1%, indústria 29,1%, comércio e serviços 66,7% (2011)
Inflação (IPC)
  • 3,367% (2019 est.)[1]
  • 2,849% (2018)[1]
  • 2,4% (2017)[3]
População
abaixo da linha de pobreza
BaixaPositiva 14,9% (2014)[4]
Coeficiente de Gini 28,7 (2018)[5]
Força de trabalho total Baixa 4,669,760 (2019)[6]
Força de trabalho
por ocupação
agricultura 4,7%, indústria 30,9%, comércio e serviços 64,4% (2010)
Desemprego AumentoNegativo 3,5% (setembro de 2019)[7]
Principais indústrias mineração, metalurgia, materiais de construção, alimentos processados, têxteis, produtos químicos (especialmente produtos farmacêuticos), veículos automóveis
Exterior
Exportações Aumento $125,75 bilhões (2017)[8]
Produtos exportados máquinas e equipamentos 55,3%, outros manufaturados 30,6%, produtos alimentares 7,4%, matérias-primas 3,2%, combustíveis e eletricidade 3,3% (est. 2009)
Principais parceiros de exportação Alemanha 25%, Romênia 5,7%, Áustria 5,4%, Eslováquia 5,4%, Itália 5%, França 4,8%, Reino Unido 4,6% (2010)
Importações Aumento $115,63 bilhões (2017)[8]
Produtos importados máquinas e equipamentos 44,7%, outros produtos industrializados 41,3%, combustíveis e energia elétrica 5,1%, produtos alimentícios, matérias-primas 6,7%
Principais parceiros de importação Alemanha 24,7%, Rússia 8,5%, República Popular da China 8,4%, Áustria 6,2%, Eslováquia 4,9%, Polônia 4,7%, Países Baixos 4,4%, Itália 4,3% (2010)
Dívida externa bruta BaixaPositiva 73,6% do PIB (2017 est.)[9]
Finanças públicas
Dívida pública AumentoNegativo $138,1 bilhões (2017)[9]
Receitas $61,98 bilhões (2017 est.)[9]
Despesas $64,7 bilhões (2017 est.)[9]
Fonte principal: The World Factbook
Salvo indicação contrária, os valores estão em US$

A Hungria tem uma economia de porte médio, aberta estrutural, política e institucionalmente, e integrada desde 2004 à União Europeia. Tal como outras economias do Leste Europeu, fez uma transição de uma economia centralizada e planificada para uma economia de mercado nos anos 1990. Hoje o setor privado responde por 80% do produto interno bruto do país. Os investimentos estrangeiros e a posse de empresas húngaras por particulares acumulam mais de 60 bilhões de dólares desde 1989. As medidas de austeridade propostas pelo FMI reduziram o déficit orçamentário de mais de 9% em 2006 para 3,3% do PIB em 2010.

Alguns dados históricos[editar | editar código-fonte]

Outrora o principal celeiro do Império Austro-Húngaro, a Hungria sempre teve na agricultura um dos seus principais setores econômicos. Essa importância do setor agrícola se deve à abundância de terras férteis e por quase 90% do seu território ser plano, o que facilita a mecanização: mais de 50% do seu território é cultivado, produzindo milho e trigo em grande quantidade.

Durante o ano de 1946, o país passou por uma crise, registrando a maior inflação já vista no mundo, atingindo os 195% ao dia, com os preços dos produtos dobrando a cada 15 horas.[10]

Sob o regime socialista, a agricultura mecanizou-se, aumentando sua produtividade e variedade. Nos anos 80 o país produziu mais de 16 milhões de toneladas de grãos. Com o fim do regime socialista a agricultura se ressentiu da perda do apoio intensivo do Estado. Nos anos 90 a produção reduziu-se para aproximadamente 10 milhões de toneladas, recuperando no início do século XXI sua antiga vitalidade com a produção recorde de 17 milhões de toneladas de grãos.

A industrialização do país também se intensificou a partir da tomada do poder pelos comunistas que desenvolveram intensos projetos de aproveitamento dos recursos naturais. Nos anos 80 o setor industrial chegou a corresponder a 50% do PIB, e era considerado mais moderno e diversificado da Europa Oriental, produzindo e exportando bens de consumo duráveis e não duráveis, equipamentos elétricos, máquinas e produtos metalúrgicos.

Outro setor que se destaca é o do turismo recebendo mais de 10 milhões de turistas por ano.

As transformações que a economia húngara vem passando nos últimos anos com a privatização da economia e modernização tanto da indústria como da agricultura ocorreram sem grandes solavancos. Ao contrário de outros países do leste Europeu que sofreram muito com a reestruturação capitalista da economia, a Hungria foi relativamente bem sucedida nos anos 90. Depois de alguns anos de retrocesso econômico o país voltou a crescer. Esse sucesso deve-se a um conjunto de fatores, entre eles por a Hungria já ter uma economia reformada desde os anos 60, voltada tradicionalmente para exportação. Sob o regime socialista a mesma já tinha um setor industrial e agrícola competitivos, fator esse que permitiu o país enfrentar com tranquilidade os momentos mais difíceis das mudanças políticas dos anos 90.

Na primeira década do século XXI a Hungria continuou a mostrar um forte crescimento e a trabalhar para aproximar a sua economia da média da União Europeia.

Comércio exterior[editar | editar código-fonte]

Em 2020, o país foi o 34º maior exportador do mundo (US $ 121,9 milhões em mercadorias, 0,7% do total mundial). Na soma de bens e serviços exportados, chega a US $ 134,1 bilhões e fica em 33º lugar mundial.[11][12] Já nas importações, em 2019, foi o 32º maior importador do mundo: US $ 115,5 bilhões.[13]

Setor primário[editar | editar código-fonte]

Agricultura[editar | editar código-fonte]

Colheita de trigo em Ráckeresztúr, Fejér.
Vinhedo em Tarcal, Borsod-Abaúj-Zemplén.

A Hungria produziu, em 2018[14]:

  • 7,9 milhão de toneladas de milho (15º maior produtor do mundo);
  • 5,2 milhão de toneladas de trigo;
  • 1,8 milhão de toneladas de girassol (8º maior produtor do mundo);
  • 1,1 milhão de toneladas de cevada;
  • 1 milhão de toneladas de colza (14º maior produtor do mundo);
  • 941 mil toneladas de beterraba, que serve para produzir açúcar e etanol;
  • 674 mil toneladas de maçã;
  • 539 mil toneladas de uva;
  • 330 mil toneladas de batata;
  • 330 mil toneladas de triticale;
  • 211 mil toneladas de tomate;
  • 181 mil toneladas de soja;
  • 178 mil toneladas de melancia;
  • 88 mil toneladas de centeio;
  • 83 mil toneladas de cereja;
  • 59 mil toneladas de aveia;
  • 46 mil toneladas de ameixa;
  • 26 mil toneladas de cogumelo e trufa;
  • 25 mil toneladas de pera;
  • 24 mil toneladas de pêssego;
  • 14 mil toneladas de damasco;

Além de outras produções de outros produtos agrícolas.[14]

Pecuária[editar | editar código-fonte]

Criação de porcos em Békés.

Em 2019, a Hungria produziu 1,9 bilhão de litros de leite de vaca, 462 mil toneladas de carne suína, 335 mil toneladas de carne de frango, 90 mil toneladas de carne de pato, 78 mil toneladas de carne de peru, 30 mil toneladas de carne bovina, entre outros.[15]

Setor secundário[editar | editar código-fonte]

Indústria[editar | editar código-fonte]

O Banco Mundial lista os principais países produtores a cada ano, com base no valor total da produção. Pela lista de 2019, a Hungria tinha a 48ª indústria mais valiosa do mundo (US $ 28,9 bilhões).[16]

Em 2019, a Hungria era a 21ª maior produtora de veículos do mundo (789,8 mil). Já na produção de aço, não constava entre os 40 maiores do mundo.[17][18][19] Em 2018, o país foi o 5º maior produtor do mundo de óleo de girassol[20] e o 14º maior produtor do mundo de vinho.[21]

Energia[editar | editar código-fonte]

Hidroelétrica de Tisza.

Nas energias não-renováveis, em 2020, o país era o 67º maior produtor de petróleo do mundo, extraindo 16,4 mil barris/dia.[22] Em 2011, o país consumia 141 mil barris/dia (68º maior consumidor do mundo).[23][24] O país foi o 43º maior importador de petróleo do mundo em 2013 (115,3 mil barris/dia).[22] Em 2015, a Hungria era o 58º maior produtor mundial de gás natural, 1,7 bilhões de m3 ao ano. Em 2019 o país era o 51º maior consumidor de gás (9,8 bilhões de m3 ao ano) e era o 24º maior importador de gás do mundo em 2010: 9,6 bilhões de m3 ao ano.[25] Na produção de carvão, o país foi o 26º maior do mundo em 2018: 8 milhões de toneladas.[26]

Nas energias renováveis, em 2020, a Hungria era o 55º maior produtor de energia eólica do mundo, com 0,3 GW de potência instalada, e o 30º maior produtor de energia solar do mundo, com 1,9 GW de potência instalada.[27]

Setor terciário[editar | editar código-fonte]

Turismo[editar | editar código-fonte]

Em 2018, a Hungria foi o 23º país mais visitado do mundo, com 17,1 milhões de turistas internacionais. As receitas do turismo, neste ano, foram de US $ 6,9 bilhões.[28]

Referências

  1. a b c d e f «World Economic Outlook Database, October 2019». IMF.org. International Monetary Fund. Consultado em 15 de outubro de 2019 
  2. «Europe and Central Asia Economic Update, Fall 2019 : Migration and Brain Drain p. 13» (PDF). openknowledge.worldbank.org. World Bank. Consultado em 12 de outubro de 2019 
  3. «Consumer prices.». Hungarian Central Statistical Office. Consultado em 25 de dezembro de 2019 
  4. «Poverty headcount ratio at national poverty lines (% of population) - Hungary». data.worldbank.org. World Bank. Consultado em 29 de novembro de 2019 
  5. «Gini coefficient of equivalised disposable income - EU-SILC survey». ec.europa.eu/eurostat. Eurostat. Consultado em 10 de julho de 2019 
  6. «Labor force, total - Hungary». data.worldbank.org. World Bank. Consultado em 29 de novembro de 2019 
  7. «Unemployment by sex and age - monthly average». appsso.eurostat.ec.europa.eu. Eurostat. Consultado em 29 de novembro de 2019 
  8. a b «.In January–December 2017 The value of exports amounted to EUR 100.6 billion (HUF 31,103 billion) and that of imports to EUR 92.5 billion (HUF 28,602 billion). EUR/USD was 1,25x100.6 and 92.5.». Hungarian Central Statistical Office. Consultado em 25 de dezembro de 2019 
  9. a b c d «The World Factbook». Central Intelligence Agency. Consultado em 18 de janeiro de 2019 
  10. «Inflação do Zimbábue pode ter superado 89 sextilhões por cento, diz instituto». G1. Consultado em 21 de julho de 2017 
  11. Trade Map - List of exporters for the selected product in 2018 (All products)
  12. Market Intelligence: Disclosing emerging opportunities and hidden risks
  13. «International Trade Statistics». International Trade Centre. Consultado em 25 de agosto de 2020 
  14. a b Hungary production in 2018, by FAO
  15. Pecuária da Hungria em 2019, pela FAO
  16. Fabricação, valor agregado (US $ corrente)
  17. World vehicle production in 2019
  18. World crude steel production
  19. Global crude steel output increases by 3.4% in 2019
  20. Produção de óleos, pela FAO
  21. Major Wine Producers
  22. a b Annual petroleum and other liquids production
  23. Statistical Review of World Energy, June 2020
  24. The World Factbook — Central Intelligence Agency
  25. CIA. The World Factbook. Natural gas - production.
  26. Statistical Review of World Energy 2018
  27. RENEWABLE CAPACITY STATISTICS 2021
  28. Destaques do turismo internacional


Hungary stub.svg Hungria
História  •  Política  •  Forças Armadas  •  Subdivisões  •  Geografia  •  Economia  •  Transportes  •  Comunicações  •  Demografia  •  Educação  •  Cultura  •  Turismo  •  Portal  •  Imagens