Economia da Nicarágua

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Economia da Nicarágua
Moeda Córdoba
Ano fiscal Ano calendário
Blocos comerciais OMC, SICA
Estatísticas
PIB 17,34 bilhões (2010) (132º lugar)
Variação do PIB 2,8% (2010)
PIB per capita 2,900 (2010)
PIB por setor agricultura 17,6%, indústria 26,5%, comércio e serviços 56% (2010)
Inflação (IPC) 4,7% (2010)
População
abaixo da linha de pobreza
48% (2005)
Coeficiente de Gini 43,1 (2001)
Força de trabalho total 2 343 000 (2010)
Força de trabalho
por ocupação
agricultura 28%, indústria 19%, comércio e serviços 53% (2010)
Desemprego 8% (2010)
Principais indústrias processamento de alimentos, produtos químicos, máquinas e produtos de metal, roupas de , refino e distribuição de petróleo, bebidas, calçados, madeira
Exterior
Exportações 3 182 milhões (2010)
Produtos exportados café, carne, camarão e lagosta, tabaco, açúcar, ouro, amendoim; têxteis e roupas,
Principais parceiros de exportação Estados Unidos 61,98%, El Salvador 7,74%, Costa Rica 3,67% (2009)
Importações 4 700 milhões (2010)
Produtos importados bens de consumo, máquinas e equipamentos, matérias-primas, derivados de petróleo,
Principais parceiros de importação Estados Unidos 22,63%, Venezuela 12,27%, México 9,05%, Costa Rica 8,66%, República Popular da China 7,16%, Guatemala 6,59%, El Salvador 5,63% (2009)
Dívida externa bruta 4,03 bilhões (2010)
Finanças públicas
Receitas 1 421 milhões (2010)
Despesas US$ 1 511 milhões (2010)
Ajuda económica recebida, n/d
Fonte principal: The World Factbookhttps://www.cia.gov/library/publications/the-world-factbook/geos/nu.html
Salvo indicação contrária, os valores estão em US$

Nicarágua, o país mais pobre da América Central e o segundo mais pobre do hemisfério, tem subemprego e pobreza disseminados. O acordo de livre comércio entre os Estados Unidos e a América Central está em vigor desde 2006 e tem ampliado as possibilidades de exportação para muitos produtos agrícolas e manufaturados[1].

Os têxteis e o vestuário respondem por quase 60% das exportações nicaraguenses, mas os aumentos do salário mínimo durante o governo Daniel Ortega deverão erodir esta vantagem comparativa da indústria. Ortega tem promovido a criação de empreendimentos binacionais administrados pelas empresas petrolíferas estatais da Nicarágua e Venezuela. Estas iniciativas, junto com o fraco sistema legal, poderão prejudicar o clima para investimentos de empresas locais e estrangeiras num futuro próximo[1].

Parte importante da economia da Nicarágua é baseada no setor agrícola. Os depósitos de material vulcânico enriqueceram o solo, o que torna o país extremamente fértil. As florestas cobrem quase a metade do território do país, abrindo espaço para a exploração de madeira e de outros bens relacionados. Além disso, Nicarágua conta com depósitos de ouro, prata, sal e cobre. Os principais produtos comerciais agrícolas são o café, o algodão e a banana. Outros cultivos destacados são: cana de açúcar, milho, laranja, abacaxi, arroz, mandioca, sorgo e feijão.

Nicarágua é também um dos principais países da América Central em pecuária.

Referências

  1. a b The World Factbook. Consultado em 24 de abril de 2011
Ícone de esboço Este artigo sobre economia é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.


Flag map of Nicaragua.svg Nicarágua
História • Política • Subdivisões • Geografia • Economia • Demografia • Cultura • Turismo • Portal • Imagens