Economia da cultura

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

Economia da cultura é o ramo da economia que estuda a relação entre a cultura e os fenômenos econômicos. Neste contexto, "cultura" é definida como as crenças compartilhadas e preferências de grupos de pessoas. Questões programáticas incluem se e como mais cultura pode ser importante para os resultados econômicos e qual sua relação com as instituições. [1] [2] [3] [4] [5] [6]

O primeiro desses conceitos é o de setores culturais: aqueles que geram bens e serviços em cujo cerne se encontra a produção artística. Cultura aqui, portanto, é entendida como arte, que serve assim de parâmetro para a defi nição de setores culturais. Estes, de acordo com a Comissão Europeia, englobariam atividades de duas naturezas: i) os trabalhos de arte, que se caracterizam por seu consumo imediato e por não terem o objetivo de reprodução em série – por exemplo, pinturas, exposições monumentos e espetáculos; e ii) a produção industrial em massa de bens como livros, CDs, DVDs etc., produtos de artes como a literatura, a música e o cinema. . Um tema geral analítico é o estudo da forma como ideias e comportamentos são espalhados entre os indivíduos através da formação de capital social, redes sociais, e processos tais como aprendizagem social, como na teoria da evolução social e na propagação da informação. Métodos incluem estudos de caso e modelagem teórica e empírica da transmissão cultural dentro e entre grupos sociais.

No Brasil[editar | editar código-fonte]

Desde 2006, o BNDES financia a economia da cultura com foco inicial no setor de áudio visual[7].

Revistas[editar | editar código-fonte]

  • Economic Development and Cultural Change
  • Journal of Cultural Economics

Veja Também[editar | editar código-fonte]

Antropologia Cultural

Antropologia econômica

Economia comportamental

Economia criativa

Economia da informação

Economia social

Geografia Cultural

Indústria cultural

Política cultural

Sociologia econômica

Referências

  1. Raquel Fernández, 2008. "culture and economics." The New Palgrave Dictionary of Economics, 2nd Edition. Cópia da pré-publicção
  2. Luigi Guiso, Paola Sapienza, and Luigi Zingales, 2006. "Does Culture Affect Economic Outcomes?," Journal of Economic Perspectives, 20(2), pp. 23-48.
  3. Victor A. Ginsburgh & David Throsby ed., 2006, Handbook of the Economics of Art and Culture, v. 1:
    • Mark Casson. "Culture and Economic Performance," Chapter 12, pp. 359-397. Abstract.
    • Paul Streeten. "Culture and Economic Development," Chapter 13, pp. 399-412. Abstract.
  4. Jeanette D. Snowball, 2008. Measuring the Value of Culture, Springer. Description e capítulos.
  5. Joseph Henrich et al., 2005. "'Economic Man' in Cross-Cultural Perspective: Behavioral Experiments in 15 Small-scale Societies," Behavioral and Brain Sciences, 28(6), pp. 795-815.
  6. Samuel Bowles, 1998. "Endogenous Preferences: The Cultural Consequences of Markets and Other Economic Institutions," Journal of Economic Literature, 36(1), pp. 75–111.
  7. http://www.bndes.gov.br/SiteBNDES/export/sites/default/bndes_pt/Galerias/Arquivos/conhecimento/bnset/set3007.pdf