Economia de Curaçau

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de Economia de Curaçao)
Ir para: navegação, pesquisa
Economia de Curaçau
O turismo é uma das principais fontes de renda de Curaçao.
Moeda florim das Antilhas Holandesas
Ano fiscal Ano calendário
Estatísticas
PIB 2 838 milhões (2008) (177º lugar)
Variação do PIB 3,5% (2008)
PIB per capita 15000 (2004)
PIB por setor agricultura 1%, indústria 15%, comércio e serviços 84% (2000)
Inflação (IPC) 1,7% (2009)
Força de trabalho total 63 000 (2008)
Força de trabalho
por ocupação
agricultura 1,2%, indústria 16,9%, comércio e serviços 81,8% (2008)
Desemprego 10,3%(2008)
Principais indústrias turismo, refino de petróleo, instalações para distribuição de petróleo, manufaturas leves
Exterior
Exportações 876 milhões (2008)
Produtos exportados derivados de petróleo
Principais parceiros de exportação Estados Unidos 13,1%, Guatemala 10,8%, Singapura 10,7%, Republica Dominicana 9,6%, Haiti 7,6%, Bahamas 6,1%, Honduras 4,5%, México 4,2% (2009)
Importações 1 340 milhões (2008)
Produtos importados petróleo bruto, alimentos, produtos industrializados
Principais parceiros de importação Venezuela 57,3%, Estados Unidos 19,2%, Brasil 8,1% (2009)
Finanças públicas
Fonte principal: CIA World Fact Book
Salvo indicação contrária, os valores estão em US$

O turismo, o refino de petróleo e atividades bancárias offshore são os principais motores da pequena economia de Curaçau, a qual é muito dependente do exterior. Apesar de um pequeno crescimento do PIB durante a última década, a ilha desfruta de um elevado PIB per capita e uma infraestrutura bem desenvolvida, quando comparada a outros países da região.[1] Curaçao tem um excelente porto que pode receber grandes barcos petroleiros. A empresa estatal da Venezuela aluga a única refinaria de petróleo existente na ilha. A maior parte do petróleo é importado de Venezuela e os derivados do refino são exportados aos Estados Unidos.[1]

Quase todos os bens de capital e de consumo são importados, sendo os Estados Unidos, Brasil, Itália e México os principais fornecedores.[1] O governo busca diversificar a indústria e o comércio, e assinou um acordo com a União Europeia tendo em vista expandir os negócios com ela. O solo pobre e a escassez de água impedem o desenvolvimento da agricultura. Problemas orçamentários complicam a reforma do sistema de saúde, aposentadorias e pensões, para uma população que cada vez fica mais velha.[1]

Referências[editar | editar código-fonte]