Economia de Curitiba

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Atividades Economicas em Curitiba - (2012).[1]

A Economia de Curitiba é a maior do Paraná e a quarta maior do Brasil.[2] De acordo com o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística, a cidade possuía, no ano de 2012, 108 474 unidades locais, 103 211 empresas e estabelecimentos comerciais atuantes e 780 390 trabalhadores, sendo 1 084 369 pessoal ocupado total e 931 971 ocupado assalariado. Salários juntamente com outras remunerações somavam 29 392 831 reais e o salário médio mensal de todo município era de 3,9 salários mínimos.[2] O produto interno bruto per capita era de 33 291,65 reais.[2] [3] A principal fonte econômica está centrada no setor terciário, com seus diversos segmentos de comércio e prestação de serviços de várias áreas, como na educação e saúde. Em seguida, destaca-se o setor secundário, com complexos industriais de grande porte.[2]

De acordo com o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística, a cidade possuía, no ano de 2012, 108 474 unidades locais, 103 211 empresas e estabelecimentos comerciais atuantes e 780 390 trabalhadores, sendo 1 084 369 pessoal ocupado total e 931 971 ocupado assalariado. Salários juntamente com outras remunerações somavam 29 392 831 reais e o salário médio mensal de todo município era de 3,9 salários mínimos.[4] A principal fonte econômica está centrada no setor terciário, com seus diversos segmentos de comércio e prestação de serviços de várias áreas, como na educação e saúde. Em seguida, destaca-se o setor secundário, com complexos industriais de grande porte.[2]

Parcialmente, a grande riqueza econômica de Curitiba se deve à população de mais de três milhões de habitantes, se for considerada a sua região metropolitana; a cidade se destaca por ter a economia mais forte do sul do país,[2] contando o trabalho de exportação das novecentas fábricas instaladas no bairro Cidade Industrial e das duas grandes indústrias automobilísticas que estão localizadas na Grande Curitiba, Renault e Volkswagen. Ademais, foi eleita várias vezes como "A Melhor Cidade Brasileira Para Negócios", segundo ranking elaborado pela revista Exame, em parceria com a consultoria Simonsen & Associados.[5]

Imagem aérea da região central da cidade.

Em julho de 2001, Curitiba tornou-se a primeira cidade a receber o prêmio "Polo de Informática" concedido pela revista Info Exame, pelo desempenho de suas empresas de tecnologia. De acordo com a revista, o conjunto de empresas de Tecnologia e Informática sediadas em Curitiba apresentou, em 2001, um faturamento de US$ 1,2 bilhão, representando um crescimento de 21% em relação ao ano anterior.[6]

Além disso, a capital paranaense concentra a maior porção da estrutura governamental e de serviços públicos do estado e sedia importantes empresas nos setores de comércio, serviços e financeiro. Com um parque industrial de 43 milhões de metros quadrados,[7] a região metropolitana de Curitiba atraiu grandes empresas como ExxonMobil, Elma Chips, Sadia, Kraft Foods, Siemens, Johnson Controls e HSBC, bem como grandes empresas locais - O Boticário, Positivo Informática e GVT, por exemplo. Além de centro comercial e cultural, a cidade possui um importante e diversificado parque industrial, incluindo um dos maiores polos automotivos do país[8] e o principal terminal aeroviário internacional da região Sul,[9] o Aeroporto Internacional Afonso Pena.[9]

Setor primário[editar | editar código-fonte]

A agricultura é o setor menos relevante da economia de Curitiba.[2] De todo o produto interno bruto da cidade, 10 374 mil reais é o valor adicionado bruto da agropecuária. Segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística, em 2013, o município contava com cerca de 1 168 bovinos, 40 caprinos, 250 equinos, 930 ovinos e 30 suínos. Naquele ano, foram produzidos 440 mil litros de leite de 220 vacas ordenhadas e 800 quilos de mel de abelha.[10] Na lavoura temporária, foram produzidos principalmente o feijão (30 toneladas), a mandioca (44 toneladas) e o milho (506 toneladas).[11] Como referência cultural, os ramos de trigo e de uva aparecem no brasão de Curitiba porque antigamente eram cultivados na época da criação do escudo.[12]

Desde 2000, a população de Curitiba é considerada totalmente urbana, sendo notada, portanto, uma redução na agricultura.[13] pg.25 Segundo estudo realizado pela Secretaria Municipal de Abastecimento (SMAB) em 2009, havia alguns bairros com atividades agrícolas e pecuárias, e famílias que sobreviviam dessas atividades.[13] pg.30 Naquele ano, a área de cultivo da agricultura urbana em Curitiba, levantada pela SMAB, era de 1 470 ha.[13] pg.35

Setor secundário[editar | editar código-fonte]

Centro financeiro da cidade.

A indústria, atualmente, é o segundo setor mais relevante para a economia do município. 15 232 406 reais do produto interno bruto municipal são do valor adicionado bruto da indústria (setor secundário).[2]

O parque industrial de Curitiba é uma atividade econômica de grande diversificação.[14] A capital paranaense é um dos centros manufatureiros mais extensos do Brasil. A industrialização se iniciou no começo do século XIX com imigrantes europeus dedicados, especialmente, para fabricar artefatos de couro e de madeira.[14]

Entre os principais produtos são destacados gêneros alimentícios, mobiliário, minerais não-metálicos, madeira, produtos químicos e farmacêuticos, bebidas e artefatos de couros e peles.[14] O maior complexo industrial do município é a Cidade Industrial de Curitiba, sendo também o maior bairro em extensão territorial e população.[15] [16]

Setor terciário[editar | editar código-fonte]

A prestação de serviços rende 42 164 530 mil reais ao produto interno bruto municipal.[2] O setor terciário atualmente é a maior fonte geradora do produto interno bruto curitibano, destacando-se principalmente na área do comércio.[2]

Os principais shopping centers de Curitiba são o Shopping Mueller (o primeiro de Curitiba), Omar Shopping, Palladium Shopping Center, ParkShopping Barigui, Polloshop Champagnat, Shopping Água Verde, Shopping Cidade, Shopping Crystal Plaza, Shopping Curitiba, Shopping Estação, Shopping Itália, Shopping Jardim das Américas, Shopping Novo Batel, Shopping Popular, Shopping Paladium e Shopping Total.[17]

A intensidade do comércio movimentado de Curitiba é fruto da extensão de uma rede de vias de comunicação e do desenvolvimento da indústria. Os principais produtos de importação de Curitiba são os eletrodomésticos, os gêneros alimentícios, os hortifrutigranjeiros, a madeira bruta, os produtos têxteis e artigos manufaturados em geral..[14] Em 2012 os mais importantes produtos da pauta de exportação de Curitiba foram tratores (14,65%), caminhões de carga (10,41%), bombas para líquidos (8,39%), peças para motores (6,76%) e eletricidade (5,89%).[18]

Também destacam-se as microempresas. No ranking brasileiro da formalização de microempreendedores individuais, Curitiba figura no primeiro posto entre as cidades do Paraná e do Sul do Brasil. A região do Centro da cidade também concentra uma parcela bastante expressiva do comércio e dos serviços, destacando-se pelo comércio popular, sendo que há cabeleireiros, comércio varejista de vestuário e acessórios; lojas de variedades e comércio popular (ambulantes); artesãos e fornecimento de alimentos para consumo domiciliar.[nota 1] Também nota-se em Curitiba o Mercado Municipal de Curitiba, fundado em 2 de agosto de 1958.[19]

O Sindicato dos Empregados no Comércio de Curitiba (Sindicom), representa e defende a classe comerciária de Curitiba e das outras duas cidades em ações sindicais.[20]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Notas

  1. Existem no centro 105 agências bancárias, 4.848 casas comerciais, 12 flats, 68 hotéis, 669 industrias ou sedes de industrias, 555 restaurantes, 4 shopping-centers, totalizando 17.489 mil atividades econômicas.

Referências

  1. «Atividades Economicas em Curitiba (2012)». Plataforma DataViva. Consultado em 13 de janeiro de 2014. 
  2. a b c d e f g h i j Cidades@ - IBGE (2012). «Produto Interno Bruto dos Municípios». Consultado em 19 de janeiro de 2015. 
  3. Cidades@ - IBGE (2008). «Estatísticas do Cadastro Central de Empresas». Consultado em 11 de junho de 2011. 
  4. Cidades@ - IBGE (2008). «Estatísticas do Cadastro Central de Empresas». Consultado em 11 de junho de 2011. 
  5. Redação (4 de dezembro de 2002). «Curitiba, pela terceira vez, a melhor para negócios». Paraná Online. Consultado em 27 de fevereiro de 2015. 
  6. Pamela Lang (11 de outubro de 2002). «TI em Curitiba». Timaster.com.br. Consultado em 27 de fevereiro de 2015. 
  7. «Veja Especial - Guia 2007». Veja.abril.com.br. 
  8. Umberto Antonio Sesso Filho. «INDÚSTRIA AUTOMOBILÍSTICA NO PARANÁ: impactos na produção local e no Restante do Brasil» (PDF). Sincodivse.com.br. Consultado em 22 de fevereiro de 2015. 
  9. a b «Perfil de São José dos Pinhais». Washingtonortega.com.br. Consultado em 27 de fevereiro. 
  10. Cidades@ - IBGE (2013). «Pecuária 2013». Consultado em 19 de janeiro de 2015. 
  11. Cidades@ - IBGE (2013). «Lavoura Temporária 2013». Consultado em 19 de janeiro de 2015. 
  12. Iberê de Matos (2 de maio de 1962). «Lei Ordinária 2138». Leis Municipais. Consultado em 19 de novembro de 2014. 
  13. a b c Tatiana Santiago Delattre Valieri (2012). «Agricultura urbana em Curitiba: o caso do Loteamento Vitória Régia» (PDF). Universidade Tecnológica Federal do Paraná. Consultado em 19 de janeiro de 2015. 
  14. a b c d Enciclopédia Delta Universal, p. 2445
  15. Sistema IBGE de Recuperação Automática (SIDRA) (2010). «Tabela 608 - População residente, por situação do domicílio e sexo - Sinopse». Consultado em 27 de fevereiro de 2015. 
  16. Instituto de Pesquisa e Planejamento Urbano de Curitiba (IPPUC) (2005). «Área e Distância dos Bairros até o Marco Zero de Curitiba». Arquivado desde o original (PDF) em 21 de março de 2015. Consultado em 21 de março de 2015. 
  17. «Endereços de shoppings em Curitiba». Bem Paraná. 10 de setembro de 2006. Consultado em 19 de janeiro de 2015. 
  18. «Exportações de Curitiba (2012)». Plataforma DataViva. Consultado em 13 de janeiro de 2014. 
  19. Secretaria Municipal do Abastecimento. «Mercado Municipal». Consultado em 19 de janeiro de 2015. 
  20. Sindicato dos Comerciários de Curitiba. «Conheça o Sindicato». Consultado em 19 de janeiro de 2015. 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]