Economia de Santa Catarina

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Question book.svg
Esta página ou secção não cita fontes confiáveis e independentes, o que compromete sua credibilidade (desde maio de 2015). Por favor, adicione referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Conteúdo sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Florianópolis, capital do estado.

A economia de Santa Catarina é bastante diversificada, ter um potencial para cada região. O PIB do Estado é de R$ 256,7 bilhões, o 7º maior do Brasil, 4.1% do total nacional de acordo com as contas regionais do IBGE 2016. As principais setores econômicos são serviços, a agropecuária, a pesca, o turismo e a indústria.


A economia se baseia na indústria (principalmente agroindústria, têxtil, cerâmica e metal-mecânica), no extrativismo (minérios) e na pecuária. O estado de Santa Catarina é o maior exportador de frango e de carne suína do Brasil, sendo a Sadia e a Perdigão (as duas maiores empresas de alimentos do Brasil) catarinenses. Entre as indústrias, sedia um dos maiores fabricantes de motores elétricos do mundo, a WEG, e um dos maiores fabricantes de compressores para refrigeradores, a Embraco. Possuem grande expressividade as indústrias de eletrodomésticos (e metalmecânica em geral) no norte do estado, com marcas de projeção nacional como Consul e Brastemp.

Santa Catarina é o sexto estado mais rico do Brasil, e com o Paraná (quinto) e Rio Grande do Sul (quarto). O estado também é um grande exportador.

Visão geral[editar | editar código-fonte]

A posição de Santa Catarina na formação da renda media brasileira é muito modesta, embora esteja situado entre as 10 primeiras unidades da federação.

Em relação a algumas atividades econômicas temos tido algum em destaque, como a indústria madeireira, na indústria têxtil, na pesca e na suinocultura. Outras atividades representam muito pouco no cenário brasileiro, mesmo que tenham, no plano estadual, muita importância.

A participação dessa ou aquela atividade econômica, quanto a sua expressão no quadro brasileiro e catarinense, poderá variar muito, com o correr do tempo. Fatores diversos, relacionados ao dinamismo interno, ou às alterações que se processam em outros estados, afetarão, obviamente, o grau de participação de uma atividade econômica. Os fenômenos econômicos são essencialmente dinâmicos e comportam alterações que podem surgir até mesmo, subitamente.

Agricultura, pecuária e pesca[editar | editar código-fonte]

O principal produto agrícola de Santa Catarina é o milho, cultivado no planalto basáltico, onde fornece ração para a criação de suínos. Seguem-se a soja cultivada em larga escala no município de Campos Novos , o fumo, a mandioca, o feijão, o arroz (cultivado com irrigação nas várzeas da baixada litorânea e do vale do Itajaí), a banana e a batata-inglesa. O estado é também importante produtor de alho, cebola, tomate, trigo, maçã, uva, aveia e cevada.

A criação de bovinos se faz principalmente em campo natural, de maneira extensiva, e nas áreas florestais, em menor escala, com os animais submetidos a semi-estabulação. Nessas áreas em que a agricultura é a atividade predominante, a criação se volta para os suínos, sobretudo no planalto basáltico, onde a produção de milho assegura ração adequada aos animais. A suinocultura experimentou grande progresso no estado, em virtude do desenvolvimento dos frigoríficos especializados no processamento de carne de porco. Grande expansão se verificou ainda na criação de aves.

A pesca desempenha importante papel na economia do estado. Santa Catarina é um dos maiores produtores de pescado e crustáceos do país. A atividade, que remonta à origem açoriana da população, desenvolve-se sobretudo em Florianópolis, Navegantes e Itajaí.

Turismo[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Turismo em Santa Catarina

O estado de Santa Catarina possui um território cheio de contrastes: as serras se contrapõem ao litoral de belas praias, enseadas e dezenas de ilhas; na arquitetura, vários municípios mantêm as construções típicas da época da colonização; enquanto a capital Florianópolis, é uma cidade de edificações modernas e sofisticadas, marcada pela forte presença dos jovens, dos esportes náuticos e dos campeonatos de surfe.

Hoje, conhecer o estado de Santa Catarina é uma oportunidade de conhecer uma peculiar combinação de nacionalidades, que se reflete não apenas na cultura, mas também no patrimônio histórico. Ademais, existem em, principio estado outros grandes atrativos, como as altas temperaturas do verão, que atraem inúmeros visitantes para suas lindas praias, espalhadas por destinos como Balneário Camboriú, Bombinhas e Garopaba; e o rigoroso frio do inverno da Serra Catarinense com fortes geadas – às vezes acompanhado pela neve –, garantindo aconchegantes e românticos roteiros. Faça frio ou faça sol, existem incontáveis opções de passeios para o ano inteiro. No Vale do Itajaí – com destaque para Blumenau – estão concentrados destinos onde o forte é o turismo de negócios. Já no município de Timbó, o destaque fica por conta dos ótimos locais para a prática de esportes radicais como o rafting, canyoning e práticas verticais. Conhecido como um pedaço da Europa encravado no Sul do País, o estado de Santa Catarina tem um dos maiores índices de desenvolvimento econômico do Brasil, baseado numa produção industrial bastante diversificada. Uma grande atração turística é o Farol de Santa Marta, com 29 metros de altura.

Extrativismo[editar | editar código-fonte]

As riquezas vegetais e minerais concorrem decisivamente para o progresso produtivo do estado. Entre as primeiras destacam-se as reservas florestais, representadas especialmente pelos pinheirais, apesar de sua intensa exploração, e os ervais, que permitem ao estado se manter como grande produtor da erva-mate. O estado de Santa Catarina é um dos maiores produtores de papel e celulose do país.

No extrativismo mineral, as ocorrências de carvão, principalmente nas áreas da baixada litorânea (Urussanga, Criciúma, Lauro Müller e Tubarão), representam fator importante para o desenvolvimento econômico regional. As condições de exploração do carvão mineral têm apresentado sensível melhoria, do ponto de vista técnico e dos equipamentos empregados. Santa Catarina possui ainda as maiores reservas brasileiras de fluorita e sílex (em produção). Outros recursos minerais disponíveis são os depósitos de quartzo e grandes ocorrências de argila cerâmica, bauxita e pedras semipreciosas, além de petróleo e gás natural na plataforma continental.

Indústria[editar | editar código-fonte]

Os principais centros industriais de Santa Catarina são Jaraguá do Sul, Joinville, Chapecó e Blumenau. O primeiro tem caráter diversificado, com fábricas de tecidos, de produtos alimentícios, fundições e indústria mecânica. Chapecó tem sua economia baseada na agroindústria. Blumenau concentra sua atividade na indústria têxtil (juntamente com Gaspar e Brusque) e recentemente também à indústria de softwares. No interior do estado, ocorrem numerosos centros fabris de pequeno porte, ligados tanto à industrialização de madeira quanto ao beneficiamento de produtos agrícolas e pastoris.

O nordeste do estado se destaca na produção de motocompressores, autopeças, refrigeradores, motores e componentes elétricos, máquinas industriais, tubos e conexões.

No Sul do estado (incluindo as cidades de Imbituba, Tubarão, Criciúma, Forquilhinha, Içara e Urussanga), por sua vez, concentram-se as principais fábricas de cerâmica de revestimento do Brasil. O estado de Santa Catarina também lidera, no país, a produção de louças e cristais.

Na Região do Planalto Norte Catarinense (Canoinhas, Três Barras, Mafra), destacam-se a indústria madeireira e papeleira, onde grandes industrias estão concentradas devido ao potencial e existência de matéria prima na região. Nas indústrias da Serra (Rio Negrinho e São Bento do Sul), são feitos os trabalhos de beneficiamento da madeira, criando diversos derivados e o produto final. Além também de um crescimento na criação de industrias de diversos segmentos.

Energia[editar | editar código-fonte]

O potencial hidrelétrico de Santa Catarina não está totalmente aproveitado, e grande parte da energia consumida no estado é fornecida por usinas termelétricas. A utilização do carvão-vapor na alimentação dessas usinas contribui não só para a expansão da produção termelétrica como assegura mercado em crescimento para a ampliação do consumo da produção estadual de carvão. Se destaca na região oeste catarinense como um polo regional tendo como base econômica a agropecuária e a agro-indústria.

Ver também[editar | editar código-fonte]


Bandeira do Estado de Santa Catarina
Santa Catarina
História • Política • Subdivisões • Geografia • Demografia • Etnias • Economia • 
Cultura • Esportes • Turismo • Portal • Imagens