Ecrom

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

A cidade de Ecrom (Hebraico: עֶקְרוֹן, (Eqron), também conhecido como Ekron, foi uma das cinco cidades filisteias no sudoeste Canaã. Era uma cidade na divisa da fronteira entre a Filístia e o Reino de Judá num local (agora Tel Mikne) perto da pequena vila de Akir. Encontra-se a 35 km a sudoeste de Jerusalém, e 18 quilómetros ao norte da cidade de Gath, na divisa da planície ocidental (litoral). As escavações realizadas no período de 1981 - 1996, fizeram de Ecrom um dos melhores locais filisteus já documentados.

Ecrom foi uma região indígena de Canaã. A cidade cananeia tinha quase desaparecido num incêndio no século XIII a.C., mas foi reconstruída por filisteus no começo da idade do ferro, por volta dos anos 1200 a.C..

Ecrom é mencionada livro de Josué capítulo 13, versículo 3:

"(desde o braço do Nilo, que está defronte do Egito, e para cima até a fronteira de Ecrom, ao norte, costumava ser considerada como pertencente aos cananeus); cinco senhores do eixo dos filisteus: os gazitas e os asdoditas, os ascalonitas, os geteus e os ecronitas; e os avins. ."

Josué 3:13 relata Ecrom como uma cidade na fronteira dos filisteus e uma das cinco maiores cidades filistéias, e Josué 15:11 menciona como uma das cidades satélites e as vilas de Ecrom. A cidade foi concedida mais tarde à tribo de Dã (Josué 19:43), mais tarde porém, veio a ser novamente dos filisteus. Foi o último lugar para onde os filisteus teriam levado a arca da aliança quando a roubaram de Israel. A presença da Arca teria provocado "uma confusão mortífera" nesta cidade, de modo que a Arca foi finalmente devolvida aos judeus. (I Samuel 5:10; 6:1 - 8,16, 17).

Havia ali um grande santuário de Baal. O ídolo de Baal que foi adorado era chamado Baal-Zebube (Dono das Moscas) ou 'Belzebu: (II Reis 1:2):

"Então caiu Acazias pela gelosia do seu quarto de terraço, que estava em Samaria, e adoeceu. Enviou, pois, mensageiros e disse-lhes: "Ide, consultai a Baal-Zebube, deus de Ecrom, sobre se eu reviverei desta doença."

As fontes não hebraicas também fazem referências a Ecrom. Uma colheita de Ecrom 712 a.C. é descrita por Sargão II da Assíria em relevos da parede de seu palácio em Khorsabad, que nomeia a cidade.

Em 1996 foi descoberto a inscrição de Tel Mikné com o nome da cidade filisteia de Ecrom e uma lista de seus reis. As escavações no complexo do famoso templo, no imenso palácio de Senaqueribe, recuperaram artefatos significativos para a arqueologia bíblica, incluindo uma inscrição dedicada ao "rei" de Ecrom 'Akish. A inscrição identifica claramente o local, e mostra a genealogia real, na ordem: dos pais aos filhos: Ya'ir, Ada, Yasid, Padi, 'Akish.

Ashdod e Ecrom sobreviveram e transformaram-se em cidade-estados poderosas dominadas pela Assíria no século VII a.C.. A cidade pode ter sido destruída pelo rei de Babilónia Nabucodonosor II por volta de 603 a.C., segundo a descrição de I Macabeus 10:89.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências[editar | editar código-fonte]

  • Demsky, Aaron. "The Name of the Goddess of Ekron: A New Reading," Journal of the Ancient Near Eastern Society vol. 25 (1997) pp. 1–5
  • Schoville, Keith; Stone Campbell Journal, Vol. 4, No. 1