Edifício Joseph Gire

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Edifício Joseph Gire
("A Noite")
EdificioANoite.jpg

Vista do edifício "A Noite"

História
Arquiteto
Arquitetura
Estilo
Estatuto patrimonial
Bem tombado pelo IPHAN (d) ()Visualizar e editar dados no Wikidata
Pisos
21Visualizar e editar dados no Wikidata
Localização
Endereço
Coordenadas
Localização no mapa de Rio de Janeiro
ver no mapa de Rio de Janeiro
Red pog.svg
Localização no mapa do Brasil
ver no mapa do Brasil
Red pog.svg

O Edifício Joseph Gire, mais conhecido como A Noite, é um arranha-céu localizado na Praça Mauá, no centro do Rio de Janeiro, no Brasil. Construído nos finais da década de 1920, é considerado um marco arquitetônico do país, sendo, na época de sua inauguração, o maior arranha-céu da América Latina[1] e "o mais alto edifício do mundo construído em concreto armado".[2]

História[editar | editar código-fonte]

O edifício foi levantado numa das extremidades da Avenida Central (hoje Avenida Rio Branco), na Praça Mauá, próximo ao Porto do Rio de Janeiro.[3][4] O local havia sido ocupado anteriormente pelo Liceu Literário Português, que se mudou para o Largo da Carioca, onde ainda se encontra.[5]

Os responsáveis pelo projeto arquitetônico foram o arquiteto francês Joseph Gire (também responsável pelo Hotel Copacabana Palace) e o arquiteto brasileiro Elisário Bahiana.[6][7] Foi construído entre 1927 e 1929[8] utilizando a nova tecnologia do concreto armado, dando grande impulso à engenharia praticada no Brasil de então.[9] Os cálculos estruturais foram realizados pelo engenheiro Emílio Henrique Baumgart, mais tarde responsável pelo Ministério da Educação e Cultura.[6][7] Com 22 andares e uma altura de 102 metros,[3][7][8] foi o mais alto da América Latina na década de 1930 até ser ultrapassado pelo Edifício Martinelli, inaugurado em 1934.[7] Tanto as fachadas como as áreas internas comuns revelam influências do estilo art decó, ainda que o interior tenha sido descaracterizado por reformas modernas.[3]

O edifício foi inicialmente sede do jornal vespertino "A Noite". Servia também de mirante que oferecia uma vista privilegiada da cidade e da Baía da Guanabara.[7][9] A partir de 1937, já sem o jornal, sediou a Rádio Nacional, de grande popularidade graças aos programas de auditório e novelas de rádio.[7] Pelo auditório da rádio passaram grandes cantores como Sílvio Caldas, Francisco Alves e Orlando Silva, além do arranjador Radamés Gnattali.[7] Foi também sede de empresas e restaurantes, um deles no terraço.[3]

Com o tempo, a zona circundante d'A Noite e o próprio edifício entraram em decadência,[3] mas há planos para um restauro.[7][9] Antigamente era sede do Instituto Nacional da Propriedade Industrial (INPI), hoje, no entanto, o INPI se encontra alocado em dois outros prédios próximos.

Importância[editar | editar código-fonte]

Além da relevância cultural, por ter abrigado a Rádio Nacional no auge da Era do Rádio, o edifício "A Noite" foi um marco arquitetônico e urbanístico. Em termos formais, o edifício aproximava-se dos modelos de arranha-céus norte-americanos como os que compunham a paisagem de Chicago, muito longe os modelos europeus até então favorecidos no Brasil.[3] Na zona da Praça Mauá, o "A Noite" era tão alto que uma composição urbanística harmônica com os edifícios circundantes era impossível.[3] A partir da construção do edifício "A Noite" começou o processo de verticalização da cidade, que continuou durante décadas.

Ver também[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Edifício Joseph Gire
Precedido por
Edifício Sampaio Moreira
Edifício mais alto do Brasil
1929 - 1934
102 m
Sucedido por
Edifício Martinelli

Referências

  1. Na época, o maior arranha-céu do mundo era o Woolworth Building de Nova York, construído em estrutura de aço.
  2. A Noite, 7 de setembro de 1929, "A NOITE inaugura, hoje, as suas novas instalações no mais alto edifício da América do Sul". Mas, ao contrário do que se costuma propalar, não foi o primeiro edifício em concreto armado inaugurado no Brasil. A estação da Leopoldina e o Palácio Tiradentes, inaugurados em 1926, utilizaram o concreto armado, como consta, respectivamente, do jornal Beira-Mar de 12/4/1925 e da revista Architectura no Brasil de junho e julho de 1926, acessíveis na Hemeroteca Digital. Também o Edifício Guinle, primeiro arranha-céu da Av. Rio Branco, com 16 andares, e o Edifício OK, atual Ribeiro Moreira, primeiro arranha-céu de Copacabana, ambos inaugurados em 1928, possivelmente utilizaram o concreto armado.
  3. a b c d e f g O Edifício A Noite no sítio do INPI
  4. Praça Mauá no sítio O Turista Aprendiz
  5. Milton de Mendonça Teixeira. Liceu Literário Português no sítio do Museu das Migrações e das Comunidades de Fafe
  6. a b Elisário Bahiana na Enciclopédia Itaú Cultural de Artes Visuais
  7. a b c d e f g h Rogério Daflon. Primeiro arranha-céu do Brasil, A Noite passará por obra O Globo, 12 de maio de 2012.
  8. a b Ítalo Nogueira. Edifício A Noite. Folha de S. Paulo, 29 de outubro de 2012
  9. a b c Ítalo Nogueira. Gigante abandonado. Folha de S. Paulo, 29 de outubro de 2012