Edival Lourenço

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Esta página ou secção não cita fontes confiáveis e independentes, o que compromete sua credibilidade (desde fevereiro de 2016). Por favor, adicione referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Conteúdo sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)

Edival Lourenço (Iporá, 13 de agosto de 1952) é escritor romancista, poeta, cronista e contista brasileiro.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Filho de Geraldo Lourenço de Oliveira e Doraci Paes de Oliveira. Bacharel em Direito e pós-graduado em Administração de Marketing. Aposentado da Caixa Econômica Federal. Professor de graduação, presidente da União Brasileira de Escritores, Seção de Goiás. Pertence ao Conselho Estadual de Cultura e é membro da Academia Goiana de Letras. É cronista do jornal O Popular (OJC/Rede Globo) e articulista da Revista Bula.

Pelo conjunto da obra, recebeu a comenda Jorge Amado da União Brasileira de Escritores do Rio de Janeiro. Em 2012, recebeu os prêmios Jaburu (Goiás) pelo conjunto da obra e o Jabuti (nacional), na categoria romance, com a obra Naqueles morros, depois da chuva.

Participa de mais de 15 antologias e teve cerca de 50 premiações, dentre as quais, o Troféu Tiokô de Literatura-Prosa, no ano de 1992, e prêmio Nacional de Romance do Paraná. Recebeu Troféu Marieta Teles conferido pela Academia Goiana de Letras, como melhor cronista do ano.

Obras publicadas[editar | editar código-fonte]

  • Estação do cio, poemas, 1984;
  • A centopeia de néon, romance, prêmio Nacional de Romance do Estado do Paraná, 1994;
  • A perpétua utopia, contos, prêmio Bolsa de Publicações José Décio Filho, 1992;
  • Coisa incoesa, poemas, prêmio Bolsa de Publicações Hugo de Carvalho Ramos, 1993;
  • Mundocaia, contos, 2014;
  • As vias do voo, poemas, 2005;
  • Os carapinas do Sri Lanka, minicontos, 2005;
  • Pela alvorada dos Nirvanas, 2009;
  • Os enganos do carbono, 2013;
  • A caligrafia das eras, 2012;
  • O elefante do cego, 2009;
  • As luzes do pântano, crônicas, 2011;
  • Naqueles morros depois da chuva, editora Hidra, 2011;
  • Poesia reunida, Goiânia, Editora Ex Machina, 2015.

Referências[editar | editar código-fonte]

  • Poesia reunida, Goiânia, Editora Ex Machina,
  • Dicionário do Escritor Goiano, Teles, José Mendonça - 4ª edição, Goiânia, Kelps, 2011.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

  • [1], A Redação
  • [2], Antonio Miranda
  • [3], Revista Bula
  • [4] , União Brasileira de Escritores - Seção Goiás (UBE-GO)