Edmond Couchot

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
NoFonti.svg
Esta biografia de uma pessoa viva cita fontes confiáveis e independentes, mas elas não cobrem todo o texto. (desde junho de 2017) Ajude a melhorar esta biografia providenciando mais fontes confiáveis e independentes. Material controverso sobre pessoas vivas sem apoio de fontes confiáveis e verificáveis deve ser imediatamente removido, especialmente se for de natureza difamatória.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)

Edmond Couchot é um artista digital contemporâneo francês.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Edmond Couchot é conhecido por seu histórico profissional ao tentar sintetizar a pintura gestual, plástica e cinética. O resultado deste trabalho veio a ser conhecido como arte digital (ou arte numérica).

Seu estilo surgiu da utilização de meios eletrônicos, digitais e interativos para expor sua arte, como de 1965 a 1973, quando interessado na participação do público, produziu uma série de dispositivos que chamou de “música móvel”, aparelhos que recebiam os sinais sonoros e disponibilizavam imagens na tela de um computador.

Ainda na década de 70 construiu uma obra sensível a ondas de rádio chamada Semaphore, que originou uma segunda e uma terceira continuação.

Participou também de diversas exposições (incluindo Monte Carlo, uma exposição organizada por Pierre Restany dedicado à arte, cultura e tecnologia de ponta), um evento de turismo na América do sul, a V Bienal Internacional de Paris, festivais de cinema e expôs ainda seu "Animation pour une piscine", obra sensível à luz, sons e movimentos de natação em uma piscina, na exposição "Cinétisme Ambientais", em 1968.

Em 1969 criou o Departamento de Artes Visuais da Experimental Vincennes University, onde lecionou.[1] Com a ascensão dos computadores pessoais e o maior acesso a tecnologias cibernéticas, acabou por exercer um grande fascínio por ciência e tecnologia, considerando-se um artista fora do meio. Assim, veio a publicar diversos livros sobre o tema da síntese entre a arte e os meios digitais.

Em 2006 ministrou a palestra inaugural do simpósio Emoção Art. Ficial 3.0, sobre a arte cibernética e interatividade, na sede do Itaú Cultural em São Paulo.[1]

Obras (seleção)[editar | editar código-fonte]

Les Pissenlits (Os Dentes de Leão)

Basicamente o usuário pode assoprar em um microfone que faz com que as pétalas das flores na tela se espalhem de acordo com a força que o usuário assopra. Foi exposta em sua versão final em Paris, na exposição "Natural/Digital", durante o festival Arborescence em 2005. Por razões financeiras e tecnológicas esta obra não pode ser iniciada até 1988, e ainda assim foi sendo aperfeiçoada com o passar das décadas.

A ideia dos artistas era recriar um gesto tão antigo quanto o mundo, trazendo a emoção do contato com a natureza para o espectador. Reencontrar tal gesto através de uma tecnologia tão recente e artificial.

La Plume

Esta obra foi desenvolvida como uma alternativa para "Les Pissenlits", já que na época a tecnologia e os recursos financeiros ideais para criar o que desejavam ainda não eram viáveis.

Livros publicados[editar | editar código-fonte]

  • Image. De l'optique au numérique, Hermès, Paris, 1988.
  • La Technologie dans l’art. De la photographie à la réalité virtuelle, Éditions Jacqueline Chambon, 1998 ; 271 páginas.

A tecnologia na arte. Da fotografica à realidade virtual, (tradução em português por Sandra Rey de La technologie dans l’art. De la photographie à la réalité virtuelle), 2003, Universidade federal do Rio Grande do Sul, 319 páginas.

  • Dialogues sur l’art et la technologie Autour d’Edmond Couchot, sous la direction de François Soulages, L’Harmattan, 2001.
  • L’Art numérique. Comment la technologie vient au monde de l’art, Flammarion, février 2003, en collaboration avec Norbert Hillaire.

Réédition en 2005, chez le même éditeur, collection "Champs".

  • Des Images, du temps et des machines, édité Actes Sud, 2007
  • La plume (1988) (en collaboration avec Michel Bret)
  • Pissenlit (1990) (en collaboration avec Michel Bret)

Referências

Ligações externas[editar | editar código-fonte]