Edna Adan Ismail

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Edna Adan Ismail com um grupo de estudantes de pós graduação em enfermagem na Edna Adan Maternity Hospital.

Edna Adan Ismail (somali: Edna Aadan Ismaaciil or Adna Aadan IsmaaciilEdna Aadan Ismaaciil or Adna Aadan Ismaaciil) (nascida em 8 de setembro de 1937) foi Ministra dos Negócios Estrangeiros da Somalilândia[1] entre 2003 e 2006, e serviu anteriormente como Ministra do Bem Estar da Família e do Desenvolvimento Social da Somalilândia.

Ela é diretora e fundadora da Edna Adan Maternity Hospital em Hargeisa, ativista e pioneira na luta para a eliminação da mutilação genital feminina. Ela também é Presidente da Organização para as Vítimas de Tortura.[2]

Ela foi casada com Mohamed Haji Ibrahim Egal, que foi Chefe de Governo na Somalilândia Britânica cinco dias antes da independência da Somália e, mais tarde, foi Primeiro-Ministro da Somália (1967-69) e Presidente da Somália (1993-2002).

Infância e Educação[editar | editar código-fonte]

Edna Adan nasceu em Hargeisa, Somalilândia Britânica em 8 de setembro de 1937,[3] filha de um importante médico Somali[4] foi treinada como enfermeira e parteira no Reino Unido, no Borough Polytechnic, agora London South Bank University, onde diz ser "a primeira menina Somali" a estudar na Grã-Bretanha.[5]

Outras conquistas da Ismail incluem, ser a primeira Somália qualificada como enfermeira-parteira[6] e a primeira mulher Somali a dirigir. Mais tarde, ela se casou com Muhammad Haji Ibrahim Egal, um político Somali eleito Primeiro-Ministro da Somália, em 1967.

Trabalho no Hospital[editar | editar código-fonte]

Ela voltou à Somalilândia e construiu do zero uma maternidade, a qual continua a gerir. O Hospital Maternidade Edna Adan foi oficialmente aberto em 9 de março de 2002, em terreno doado pelo governo local que era, anteriormente, usado para depósito de lixo.

A região carecia de enfermeiros treinados para trabalhar no hospital[7] – como a maioria da população teve de fugir do país ou foi morto durante a guerra civil. Edna, então,  recrutou mais de 30 candidatos e começou os treinamentos em 2000, enquanto o hospital ainda estava em construção. Agora, o hospital já tem duas salas de cirurgia, laboratório, biblioteca, centro de informática e ala completa destinada à formação de enfermeiros e parteiras.

A missão do Hospital Edna Adan é ajudar a melhorar a saúde dos habitantes locais, em particular com relação à alta taxa de mortalidade materna e infantil. A instalação, que é uma caridade sem fins lucrativos e hospital de ensino de obstetria, realiza também a formação de estudantes de enfermagem e técnicos auxiliar de laboratório.

Trabalho de Caridade[editar | editar código-fonte]

O trabalho da Edna Adan é apoiado por instituições de caridade nos Estados Unidos e no Reino Unido, que as ajuda a aumentar o apoio e a conscientização para treinar mais parteiras e combater a Mutilação Genital Feminina em Somalilândia. [8] [9]

Trabalho Governamental [editar | editar código-fonte]

Edna Adan Ismail foi a única mulher ministra no governo da Somalilândia até julho de 2006, quando ela foi substituída como Ministra dos Negócios Estrangeiros pela ex-Ministra da Informação e Orientação Nacional, Abdillahi Mohamed Dualeh. Além de seu trabalho no governo, ela continua a ser uma voz para o movimento de secessão acontecendo na Somália. Essa voz é também defendida por muitos outros governos, mas continua a não ser compartilhada pela maioria na Somália.

Prêmios e Reconhecimento[editar | editar código-fonte]

Em reconhecimento a sua contribuição para o Trabalho Humanitário, o nome de Edna Adan Ismail foi adicionado à Hall da Fama de Missão Médica ,[10] Universidade de Toledo, Ohio, em Março de 2007. Ela tem um Cargo de Doutor Honorário da Clark University, em Massachusetts, e é membro Honorário da Universidade de Cardiff, Escola de Enfermagem, no país de Gales, desde o dia 8 de julho, 2008. Em 2018, a ela foi concedido um Honorário Comunhão pelo Royal College de Obstetras e Ginecologistas.

Em 2012, Edna Adan foi destaque no documentário Half the Sky: Turning Opression into Opportunity for Women Worldwide, estreado na PBS em 1 e 2 de outubro. A série introduz mulheres e meninas que vivem em circunstâncias muito difíceis e lutam bravamente para desafiá-las. A série de TV The Half the Sky é produzida pela Show of Force junto com o Fugitive Films. Ela foi rejeitada na longa série Desert Island Discs na BBC Radio 4 em 22 de outubro de 2017.[11]

Ela tem sido chamada de "A Madre Teresa Muçulmana" por Kate Grant, CEO da Fístula Fundação.[12]

Veja Também[editar | editar código-fonte]

Referências[editar | editar código-fonte]

Links Externos[editar | editar código-fonte]