Eduardo Caldas

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Eduardo Caldas
Nome completo Eduardo Caldas Cavalcanti de Albuquerque
Nascimento 18 de setembro de 1984 (32 anos)
Rio de Janeiro, RJ
Ocupação roteirista / diretor / produtor (ex-ator mirim)
[www.saladosroteiristas.com.br Página oficial]
IMDb: (inglês)

Eduardo Caldas Cavalcanti de Albuquerque (Rio de Janeiro, 18 de setembro de 1984) é um artista brasileiro.

Eduardo Caldas foi o maior ator mirim de sua geração, sendo apelidado "Macaulay Culkin brasileiro" pela coluna "Controle remoto" do jornal O Globo. De 1991 a 2000 estava sempre no ar na TV Globo.

Hoje, usando o nome Eduardo Albuquerque, atua por trás das câmeras como roteirista, tendo escrito, entre outras coisas, o longa-metragem "A Esperança é a Última que Morre" (estrelado por Dani Calabresa).


Carreira[editar | editar código-fonte]

Ator-mirim na Rede Globo (1991-2001)[editar | editar código-fonte]

Eduardo fez sua estréia na Rede Globo interpretando o personagem "Alvinho" em 1991 na novela Felicidade, de Manoel Carlos. Uma grata surpresa junto a Tatyane Goulart, com quem fez memorável parceria na telinha, já foi chamado logo depois, em 1992, para estrelar sua primeira novela das 20h: "De Corpo e Alma" de Glória Perez. Possivelmente seu maior sucesso, Eduardo interpretou o personagem "Pinguim" e viveu o drama do "menino rico", filho de José Mayer e Maria Zilda Bethlem, que foi trocado na maternidade com o "menino pobre" (vivido por Aaron Hassan), filho de Neuza Borges e Tonico Pereira. Um tremendo sucesso de audiência à época, a decisão sobre com quem deveria ficar cada filho mobilizou o país , mas por conta do triste episódio do assassinato da atriz Daniella Perez, a novela acabou nunca sendo reprisada e reverenciada como merecia.

À partir deste sucesso inicial, a Rede Globo contratou por definitivo Eduardo, que atuou em diversas novelas de sucesso da emissora, como Pátria Minha, Quatro por Quatro (onde re-editou a dupla de sucesso com Tatyane Goulart), Vira Lata e Era uma vez..., bem como especiais como Você Decide e Trapalhões e a mini-série Chiquinha Gonzaga.

Pausa na carreira (2000-2005)[editar | editar código-fonte]

Estafado, após 10 anos emendando novela em novela, Eduardo decidiu dar um tempo na carreira para curtir a adolescência.[1] Mas a medida que o tempo foi passando e sua personalidade desenvolvendo, Eduardo foi explorando outras áreas (como a música) e, além de não ter sentido saudade de atuar, acabou se tornando uma pessoa mais tímida[2], de maneira que decidiu encerrar definitivamente a carreira de ator. Em 2001, terminou seu contrato de 7 anos com a Rede Globo.

Roteirista (2006-presente)[editar | editar código-fonte]

Ainda apaixonado pelo audiovisual em si, ingressou na faculdade de cinema da PUC-Rio em 2003, se especializando em Roteiros, embora tenha dirigido alguns projetos. Seu primeiro trabalho "publicado" foi a segunda temporada do programa Básico, apresentado por Letícia Birkheuer no Canal Multishow. Trabalhou também no seriado "O Grande Gonzalez" do Porta dos Fundos para a FOX Brasil. Mas seu grande destaque até hoje foi seu primeiro longa-metragem A Esperança é a Última que Morre. A comédia, estrelada por Dani Calabresa, Danton Mello, Katiuscia Canoro e Rodrigo Sant'Anna foi o 16º filme brasileiro mais assistido de 2015, tendo sido indicado a "Melhor Filme" no 9º Los Angeles Brazilian Film Festival (LaBrFF).[3]

"Mudança" de nome

Quando começou a carreira de Roteirista, segundo o próprio para "separar as coisas", Eduardo resolveu "aposentar" o sobrenome Caldas e passou a usar seu outro sobrenome; assinando "Eduardo Albuquerque" para sua persona roteirista e "Eduardo Caldas" para sua persona ator.[4] Em A Esperança é a Última que Morre, por exemplo, ele faz uma pequena ponta, que nos créditos finais é denominada "Eduardo Caldas", enquanto embaixo de "Roteiro:" aparece "Eduardo Albuquerque". Curiosamente apareceu creditado como "Eduardo Albuquerque" em suas primeiras novelas, mas, por sugestão de Manoel Carlos, que dizia que "Caldas" era mais curto e sonoro, resolveu mudar.

Outros trabalhos[editar | editar código-fonte]

Sala dos Roteiristas

Desde Janeiro de 2015 mantem o site Sala dos Roteiristas, dedicado a textos sobre Roteiro e a indústria audiovisual brasileira, onde fala um pouco sobre sua experiência e responde perguntas enviadas pelo público.

Reverendo

Eduardo diz que a música é sua maior paixão, mas se rege por uma regra na qual "trabalha com a segunda coisa que mais ama, para não estragar a primeira".[5] De 2001 até 2005 teve uma banda (Canvas), na qual tocava baixo e fazia backing vocals. Autor de algumas músicas, a banda, que chegou a abrir para o Los Hermanos no Circo Voador, registrou apenas uma fita demo em 2002.

Mas em 2013, sob o pseudônimo "Reverendo", lançou um polêmico disco de "Opera Rap", chamado "Pio XI".[6]. Completamente escrito (música e letra), gravado, mixado e masterizado por Eduardo, o disco foi lançado no dia 7 de abril de 2013 e está disponível para download no site da PPXI, um Movimento artístico do qual faz parte criado no bairro Jardim Botânico [7]. Em uma faixa "Fim", ele comenta sobre a mal sucedida tentativa de ter a participação especial de Fafá de Belém, de quem é fã, no disco.[8]

Último dia, com Eduardo Albuquerque

Em 2009, Eduardo e amigos pessoais se reuniram para fazer um projeto experimental e inovador: um talk show online ao vivo. Sempre sendo transmitido na última hora do último dia do mês, o Último Dia, com Eduardo Albuquerque trazia (além dos tradicionais monólogos, desk jokes/games, entrevista e apresentação musical) interação com os espectadores, que comentavam no chat da ustream.tv, site de streaming através do qual o programa era exibido. Durante 13 meses, receberam no programa nomes como Cecilia Papi, a "Cix", estrela do reality show Nós 3 do canal Multishow, o então desconhecido humorista Rafucko, o ator Otávio Ugá, o renomado jogador de poker e produtor musical Marcos Sketch, o multi-instrumentista Melvin (de bandas como Carbona, Leela, Autoramas), além de apresentações musicais de bandas como o Driving Music e do trovador Paulo Pilha, neto de Rubem Fonseca e também integrante do movimento PPXI.

Fluminense Football Club

Além de tricolor ilustre, Eduardo fundou o setor de audiovisual do Fluminense Football Club, onde, por duas temporadas (2012 e 2013), coordenou a pasta no Departamento de Marketing. Nesse tempo foi o responsável por toda a produção audiovisual do clube: desde os videos para as mídias socais do clube, até a criação da FLU TV em parceria com o Canal Premiere passando pelos licenciamentos audiovisuais como o "DVD Comemorativo do Tetra Campeonato Brasileiro de 2012" Globo Marcas e o longa-metragem Fla-Flu: 40 Minutos antes do Nada (Sentimental Filmes), dirigido por Renato Terra.

Vida pessoal[editar | editar código-fonte]

Formado em Cinema pela Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (PUC-Rio), Eduardo é filho do músico Robertinho de Recife e neto de Emília Barreto Correia Lima, Miss Brasil de 1955.

Em Julho de 2016, após namoro de 4 anos, casou-se em Miami (EUA) com a produtora cultural Fluminense Luisa Acosta Gomes.[9]

Filmografia[editar | editar código-fonte]

Year Title Credit Notes
2015 A Esperança é a Última que Morre Roteirista Longa-metragem
2015 O Grande Gonzalez Roteirista Colaborador 10 episódios da série do Porta dos Fundos para a FOX Brasil
2013 Mosaico Fluminense Roteirista, Diretor Geral e Criador Série de 5 episódios para o Canal Premiere
2012 Decida o Tetr4 Roteirista e Diretor Filme publicitário estrelado por Gregório Duvivier, produção Clear Light.
2009 Básico Roteirista 7 episódios da série do Multishow produzida pela Mixer
2009 Turma do Niltinho Roteirista Episódio "A enciclopédia".
2008 Pseudociese Roteirista e Diretor Curta-metragem estrelado por Marcelo Adnet e Liliana Castro
2007 Ônibus 17/4 Roteirista e Diretor Documentário de Curta-metragem
2001 Um Anjo Trapalhão Ator Longa-metragem da Renato Aragão Produções. Personagem: Jesus
2000 Você Decide Ator 5 episódios da série "Você decide: Transas de Família" Rede Globo. Personagem: William
1999 Chiquinha Gonzaga Ator Mini-série Rede Globo. Personagem: Juca Gonzaga (1ª fase)
1998 Era uma vez... Ator Novela Rede Globo. Personagem: Sarrafo
1997 Zazá Ator Novela Rede Globo. Personagem: Jonas
1996 Vira Lata Ator Novela Rede Globo. Personagem: Toquinho.
1995 Malhação Ator Novela Rede Globo. Personagem: Lucas
1994 Quatro por Quatro Ator Novela Rede Globo. Personagem: Dinho "Animal"
1994 Pátria Minha Ator Novela Rede Globo. Personagem: Gabriel
1993 Sonho Meu Ator Novela Rede Globo. Personagem: Chico
1993 Trapalhões: Criança Esperança Ator Programa especial Rede Globo. Diversos personagens.
1992 De Corpo e Alma Ator Novela Rede Globo. Personagem: Pinguim
1991 Felicidade Ator Novela Rede Globo. Personagem: Alvinho


Referências

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre um ator é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.