Eduardo Duarte Ferreira

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Ambox rewrite.svg
Esta página precisa ser reciclada de acordo com o livro de estilo (desde Fevereiro de 2008).
Sinta-se livre para editá-la para que esta possa atingir um nível de qualidade superior.

Eduardo Duarte Ferreira (Tramagal, 10 de Fevereiro de 18561948) foi um empresário português.

Nascido no concelho de Abrantes (distrito de Santarém) numa família humilde, não teve sequer condições para fazer o exame do ensino primário, apesar de ter aprendido a ler e escrever. Considerado pelos seus conterrâneos como um jovem de "fraca inteligência", teve que ir procurar trabalho fora da sua terra, acabando por aprender o ofício de ferreiro na povoação de Rossio ao Sul do Tejo, onde esteve três anos sem ganhar dinheiro. Tinha, nesta altura, 19 anos. Ganhando o gosto pelo trabalhar o ferro, aspirou a montar uma oficina própria, o que veio a conseguir por volta dos 26 anos de idade. É esta oficina, a quem Duarte Ferreira chamou "A Forja", que está na génese daquela que viria a ser uma das maiores unidades industriais de portuguesas. A oficina, que começou por se dedicar ao fabrico de alfaias agrícolas, em especial charruas, foi crescendo e o negócio tornou-se próspero.

Em 1920, muda para umas instalações mais amplas, junto do caminho-de-ferro da Linha da Beira Baixa, onde passou a designar-se por "Grande Fábrica de Metalúrgica", empregando 250 operários. Em 1923, a empresa transforma-se numa sociedade por quotas e passa a designar-se por Duarte Ferreira & Filhos, passando a adoptar como seu símbolo comercial e de marca uma borboleta. Prosseguindo a sua expansão e modernização, Duarte Ferreira integra na unidade industrial, no ano de 1927, um laboratório químico e metalúrgico para investigação e ensaio de materiais. Neste mesmo ano, Duarte Ferreira cria um sistema de segurança social para protecção dos seus funcionários. Em reconhecimento de toda a sua actividade, igualmente em 1927, é condecorado pelo Estado português, na pessoa do Presidente da República, Marechal António Óscar de Fragoso Carmona, que se deslocou em visita oficial à região do Tramagal, com a Comenda do Mérito Agrícola e Industrial. O fabrico de enfardadeiras e de debulhadoras mecânicas, numa primeira fase (1933-1934), e de caixas de lubrificação para eixos de locomotivas e gasogénios para automóveis, numa segunda fase, são as grandes áreas produtivas da empresa que, em 1947, se transforma numa sociedade anónima com o nome de Metalúrgica Duarte Ferreira, SARL. No ano seguinte – 1948 – com 92 anos de idade, Eduardo Duarte Ferreira, que nunca de deixou de interessar, em toda a sua vida, pela trabalho da empresa que fundou, morre. Deixa uma empresa próspera e que emprega oitocentos trabalhadores.

Em 10 de Fevereiro de 1964 procede-se à inauguração das linhas de montagem dos veículos militares Berliet, que passam a serem fornecidos, em grande número, ao exército português e se tornam um dos meios de transporte mais utilizados nas missões deste, entre as quais se destacam as relativas à guerra colonial portuguesa, conflito em que Portugal esteve envolvido desde o início da década de 1960 até ao ano de 1974, tendo sido produzidas, durante estes dez anos, cerca de 3 300 viaturas militares Berliet Tramagal. Em consequência desta nova actividade produtiva, a Metalúrgica Duarte Ferreira abandona o fabrico das máquinas e alfaias agrícolas. Logo após a Revolução de 25 de Abril de 1974 – 20 de Dezembro de 1974 - , e até ao ano de 1979, a Metalurgia Duarte Ferreira é intervencionada pelas autoridades governamentais portuguesas. Esta gestão administrativa acaba por conduzir a empresa a uma situação muito difícil e o espectro da falência e do desemprego começa a tornar-se uma ameaça para os seus 2300 funcionários, que, então, já empregava. No princípio da década de 1980, procuram-se várias soluções que evitem o seu encerramento, designadamente através da produção de novas viaturas militares, os camiões TT, depois também adaptados a viaturas de bombeiros. Contudo, a realidade económica e financeira da Metalúrgica não deixa de se agravar. No ano de 1984, as greves, manifestações e os salários em atraso são a expressão das dificuldades existentes. Em 1994, os bens da Metalúrgica Duarte Ferreira, entretanto penhorados, são vendidos e, no ano seguinte, ano de 1995, a empresa é, formalmente, extinta.