Eduardo de Arantes e Oliveira

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Eduardo de Arantes e Oliveira
Nascimento 1907
Tomar
Morte 1982 (75 anos)
Cidadania Portugal
Ocupação político, engenheiro
Eduardo de Arantes e Oliveira.

Eduardo de Arantes e Oliveira CvCComCGCCOAGCSEGCIH (Tomar, Santa Maria dos Olivais, 1907 - 1982) foi um engenheiro e político português.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Arantes e Oliveira frequentou o Colégio Militar. Realizou os estudos preparatórios de engenharia na Escola Politécnica de Lisboa, entrando depois para a Escola do Exército onde se formou em engenharia militar. Atingiu o posto de Major.

No âmbito da sua atividade profissional como engenheiro, Arantes e Oliveira realizou projetos de estruturas de betão armado, de hidráulica sanitária e de habitação. Foi um dos pioneiros da hidráulica sanitária em Portugal, tendo publicado a obra Os Esgotos de Lisboa de cuja elaboração foi encarregado pela Câmara Municipal de Lisboa. No que se refere à habitação foi um dos principais responsáveis pela concepção e planeamento do bairro de Alvalade, em Lisboa.

Arantes e Oliveira desempenhou a função de diretor do Serviço de Urbanização e Obras da Câmara Municipal de Lisboa até 1947. A 2 de abril de 1947, tomou posse como o primeiro diretor do Laboratório Nacional de Engenharia Civil.

A 2 de abril de 1954, Salazar nomeou-o ministro das Obras Públicas, cargo que desempenhou até 12 de abril de 1967.

A partir de 1967, desempenhou a função de presidente do Conselho Superior de Fomento Ultramarino.

Em 1970, foi nomeado Governador-Geral de Moçambique, numa altura em que arranca o projeto da Barragem de Cahora Bassa. Mantém-se nesse cargo até 1972. Entretanto foi nomeado membro vitalício do Conselho de Estado.[1]

Foi Doutor honoris causa pela Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa. Era cidadão Honorário de quase todos os municípios portugueses. Seu nome está ligado a uma das principais avenidas no município de Esposende. Lista de topónimos de Esposende

Foi pai de Eduardo Romano de Arantes e Oliveira.

Foi irmão do Capitão António de Arantes e Oliveira, Oficial da Ordem Militar de Avis a 4 de Dezembro de 1943 e Comendador da Ordem Civil do Mérito Agrícola e Industrial Classe Industrial a 13 de Julho de 1967,[2] do Contra-Almirante João de Arantes e Oliveira, Oficial da Ordem Militar de Avis a 8 de Maio de 1953, Comendador da Ordem Militar de Avis a 5 de Abril de 1956, Grande-Oficial da Ordem Militar de Avis a 17 de Abril de 1967 e Grã-Cruz da Ordem Militar de Avis a 8 de Agosto de 1973,[3] e do Major-General José Carlos de Arantes e Oliveira, Cavaleiro da Ordem Militar de Avis a 28 de Novembro de 1941, Comendador da Ordem Militar de Cristo a 2 de Julho de 1948 e Comendador da Ordem Militar de Avis a 19 de Janeiro de 1955.[4]

Condecorações[5][editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Biografia no site do Laboratório Nacional de Engenharia Civil.
  2. «Cidadãos Nacionais Agraciados com Ordens Portuguesas». Resultado da busca de "António de Arantes e Oliveira". Presidência da República Portuguesa. Consultado em 27 de fevereiro de 2015 
  3. «Cidadãos Nacionais Agraciados com Ordens Portuguesas». Resultado da busca de "João de Arantes e Oliveira". Presidência da República Portuguesa. Consultado em 27 de fevereiro de 2015 
  4. «Cidadãos Nacionais Agraciados com Ordens Portuguesas». Resultado da busca de "José Carlos de Arantes e Oliveira". Presidência da República Portuguesa. Consultado em 27 de fevereiro de 2015 
  5. «Cidadãos Nacionais Agraciados com Ordens Portuguesas». Resultado da busca de "Eduardo de Arantes e Oliveira". Presidência da República Portuguesa. Consultado em 27 de fevereiro de 2015 
Precedido por
Baltasar Rebelo de Sousa
Governador-geral de Moçambique
1970 - 1972
Sucedido por
Manuel Pimentel Pereira dos Santos