Edwin Mattison McMillan

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Edwin Mattison McMillan Medalha Nobel
Química
Nacionalidade Estados Unidos Estadunidense
Nascimento 18 de setembro de 1907
Local Redondo Beach
Morte 7 de setembro de 1991 (83 anos)
Local El Cerrito
Atividade
Campo(s) Química
Instituições Universidade da Califórnia em Berkeley, Laboratório Nacional de Lawrence Berkeley
Alma mater Instituto de Tecnologia da Califórnia, Universidade de Princeton
Orientador(es) Edward Condon e Ernest Lawrence
Conhecido(a) por Primeiro elemento transurânico
Prêmio(s) Nobel prize medal.svg Nobel de Química (1951), Prêmio Átomos pela Paz (1963), Medalha Nacional de Ciências (1990)

Edwin Mattison McMillan (Redondo Beach, 18 de setembro de 1907El Cerrito, 7 de setembro de 1991) foi um físico estadunidense e Prêmio Nobel creditado como sendo o primeiro a produzir um elemento transurânico, o netúnio. Por essa contribuição, dividiu o Prêmio Nobel de Química com Glenn Theodore Seaborg em 1951.

Graduado pelo Instituto de Tecnologia da Califórnia, obteve seu doutorado pela Universidade de Princeton, em 1933, e se juntou ao Laboratório de Radiação de Berkeley, onde descobriu o oxigênio-15 e berílio-10. Durante a Segunda Guerra Mundial, trabalhou no radar de microondas no Laboratório de Radiação do MIT, e em sonar no Laboratório de Rádio e Som da Marinha. Em 1942 se juntou ao Projeto Manhattan, o esforço de guerra para criar bombas atômicas, e ajudou a estabelecer o projeto do Laboratório Nacional de Los Alamos, onde as bombas foram projetadas. Liderou equipes que trabalharam no projeto de armas nucleares do tipo balístico, e também participou do desenvolvimento da arma nuclear de implosão.

McMillan co-inventou o síncrotron com Vladimir Veksler. Em 1954 foi nomeado diretor associado do Laboratório de Radiação, sendo promovido a vice-diretor em 1958. Com a morte de Ernest Lawrence naquele ano, se tornou diretor, e permaneceu nessa posição até sua aposentadoria em 1973.

Início de vida[editar | editar código-fonte]

McMillan nasceu em Redondo Beach, Califórnia, em 18 de setembro de 1907, filho de Edwin McMillan Harbaugh e sua esposa Anna Marie McMillan, nascida Mattison.[1] Tinha uma irmã mais nova, Catherine Helen. Seu pai era um médico, assim como seu irmão gêmeo, e três dos irmãos de sua mãe. Em 18 de outubro de 1908, a família mudou-se para Pasadena, Califórnia, onde estudou na McKinley Elementary School entre 1913 e 1918, a Grant School entre 1918 e 1920 e, em seguida na Pasadena High School, na qual se graduou em 1924.[2]

O Instituto de Tecnologia da Califórnia (Caltech) ficava apenas uma milha de sua casa, e lá ele participou de algumas das palestras públicas.[3] Ingressou na Caltech em 1924. Fez um projeto de pesquisa com Linus Pauling como graduação e recebeu seu título de bacharel em 1928 e seu grau de Master of Science (ou mestrado) em 1929,[1] escrevendo uma tese inédita sobre "Um método melhorado para a determinação do teor de rádio das rochas".[4] Então adquiriu seu título de doutorado pela Universidade de Princeton em 1933, escrevendo sua tese sobre a "Deflexão de uma Viga de Moléculas de HCI em um Campo Elétrico Não-Homogêneo", sob a supervisão de Edward Condon.[5]

Referências

  1. a b Fundação Nobel. Edwin M. McMillan - Biographical Prêmio Nobel. Página visitada em 30 de agosto de 2015.
  2. Edwin McMillan - Session I. Instituto Americano de Física. 30 de agosto de 2015.
  3. Seaborg 1993, p. 287.
  4. McMillan, Edwin. An improved method for the determination of the radium content of rocks. California Institute of Technology. 30 de agosto de 2015.
  5. Seaborg 1993, p. 288.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]


Precedido por
Otto Paul Hermann Diels e Kurt Alder
Nobel de Química
1951
com Glenn Theodore Seaborg
Sucedido por
Archer John Porter Martin e Richard Laurence Millington Synge


Ícone de esboço Este artigo sobre um(a) químico(a) é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.