Eixo do mal

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Disambig grey.svg Nota: Para o programa televisivo de opinião política, veja Eixo do Mal (SIC Notícias).
O Eixo do Mal de Bush inclui o Irã, o Iraque, e a Coreia do Norte. Além do Eixo do Mal, conforme John R. Bolton, incluíram-se também Cuba, Líbia e Síria (em laranja). Em azul está o território dos EUA.

Eixo do mal foi uma expressão adotada pelo presidente dos EUA, George W. Bush, inicialmente no seu Discurso sobre o Estado da União de 29 de Janeiro de 2002 e, depois, muitas vezes repetida, para se referir a governos que ele considerava hostis ou inimigos dos EUA, acusando-os de apoiarem o terrorismo e de possuírem armas de destruição em massa. Irã, Iraque e Coreia do Norte segundo Bush, estariam construindo armas nucleares. O governo Bush usou o conceito de Eixo do Mal para obter apoio político à chamada Guerra ao Terror.

Estado da União 2002[editar | editar código-fonte]

Em seu discurso sobre o Estado da União de 2002, Bush chamou a Coreia do Norte de "um regime armado com mísseis e armas de destruição em massa, enquanto mata seus cidadãos de fome".[1] Ele também afirmou que o Irã "persegue agressivamente essas armas e exporta o terror, enquanto uns poucos não eleitos reprimem a esperança de liberdade do povo iraniano".[1] Bush fez a maior crítica ao Iraque, afirmando que "o Iraque continua a ostentar sua hostilidade contra a América e a apoiar o terror. O regime iraquiano conspirou para desenvolver antraz, gás nervoso e armas nucleares por mais de uma década. Isso é um regime que temjá usou gás venenoso para assassinar milhares de seus próprios cidadãos, deixando os corpos de mães encolhidos sobre seus filhos mortos.[1] Este é um regime que concordou com as inspeções internacionais e depois expulsou os inspetores. Este é um regime que tem algo a esconder do mundo civilizado".[1] Posteriormente, Bush disse: "Estados como estes e seus aliados terroristas constituem um eixo do mal, armando-se para ameaçar a paz do mundo".[1] Nenhum dos terroristas envolvidos no 11 de setembro eram cidadãos das três nações citadas por Bush.[2]

Definição[editar | editar código-fonte]

A definição de Eixo do Mal está no seguinte Discurso do Estado da União, traduzido:

Outros eixos[editar | editar código-fonte]

Mapa dos membros do Eixo do bem

"Eixo do bem" foi a contestação do presidente venezuelano Hugo Chávez à expressão estadunidense, à qual se oporiam Bolívia, Cuba e Venezuela, conforme os vários pactos de cooperação firmados entre eles.[3]

"Eixo da paz" foi o alinhamento entre França, Alemanha e Rússia contra a doutrina de ataque preventivo do governo de George W. Bush nos Estados Unidos, portanto, contra à invasão do Iraque em 2003.[4]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. a b c d e «State of the Union Address (January 29, 2002)». Miller Center. Cópia arquivada em 11 de outubro de 2011 
  2. Glass, Andrew (29 de janeiro de 2019). «President Bush cites 'axis of evil,' Jan. 29, 2002». Politico. Consultado em 19 de fevereiro de 2020 
  3. «"Nosotros estamos conformando el eje del bien"». Consultado em 27 de novembro de 2018. Arquivado do original em 29 de abril de 2007 
  4. Soreanu,, Pecequilo, Cristina. A União Europeia : Os Desafios, a Crise e o Futuro da Integração. Rio de Janeiro, Brazil: [s.n.] ISBN 9788535275063. OCLC 900884663 

Links externos[editar | editar código-fonte]

Wikisource
A Wikisource contém fontes primárias relacionadas com Eixo do mal