Eixo hipotálamo-pituitária-adrenal

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Esquema do eixo HPA demonstrando o hormônio liberador de corticotrofina (CRH) e o hormônio adrenocorticotrófico (ACTH)

O eixo hipotálamo-pituitária-adrenal é um conjunto de interações responsivas que envolvem o hipotálamo, a glândula pituitária e a glândula adrenal.

Esses órgãos e suas respectivas interações constituem o eixo HPA, um sistema neuroendócrino[1] que controla as reações ao estresse e regula diferentes processos corporais, como a digestão, as respostas do sistema imunológico, humor e emoções, sexualidade e a alocação e gasto de energia. O eixo funciona como um mecanismo comum para a dinâmica entre glândulas, hormônios e regiões do mesencéfalo que arbitram a síndrome de adaptação geral (SAG).[2] Embora os esteroides sejam produzidos primordialmente por seres vertebrados, o papel fisiológico do eixo HPA e dos corticosteroides no estresse é tão essencial que sistemas análogos podem ser encontrados em invertebrados e em organismos unicelulares.

O eixo hipotálamo-pituitária-adrenal, o eixo hipotálamo-pituitária-gonadal (HPG) e a neuroipófise são os quatro principais sistemas através dos quais o hipotálamo e a hipófise direcionam a função neuroendócrina.[1]

Anatomia[editar | editar código-fonte]

Os principais elementos do eixo HPa são o núcleo paraventricular do hipotálamo, que contém neurônios neuroendócrinos, os quais sintetizam e secretam vasopressina e o hormônio liberador de corticotrofina (CRH). Esses dois peptídeos são responsáveis pela automação do lóbulo anterior da glândula pituitária.

Sobretudo, o CRH e a vasopressina estimulam a secreção do hormônio adrenocorticotrófico (ACTH), também conhecido como corticotrofina. pro sua vez, o ACTH atua no córtex adrenal, o qual produz glicocorticoides (em humanos, predomina o cortisol) em resposta ao estímulo da ACTH. Glicocorticoides, por seu turno, agem de volta ao hipotálamo e à glândula pituitária por meio de uma retroalimentação negativa.

O CRH e a vasopressina são liberados por intermédio de terminais nervosos de neurossecreção localizados na eminência radiana, uma região que compreende o hipotálamo e a hipófise. Desse modo, o CRH é transportado para a parte anterior da glândula pituitária através dos sistema vascular da haste hipofisária, enquanto a vasopressina é transportada pelo transporte axonal da parte posterior da glândula pituitária. Lá, o CRH e a vasopressina agem de forma sinérgica para estimular a secreção de ACTH das células corticotrópicas. O ACTH é transportado pelo sangue para o córtex da glândula adrenal, onde estimula rapidamente a biossíntese de corticosteroides, como o cortisol, a partir do colesterol. O cortisol é o principal hormônio associado ao estresse e tem efeitos significativos em diversos tecidos corporais, incluindo o cérebro. No cérebro, o cortosol atua em dois tipos de receptores – receptores de mineralcorticoides e receptores de glicocorticoides – e estes são expressos por diversos tipos de neurônios. Um alvo importante dos glicocorticoides é o hipotálamo, que é o principal centro de controle do eixo HPA.

A vasopressina pode ser vista como um "hormônio de conservação de água", sendo também conhecida como "hormônio antidiurético". Sua liberação ocorre quando o corpo está desidratado e tem efeitos potentes de conservação hídrica no rim. É, ainda, um forte vasoconstritor. Os ciclos de retroalimentação do eixo HPA incluem a produção de cortisol no córtex adrenal que inibirá tanto o hipotálamo quanto a glândula pituitária. Desse modo, há redução da secreção de CRH e de vasopressina, além da redução direta da clivagem da pró-opiomelanocortina (POMC) em ACTH e em betaendorfinas. A epinefrina e a norepinefrina (E/NE) são produzidas pela medula adrenal por meio da estimulação e pelos efeitos locais do cortisol. Assim, ambas as substâncias retornam de forma positiva para a hipófise e aumentam a decomposição de pró-opiomelanocortina em ACTH e em betaendorfinas.

Função[editar | editar código-fonte]

A liberação de CRH proveniente do hipotálamo é influenciada pelo estresse, atividade física, doenças, níveis sanguíneos de cortisol e pelo ritmo circadiano. Em indivíduos saudáveis, o cortisol aumenta rapidamente após o despertar, atingindo um pico de 30 a 45 minutos. Depois, cai gradualmente ao longo do dia, subindo novamente no final da tarde. Os níveis de cortisol caem no final da noite, atingindo um declínio durante o meio da noite. Isso, portanto, corresponde ao ciclo de atividade em repouso do organismo.[3] Um ciclo anormal de cortisol foi associado à síndrome da fadiga crônica,[4] à insônia[5] e à síndrome de burnout.[6]

O eixo HPA tem um papel crucial na regulação de muitos sistemas homeostáticos no corpo, incluindo o sistema metabólico, sistema cardiovascular, sistema imunológico, sistema reprodutivo e o sistema nervoso central. Este eixo integra, ainda, influência físicas e psicossociais para permitir que o organismo se adapte efetivamente ao ambiente, use recursos e otimize sua sobrevivência.[3]

As conexões anatômicas entre as regiões cerebrais – como a amígdala cerebelosa, o hipocampo, o córtex pré-frontal e o hipotálamo – facilitam a ativação do eixo HPA. As informações sensoriais que chegam à parte lateral da amígdala cerebelosa é processada e transmitida ao seu núcleo, que, logo depois, se projeta para várias partes do cérebro correlatas às respostas ao medo. No hipotálamo, os impulsos de sinalização do medo ativam o sistema nervoso simpático e os sistemas moduladores do eixo HPA.

A ampliação da produção de cortisol durante episódios de estresse resulta em maior disponibilidade de glicose, a fim de facilitar o combate ou a fuga. Além de aumentar diretamente os níveis glicêmicos, o cortisol suprime os processos metabólicos severos do sistema imunológico, acarretando em maior disponibilidade de glicose.[3]

Os glicocorticoides têm muitas funções importantes, incluindo a articulação das reações de estresse, mas, em excesso, pode ser prejudicial. Acredita-se que a atrofia do hipocampo em humanos e animais expostos a estresse severo seja causada pela exposição prolongada a altas concentrações de glicocorticoides. As deficiências do hipocampo podem reduzir os recursos de memória disponíveis para ajudar o corpo a formular reações apropriadas a situações estressantes.

Sistema imunológico[editar | editar código-fonte]

Há, entre o eixo HPA e o sistema imunológico, uma comunicação bidirecional e uma retroalimentação. Várias citocinas, como a IL-1, IL-6, IL-10 e o TNF-α, podem ativar o eixo HPA, embora a IL-1 seja a mais potente. O eixo HPA, por sua vez, intenta a resposta imune, com altos níveis de cortisol, resultando na supressão de reações imunes e inflamatórias. Desse modo, o organismo é protegido por meio de uma superativação letal do sistema imunológico, capaz de minimizar os danos nos tecidos causados~pela inflamação.[3]

O sistema nervoso central é, sob muitos aspectos, privilegiado quanto à resposta imune, mas desempenha um papel importante no sistema imunológico, sendo, por sua vez, posteriormente afetado por ele. O sistema nervoso central regula o sistema imunológico através de vias neuroendócrinas, como o eixo HPA. O eixo HPA, então, é responsável por modular as respostas inflamatórias que ocorrem em todo o corpo.[7][8]

Durante uma resposta imune, citocinas pró-inflamatórias são liberadas no sistema de circulação periférica e podem atravessar a barreira hematoencefálica e interagir com o cérebro para ativar o eixo HPA.[8][9][10] O contato entre as citocinas pró-inflamatórias e o cérebro podem alterar a atividade metabólica dos neurotransmissores e levar ao aparecimento de sintomas como a fadiga, depressão e alterações de humor.[8][8][9] Deficiências locais no eixo HPA são capazes de desempenhar um papel em quadros alérgicos, inflamatórios e autoimunes, como a artrite reumatoide e a esclerose múltipla.[7][8][11]

Quando o eixo HPA é ativado por estressores, como uma resposta autoimune, altos níveis de glicocorticoides são liberados no corpo e suprimem a resposta imune. Assim, inibem a expressão de citocinas pró-inflamatórias, como a IL-1, TNF-α e a IFN-γ e elevam os níveis de citocinas anti-inflamatórias (como a IL-4, IL-10 e IL-13) nas células imunes, como monócitos e neutrófilos.[8][9][11][12]

A relação entre estresse crônico, a ativação concomitante do eixo HPA e a disfunção do sistema imunológico ainda não é clara; estudos descobriram, no entanto, incidência de imunossupressão e de hiperativação da resposta imune.[12]

Estresse[editar | editar código-fonte]

Estresse e doenças[editar | editar código-fonte]

O eixo HPA está envolvido na neurobiologia dos transtornos do humor e de doenças funcionais, que incluem o transtorno de ansiedade, transtorno bipolar, insônia, transtorno de estresse pós-traumático, transtorno de personalidade borderline, transtorno depressivo maior, burnout, síndrome da fadiga crônica, fibromialgia, síndrome do cólon irritável e alcoolismo.[13] Antidepressivos, que são prescritos para muitas das doenças supramencionadas, ajudam a regular o funcionamento do eixo HPA.[14]

Estudos experimentais investigaram diferentes tipos de estresse e seus efeitos no eixo HPA em diferentes circunstâncias.[15] Estressores podem ter gêneses diferentes - nos experimentos em ratos, a distinção é, comumente, feita entre o "estresse social" e o "estresse físico", mas ambos os tipos ativam o eixo HPA através de caminhos diferentes.[16] Diversas neurotransmissores de monoaminas são importantes na regulação do eixo HPA, em especial a dopamina, serotonina e norepinefrina (noradrenalina). Há evidências de que o aumento de oxitocina, resultante, por exemplo, de relações sociais positivas, ajuda na supressão do eixo HPA e opõe-se ao estresse, oferecendo efeitos benéficos à saúde como a cicatrização de feridas.[17]

A existência do eixo HPA é uma característica presente em mamíferos e em outros vertebrados. Por exemplo, ao estudar o estresse em peixes, biólogos demonstraram que a hierarquia social leva ao estresse crônico, que está diretamente relacionado à redução de interações agressivas, à falta de controle e à constante ameaça imposta pelos peixes dominantes. A serotonina (5-HT) pareceu ser o neurotransmissor ativo envolvido na mediação de respostas ao estresse, e os aumentos de serotonina estão relativos ao aumento dos níveis plasmáticos do hormônio estimulante de alfa-melanócitos (α-MSH), que causa escurecimento na pele, a ativação do eixo HPA e a inibição da agressão. A inclusão do aminoácido triptófano, um precursor do 5-HT, na alimentação da truta-arco-íris, tornou o peixe menos agressivo.[18] No entanto, o estudo menciona que o cortisol plasmático não foi afetado pelo triptófano na dieta. Demonstrou-se que o medicamento LY354740, também conhecido como Eglumegad, um agonista dos receptores metabotrópicos de glutamato 2 e 3, interfere no eixo HPA com a administração oral que leva à redução significativa dos níveis de cortisol basal nos Macaca radiata. Além disso, a infusão aguda de LY354740 resultou numa diminuição acentuada da resposta ao estresse induzida por ioimbina nesses animais.[19]

Estudos em diferentes indivíduos mostram que o eixo HPA é ativado de maneiras distintas durante o estresse crônico, dependendo do tipo de estressor, da resposta pessoal ao estressor e de outros fatores. Estressores incontroláveis, que ameaçam a integridade física ou envolvem trauma, tendem a ter um perfil diurno alto de liberação de cortisol. Por outro lado, estressores controláveis tendem a produzir cortisol matinal acima do normal. A liberação do hormônio do estresse tende a diminuir gradualmente após a ocorrência de um estressor. No transtorno do estresse pós-traumático, parece haver liberação abaixo do normal de cortisol, o que leva a crer que uma resposta hormonal embotada possa predispor uma pessoa a desenvolver a doença.[20]

Sabe-se, também, que os hormônios do eixo HPA estão relacionados a certas doenças de pele e à homeostase de pele. Existem evidências de que os hormônios deste eixo podem estar ligados a certas doenças e tumores de pele relacionados ao estresse. Isso acontece quando os hormônios do eixo HPA se tornam hiperativos para o cérebro.[21]

Referências

  1. a b Malenka RC, Nestler EJ, Hyman SE (2009). «Chapter 10: Neural and Neuroendocrine Control of the Internal Milieu». In: Sydor A, Brown RY. Molecular Neuropharmacology: A Foundation for Clinical Neuroscience 2nd ed. New York: McGraw-Hill Medical. pp. 246, 248–259. ISBN 9780071481274.
    * O sistema hipotálamo-neuroipofisário secreta dois hormônios peptídicos, vasopressina e ocitocina, diretamente no sangue.
    * O eixo hipotálamo-pituitária-adrenal (HPA) compreende o fator de liberação de corticotrofina (CRF), proveniente do hipotálamo; hormônio adrenocorticotópico (ACTH), proveniente da glândula pituitária anterior; e glicocorticoides, provenientes do córtex adrenal.
    * O eixo hipotálamo-pituitária-tireoide consiste no hormônio liberador de tireotrofina (TRH); no hormônio estimulante da tireoide (TSH); e nos hormônios T3 e T4 da tireoide.
    * O eixo hipotálamo-pituitária-gonadal compreende o hormônio liberador de gonadotrofina hipotalâmica (GnRH), o hormônio luteinizante (LH) e o hormônio folículo-estimulante (FSH) e os esteroides gonadais.
     
  2. Selye, Hans (1974). Stress without distress. Philadelphia: Lippincott. ISBN 978-0-397-01026-4 
  3. a b c d editors, volume; Besedovsky, Hugo; Chrousos, George; Rey, Adriana Del (2008). The hypothalamus-pituitary-adrenal axis 1st ed. Amsterdam: Academic. ISBN 9780444530400 
  4. MacHale SM, Cavanagh JT, Bennie J, Carroll S, Goodwin GM, Lawrie SM (novembro de 1998). «Diurnal variation of adrenocortical activity in chronic fatigue syndrome». Neuropsychobiology. 38 (4): 213–7. PMID 9813459. doi:10.1159/000026543 
  5. Backhaus J, Junghanns K, Hohagen F (outubro de 2004). «Sleep disturbances are correlated with decreased morning awakening salivary cortisol». Psychoneuroendocrinology. 29 (9): 1184–91. PMID 15219642. doi:10.1016/j.psyneuen.2004.01.010 
  6. Pruessner JC, Hellhammer DH, Kirschbaum C (1999). «Burnout, perceived stress, and cortisol responses to awakening». Psychosom Med. 61 (2): 197–204. PMID 10204973. doi:10.1097/00006842-199903000-00012 
  7. a b Marques-Deak, A; Cizza, G; Sternberg, E (fevereiro de 2005). «Brain-immune interactions and disease susceptibility». Molecular Psychiatry. 10 (3): 239–250. PMID 15685252. doi:10.1038/sj.mp.4001643 
  8. a b c d e f Otmishi, Peyman; Gordon, Josiah; El-Oshar, Seraj; Li, Huafeng; Guardiola, Juan; Saad, Mohamed; Proctor, Mary; Yu, Jerry (2008). «Neuroimmune Interaction in Inflammatory Diseases». Clinical Medicine: Circulatory, Respiratory, and Pulmonary Medicine. 2: 35–44. PMC 2990232Acessível livremente. PMID 21157520 
  9. a b c Tian, Rui; Hou, Gonglin; Li, Dan; Yuan, Ti-Fei (junho de 2014). «A Possible Change Process of Inflammatory Cytokines in the prolonged Chronic Stress and its Ultimate Implications for Health». The Scientific World Journal. 2014. 780616 páginas. PMC 4065693Acessível livremente. PMID 24995360. doi:10.1155/2014/780616 
  10. Hall, Jessica; Cruser, desAgnes; Podawiltz, Alan; Mummert, Diana; Jones, Harlan; Mummert, Mark (agosto de 2012). «Psychological Stress and the Cutaneous Immune Response: Roles of the HPA Axis and the Sympathetic Nervous System in Atopic Dermatitis and Psoriasis». Dermatology Research and Practice. 2012. 403908 páginas. PMC 3437281Acessível livremente. PMID 22969795. doi:10.1155/2012/403908 
  11. a b Bellavance, Marc-Andre; Rivest, Serge (março de 2014). «The HPA-immune axis and the immunomodulatory actions of glucocorticoids in the brain». Frontiers in Immunology. 5. 136 páginas. PMC 3978367Acessível livremente. PMID 24744759. doi:10.3389/fimmu.2014.00136. Consultado em 11 de fevereiro de 2016 
  12. a b Padgett, David; Glaser, Ronald (agosto de 2003). «How stress influences the immune response» (PDF). Trends in Immunology. 24 (8): 444–448. PMID 12909458. doi:10.1016/S1471-4906(03)00173-X. Consultado em 12 de fevereiro de 2016. Cópia arquivada (PDF) em 27 de março de 2016 
  13. Spencer RL, Hutchison KE (1999). «Alcohol, aging, and the stress response». Alcohol Research & Health. 23 (4): 272–83. PMID 10890824 
  14. Pariante CM (agosto de 2003). «Depression, stress and the adrenal axis». Journal of Neuroendocrinology. 15 (8): 811–2. PMID 12834443. doi:10.1046/j.1365-2826.2003.01058.x 
  15. Douglas AJ (março de 2005). «Central noradrenergic mechanisms underlying acute stress responses of the Hypothalamo–pituitary–adrenal axis: adaptations through pregnancy and lactation». Stress. 8 (1): 5–18. PMID 16019594. doi:10.1080/10253890500044380 
  16. Engelmann M, Landgraf R, Wotjak CT (2004). «The hypothalamic-neurohypophysial system regulates the hypothalamic–pituitary–adrenal axis under stress: an old concept revisited». Frontiers in Neuroendocrinology. 25 (3–4): 132–49. PMID 15589266. doi:10.1016/j.yfrne.2004.09.001 
  17. Detillion CE, Craft TK, Glasper ER, Prendergast BJ, DeVries AC (setembro de 2004). «Social facilitation of wound healing». Psychoneuroendocrinology. 29 (8): 1004–11. PMID 15219651. doi:10.1016/j.psyneuen.2003.10.003 
  18. Winberg S, Øverli Ø, Lepage O (novembro de 2001). «Suppression of aggression in rainbow trout (Oncorhynchus mykiss) by dietary L-tryptophan». The Journal of Experimental Biology. 204 (Pt 22): 3867–76. PMID 11807104 
  19. Coplan JD, Mathew SJ, Smith EL, et al. (julho de 2001). «Effects of LY354740, a novel glutamatergic metabotropic agonist, on nonhuman primate hypothalamic–pituitary–adrenal axis and noradrenergic function». CNS Spectrums. 6 (7): 607–12, 617. PMID 15573025. doi:10.1017/S1092852900002157 
  20. Miller GE, Chen E, Zhou ES (janeiro de 2007). «If it goes up, must it come down? Chronic stress and the hypothalamic–pituitary–adrenocortical axis in humans». Psychological Bulletin. 133 (1): 25–45. PMID 17201569. doi:10.1037/0033-2909.133.1.25 
  21. Kim JE, Cho BK, Cho DH, Park HJ (julho de 2013). «Expression of hypothalamic–pituitary–adrenal axis in common skin diseases: evidence of its association with stress-related disease activity». Acta Dermato-venereologica. 93 (4): 387–93. PMID 23462974. doi:10.2340/00015555-1557