Ekaterina Mikhailova-Demina

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Ekaterina Mikhailova-Demina
Nascimento 22 de dezembro de 1925 (92 anos)
São Petersburgo
Cidadania Rússia
Ocupação militar
Prêmios Ordem de Lenin, Medalha "Pela vitória sobre a Alemanha na Grande Guerra Patriótica 1941-1945", Ordem do Estandarte Vermelho, Herói da União Soviética, Ordem da Guerra Patriótica 1ª classe, Medalha do Jubileu "60 Anos de Vitória na Grande Guerra Patriótica 1941-1945", Medalha do Jubileu "50 anos de vitória na Grande Guerra Patriótica 1941-1945"

Ekaterina Illarionovna Mikhailova-Demina (em russo: Екатерина Илларионовна Михайлова-Дёмина; nascida em 22 de dezembro de 1925) é a única mulher que atuou no reconhecimento da linha de frente da infantaria soviética durante a II Guerra Mundial.

Ela levou centenas de homens para fora do campo de batalha e foi seriamente ferida três vezes durante a sua carreira como médica dos fuzileiros navais. Apesar de várias vezes ter sido nomeada, foram-lhe negadas as altas honras militares com o final da guerra, refletindo a desigual abordagem para honrar a sua luta de homens e mulheres na União Soviética. No entanto, ela foi tardiamente reconhecida pelo Presidente Mikhail Gorbachev , em maio de 1990 com o título de Herói da União Soviética.

Atuação na guerra[editar | editar código-fonte]

Nascida em Leningrado, Mikhailova-Demina perdeu os pais ainda jovem e cresceu em um orfanato de Leningrado. Ela tinha quinze anos no momento da eclosão da Grande Guerra Patriótica, em junho de 1941, mas prontificou-se de imediato para o serviço militar em Smolensk depois de um trem em que ela viajava para Brest ser bombardeado.[1] Apesar de adicionar dois anos a sua idade, ela foi rejeitada no alistamento, mas foi aceita em um hospital militar. Os pacientes logo tiveram de ser evacuados, depois que o prédio em que estavam ser bombardeado, mas Mikhailova-Demina ficou para trás para atuar como médica de campo para o Exército Vermelho, que precisava desesperadamente de pessoal médico. Ela atuou especialmente no processo militar da aproximação alemã rumo a Moscou, durante o verão de 1941. Quando ela sofreu uma grave lesão em sua perna em combate perto de Gzhatsk, ela foi enviada para os Urais para se recuperar.[2]

No regresso ao trabalho, ela foi enviada para o Moscou Vermelho, um navio-hospital da Marinha Soviética, que foi empregado no transporte de soldados feridos de Stalingrado para Krasnoyarsk. Ela foi promovida ao posto de suboficial e elogiada por seu serviço exemplar. No entanto, ela entediou-se com o trabalho e ofereceu-se para o serviço da linha de frente com uma flotilha em Azov, da infantaria naval soviética. Apesar de seu pedido ser inicialmente negado, ela apelou para o governo em Moscou e foi aceita para o serviço no 369o Batalhão de Infantaria  Independente Naval,[3] em fevereiro de 1943. Ela primeiro participou de ações de guerra com os fuzileiros navais na Península de Taman sobre o Mar de Azov, antes de passar para batalhas em outros lugares ao longo do litoral do Mar Negro e o rio Dniestre. Após a sua unidade ser transferida para o Danúbio ela atravessou Romênia, Bulgária, Hungria, Iugoslávia e Áustria, e terminou a guerra em Viena.

Ela não foi bem recebida inicialmente pelos homens em sua unidade. No entanto, ela foi logo aceita, ao provar que ela poderia aguentar-se na linha de frente. Ela participava tanto da investigação do território inimigo ao lado de seus colegas homens quanto tratava de feridos e os mantinha em segurança. Ela ganhou sua primeira medalha de coragem por sua participação na recaptura de Temryuk na Península de Taman e foi premiada com a primeira das duas Ordens da Guerra Patriótica por participar da Batalha de Kerch.

Em agosto de 1944 Mikhailova-Demina participou de uma operação commando para recapturar a cidade de Bilhorod-Dnistrovskyi na Ucrânia. Sua unidade cruzou o estuário do Dniestre em barcos de borracha e escalou uma barreira inimiga. Mikhailova-Demina foi a primeira do grupo a subir o penhasco e juntou-se a à linha de frente para expulsar o inimigo a partir do cume. Ela sozinha atacou uma posição alemã fortificada, fazendo 14 presos, e cuidou de 17 feridos, ajudando-os a ficar em segurança. Ela ganhou uma Ordem do Estandarte Vermelho por seu papel no ataque.

Quatro meses depois, em dezembro de 1944, sua unidade avançou até a Iugoslávia. Durante um ataque à fortaleza de Ilok, na Croácia, ela foi uma das 50 fuzileiros navais, que levaram a cabo um ataque diversionista a partir de uma pequena ilha no rio Danúbio, abaixo da fortaleza. A unidade teve de usar as árvores como posições de tiro, pois a ilha estava inundada. No tiroteio que se seguiu, Mikhailova-Demina foi acertada na mão. Apenas 13 integrantes da sua unidade sobreviveram a uma intensa troca de tiros e todos ficaram feridos. Algumas das vítimas caíram de suas árvores e na água gelada, mas foram salvos por Mikhailova-Demina, que saltou e usou cintos e outras cordas para amarrar os homens feridos a árvores. Sete homens foram salvos por ela. A batalha a deixou com a dupla pneumonia, além do ferimento na mão, e ela teve de ser hospitalizada. Ela deixou o hospital mais cedo sem autorização e voltou para sua unidade. Ela foi premiada com uma segunda Ordem do Estandarte Vermelho por seu heroísmo.

Pós-guerra e reconhecimento[editar | editar código-fonte]

Mikhailova-Demina foi liberada do serviço em novembro de 1945, mas continuou a trabalhar como médica, após a guerra, incluindo passagens na Cruz Vermelha. Ela foi condecoraao com a Medalha Florence Nightingale pelo Comitê Internacional da Cruz Vermelha por seu trabalho durante a guerra; ela é a única mulher russa a ter recebido o prêmio.[4] Em 1950, formou-se no Instituto Médico de Leningrado e trabalhou como médica por 36 anos, aposentando-se em 1985.

Ela foi nomeada três vezes para Herói da União Soviética, a mais alta distinção do país, mas foi rejeitada em cada ocasião. Ela finalmente recebeu a medalha junto com a Ordem de Lenin e a Estrela Dourada, a partir de um decreto emitido pelo presidente Gorbachev em 5 de maio de 1990, que marcou o 45º aniversário do fim da guerra. Mikhailova-Demina foi uma das últimas reconhecidas antes da queda da União Soviética, em 1991.

Prêmios e distinções[editar | editar código-fonte]

  • Herói da União Soviética
  • Ordem de Lenin
  • Duas Ordens do Estandarte Vermelho
  • Ordem da Guerra Patriótica, 1ª classe
  • Ordem da Guerra Patriótica, eª classe 
  • Medalha "Por Coragem"
  • Medalha "Pela Captura de Viena"
  • Medalha "Pela Captura de Königsberg"
  • Medalha "Pela Captura de Budapeste"
  • Medalha "Pela Vitória sobre a Alemanha na Grande Guerra Patriótica de 1941-1945"
  • Medalha do jubileu de "Vinte Anos de Vitória na Grande Guerra Patriótica de 1941-1945"
  • Medalha do jubileu de "Trinta Anos da Vitória na Grande Guerra Patriótica de 1941-1945"
  • Medalha do jubileu de "Quarenta Anos da Vitória na Grande Guerra Patriótica de 1941-1945"
  • Medalha do jubileu de "60 Anos da Vitória na Grande Guerra Patriótica de 1941-1945"
  • Medalha do jubileu de "65 Anos da Vitória na Grande Guerra Patriótica de 1941-1945"
  • Medalha do jubileu de "50 Anos das Forças Armadas da URSS"
  • Medalha do jubileu de "60 Anos das Forças Armadas da URSS"
  • Medalha do jubileu "Em Comemoração do 100 º Aniversário desde o Nascimento de Vladimir Ilich Lenin"
  • Medalha do jubileu de "300 Anos da Marinha russa"

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências[editar | editar código-fonte]

  1. Легендарная разведчица ограблена в Москве. Novye Izvestia (em Russian). 1 de julho de 2008. Consultado em 21 de agosto de 2011 
  2. Sakaida, Henry (2003). Heroines of the Soviet Union 1941-45. Oxford: Osprey Publishing. pp. 23–25. ISBN 978-1-84176-598-3 
  3. Cook, Bernard A. (2006). Women and war: a historical encyclopedia from antiquity to the present, Volume 1. Santa Barbara, CA: ABC-CLIO. p. 554. ISBN 978-1-85109-770-8 
  4. «Первый канал wap-версия для мобильных устройств». 29 de setembro de 2012. Consultado em 16 de fevereiro de 2017