El Hiba (Egito)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
El Hiba

الحيبة
el-Hibeh

  Cidade  
El Hiba está localizado em: Egito
El Hiba
Localização de El Hiba no Egito moderno
Coordenadas 28° 46' 25" N 30° 55' 22" E
País  Egito
Governação Port Said
Fuso horário EST (UTC+2)
 - Horário de verão DST (UTC+3)

El Hiba (alt. el-Hibeh; em árabe: الحيبة) é o nome moderno da antiga cidade egípcia de Tayu-djayet (t3yw-ḏ3yt), um apelido antigo que significa "suas paredes" em referência às paredes maciças do cerco construídas no local.[1] Em copta, era conhecida como Teudjo, e durante o período greco-romano, era chamada de Ankyronpolis. Na antiguidade, a cidade estava localizada no 18º nomo do Alto Egito, e hoje é encontrada na governação de Beni Suef.[2]

História[editar | editar código-fonte]

Desde o final da XX dinastia até a XXII dinastia, Tayu-djayet era uma cidade de fronteira, marcando a divisão do país entre os sumos sacerdotes de Ámon em Tebas e os reis do Egito em Tânis.[3] Uma enorme muralha foi construída no local, com tijolos estampados com os nomes dos sumos sacerdotes Pinedjem I e Menkheperre. Anteriormente, o sumo sacerdote Herihor também morava e atuava de El Hiba. Durante a XXII dinastia, o rei Shoshenk I construiu um templo dedicado a "Ámon, o Grande Rugido" no local, com uma lista topográfica de cidades capturadas durante a sua "Primeira Campanha de Vitória" na Palestina; o templo também é decorado por seu filho, Osorkon I.[4]

Hoje[editar | editar código-fonte]

Tayu-djayet em hieroglifos é
tAiiwDAiit
niwt

Desde 2001, El Hiba tem sido o foco de escavações em andamento por uma equipe de arqueólogos da Universidade da Califórnia em Berkeley.[5] No entanto, devido à instabilidade como resultado da Revolução Egípcia de 2011, os saqueadores foram autorizados a pilhar sistematicamente o local, cavando centenas de poços, expondo tumbas, destruindo paredes e deixando vestígios humanos espalhados pelos terrenos.[6]

Notas

  1. Kitchen, Ken (1986). The Third Intermediate Period in Egypt (1100-650 BC), 2nd edition (em inglês). Warminster: Aris & Phillips Ltd. p. 269. ISBN 0-85668-298-5 
  2. Hawass, Zahi A. (2007). The Archaeology and Art of Ancient Egypt (em inglês) Richards, Janet E. ed. Cairo: Conselho Supremo de Antiguidades do Egito. p. 304-306. ISBN 9774372417 
  3. David, Ann Rosalie (2002). Religion and Magic in Ancient Egypt (em inglês). Londres: Penguin Books. p. 293 
  4. Schneider, Thomas; Manning, J.G.; Moreno García, Juan Carlos (2015). «El-Hibeh: a plundered site» (PDF). Londres: Egypt Exploration Society. Journal of Egyptian History (em inglês). 8 (2). ISSN 1874-1657. Consultado em 2 de janeiro de 2017. 
  5. «Archeologists Find Ancient Cemetery in Egypt». Phys.org (em inglês). 4 de março de 2008. Consultado em 2 de janeiro de 2017. 
  6. «Press release on the looting of El Hibeh Egypt». U.S. Committee of the Blue Shield (em inglês). 13 de março de 2012. Consultado em 2 de janeiro de 2017. 

Referências[editar | editar código-fonte]

  • Daressy, Georges. 1901. "Le temple de Hibeh." Annales du Service des Antiquités de l’Égypte 2:154–156.
  • Feucht, Erika. 1978. "Zwei Reliefs Scheshonqs I. aus el Hibeh." Studien zur altägyptischen Kultur 6:69–77.
  • Ranke, Hermann, ed. 1926. Koptische Friedhöfe bei Karâra und der Amontempel Scheschonks I. bei el Hibe: Bericht über den badischen Grabungen in Ägypten in den Wintern 1913 und 1914. Berlim e Leipzig: Walter de Gruyter & Co.
  • Wainwright, Geoffrey Avery. 1927. "El Hibah and esh Shurafa and Their Connection with Herakleopolis and Cusæ." Annales du Service des Antiquités de l’Égypte 27:76–104.
  • Wenke, Robert J. 1984. Archaeological Investigations at el-Hibeh 1980: Preliminary Report. American Research Center in Egypt Reports: Preliminary and Final Reports of Archaeological Excavations in Egypt from Prehistoric to Medieval Times 9. Malibu: Undena Publications

Ligações externas[editar | editar código-fonte]