Eleição municipal de São Paulo em 2016

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
2012 Brasil 2020
Eleição municipal de São Paulo em 2016 Bandeira da cidade de São Paulo.svg
2 de outubro de 2016[1]
Turno único
João Doria Júnior em 9 de janeiro de 2017.jpg Fernando Haddad na CMSP.JPG
Candidato João Doria Fernando Haddad
Partido PSDB PT
Natural de São Paulo, SP São Paulo, SP
Vice Bruno Covas Gabriel Chalita
Votos 3 085 187 967 190
Porcentagem 53,29% 16,70%
Russomano.jpg Senadora Marta Suplicy (foto oficial).jpg
Candidato Celso Russomanno Marta Suplicy
Partido PRB PMDB
Natural de São Paulo, SP São Paulo, SP
Vice Marlene Campos Machado Andrea Matarazzo
Votos 789 986 587 220
Porcentagem 13,64% 10,14%
Zonas Eleitorais em São Paulo 2016.png
Resultado da eleição por zonas eleitorais.


Brasão da cidade de São Paulo.svg
Prefeito de São Paulo

A eleição municipal da cidade brasileira de São Paulo ocorreu em 2 de outubro de 2016[1] para eleger um prefeito, um vice-prefeito e 55 vereadores para a administração da cidade paulista. O prefeito titular é Fernando Haddad, do Partido dos Trabalhadores (PT), que concorreu à reeleição. As movimentações pré-campanha ocorrem num contexto de crise política envolvendo um pedido de impeachment do segundo mandato da presidente Dilma Rousseff, do PT.[2]

Não houve segundo turno. Pela primeira vez desde 1992 (quando as eleições passaram a ter 2º turno), a eleição foi decidida no 1° turno, elegendo o candidato do PSDB, João Doria Jr.

Pré-candidatos[editar | editar código-fonte]

Partido da Social Democracia Brasileira (PSDB)[editar | editar código-fonte]

A candidatura do Partido da Social Democracia Brasileira (PSDB) foi alvo de especulação e disputa de diversos filiados. José Serra, último prefeito do partido (entre 2005 e 2006), foi eleito senador pelo estado de São Paulo em 2014[3] e, apesar de especulação midiática, negou que concorreria à prefeitura.[4] O senador Aloysio Nunes, também após sofrer especulação sobre uma possível candidatura,[5] selou, com Serra e o ex-presidente da República Fernando Henrique Cardoso, apoio à candidatura do vereador Andrea Matarazzo.[6] Em 30 de dezembro de 2015, o deputado federal Bruno Covas se reuniu com o seu grupo político para anunciar que não disputaria as prévias do partido.

Em 14 de agosto de 2015, o presidente municipal do partido Mário Covas Neto anunciou a realização de prévias para definir o candidato. Na ocasião, anunciaram a participação, além de Matarazzo (com o apoio de Covas Neto[7]), os deputados federais Bruno Covas e Ricardo Tripoli, e o ex-presidente da Embratur João Doria Júnior,[8][9] que contava com o apoio do Governador de São Paulo Geraldo Alckmin e do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso.[10][11]

As prévias, que aconteceram em 28 de fevereiro, confirmou um segundo turno entre Dória (que conseguiu 43% dos votos) e Matarazzo (com 32%).[12] Antes do segundo turno, no entanto, Matarazzo anunciou sua desfiliação do PSDB, deixando Dória como candidato único.[13] Segundo Matarazzo, "houve flagrante uso da máquina estatal para auxiliar o Doria", se referindo a uma iniciativa do governador Geraldo Alckmin para promover a pré-candidatura do empresário.[14] Como candidato único, Dória participou do segundo turno das prévias e conquistou 96.5% dos votos, elegendo-se pelo partido como pré-candidato oficial.[15]

No dia 21 de julho, o deputado federal Bruno Covas, que concorreu à candidatura a prefeito pelo partido, foi anunciado candidato a vice-prefeito da chapa de Doria. No dia, o partido já tinha firmado aliança com dez partidos.[16]

Partido do Movimento Democrático Brasileiro (PMDB)[editar | editar código-fonte]

Candidato derrotado nas eleições para governador do estado de São Paulo em 2010 (então pelo PSB) e 2014,[17][18] Paulo Skaf, presidente da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (FIESP), mostrou interesse em se candidatar à prefeitura em 2016 pelo Partido do Movimento Democrático Brasileiro (PMDB).[19]

Em novembro de 2014, a Ministra da Cultura Marta Suplicy pediu demissão do cargo, retomando seu mandato de senadora. Em abril de 2015, Suplicy se desfiliou do Partido dos Trabalhadores (PT), em parte por ter sido preterida na escolha dos candidatos do partido para o governo paulista em 2010 (quando o escolhido foi Aloízio Mercadante) e para a prefeitura de São Paulo em 2012, quando o escolhido foi Fernando Haddad, que acabou eleito.[20] Inicialmente em conversas com o PSB sobre uma possível filiação e candidatura, ao negociar também com o PMDB, a ex-prefeita irritou o partido, que, pelo presidente estadual Márcio França, anunciou que ela deveria concorrer à prévias caso decidisse se filiar e se candidatar.[21] Em 26 de setembro de 2015, Marta se filiou ao PMDB,[22] no entanto, sua candidatura não foi oficializada.

Alexandre de Moraes saiu do PMDB, se filiando ao PSDB, assim descartando seu nome das prévias ou especulações envolvendo o PMDB. Em 30 de julho, Marta foi lançada como candidata, tendo Andrea Matarazzo (PSD) como vice.[23][24]

Partido dos Trabalhadores (PT)[editar | editar código-fonte]

O candidato do partido foi o já prefeito Fernando Haddad, que concorre à reeleição. Durante as prévias do partido dos trabalhadores o presidente nacional da sigla, Rui Falcão, afirmava que sua reeleição era prioridade partidária.[25]

No dia 16 de julho, foi decidido que Gabriel Chalita (PDT), ex-Secretário da Educação, seria candidato a vice-prefeito pela chapa de Haddad.[26]

Partido Progressista (PP)[editar | editar código-fonte]

O apresentador de televisão José Luiz Datena anunciou sua candidatura em 28 de julho de 2015, pelo Partido Progressista (PP), com o deputado estadual Delegado Olim como candidato a vice-prefeito.[27] Em 21 de setembro de 2015, Datena oficializou sua filiação ao Partido Progressista.[28] Após mostrar interesse em se candidatar à Prefeitura, o deputado federal e ex-prefeito Paulo Maluf desdenhou da possível candidatura de Datena e afirmou que apoiaria a reeleição de Fernando Haddad.[29][30] Em janeiro de 2016, Maluf novamente sinalizou interesse em disputar a indicação do PP com Datena.[31] Em 18 de janeiro de 2016, Datena anunciou renúncia a pré-candidatura e afirmou que não poderia "(...) permanecer em um partido que tomou mais de R$ 300 milhões da Petrobras."[32] Após ser reconduzido à presidência estadual do Partido Progressista (PP), através de determinação judicial, Maluf afirmou que pretende ser candidato à Prefeitura de São Paulo nas eleições de 2016. Em 7 de julho de 2016 o partido, através do delegado Olim, anuncia apoio a João Doria Junior (PSDB).[33]

Partido Republicano Brasileiro (PRB)[editar | editar código-fonte]

Logo ao ser eleito deputado federal em 2014, Celso Russomanno anunciou suas intenções em concorrer à Prefeitura em 2016 pelo Partido Republicano Brasileiro (PRB).[34] Em 7 de maio de 2015, o presidente do partido Marcos Pereira anunciou Russomanno como candidato oficial do PRB.[35] Apesar de liderar com folga todas as pesquisas até o momento,[36][37][38] a candidatura de Russomanno corre o risco de ser impugnada devido a um processo por peculato que tramita no Supremo Tribunal Federal contra o pré-candidato. O risco de Russomanno ser julgado culpado e, portanto, perder sua candidatura levou o Datafolha a incluir um cenário de primeiro turno sem Russomanno na segunda pesquisa do instituto referente à eleição.[38]

No dia 24 de julho, o partido oficializou a candidatura de Celso Russomanno à Prefeitura de São Paulo, ainda sem vice definido. No dia da convenção, o partido tinha aliança com três partidos: o PSC, que deixou a pré-candidatura de Marco Feliciano para apoiar Russomanno,[39] o PTN e o PEN.[40] Em 9 de agosto de 2016 o STF absolveu o candidato do crime de peculato por 3 votos a 2.[41]

Partido Socialismo e Liberdade (PSOL)[editar | editar código-fonte]

Em março de 2016, Luiza Erundina, deputada federal e ex-prefeita de São Paulo, deixou o Partido Socialista Brasileiro (PSB) com o intuito de fundar o Raiz Movimento Cidadanista. Ela se filiou ao Partido Socialismo e Liberdade (PSOL) para manter sua atividade parlamentar enquanto viabilizava a organização da Raiz.[42] Em abril, ela aceitou o convite do partido em se candidatar à Prefeitura, com o deputado federal Ivan Valente como vice.[43][44]

Em 24 de julho, o PSOL oficializou a candidatura de Luiza Erundina ao cargo de prefeita de São Paulo, com Ivan Valente como candidato a vice. Durante o evento, foi revelada a primeira aliança da chapa: o PCB.[45] Em 30 de julho houve o anúncio da segunda aliança: o PPL.[24]

Rede Sustentabilidade (REDE)[editar | editar código-fonte]

Em 17 de fevereiro de 2016, Ricardo Young, vereador de São Paulo e ex-candidato ao Senado Federal, anunciou sua filiação ao partido Rede Sustentabilidade (REDE) e mostrou-se aberto a uma candidatura.[46]

O administrador Fabio Bueno Tanaka, co-fundador da Rede Sustentabilidade, também se apresentou como pré-candidato,[47] mas em 24 de março de 2016, via redes sociais, o administrador retirou sua candidatura.[48] Em 28 de julho, o REDE oficializou a candidatura de Ricardo Young ao cargo de prefeito de São Paulo, com a ativista Carlota Mingolla como candidata a vice.[49]

Outros partidos[editar | editar código-fonte]

Em 31 de agosto de 2015, o Partido Social Cristão (PSC) anunciou a pré-candidatura do deputado federal Marco Feliciano.[50] Em 22 de julho de 2016, Feliciano decidiu retirar sua candidatura e o partido passa a apoiar Celso Russomanno (PRB).[39]

Em 4 de outubro de 2015, o Partido Verde (PV) anunciou que o deputado estadual Roberto Tripoli seria o candidato da legenda,[51] porém o partido anuncia apoio a João Doria Junior (PSDB) em 24 de junho de 2016.[52]

Em outubro de 2015, o Partido Trabalhista Brasileiro (PTB) anunciou a pré-candidatura de Marlene Campos Machado, presidente do PTB Mulher e candidata ao senado por São Paulo em 2014.[53] A pré-candidatura durou até julho de 2016, quando o partido decidiu apoiar Marta Suplicy (PMDB), e Marlene será candidata a vice na chapa de Marta.[54][55]. Em 25 de julho, a candidata do PMDB fechou com o PSD e o partido pode apoiar Celso Russomanno (PRB) ou relançar a candidatura de Marlene[56][57].Mas na noite de 25 de julho de 2016, o PTB decide apoiar Celso Russomanno e nesse acordo é confirmado que Marlene será candidata a vice na chapa de Russomanno[58][59]

Em 30 de março de 2016, o Partido Social Democrático (PSD) anunciou a pré-candidatura de Andrea Matarazzo, recém saído do PSDB.[60] A pré-candidatura durou até 25 de julho de 2016, quando o partido decidiu apoiar a candidata Marta Suplicy (PMDB), com Matarazzo como candidato a vice na chapa .[61]

Em 4 de junho, o Solidariedade (SD) confirmou a pré-candidatura do Major Olímpio a prefeitura de São Paulo.[62][63] Em 29 de julho de 2016, foi oficializada a candidatura.[64]

Em 9 de junho, o Partido Social Democrata Cristão (PSDC) anunciou a pré-candidatura do Vice-Presidente da Associação Comercial de São Paulo João Bico.[65] Em 24 de julho, a candidatura foi oficializada.[66]

Em 7 de julho de 2016, o Partido Socialista dos Trabalhadores Unificado (PSTU) anunciou a pré-candidatura do presidente licenciado do Sindicato dos Metroviários de São Paulo Altino de Melo Prazeres.[67] Em 30 de julho foi oficializada a candidatura.[68]

Em 10 de julho, o professor de Filosofia Filipe Celeti, filiado ao Partido Social Liberal (PSL) e coordenador estadual do partido ainda sem registro oficial LIBER, anunciou sua pré-candidatura por intermédio das redes sociais. O PSL deliberou sobre a candidatura em sua convenção, no dia 23 de julho.[69] Na convenção, o partido anuncia apoio a João Doria Jr. (PSDB).[70]

Em convenção ocorrida no dia 25 de julho, o Partido Renovador Trabalhista Brasileiro (PRTB) aclamou a candidatura de Levy Fidelix à prefeitura de São Paulo em 2016, tendo como vice Jairo Glikson, filiado ao PRTB mas ligado ao Partido Militar Brasileiro, que ainda está sendo formado.[71]

Candidatos a prefeito[editar | editar código-fonte]

Candidato a prefeito Candidato a vice-prefeito Coligação Coligações proporcionais Duração da
propaganda
eleitoral
Ideologia
16
Altino prazeres.png
Altino Prazeres (PSTU)
Silver - replace this image female.svg
Professora Janaína (PSTU) - 0min05s Extrema-Esquerda, Comunismo, Marxismo, Anti-Capitalismo, Socialismo, Trotskismo
10
Russomano.jpg
Celso Russomanno (PRB)
Marlene campos machado.png
Marlene Campos Machado (PTB) "São Paulo Sabe, A Gente Resolve"
"PRB/PSC"

Sem coligação

1min12s Centro-Direita, Democracia Cristã, Conservadorismo, Neo-Liberalismo
13
Fernando Haddad na CMSP.JPG
Fernando Haddad (PT)
Gabriel Chalita (crop).jpg
Gabriel Chalita (PDT) "Mais São Paulo"
- 2min35s Esquerda, Trabalhismo, Socialismo
29
Silver - replace this image male.svg
Henrique Áreas (PCO)
Silver - replace this image male.svg
Tranquillo Moterle (PCO) - 0min05s Extrema-Esquerda, Comunismo, Marxismo, Socialismo, Anti-Capitalismo, Trotskismo
27
Silver - replace this image male.svg
João Bico (PSDC)
Silver - replace this image female.svg
Professora Sílvia Cristina (PSDC) - 0min07s Democracia cristã, Direita, Conservadorismo
45
João Doria Júnior em 9 de janeiro de 2017.jpg
João Doria (PSDB)
Bruno Covas (2007).jpg
Bruno Covas (PSDB) "Acelera SP"
"PSDB/DEM/PSB/PP"

"PPS/PHS/PMB"

"Projeto Vitória"

Sem coligação

3min6s Social-Democracia, Centrismo, Liberalismo
28
Levy Fidelix.jpg
Levy Fidelix (PRTB)
Silver - replace this image male.svg
Jairo Glikson (PRTB) - 0min06s Direita, Janismo, Nacionalismo
50
Erundina09012007.jpg
Luiza Erundina (PSOL)
CMMPV - MP 653-2014 (15778503211).jpg
Ivan Valente (PSOL) "Os Sonhos Podem Governar"
- 0min10s Extrema-esquerda, socialismo, comunismo, New-Left
77
CMMPV - Comissões Mistas Medidas Provisórias (24946240150).jpg
Major Olímpio (SD)
Silver - replace this image male.svg
David Martins (SD) - 0min21s Centro-Direita, Conservadorismo, Neo-Trabalhismo, Neo-Liberalismo
15
Foto oficial de Marta Suplicy.jpg
Marta Suplicy (PMDB)
Andrea Matarazzo (Foto 1).jpg
Andrea Matarazzo (PSD) "União por São Paulo"
- 1min57s Centro a Centro-Esquerda, Social-Democracia
18
Ricardo Young.png
Ricardo Young (REDE)
Silver - replace this image female.svg
Carlota Mingolla (REDE) - 0min09s Centro-Esquerda, Ecologismo, Ambientalismo

Pesquisas[editar | editar código-fonte]

Pré-candidatos[editar | editar código-fonte]

Respostas estimuladas[editar | editar código-fonte]

Data 3 de novembro de 2015 21 de junho de 2016 15 de julho de 2016 29 de julho de 2016
Instituto DataFolha IBOPE DataFolha IBOPE
Fonte [72] [73] [74] [75]
Celso Russomanno (PRB) 34% 26% 25% 29%
Marta Suplicy (PMDB) 13% 10% 16% 10%
Luiza Erundina (PSOL) 8% 10% 8%
Fernando Haddad (PT) 12% 7% 8% 7%
João Doria (PSDB) 3% 6% 6% 7%
Major Olímpio (SD) 2% 2% 1%
Levy Fidelix (PRTB) 1% 2% 2%
Ricardo Young (REDE) 0% 1% 0%
João Bico (PSDC) 1%
Brancos ou Nulos 18% 21% 19% 18%
Indecisos 2% 5% 4% 4%

Candidatos (1º Turno)[editar | editar código-fonte]

Respostas estimuladas[editar | editar código-fonte]

Data 23 de agosto de 2016 26 de agosto de 2016 2 de setembro de 2016 9 de setembro de 2016 14 de setembro de 2016 21 de setembro de 2016 22 de setembro de 2016 26 de setembro de 2016 27 de setembro de 2016 28 de setembro de 2016 1 de outubro de 2016 1 de outubro de 2016
Instituto IBOPE DataFolha Paraná
Pesquisas
DataFolha IBOPE Paraná
Pesquisas
DataFolha IBOPE Datafolha IBOPE Datafolha IBOPE
Fonte [76] [77] [78] [79] [80] [81] [82] [83] [84] [85] [86] [87]
João Doria (PSDB) 9% 5% 13,7% 16% 17% 21,2% 25% 28% 30% 28% 44% 35%
Celso Russomanno (PRB) 33% 31% 32,1% 26% 30% 27,7%  22% 24% 22% 22% 16% 23%
Marta Suplicy (PMDB) 17% 16% 15,8% 21% 20% 19,5%  20% 15% 15% 16% 14% 19%
Fernando Haddad (PT) 9% 8% 7,0% 9% 9% 8,5% 10% 12% 11% 13% 16% 15%
Luiza Erundina (PSOL) 9% 10% 7,1% 7% 5% 4,9% 5% 4% 5% 5% 5% 5%
Major Olímpio (SD) 2% 2% 2,1% 2% 1% 1,5% 2% 1% 1% 1% 2% 1%
Levy Fidelix (PRTB) 1% 2% 1,0% 1% 1% 0,9% 1% 1% 1% 1% 1% 1%
João Bico (PSDC) 1% 0% 0,6% 1% 1% 0,2% 0% 1% 0% 1% 0% 1%
Ricardo Young (REDE) 1% 1% 0,8% 0% 0% 0,2% 0% 0% 0% 1% 1% 0%
Altino Prazeres (PSTU) 1% 0% 0,5% 0% 0% 0,3% 0% 0% 0% 0% 0% 0%
Henrique Áreas (PCO) 0% 0% 0,0% 0% 0% 0,2% 0% 0% 0% 0% 0% 0%
Brancos ou Nulos 13% 17% 12,7% 13% 13% 9,9% 11% 10% 12% 9% 10% 10%
Indecisos 4% 7% 6,8% 4% 3% 5,1% 4% 4% 4% 3% 4% 3%
Margem de erro 3% 3% 3% 3% 3% 3% 3% 3% 3% 3% 2% 3%

Respostas espontâneas[editar | editar código-fonte]

Data 23 de agosto de 2016 26 de agosto de 2016 2 de setembro de 2016 9 de setembro de 2016 14 de setembro de 2016 21 de setembro de 2016 22 de setembro de 2016 26 de setembro de 2016 27 de setembro de 2016
Instituto IBOPE DataFolha Paraná
Pesquisas
DataFolha IBOPE Paraná
Pesquisas
DataFolha IBOPE Datafolha
Fonte [76] [77] [78] [79] [80] [81] [82] [88] [84]
João Doria (PSDB) 4% 3% 5,8% 9% 11% 12,3% 18% 22% 23%
Celso Russomanno (PRB) 11% 11% 13,1% 16% 21% 14,8% 14% 16% 14%
Marta Suplicy (PMDB) 4% 5% 4,9% 12% 13% 9,5% 12% 9% 9%
Fernando Haddad (PT) 6% 4% 3,2% 6% 7% 5,1% 7% 9% 9%
Luiza Erundina (PSOL) 3% 3% 2,8% 3% 2% 2,4% 3% 4% 4%
Outros 3% 2% 1,4% 4% 1% 1,7% 3% 2% 5%
Brancos ou Nulos 23% 17% 14,2% 14% 23% 11,6% 12% 19% 13%
Indecisos 45% 55% 54,7% 34% 20% 42,8% 29% 20% 24%
Margem de erro 3% 3% 3% 3% 3% 3% 3% 3% 3%

Índice de Rejeição[editar | editar código-fonte]

Data 23 de agosto de 2016 26 de agosto de 2016 9 de setembro de 2016 14 de setembro de 2016 22 de setembro de 2016 26 de setembro de 2016 27 de setembro de 2016 28 de setembro de 2016
Instituto IBOPE DataFolha DataFolha IBOPE DataFolha IBOPE Datafolha IBOPE
Fonte [76] [89] [79] [80] [90] [88] [84] [90]
Fernando Haddad (PT) 52% 49% 46% 48% 45% 47% 43% 41%
Marta Suplicy (PMDB) 35% 32% 29% 27% 29% 28% 32% 29%
Levy Fidelix (PRTB) 22% 27% 27% 31% 30% 30% 29% 26%
Luiza Erundina (PSOL) 25% 25% 26% 29% 27% 27% 28% 25%
Celso Russomanno (PRB) 24% 18% 21% 22% 27% 25% 30% 24%
João Bico (PSDC) 7% 21% 22% 20% 21% 18% 20% 18%
Major Olímpio (SD) 8% 19% 21% 22% 22% 19% 21% 17%
João Doria (PSDB) 12% 22% 20% 18% 19% 17% 17% 17%
Altino Prazeres (PSTU) 7% 17% 18% 19% 20% 15% 19% 17%
Henrique Áreas (PCO) 1% 16% 17% 16% 19% 13% 17% 14%
Ricardo Young (REDE) 1% 15% 17% 17% 17% 13% 17% 13%
Rejeita todos 7% 5% —- 3% 5%
Não rejeita nenhum 1% 3% 3% 0% 1% 1% 3% 2%
Indecisos 8% 5% 3% 5% 4% 5% 3% 6%

Debates televisionados[editar | editar código-fonte]

Seguindo a tradição, a Band São Paulo realizou o primeiro debate entre os candidatos no dia 22 de agosto. O canal também definiu o primeiro debate do 2º turno para 7 de outubro.[91][92] Em 23 de setembro, o SBT São Paulo realizou seu debate em parceria com UOL e Folha.[93] Além de Band e SBT, a TV Gazeta, em parceria com o Estadão e com o Twitter, promoveu debate em 18 de setembro.[94].[95]. A Record São Paulo e a Globo São Paulo serão as últimas a promoverem debates: os do primeiro turno serão nos dias 25 e 29 de setembro, enquanto os do segundo turno serão nos dias 23 e 28 de outubro.[96] A RedeTV! São Paulo confirmou a realização de debates em 2 de setembro e 14 de outubro, em parceria com UOL, Veja e Facebook.[97]

A ex-prefeita de São Paulo Luiza Erundina (PSOL-SP) interpreta de outra forma o artigo 46 da Lei das Eleições, aprovado em 2015 que dá acesso a debates apenas para candidatos de partidos com mais de oito deputados federais.

A deputada federal espera resposta da ministra do TSE Rosa Weber ao seu pedido de derrubar a lei. A candidata tenta assegurar a sua participação por meio de convite de 2/3 dos adversários, opção permitida pelo artigo.

Declarou recentemente aos órgãos de imprensa nacionais que promete colocar em prática, já no primeiro debate, marcado para o próximo dia 22, na TV Bandeirantes, uma estratégia que vai convocar a militância para a porta da emissora, onde fará um comício à moda antiga, com uma potente aparelhagem de som com potencial para se fazer ouvida por toda a vizinhança do bairro do Morumbi, endereço da emissora.

Caso não consiga ir ao debate oficial, também faz parte da estratégia exigir que os organizadores do debate coloquem no cenário uma cadeira vazia com seu nome, uma forma de informar a população de sua candidatura.[98].[99] A candidata tentou para o primeiro debate um recurso porem o TRE indeferiu o recurso,tanto para Erundina quanto para Levy Fidelix (PRTB) pois os partidos não preenchem o requisito de representatividade exigido.[100] Em 25 de agosto, o STF determina que as emissoras de TV convidem os candidatos nanicos.[101] Já para o debate da Rede TV! a candidata do PSOL Luiza Erundina foi convidada.[102]

Primeiro turno[editar | editar código-fonte]

Data Organizador(es) João Doria
(PSDB)
Celso Russomanno
(PRB)
Fernando Haddad
(PT)
Major Olímpio
(SD)
Marta Suplicy
(PMDB)
Luiza Erundina
(PSOL)
Ricardo Young
(REDE)
Levy Fidelix
(PRTB)
Altino Prazeres
(PSTU)
Henrique Áreas
(PCO)
João Bico
(PSDC)
22 de agosto TV Bandeirantes Presente Presente Presente Presente Presente Não convidada Não convidado Não convidado Não convidado Não convidado Não convidado
2 de setembro RedeTV!, Veja, UOL, Facebook Presente Presente Presente Presente Presente Presente Não convidado Não convidado Não convidado Não convidado Não convidado
18 de setembro TV Gazeta, Estadão, Twitter Presente Presente Presente Presente Presente Presente Não convidado Não convidado Não convidado Não convidado Não convidado
23 de setembro SBT, UOL, Folha Presente Presente Presente Presente Presente Presente Não convidado Não convidado Não convidado Não convidado Não convidado
25 de setembro TV Record, Google Presente Presente Presente Presente Presente Presente Não convidado Não convidado Não convidado Não convidado Não convidado
29 de setembro TV Globo Presente Presente Presente Presente Presente Presente Não convidado Não convidado Não convidado Não convidado Não convidado

Resultados[editar | editar código-fonte]

Prefeito[editar | editar código-fonte]

Candidato(a) Vice 1º turno
2 de outubro de 2016[103]
Total Percentagem
João Doria (PSDB) Bruno Covas (PSDB) 3 085 187 53,29%
Fernando Haddad (PT) Gabriel Chalita (PDT) 967 190 16,70%
Celso Russomanno (PRB) Marlene Campos Machado (PTB) 789 986 13,64%
Marta Suplicy (PMDB) Andrea Matarazzo (PSD) 587 220 10,14%
Luiza Erundina (PSOL) Ivan Valente (PSOL) 184 000 3,18%
Major Olímpio (SD) David Martins (SD) 116 870 2,02%
Ricardo Young (REDE) Carlota Mingolla (REDE) 25 993 0,45%
Levy Fidelix (PRTB) Jairo Glikson(PRTB) 21 705 0,37%
João Bico (PSDC) Professora Sílvia Cristina (PSDC) 6 006 0,10%
Altino Prazeres (PSTU) Professora Janaína (PSTU) 4 715 0,08%
Henrique Áreas (PCO) Tranquillo Moterle (PCO) 1 019 0,02%
→ Total de votos válidos 5 789 891 83,36%
→ Votos em branco 367 471 5,29%
→ Votos nulos 788 379 11,35%
Total 6 945 741 78,16%
Abstenções 1 940 454 21,84%
Total de inscritos 8 886 195 100%
Relação da população municipal ao total de votos válidos 12 038 175 ~48,09%
Relação da população municipal ao total de inscritos 12 038 175 ~73,81%
  Eleito(a)


Eleição para prefeito de São Paulo em 2016
Primeiro turno
Partido Candidato Votos Votos (%)
  PSDB João Doria 3 085 187
 
53,29%
  PT Fernando Haddad 967 190
 
16,7%
  PRB Celso Russomanno 789 986
 
13,64%
  PMDB Marta Suplicy 587 220
 
10,14%
  PSOL Luiza Erundina 184 000
 
3,18%
  SD Major Olímpio 116 870
 
2,02%
  REDE Ricardo Young 25 993
 
0,45%
  PRTB Levy Fidelix 21 705
 
0,37%
  PSDC João Bico 6 006
 
0,1%
  PSTU Altino Prazeres 4 715
 
0,08%
  PCO Henrique Áreas 1 019
 
0,02%
Totais 5 789 891  

Vereadores[editar | editar código-fonte]

Candidato(a) Partido Votação[104]
Porcentagem Total
Eduardo Suplicy PT 5,62% 301.446
Milton Leite DEM 2,01% 107.957
Reginaldo Tripoli PV 1,66% 88.843
Conte Lopes PP 1,49% 80.052
Mário Covas Neto PSDB 1,41% 75.593
Eduardo Tuma PSDB 1,31% 70.273
Adilson Amadeu PTB 1,25% 67.071
Souza Santos PRB 1,04% 55.924
Ricardo Nunes PMDB 1,02% 54.692
Celso Jatene PR 1,00% 52.715
Eliseu Gabriel PSB 0,98% 52.355
Rodrigo Goulart PSD 0,92% 49.364
Fernando Holiday DEM 0,90% 48.055
Atílio Francisco PRB 0,88% 46.961
Massataka Ota PSB 0,86% 45.915
Senival Moura PT 0,85% 45.320
Patrícia Bezerra PSDB 0,84% 45.285
João Jorge PSDB 0,79% 42.404
Aurélio Nomura PSDB 0,78% 41.954
Soninha Francine PPS 0,75% 40.113
Edir Sales PSD 0,73% 39.062
Gilson Barreto PSDB 0,72% 38.564
André Santos PRB 0,70% 37.393
Daniel Annenberg PSDB 0,69% 36.983
Alfredinho PT 0,68% 36.324
Toninho Paiva PR 0,66% 35.219
Juliana Cardoso PT 0,65% 34.949
Sandra Tadeu DEM 0,64% 34.182
Rute Costa PSD 0,63% 33.999
Police Neto PSD 0,63% 33.537
Donato PT 0,61% 32.592
Noemi Nonato PR 0,60% 32.116
Jair Tatto PT 0,58% 30.989
Gilberto Nascimento Jr. PSC 0,57% 30.382
Adriana Ramalho PSDB 0,56% 29.756
Camilo Cristófaro PSB 0,56% 29.603
Reis PT 0,55% 29.308
Paulo Frange PTB 0,55% 29.242
Ricardo Teixeira PROS 0,53% 28.515
Fábio Riva PSDB 0,52% 28.041
Gilberto Natalini PV 0,52% 28.006
Alessandro Guedes PT 0,50% 26.780
Arselino Tatto PT 0,50% 26.596
George Hato PMDB 0,49% 26.104
Isac Félix PR 0,48% 25.876
Aline Cardoso PSDB 0,48% 25.769
Claudinho de Souza PSDB 0,46% 24.923
David Soares DEM 0,46% 24.892
Dr. Milton Ferreira PTN 0,41% 21.849
Rinaldi Digilio PRB 0,39% 20.916
Janaína Lima NOVO 0,36% 19.425
Cláudio Fonseca PPS 0,34% 18.444
Toninho Vespoli PSOL 0,30% 16.012
Zé Turin PHS 0,28% 14.957
Sâmia Bomfim PSOL 0,23% 12.464

Rendimento Financeiro-Eleitoral[editar | editar código-fonte]

Eleição para prefeito[editar | editar código-fonte]

Candidato a prefeito Candidato a vice Total de recursos recebidos[105] Rendimento Eleitoral Eficiência Eleitoral
Altino Prazeres
(PSTU)
Professora Janaína
(PSTU)
R$ 00 036 602,38 R$ 07,76/voto R$ 0 449 467,91
para atingir 1% de votos
Celso Russomano
(PRB)
Marlene Campos Machado
(PTB)
R$ 06 268 150,00 R$ 07,93/voto R$ 0 459 400,06
para atingir 1% de votos
Fernando Haddad
(PT)
Gabriel Chalita
(PDT)
R$ 07 626 351,24 R$ 07,89/voto R$ 0 456 537,09
para atingir 1% de votos
Henrique Áreas
(PCO)
Tranquillo Toterle
(PCO)
R$ 00 001 351,41 R$ 01,33/voto R$ 0 076 786,35
para atingir 1% de votos
João Bico
(PSDC)
Professora Sílvia Cristina
(PSDC)
R$ 00 320 014,85 R$ 53,28/voto R$ 3 085 004,96
para atingir 1% de votos
João Doria
(PSDB)
Bruno Covas
(PSDB)
R$ 12 446 819,95 R$ 04,03/voto R$ 0 233 586,63
para atingir 1% de votos
Levy Fidelix
(PRTB)
Jairo Glikson
(PRTB)
R$ 00 339 919,58 R$ 15,66/voto R$ 0 906 749,77
para atingir 1% de votos
Luiza Erundina
(PSOL)
Ivan Valente
(PSOL)
R$ 00 353 578,00 R$ 01,92/voto R$ 0 111 259,85
para atingir 1% de votos
Major Olímpio
(SD)
David Martins
(SD)
R$ 00 095 557,58 R$ 00,82/voto R$ 0 047 340,53
para atingir 1% de votos
Marta Suplicy
(PMDB)
Andrea Matarazzo
(PSD)
R$ 06 021 483,84 R$ 10,25/voto R$ 0 593 709,16
para atingir 1% de votos
Ricardo Young
(REDE)
Carlota Mingolla
(REDE)
R$ 00 410 788,67 R$ 15,80/voto R$ 0 915 025,32
para atingir 1% de votos
Total R$ 33 920 617,50 R$ 05,85/voto R$ 0 339 206,70
para atingir 1% de votos

Referências

  1. a b Prazeres, Leandro (9 de julho de 2015). «Câmara aprova novas regras para eleições; veja o que pode mudar». UOL. Consultado em 28 de julho de 2015.. Para entrar em vigor nas eleições de 2016, a minirreforma precisa ser sancionada até um ano antes do pleito do ano que vem, que ocorrerá no dia 2 de outubro. 
  2. Schreiber, Mariana (21 de outubro de 2015). «Qual seria o curso de um eventual processo de impeachment?». BBC. Consultado em 6 de dezembro de 2015. 
  3. Dias, Otávio (5 de outubro de 2014). «José Serra (PSDB) vence Eduardo Suplicy (PT), é eleito senador por São Paulo e se recupera de derrota na eleição municipal de 2012». Brasil Post. Consultado em 3 de outubro de 2015. 
  4. Tau, Felipe (14 de junho de 2015). «Serra diz que não vai disputar Prefeitura de SP em 2016». G1. Consultado em 3 de outubro de 2015. 
  5. Oliveira, Clarissa (9 de outubro de 2014). «PSDB ventila nome de Aloysio Nunes para a Prefeitura de SP em 2016». iG. Consultado em 3 de outubro de 2015. 
  6. «FHC, Serra e Aloysio selam apoio a Matarazzo a prefeito de São Paulo». Valor Econômico. 4 de setembro de 2015. Consultado em 3 de outubro de 2015. 
  7. Batista Jr., João (12 de junho de 2015). «Mario Covas Neto e Bruno Covas travam briga em ninho tucano». Veja São Paulo. Consultado em 3 de outubro de 2015. 
  8. Aragão, Alexandre (14 de agosto de 2015). «Com quatro pré-candidatos, PSDB anuncia prévias à Prefeitura de SP». Folha de S.Paulo. Consultado em 1 de setembro de 2015.. Por enquanto, declararam que vão concorrer o empresário e apresentador de TV João Dória Jr., o vereador paulistano Andrea Matarazzo e os deputados federais Ricardo Trípoli e Bruno Covas. 
  9. «Matarazzo se inscreve nas prévias do PSDB em SP. E os outros…». Glamurama. 1 de setembro de 2015. Consultado em 3 de outubro de 2015. 
  10. Pedro Venceslau; Ricardo Chapola (11 de fevereiro de 2016). «Alckmin recebe rivais de João Doria nas prévias do PSDB». Estadão. Consultado em 10 de março de 2016. 
  11. «João Doria Jr se lança pré-candidato à prefeitura de SP pelo PSDB». Revista Fórum. 31 de julho de 2015. Consultado em 3 de outubro de 2015. 
  12. «PSDB terá segundo turno para decidir candidato à Prefeitura de SP». G1. 29 de fevereiro de 2016. Consultado em 29 de fevereiro de 2016.. A definição do candidato do PSDB à Prefeitura de São Paulo será realizada em segundo turno entre João Dória Jr. e Andrea Matarazzo no dia 20 de março (...) Dória teve 2.681 votos (43,13% do total), Matarazzo, 2.045 (32,89%), e Ricardo Tripoli, que está fora da disputa, 1.387 (22,31%). Houve apenas dois votos em branco e um nulo. 
  13. Venceslau, Pedro (18 de março de 2016). «Matarazzo deixa o PSDB e chama João Doria de 'piada pronta'». Estadão. Consultado em 18 de julho de 2016.. Andrea Matarazzo anunciou (...) sua desfiliação do PSDB. (...) deixou aberta a possibilidade de se filiar ao PSD, partido que é comandado pelo seu amigo e aliado Gilberto Kassab. 
  14. «Matarazzo deixa PSDB e denuncia compra de votos nas prévias». Terra. Consultado em 9 de março de 2017. 
  15. Domingos, Roney (20 de março de 2016). «João Dória é o pré-candidato do PSDB à Prefeitura de SP». G1. Consultado em 21 de março de 2016.. João Doria Jr. foi definido como pré-candidato à Prefeitura de São Paulo pelo PSDB, no segundo turno das prévias do partido (...) O segundo turno teve 3.266 votantes, com 3152 (96.5%) votos para Dória. 
  16. Pinho, Márcio (21 de julho de 2016). «João Doria terá Bruno Covas como vice em disputa pela Prefeitura de SP». G1. Consultado em 25 de julho de 2016.. Além do PSDB, integram o grupo PTC, PSB, PMB, PHS, DEM, PV, PPS, PP, PRP e PTdoB. 
  17. «Apuração dos votos: São Paulo 2010». Terra. 4 de outubro de 2010. Consultado em 4 de outubro de 2015. 
  18. «Geraldo Alckmin é reeleito governador de São Paulo em primeiro turno». EBC. 5 de outubro de 2014. Consultado em 4 de outubro de 2015.. Em segundo lugar aparece Paulo Skaf, da coligação São Paulo Quer o Melhor 
  19. Attuch, Leonardo (16 de janeiro de 2015). «Haddad, Marta, Skaf e Russomanno». IstoÉ. Consultado em 13 de março de 2016.. Skaf irá forçar, no PMDB, a discussão sobre candidatura própria. 
  20. Pedro Venceslau; Ricardo Galhardo (28 de abril de 2015). «Marta sai do PT com ataques ao partido». Estadão. Consultado em 4 de outubro de 2015.. A decisão de deixar o PT foi o desfecho de uma crise que começou na campanha presidencial de 2014, quando Marta foi preterida pela sigla na disputa pelo governo paulista. O candidato escolhido pelo ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva foi o Ministro da Saúde, Alexandre Padilha. Ela já havia sido preterida por Lula na disputa pela prefeitura em 2012, quando o escolhido foi Fernando Haddad. 
  21. «PSB abandona candidatura de Marta em SP». Brasil 247. 13 de agosto de 2015. Consultado em 4 de outubro de 2015.. O presidente estadual do PSB e vice-governador de São Paulo, Marcio França, sinalizou que o que o partido abandonou o projeto da senadora Marta Suplicy para disputar a Prefeitura em 2016. (...) “Certamente a Marta perdeu a prioridade de ser candidata. Se ela decidir filiar-se ao partido, vai ter que disputar prévias." 
  22. Rossi, Marina (26 de setembro de 2015). «Com Marta, PMDB mira São Paulo em 2016, e Planalto com Temer em 2018». El País. Consultado em 4 de outubro de 2015.. Em clima de festa no histórico teatro Tuca em São Paulo, a senadora Marta Suplicy oficializou neste sábado sua união ao PMDB, partido do vice-presidente Michel Temer, que está com um pé fora da base aliada do Governo Dilma Rousseff. 
  23. «Marta Suplicy será lançada como nome que buscará 'consenso'». Folha. 30 de julho de 2016. Consultado em 30 de julho de 2016.. Em segundo lugar aparece Paulo Skaf, da coligação São Paulo Quer o Melhor 
  24. a b «PMDB oficializa Marta como candidata à Prefeitura de São Paulo». 30 de julho de 2016. Consultado em 31 de julho de 2016. 
  25. Nascimento, Luciano (29 de outubro de 2015). «Reeleição de Haddad em 2016 será prioridade número do PT, diz Falcão». EBC. Consultado em 18 de julho de 2016. 
  26. Hupsel Filho, Valmar (16 de junho de 2016). «Haddad mantém Chalita vice da chapa». Estadão. Consultado em 18 de julho de 2016. 
  27. Lima, Daniela (28 de julho de 2015). «Datena diz que será candidato a prefeito de São Paulo». Folha de S.Paulo. Consultado em 5 de outubro de 2015.. José Luiz Datena decidiu ser candidato a prefeito de São Paulo pelo PP nas eleições do ano que vem. (...) o acerto é que o deputado Delegado Olim (PP) seja seu vice 
  28. Gama, Paulo (21 de setembro de 2015). «Datena se filia ao PP para concorrer à Prefeitura de São Paulo». Folha de S.Paulo. Consultado em 5 de outubro de 2015.. O apresentador José Luiz Datena assinou nesta segunda-feira (21) sua ficha de filiação ao PP, partido pelo qual pretende se candidatar à sucessão de Fernando Haddad na Prefeitura de São Paulo. 
  29. «Maluf diz que Datena é 'muito inteligente' para trocar salário de TV pelo da Prefeitura de SP». Época Negócios. 29 de julho de 2015. Consultado em 5 de outubro de 2015.. Paulo Maluf (PP-SP), ex-presidente do PP em São Paulo, manteve nesta quarta-feira (29/07) seu apoio ao prefeito de São Paulo, Fernando Haddad (PT), e desdenhou da possibilidade do apresentador José Luiz Datena ser candidato a prefeito pelo seu partido em 2016. 
  30. de Araújo, Thiago (29 de julho de 2015). «"Apoiarei a reeleição do prefeito Haddad", diz Paulo Maluf após pré-candidatura de Datena pelo PP em São Paulo». Brasil Post. Consultado em 5 de outubro de 2015.. Paulo Maluf (SP) afirmou nesta quarta-feira (29) que apoiará a reeleição do atual prefeito da capital paulista, Fernando Haddad (PT), nas eleições municipais do ano que vem. 
  31. «Maluf sinaliza interesse em candidatura em SP». Brasil 247. 15 de janeiro de 2016. Consultado em 16 de janeiro de 2016.. O ex-prefeito Paulo Maluf sinalizou que pode entrar na corrida pela Prefeitura de São Paulo. "Por onde eu vou as pessoas me pedem. O que digo é: nem sim nem não. Ainda vou definir, ver com a minha família", disse o deputado federal, em entrevista a colunista Mônica Bergamo. 
  32. «Datena anuncia ao vivo que não é mais candidato a prefeito de São Paulo». UOL. 18 de janeiro de 2016. Consultado em 18 de janeiro de 2016.. Em seu programa na rádio Bradesco Esportes FM, que pertence ao grupo Bandeirantes, Datena anunciou que não disputará a eleição municipal de 2016 e deixará o PP, partido ao qual se filiou no ano passado. 
  33. «PP anuncia apoio à pré-candidatura de Doria (PSDB) para a Prefeitura de SP». UOL. 7 de julho de 2016. Consultado em 7 de julho de 2016.. O deputado estadual Delegado Olim (PP) anunciou na noite desta quinta (7), em sua página no Facebook, o apoio de seu partido à pré-candidatura de João Doria Jr. (PSDB) à Prefeitura de São Paulo. 
  34. «Deputado mais votado do País, Russomanno admite não cumprir mandato até o fim». iG. 5 de outubro de 2014. Consultado em 3 de outubro de 2015. 
  35. «PRB lança pré-candidaturas de Crivella no Rio e Russomanno em SP». G1. 7 de maio de 2015. Consultado em 21 de julho de 2015.. O Partido Republicano Brasileiro (PRB) lançou nesta quinta-feira (7) as pré-candidaturas do senador Marcelo Crivella à Prefeitura do Rio de Janeiro e do deputado Celso Russomanno à Prefeitura de São Paulo. 
  36. «Russomanno larga na frente em disputa pela Prefeitura de SP». Datafolha. 3 de novembro de 2015. Consultado em 16 de julho de 2016. 
  37. Ramalhoso, Wellington (21 de junho de 2016). «Ibope: Russomanno (PRB) lidera disputa pela Prefeitura de São Paulo com 26%». UOL. Consultado em 16 de julho de 2016. 
  38. a b Bächtold, Felipe (15 de julho de 2016). «Datafolha mostra liderança de Celso Russomanno na disputa por SP». Folha de S.Paulo. Consultado em 16 de julho de 2016. 
  39. a b Angela Boldrini; Carolina Linhares (22 de julho de 2016). «Marco Feliciano decide retirar candidatura a Prefeitura de SP». Folha. Consultado em 22 de julho de 2016. 
  40. Fajardo, Vanessa (24 de julho de 2016). «PRB oficializa a candidatura de Celso Russomanno à Prefeitura de SP». G1. Consultado em 24 de julho de 2016.. PRB fez coligação com os partidos PSC, PTN e PEN. Nome do candidato a vice na chapa ainda não foi anunciado. 
  41. Fajardo, Vanessa (9 de agosto de 2016). «STF absolve Celso Russomanno do crime de peculato e ele pode ser candidato». UOL. Consultado em 10 de agosto de 2016.. Por 3 votos a 2, a 2ª turma do STF (Supremo Tribunal Federal) decidiu pela absolvição do deputado federal Celso Russomanno (PRB-SP). 
  42. «Erundina deixa PSB para fundar um novo partido». UOL. 9 de março de 2016. Consultado em 4 de abril de 2016.. Luiza Erundina (PSB-SP) informou nesta quarta-feira (9), à bancada do PSB na Câmara que deixará a legenda para se dedicar a criação de um novo partido, o Raiz. (...) Como o processo de formação da legenda ainda está no início, ela deve se filiar temporariamente ao PSOL. 
  43. Rovai, Renato (3 de abril de 2016). «Erundina será candidata a prefeita de São Paulo pelo PSOL». Revista Fórum. Consultado em 4 de abril de 2016.. Recém filiada ao PSOL, a deputada federal Luíza Erundina foi publicamente convidada pelo presidente nacional da sigla a ser candidata a prefeita de São Paulo. (...) Quando foi a vez de Erundina, ela disse que topava o desafio. 
  44. «Luiza Erundina disputará Prefeitura de SP pelo PSOL; Ivan Valente será o vice». Folha de S.Paulo. 4 de abril de 2016. Consultado em 4 de abril de 2016.. Luiza Erundina será a candidata do PSOL à Prefeitura de São Paulo, com o deputado Ivan Valente, do mesmo partido, de vice. 
  45. Bruno Fávero; Carolina Linhares (24 de julho de 2016). «Em lançamento de campanha, Erundina chama Marta de 'traidora' e Doria de 'coxinha'». Folha de S.Paulo. Consultado em 24 de julho de 2016.. Durante o evento, foi anunciada a primeira aliança da chapa, com o PCB (Partido Comunista Brasileiro). 
  46. «Vereador Ricardo Young se filia à REDE». Rede Sustentabilidade. 17 de fevereiro de 2016. Consultado em 3 de março de 2016.. Como novo filiado, Young se colocou à disposição da REDE para uma eventual candidatura à Prefeitura de São Paulo 
  47. «Pré-candidato a prefeito de São Paulo - SP 2016 REDE Sustentabilidade». BrandPress. 11 de fevereiro de 2016. Consultado em 8 de março de 2016.. Fabio Bueno Tanaka se apresenta como pré-candidato a prefeito do município de São Paulo - SP pela REDE Sustentabilidade 
  48. «Fabio Bueno Tanaka on Twitter: "Retiro neste post a minha pré-candidatura a prefeitura de São Paulo."». Fabio Bueno Tanaka. 19 de março de 2016. Consultado em 18 de julho de 2016. 
  49. «Marina lança hoje Ricardo Young na disputa em São Paulo». A Tarde. 28 de julho de 2016. Consultado em 28 de julho de 2016.. A ex-senadora Marina Silva será a principal estrela da convenção da Rede Sustentabilidade que lançará nesta quinta-feira, 28, a candidatura do vereador Ricardo Young à Prefeitura de São Paulo 
  50. «PSC lança pré-candidatura de Feliciano à Prefeitura de SP». G1. 31 de agosto de 2015. Consultado em 3 de outubro de 2015. 
  51. «Dep. Roberto Tripoli é o pré-candidato do PV a prefeito de São Paulo». Partido Verde. 5 de outubro de 2015. Consultado em 29 de outubro de 2015.. Carlos Camacho discorreu aos presentes sobre a carreira do deputado estadual Roberto Tripoli, o mais votado do PV nas últimas duas eleições (municipal e estadual), convidando-o a ser o pré-candidato dos verdes ao cargo de prefeito na capital, em 2016. Tripoli aceitou o desafio. 
  52. Bilenky, Thais (24 de junho de 2016). «Doria obtém apoio do PV e derruba pretensão de Matarazzo». Folha de S.Paulo. Consultado em 23 de junho de 2016.. O pré-candidato do PSDB João Doria anunciará aliança com o PV na eleição municipal de São Paulo nesta sexta-feira (24), segundo a Folha apurou. O tucano já tem o apoio do PSB, PHS e PMB, que somam 13 minutos e 55 segundos de tempo de televisão nas inserções de propaganda partidária. Com a formalização da aliança, o PV abrirá mão de uma eventual pré-candidatura do deputado estadual Roberto Tripoli à Prefeitura de São Paulo. 
  53. Lopes, Nathan (8 de outubro de 2015). «Marlene Campos Machado é a 15ª pré-candidata à Prefeitura de SP». UOL. Consultado em 17 de julho de 2016. 
  54. Fernandes, Victor (3 de abril de 2016). «Marta encaminha acordo com PTB na disputa pela prefeitura». Veja. Consultado em 17 de julho de 2016.. Se aceitar a indicação de Marlene Campos Machado como vice, ex-prefeita pode ganhar 40 segundos de TV .
  55. Junior, João Batista (13 de julho de 2016). «Marlene Campos Machado será vice na chapa de Marta Suplicy». Veja São Paulo. Consultado em 17 de julho de 2016.. Foi definido quem será a vice na chapa de Marta Suplicy para a disputa da Prefeitura de São Paulo: Marlene Campos Machado, do PTB .
  56. «Matarazzo será candidato a vice de Marta Suplicy na disputa em São Paulo». Estadão. 25 de julho de 2016. Consultado em 25 de julho de 2016.. O vereador Andrea Matarazzo (PSD) aceitou ser o candidato a vice na chapa da senadora Marta Suplicy (PMDB) na disputa pela Prefeitura de São Paulo .
  57. Ramos, Murilo (25 de julho de 2016). «Aproximação de Marta Suplicy com o PSD deixa o PTB mais próximo de Russomanno». Epoca. Consultado em 25 de julho de 2016.. Aproximação de Marta Suplicy com o PSD deixa o PTB mais próximo de Russomanno O petebista Campos Machado, presidente estadual, volta a negociar apoio .
  58. «Marta fecha com Matarazzo para vice, e PTB migra para Russomanno». Folha. 26 de julho de 2016. Consultado em 26 de julho de 2016. 
  59. «Russomanno fecha acordo com PTB e terá Marlene Machado como vice». Folha. 26 de julho de 2016. Consultado em 26 de julho de 2016. 
  60. Stochero, Tahiane (30 de março de 2016). «Matarazzo se filia ao PSD e é pré-candidato à Prefeitura de SP». G1. Consultado em 25 de julho de 2016. 
  61. «Matarazzo será candidato a vice de Marta Suplicy na disputa em São Paulo». UOL. 25 de julho de 2016. Consultado em 25 de julho de 2016.. O vereador Andrea Matarazzo (PSD) aceitou ser o candidato a vice na chapa da senadora Marta Suplicy (PMDB) na disputa pela Prefeitura de São Paulo .
  62. «Solidariedade aprova Major Olímpio como pré-candidato a prefeito de São Paulo». Solidariedade. 17 de maio de 2016. Consultado em 18 de julho de 2016. 
  63. «Nome do deputado Major Olímpio é consenso como pré-candidato a prefeito de SP pelo Solidariedade». Solidariedade. 4 de junho de 2016. Consultado em 18 de julho de 2016. 
  64. «Deputado que interrompeu posse de Lula lança candidatura em São Paulo». Epoca. 29 de julho de 2016. Consultado em 29 de julho de 2016. 
  65. «PSDC lança João Bico como pré-candidato à prefeitura de São Paulo». PSDC. 9 de junho de 2016. Consultado em 19 de junho de 2016. 
  66. «PSDC, PCO e PRTB oficializam seus candidatos à Prefeitura de SP». G1. 25 de julho de 2016. Consultado em 26 de julho de 2016. 
  67. «PSTU lança pré-candidatura à Prefeitura de São Paulo». G1. 7 de julho de 2016. Consultado em 7 de julho de 2016.. Pré-candidato é presidente licenciado do Sindicato dos Metroviários. Partido busca divulgar visão "contra tudo o que está aí." 
  68. «PSTU lança candidatura de Altino de Melo Prazeres à Prefeitura de SP». G1. 31 de julho de 2016. Consultado em 1 de agosto de 2016.. Professora Janaína Rodrigues será a vice na chapa dele. Partido terá quatro mulheres para disputa do cargo de vereador." 
  69. «Filipe Celeti on Twitter: " É oficial.Sou pré candidato a prefeito em São Paulo.Vem junto."». Filipe Celeti. 12 de julho de 2016. Consultado em 1 de setembro de 2016. 
  70. «PSL anuncia apoio a João Doria nas eleições municipais em SP». G1. 23 de julho de 2016. Consultado em 24 de julho de 2016.. Além do PSL e do PSDB, integram a coligação PTC, PSB, PMB, PHS, DEM, PV, PPS, PP, PRP e PTdoB." 
  71. «PSDC, PCO e PRTB oficializam seus candidatos à Prefeitura de SP». 25 de julho de 2016. Consultado em 31 de julho de 2016. 
  72. «Russomanno larga na frente em disputa pela Prefeitura de SP - 03/11/2015 - Eleições - Datafolha». datafolha.folha.uol.com.br. Consultado em 31 de agosto de 2016. 
  73. «Ibope: Russomanno (PRB) lidera disputa pela Prefeitura de São Paulo com 26% - Notícias - Política». Consultado em 31 de agosto de 2016. 
  74. «Datafolha mostra liderança de Celso Russomanno na disputa por SP - 15/07/2016 - Poder - Folha de S.Paulo». www1.folha.uol.com.br. Consultado em 31 de agosto de 2016. 
  75. «Ibope: Russomanno lidera disputa para Prefeitura de SP - Notícias - UOL Eleições 2016». Consultado em 31 de agosto de 2016. 
  76. a b c «Russomanno tem 33% e Marta, 17% na disputa à Prefeitura de SP, diz Ibope». 23 de agosto de 2016. Consultado em 31 de agosto de 2016. 
  77. a b «Russomanno lidera pesquisa Datafolha com 31% e vence com folga no 2º turno - 26/08/2016 - Poder - Folha de S.Paulo». www1.folha.uol.com.br. Consultado em 31 de agosto de 2016. 
  78. a b «SITUAÇÃO ELEITORAL PARA O EXECUTIVO MUNICIPAL» (PDF). Consultado em 15 de setembro de 2016. 
  79. a b c «Russomanno tem 26%, Marta, 21%, e Doria, 16%, diz pesquisa Datafolha». Consultado em 15 de setembro de 2016. 
  80. a b c «Russomanno tem 30%, Marta, 20%, e Doria, 17%, diz pesquisa Ibope». Consultado em 15 de setembro de 2016. 
  81. a b «Pesquisa para intenção de voto em São Paulo» (PDF). Paraná Pesquisas. 21 de setembro de 2016 
  82. a b «Doria cresce, Russomanno cai e eleição em São Paulo tem triplo empate - 22/09/2016 - Poder - Folha de S.Paulo». www1.folha.uol.com.br. Consultado em 22 de setembro de 2016. 
  83. «Ibope em São Paulo: Doria tem 28%; Russomanno, 24%; Marta, 15%; Haddad, 12%». Consultado em 26 de setembro de 2016. 
  84. a b c «Doria tem 30%, Russomanno, 22%, Marta, 15%, Haddad, 11%, diz Datafolha». Consultado em 27 de setembro de 2016. 
  85. «Doria tem 28%, Russomanno, 22%, Marta, 16%, e Haddad, 13%, diz Ibope». Consultado em 28 de setembro de 2016. 
  86. «Datafolha, votos válidos: Doria, 44%, Russomanno e Haddad, 16%, Marta, 14%». Consultado em 1 de outubro de 2016. 
  87. «Ibope: Doria tem 35%, Russomanno, 23%, Marta, 19%, e Haddad, 15%». Consultado em 1 de outubro de 2016. 
  88. a b «Doria tem 28%, Russomanno, 24%, Marta, 15% e Haddad, 12%, diz Ibope». g1.globo.com/. Consultado em 26 de setembro de 2016. 
  89. «Russomanno tem 31%, Marta, 16%, e Erundina, 10%, diz pesquisa Datafolha». g1.globo.com/. Consultado em 26 de setembro de 2016. 
  90. a b «Doria tem 25%, Russomanno, 22%, e Marta, 20%, diz pesquisa Datafolha». g1.globo.com/. Consultado em 26 de setembro de 2016. 
  91. «Eleições: Band acerta detalhes para os debates». Band. 29 de março de 2016. Consultado em 23 de junho de 2016. 
  92. «Definida data do debate entre candidatos à prefeitura». Band. 20 de julho de 2016. Consultado em 20 de julho de 2016. 
  93. «UOL, Folha e SBT farão debate com candidatos a prefeito de São Paulo». UOL. 27 de junho de 2016. Consultado em 27 de junho de 2016. 
  94. «'Estado', TV Gazeta e Twitter promovem debate eleitoral». Estadão. 9 de julho de 2016. Consultado em 9 de julho de 2016. 
  95. «'Estado', Gazeta e Twitter promovem debate dia 18 de setembro». Estadão. 16 de agosto de 2016. Consultado em 18 de agosto de 2016. 
  96. Ricco, Flavio (15 de julho de 2016). «TVs definem com partidos datas para debates municipais». BOL. Consultado em 15 de julho de 2016. 
  97. Ricco, Flavio (18 de julho de 2016). «O bom dia da Globo, de fato e na prática, agora começa com o "Hora 1"». UOL. Consultado em 18 de julho de 2016.. A Rede TV! também vai promover debates entre candidatos à Prefeitura de São Paulo, dias 2 de setembro e 14 de outubro, primeiro e segundo turnos. (...) Mediação de Mariana Godoy e Amanda Klein, em parceria com UOL, Veja e Facebook. 
  98. «Psol vai ao TRE pedir que Erundina participe de debates na TV». rádio Brasil Atual. 18 de agosto de 2016. Consultado em 18 de agosto de 2016.. Segundo o atual partido da ex-prefeita, os candidatos João Doria Júnior, Major Olímpio e Marta Suplicy vetaram a presença de Erundina nos debates, enquanto Haddad e Russomanno foram a favor. 
  99. «Campanhas de Marta, Doria e Major Olímpio vetam Erundina em debate». UOL. 17 de agosto de 2016. Consultado em 18 de agosto de 2016.. As campanhas de Marta Suplicy (PMDB), João Doria Jr. (PSDB) e Major Olímpio (SD) vetaram a participação de Luiza Erundina (PSOL) no debate organizado pelo UOL, pela "Folha de S.Paulo" e pelo SBT com os candidatos a prefeito de São Paulo. O encontro acontece no dia 23 de setembro (sexta-feira), às 13h10, e será transmitido ao vivo. 
  100. «Luiza Erundina tem pedido para participar de debate na televisão indeferido». TRE-SP. 19 de agosto de 2016. Consultado em 21 de agosto de 2016.. A candidata Luiza Erundina (PSOL) teve seu pedido de liminar indeferido e não terá direito a participar de debates entre candidatos à Prefeitura de São Paulo na televisão. Em decisão publicada nesta sexta-feira (19), o juiz da 1ª Zona Eleitoral Sidney da Silva Braga considerou que a candidata não preenche os requisitos exigidos pela legislação eleitoral vigente, que limita o número de participantes em debates de rádio e televisão. 
  101. «STF decide que nanicos podem participar em debates na mídia, se convidados». UOL. 25 de agosto de 2016. Consultado em 30 de agosto de 2016.. A maioria dos ministros do STF (Supremo Tribunal Federal) decidiu nesta quinta-feira (25) liberar a participação de partidos pequenos em debates políticos em rádio e televisão, desde que convidados pelas emissoras de rádio e televisão. As emissoras ficam obrigadas a chamar os candidatos com, no mínimo, dez deputados na Câmara, e podem optar por chamar nanicos e os outros candidatos não podem excluí-los. 
  102. «Após decisão do STF, Erundina e Freixo são convidados para debates na TV». A Tarde. 29 de agosto de 2016. Consultado em 30 de agosto de 2016.. A deputada federal Luiza Erundina, candidata do PSOL à Prefeitura de São Paulo, participará na sexta-feira, 2, do debate promovido pela Rede TV. A decisão da emissora de convidá-la foi tomada após a maioria dos ministros do Supremo Tribunal Federal (STF) liberar a participação de partidos pequenos em debates políticos em rádio e televisão, desde que convidados pelas emissoras de rádio e televisão. 
  103. UOL. «Apuração em São Paulo». Consultado em 2 de outubro de 2016. 
  104. G1. «Apuração em São Paulo». Consultado em 2 de outubro de 2016. 
  105. «Divulgação das Candidaturas e Contas Eleitorais - Eleições de 2016 - São Paulo». TSE. Consultado em 24 de fevereiro de 2018. 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]