Eleição presidencial nos Estados Unidos em 2020

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Eleição presidencial nos Estados Unidos em 2020
 

2016 ← Flag of the United States.svg → 2024


3 de novembro de 2020[1][2][3]
Joe Biden 2013.jpg Donald Trump official portrait (cropped).jpg
Candidato Joe Biden Donald Trump
Partido Democrata Republicano
Domicílio eleitoral Delaware Flórida
Candidato para Vice-presidente Kamala Harris Mike Pence
Colégio eleitoral 306 232
Vencedor em 25 + D.C. + NE-2 25 + ME-2
Votos 81.283.485 74.223.744
Porcentagem 51,4% 46,9%
ElectoralCollege2020 with results.svg
Mapa dos resultados, com a indicação da quantidade de votos que cada estado e o Distrito de Colúmbia possuíam no Colégio Eleitoral

Seal of the President of the United States.svg
Presidente dos Estados Unidos

A eleição presidencial nos Estados Unidos em 2020 foi realizada em 3 de novembro, uma terça-feira. Foi a 59.ª eleição presidencial do país. O ex-vice-presidente democrata Joe Biden derrotou o presidente republicano Donald Trump. A senadora Kamala Harris se tornou a primeira mulher a ser eleita vice-presidente. Foi a primeira vez desde a eleição de 1992 que um presidente não foi reeleito, com Biden ganhando a maior fatia de voto popular para um opositor a um presidente incumbente desde 1932. A eleição registrou a maior participação popular desde 1900, sendo que a chapa Biden-Harris atingiu a maior quantidade de votos na história do país, superando os 81 milhões. O presidente Trump, com 74 milhões, se tornou o segundo presidenciável mais votado da história.

Eleito na última eleição, Trump candidatou-se à reeleição e em março de 2020 atingiu a quantidade de delegados necessária para ser nomeado o candidato republicano para a presidência. Na oposição democrata, as primárias contaram com dezenas de candidatos relevantes e, em abril de 2020, Biden se converteu no presumível candidato do partido com a desistência do senador Bernie Sanders. Biden então escolheu Harris como sua vice, tornando-a a primeira mulher negra a concorrer ao cargo por um grande partido. Outras agremiações menores, como o Libertário e o Verde, também escolheram seus candidatos presidenciais.

A disputa presidencial ocorreu simultaneamente com as eleições para todos os assentos da Câmara dos Representantes e parte dos do Senado, além de vários cargos a níveis estadual e local. Os temas da campanha eleitoral incluíram o impacto da pandemia de COVID-19, que deixou mais de duzentos mil mortos no país no momento da votação, a morte da juíza associada Ruth Bader Ginsburg e a indicação de Amy Coney Barrett para a Suprema Corte, o sistema de saúde, as mudanças climáticas e os protestos antirracistas, assim como a interferência estrangeira, assuntos relacionados ao voto antecipado e o reconhecimento dos resultados. Biden e Trump foram os candidatos presidenciais mais idosos já designados pelos maiores partidos.

A eleição registrou um número histórico de votos antecipados em decorrência da pandemia, fazendo com que a apuração fosse mais lenta em alguns estados. A vitória de Biden foi projetada em 7 de novembro, mas Trump recusou-se a aceitar sua derrota, proferindo reiteradas alegações infundadas sobre fraudes, ingressando com diversas ações judiciais e buscando outros meios para reverter os resultados nos estados. Nenhum desses esforços foi exitoso. Em meados de dezembro, o Colégio Eleitoral formalizou a vitória da chapa Biden-Harris, com 306 votos, contra 232 para Trump e seu vice, Mike Pence. Em 6 de janeiro de 2021, em meio a tumultos, o Congresso dos Estados Unidos, numa sessão simbólica, contou os votos do colegiado e ratificou oficialmente a vitória de Biden.

Processo eleitoral[editar | editar código-fonte]

O Artigo II da Constituição dos Estados Unidos estabelece os critérios de elegibilidade para o cargo de presidente, exigindo que este deve ser um cidadão nato, ter ao menos 35 anos de idade e ser residente nos EUA por ao menos catorze anos.[4] Embora candidaturas independentes sejam permitidas, todos os presidentes desde George Washington pertenciam a um partido político,[5] que utilizam métodos próprios para escolher seus candidatos.[6] Os principais partidos, Democrata e Republicano, realizavam eleições primárias nos estados e territórios em que os eleitores votavam em uma lista de delegados comprometidos a apoiar um determinado candidato na convenção partidária. O candidato a presidente normalmente escolhe um vice-presidente para compor a chapa, com a decisão sendo posteriormente ratificada pelos delegados.[7]

A eleição geral em novembro também era indireta.[7] Os candidatos vencedores em cada estado e no Distrito de Colúmbia ganhavam o número de votos que estes possuíam no Colégio Eleitoral, onde era necessário reunir 270 votos para vencer a eleição. A quantidade de votos no Colégio Eleitoral era definida pelo número de representantes e senadores eleitos pelos estados.[8] Como cada estado conta com dois senadores e o número de representantes era determinado pela quantidade de habitantes, estados mais populosos possuíam mais votos. Assim, enquanto o candidato vencedor na Califórnia garantia 55 votos no Colégio Eleitoral, o que fosse vitorioso em Wyoming recebia apenas três.[9][10] Se nenhum candidato reunisse os 270 votos necessários, a Câmara dos Representantes determinaria o presidente dentre os três candidatos que receberam o maior número de votos no Colégio Eleitoral, e o Senado selecionaria o vice-presidente entre os dois candidatos que receberam mais votos.[11]

A Vigésima Segunda Emenda à Constituição estabelece que ninguém pode ser eleito para o cargo de presidente mais do que duas vezes;[12] não há limites de mandato para vice-presidentes.[13] Deste modo, os ex-presidentes Bill Clinton, George W. Bush e Barack Obama eram inelegíveis para disputarem a eleição presidencial de 2020; Jimmy Carter, que cumpriu apenas um mandato, era o único ex-presidente elegível. Ademais, a eleição presidencial de 2020 ocorreu simultaneamente com as eleições legislativas, para a Câmara dos Representantes e o Senado, bem como para governos e legislaturas de alguns estados.[14]

Contexto[editar | editar código-fonte]

O presidente eleito Donald Trump cumprimentando Barack Obama, ao lado de Joe Biden, em janeiro de 2017

O empresário republicano Donald Trump foi eleito presidente dos Estados Unidos na eleição de 2016 após derrotar a democrata Hillary Clinton, um resultado considerado surpreendente pela maioria dos analistas, imprensa e políticos.[15] Embora tenha recebido 2,8 milhões de votos a menos que Clinton,[nota 1] Trump conseguiu 306 votos no Colégio Eleitoral, ante 232 da rival.[17] O Partido Republicano também manteve o controle do Congresso.[18] Empossado em janeiro de 2017, Trump sancionou um corte de impostos,[19] indicou dois juristas conservadores para a Suprema Corte,[20] retirou os EUA da Parceria Transpacífica e do Acordo de Paris,[21] engajou-se em uma guerra comercial com a China[22] e buscou revogar o Obamacare,[23] assim como diversas políticas de Obama.[24]

De acordo com a Gallup, a popularidade de Trump durante seu mandato variou de 35-49%, com 40% de média.[25] Nas eleições de 2018, os democratas recuperaram a maioria na Câmara pela primeira vez desde 2011.[26] Em 2019, o conselheiro especial Robert Mueller reafirmou a interferência russa nas eleições de 2016 e não isentou Trump de responsabilidade.[27] Em dezembro, o inquérito conduzido pela Câmara concluiu que Trump havia solicitado ajuda da Ucrânia para interferir na eleição presidencial de 2020 de modo a favorecer sua candidatura à reeleição.[28] Em dezembro, a Câmara aprovou dois artigos de impeachment contra o presidente, acusando-o de abuso de poder e obstrução do Congresso.[29][30] No início de 2020, Trump foi absolvido pelo Senado de ambas as acusações.[nota 2]

Vários eventos relacionados à eleição presidencial de 2020 foram alterados ou adiados por conta da pandemia de COVID-19. Em março de 2020, Trump, Biden e Sanders anunciaram uma pausa nos eventos de campanha presenciais,[33] dando lugar a uma campanha realizada virtualmente pela internet.[34][35] A Convenção Nacional Democrata foi adiada de julho para agosto,[36] bem como 16 estados postergaram suas primárias.[37] A legislação sancionada para minorar os efeitos da pandemia estabeleceu recursos financeiros aos estados para que ampliassem a votação por correspondência; a campanha de Trump se opôs fortemente à medida, argumentando que esta propicia fraudes, o que foi rejeitado por especialistas.[38] No final de junho, Trump retomou os eventos de campanha presenciais.[39]

Nomeações[editar | editar código-fonte]

Partido Republicano[editar | editar código-fonte]

Primárias[editar | editar código-fonte]

Trump durante comício em Huntington, Virgínia Ocidental, em agosto de 2017

A campanha à reeleição de Donald Trump esteve essencialmente em andamento desde sua vitória em 2016, levando especialistas a descrever sua tática de realizar comícios continuamente durante toda a presidência como uma "campanha sem fim".[40] Às 17h11min de 20 de janeiro de 2017, dia em que foi empossado, Trump submeteu a documentação necessária para legalmente declarar sua candidatura para 2020.[41] Como ocorre nas primárias em que os presidentes incumbentes são candidatos a um novo mandato, a disputa pela nomeação partidária é geralmente pró-forma, com uma oposição simbólica que não apresenta candidaturas adversárias fortes.[42][43] No caso de Trump, o aparato republicano, a níveis estadual e nacional, mobilizou-se para implementar mudanças que dificultassem qualquer candidatura dissidente.[44][45] Em janeiro de 2019, o Comitê Nacional Republicano endossou Trump.[46]

Vários comitês estaduais republicanos cancelaram suas respectivas primárias ou caucuses.[47] Como justificativa, as agremiações citaram o fato de que os republicanos cancelaram várias primárias estaduais quando George H. W. Bush e George W. Bush buscaram um segundo mandato em 1992 e 2004, respectivamente, bem como que os democratas fizeram o mesmo quando Bill Clinton e Barack Obama foram candidatos à reeleição em 1996 e 2012, respectivamente.[48][49] Após cancelarem suas prévias, alguns desses estados, como Havaí e Nova Iorque, imediatamente comprometeram seus delegados a apoiar Trump,[50][51] enquanto outros estados como Kansas e Nevada realizaram formalmente uma convenção ou reunião para distribuir oficialmente seus delegados.[52][53]

A partir do segundo semestre de 2017, surgiram relatos de que republicanos, particularmente das alas moderadas e do establishment, estavam preparando uma campanha contra Trump. O senador John McCain disse: "Os republicanos vêem fraqueza neste presidente."[54][55] Os senadores Susan Collins e Rand Paul e o ex-governador Chris Christie expressaram dúvidas sobre se Trump seria o candidato republicano em 2020; Collins declarou que era "muito difícil dizer."[56][57] Ao mesmo tempo, o senador Jeff Flake argumentou que Trump estava instigando uma candidatura republicana opositora pela maneira como governava.[58]

Bill Weld em 2016. Nas prévias de 2020, Weld foi o opositor republicano a Trump que recebeu a maior quantidade de votos populares

Em abril de 2019, Bill Weld declarou sua candidatura à nomeação republicana;[59] Weld foi governador de Massachusetts e o candidato a vice-presidente do Partido Libertário em 2016. A chance de sua candidatura ser exitosa era vista como improvável por conta da popularidade do presidente entre os republicanos e as visões políticas de Weld em questões como aborto, controle da venda de armas e casamento entre pessoas do mesmo sexo, que conflitavam com as posições conservadoras em relação a estes temas.[60] Também ex-governador, Mark Sanford, da Carolina do Sul, declarou-se candidato em setembro de 2019,[61] mas desistiu 65 dias depois.[62]

Em agosto de 2019, Joe Walsh, ex-representante pelo Illinois, anunciou sua candidatura, declarando: "Vou fazer o que puder. Não quero que [Trump] vença. O país não pode permitir que ele vença. Se não tiver sucesso, não vou votar nele."[63] Walsh desistiu em fevereiro de 2020, depois de obter cerca de 1% de apoio no caucus de Iowa. Após anunciar sua decisão, Walsh afirmou que "ninguém poderia derrotar Trump nas primárias republicanas" porque o Partido Republicano era agora "um culto" a Trump. Para Walsh, os apoiadores do presidente se tornaram "seguidores" pois, após absorverem informações erradas "da mídia conservadora", creem que Trump "não pode fazer nada errado": "Eles não sabem o que é a verdade e — mais importante — eles não se importam."[64]

Durante seu mandato, Trump manteve um alto nível de aprovação entre os republicanos.[65] Em fevereiro de 2020, a Gallup informou que 94% dos republicanos aprovavam sua gestão.[66] Neste contexto, Trump venceu todas as prévias republicanas, atingindo em 17 de março de 2020 a quantidade necessária de delegados para ganhar a nomeação.[67] Weld desistiu de sua candidatura no dia seguinte.[68] Ao final das prévias, Trump recebeu 18,1 milhões de votos (94%), ante 453 mil de Weld (2,3%) e 173 mil de Walsh (0,9%).[69]

Chapa[editar | editar código-fonte]

Trump confirmou que Pence seria novamente seu companheiro de chapa em novembro de 2018.[70]

Republican Disc.png
Donald Trump Mike Pence
para Presidente para Vice-Presidente
TrumpPenceKAG.png

T45.png
Donald Trump official portrait.jpg
Mike Pence official Vice Presidential portrait.jpg
45.º Presidente dos Estados Unidos
(2017–2021)
48.º Vice-presidente dos Estados Unidos
(2017–2021)

Outros candidatos[editar | editar código-fonte]

Os candidatos listados nesta seção foram considerados principais pois cumpriram um dos seguintes requisitos: a) ocuparam cargos públicos; b) foram incluídos em pelo menos cinco pesquisas nacionais independentes; ou c) receberam cobertura significativa da mídia.[71][72][73]

Candidatos pela data de desistência
Bill Weld Joe Walsh Rocky De La Fuente Mark Sanford
Bill Weld campaign portrait.jpg
Rep Joe Walsh.jpg
Rocky De La Fuente1 (2) (cropped).jpg
Mark Sanford, Official Portrait, 113th Congress.jpg
Governador de Massachusetts
(1991–1997)
Representante por Illinois
(2011–2013)
Empresário e candidato perene Representante pela Carolina do Sul
(1995–2001, 2013–2019)
Governador da Carolina do Sul
(2003-2011)
Bill Weld campaign 2020.png Joe Walsh 2020 Logo-black.svg Rocky De La Fuente 2020 presidential campaign logo.png Mark Sanford 2020.png
18 de março de 2020[74]
412.325 votos (2,25%)[69]
1 delegado[69]
7 de fevereiro de 2020[75]
173.519 votos (0,95%)[69]
25 de abril de 2020[76]
90.893 votos (0,50%)[69]
12 de novembro de 2019[77]
4.258 votos (0,02%)[69]

Partido Democrata[editar | editar código-fonte]

Primárias[editar | editar código-fonte]

Biden no primeiro comício de sua campanha, em maio de 2019. Em abril de 2020, Biden garantiu a nomeação presidencial democrata

Depois que Hillary Clinton perdeu a presidência para Trump, muitos passaram a acreditar que o Partido Democrata não possuía uma clara liderança a nível nacional.[78] As divisões permaneceram no partido após as primárias de 2016, que colocaram Clinton, representante da ala centrista, contra Bernie Sanders, visto como líder da ala mais progressista.[79][80] Na eleição para a presidência do Comitê Nacional Democrata em 2017, Tom Perez derrotou Keith Ellison, o que foi visto à época como uma vitória do establishment do partido contra a ala mais à esquerda.[81] Em 2018, representantes das duas correntes disputaram a nomeação democrata em vários distritos decisivos da Câmara dos Representantes; tais confrontos foram descritos como uma "guerra civil democrata."[82]

Em agosto de 2018, os membros do Comitê Nacional Democrata (DNC) aprovaram reformas no processo das primárias presidenciais, alegadamente para aumentar a participação[83] e garantir a transparência.[84] Entre as mudanças, o DNC proibiu que os superdelegados tivessem direito ao voto na primeira votação da Convenção. Consequentemente, o presidenciável democrata precisaria ganhar uma maioria dos delegados nas prévias estaduais. Se isso não ocorresse, os superdelegados teriam poder decisivo nas votações seguintes da Convenção, que seria considerada "contestada"; no entanto, a última convenção democrata contestada ocorreu em 1952.[85]

No decorrer da disputa pela nomeação democrata, um recorde de 29 candidaturas principais foram apresentadas.[71] Tal número era maior do que de qualquer prévia presidencial democrata ou republicana desde 1972, quando o sistema em uso foi introduzido, superando os 17 republicanos que concorreram à indicação do partido em 2016.[86] Além disso, conforme referido pela CBS News, foi o "mais diversificado grupo de candidatos democratas na história moderna",[87] incluindo seis candidatas, como as senadoras Amy Klobuchar, Elizabeth Warren, Kamala Harris e Kirsten Gillibrand e a representante Tulsi Gabbard.[71]

Mapa dos resultados das prévias democratas por condados: Biden venceu nos em azul e Sanders nos em verde

Considerado desde o início como o candidato favorito para ser designado pelos democratas para a presidência, Joe Biden, que ocupou a vice-presidência durante todo o governo Obama, teve sua liderança questionada no segundo semestre de 2019.[88][89] Em novembro, o ex-prefeito nova-iorquino e bilionário Michael Bloomberg apresentou-se candidato de última hora, afirmando que era o democrata com maior capacidade para derrotar Trump.[90][91] Em poucos meses, Bloomberg gastou US$ 935 milhões da própria fortuna em sua campanha,[92] estabelecendo um recorde de campanha primária mais cara da história do país.[93] Ainda antes do final de 2019, a lista de presidenciáveis democratas foi reduzida com a desistência de 13 candidatos, incluindo Gillibrand, Harris, Beto O'Rourke, Bill de Blasio e John Hickenlooper.[71]

Nas primeiras prévias realizadas, de Iowa e Nova Hampshire, sagraram-se vencedores Pete Buttigieg e Sanders, respectivamente.[94] Os maus resultados obtidos por Biden nestes estados intensificaram os questionamentos quanto a sua candidatura,[95] com Bloomberg o superando tecnicamente nas pesquisas de opinião e Sanders passando a liderá-las.[96] Entretanto, Biden venceu a primária da Carolina do Sul por uma grande margem e buscou frisar a mensagem de que era a alternativa mais forte contra Sanders e o candidato mais viável contra Trump.[97][98] Nos dias seguintes e às vésperas da Super Terça, Klobuchar e Buttigieg desistiram e prontamente endossaram Biden, ajudando-o a unir o voto moderado.[99]

Em 3 de março, Biden venceu em 10 dos 14 estados da Super Terça,[100] registrando, segundo a CNN, uma "volta por cima histórica e inacreditável na política".[101] Nos dias seguintes, Warren e Bloomberg também desistiram de suas candidaturas.[102] Biden consolidou sua liderança sobre Sanders nas prévias a seguir,[103] vencendo na Flórida, em Illinois e Michigan, além de outros estados.[104][105] Em 8 de abril, Sanders anunciou sua desistência, fazendo de Biden o presumível candidato democrata a presidente;[106] Sanders, Warren e Bloomberg endossaram Biden.[107][108] Em 5 de junho, ele atingiu formalmente o número de delegados necessários para garantir a indicação.[109]

Chapa[editar | editar código-fonte]

Em meados de março de 2020, Biden comprometeu-se a, caso fosse designado como o presidenciável democrata, escolher uma mulher como sua candidata a vice-presidente.[110] Em abril, Biden anunciou a formação de um comitê responsável pela verificação dos currículos das potenciais candidatas para o cargo.[111] A partir de junho, os protestos pela morte de George Floyd levaram personalidades a instarem Biden a escolher como sua vice uma mulher de cor.[112][113][114] Entre elas, a senadora Klobuchar descartou publicamente a possibilidade de ser vice de Biden, urgindo-o a optar por uma mulher de cor;[115] antes dos protestos, Klobuchar era uma das favoritas para juntar-se à chapa.[116] Em agosto, Biden anunciou a senadora Kamala Harris como candidata a vice.[117] Considerada uma escolha segura para Biden,[118] Harris se tornou a primeira mulher negra e sul-asiática a integrar a chapa presidencial de um grande partido político norte-americano.[119]

US Democratic Party Logo.svg
Joe Biden Kamala Harris
para Presidente para Vice-Presidente
Biden Harris logo.svg

Biden 2020 1Q9T0J8o 400x400.png
Joe Biden 2013.jpg
Senator Harris official senate portrait.jpg
47.º Vice-presidente dos Estados Unidos
(2009–2017)
Senadora pela Califórnia
(2017–2021)

Outros candidatos[editar | editar código-fonte]

Os candidatos listados nesta seção foram considerados principais pois cumpriram um dos seguintes requisitos: a) ocuparam cargos públicos; b) foram incluídos em pelo menos cinco pesquisas nacionais independentes; ou c) receberam cobertura significativa da mídia.[71][72][73]

Candidatos pela data de desistência
Bernie Sanders Tulsi Gabbard Elizabeth Warren Michael Bloomberg Amy Klobuchar Pete Buttigieg Tom Steyer
Bernie Sanders March 2020 (cropped).jpg
Tulsi Gabbard (48011616441) (cropped).jpg
Elizabeth Warren by Gage Skidmore (cropped).jpg
Michael Bloomberg by Gage Skidmore (cropped).jpg
Amy Klobuchar by Gage Skidmore (cropped).jpg
Pete Buttigieg by Gage Skidmore.jpg
Tom Steyer by Gage Skidmore.jpg
Senador por Vermont
(desde 2007
Representante por Vermont
(1991–2007
Representante pelo Havaí
(desde 2013
Senadora por Massachusetts
(desde 2013
Prefeito de Nova Iorque
(2002–2013
CEO da Bloomberg L.P.
Senadora por Minnesota
(desde 2007
Prefeito de South Bend
(2012–2020
Bilionário, filantropo, ex-gerente de fundo de investimento
Bernie Sanders 2020 logo.svg Tulsi Gabbard logo.svg Elizabeth Warren 2020 presidential campaign logo.svg Mike Bloomberg 2020 presidential campaign logo.svg Amy Klobuchar 2020 presidential campaign logo.svg Pete for America logo (Strato Blue).svg Tom Steyer 2020 logo (black text).svg
8 de abril de 2020[120]
9.329.619 votos (27,11%)[121]
1.113 delegados[121]
19 de março de 2020[122]
259.205 votos (0,75%)[121]
2 delegados[121]
5 de março de 2020[123]
2.774.178 votos (8,06%)[121]
78 delegados[121]
4 de março de 2020[124]
2.469.922 votos (7,18%)[121]
49 delegados[121]
2 de março de 2020[125]
521.923 votos (1,52%)[121]
7 delegados[121]
1 de março de 2020[126]
909.665 votos (2,64%)[121]
26 delegados[121]
29 de fevereiro de 2020[127]
257.885 votos (0,75%)[121]
Deval Patrick Michael Bennet Andrew Yang John Delaney Cory Booker Marianne Williamson Julián Castro
Deval Patrick 2016.jpg
Michael Bennet by Gage Skidmore.jpg
Andrew Yang by Gage Skidmore.jpg
John Delaney by Gage Skidmore.jpg
Cory Booker by Gage Skidmore.jpg
Marianne Williamson November 2019.jpg
Julian Castro 2019 crop.jpg
Governador de Massachusetts
(2007–2015)
Senador pelo Colorado
(desde 2009)
Empreendedor e fundador da Venture for America Representante por Maryland
(2013–2019)
Senador por New Jersey
(desde 2013)
Prefeito de Newark
(2006–2013)
Autora Secretário de Habitação e Desenvolvimento Urbano
(2014–2017)
Prefeito de San Antonio, Texas
(2009–2014)
Devallogo2020.png Michael Bennet 2020 presidential campaign logo.svg Andrew Yang 2020 logo.svg John Delaney 2020 logo.svg Cory Booker 2020 Logo.svg Marianne Williamson 2020 presidential campaign logo.svg Julian Castro 2020 presidential campaign logo.svg
12 de fevereiro de 2020[128]
26.259 votos (0,08%)[121]
11 de fevereiro de 2020[129]
56.102 votos (0,16%)[121]
11 de fevereiro de 2020[130]
155.605 votos (0,45%)[121]
31 de janeiro de 2020[131]
17.461 votos (0,05%)[121]
13 de janeiro de 2020[132]
31.575 votos (0,09%)[121]
10 de janeiro de 2020[133]
22.334 votos (0,06%)[121]
2 de janeiro de 2020[134]
37.037 votos (0,11%)[121]
Kamala Harris Steve Bullock Joe Sestak Wayne Messam Beto O'Rourke Tim Ryan Bill de Blasio
Kamala Harris April 2019.jpg
Steve Bullock by Gage Skidmore.jpg
Joe Sestak August 2019 (3) (cropped).jpg
Wayne Messam by Marc Nozell (cropped).jpg
Beto O'Rourke April 2019.jpg
Tim Ryan by Gage Skidmore.jpg
Bill de Blasio by Gage Skidmore.jpg
Senadora pela Califórnia
(desde 2017)
Procuradora-geral da Califórnia
(2011–2017)
Governador de Montana
(desde 2013)
Procurador-geral de Montana
(2009–2013)
Representante pela Pensilvânia
(2007–2011)
Prefeito de Miramar
(desde 2015)
Representante pelo Texas
(2013–2019)
Representante por Ohio
(desde 2013)
Prefeito de Nova Iorque
(desde 2013)
Kamala Harris 2020 presidential campaign logo.svg Steve Bullock 2020 presidential campaign logo.svg Wayne Messam 2020 presidential campaign logo.png Beto O'Rourke 2020 presidential campaign logo.svg Timryan2020.png Bill de Blasio 2020 presidential campaign logo.svg
3 de dezembro de 2019[135]
844 votos (0,00%)[121]
2 de dezembro de 2019[136]
549 votos (0,00%)[121]
1 de dezembro de 2019[137]
5.251 votos (0,02%)[121]
19 de novembro de 2019[138] 1 de novembro de 2019[139] 24 de outubro de 2019[140] 20 de setembro de 2019[141]
Kirsten Gillibrand Seth Moulton Jay Inslee John Hickenlooper Mike Gravel Eric Swalwell Richard Ojeda
Kirsten Gillibrand August 2019.jpg
Seth Moulton August 2019.jpg
Jay Inslee by Gage Skidmore.jpg
John Hickenlooper by Gage Skidmore.jpg
Mike Gravel cropped.png
Eric Swalwell (48016282941) (cropped).jpg
MAJ Richard Ojeda.jpg
Senadora por Nova Iorque
(desde 2009)
Representante por Nova Iorque
(2007–2009)
Representante por Massachusetts
(desde 2015)
Governador de Washington
(desde 2013)
Representante por Washington
(1993-1995; 1999-2012)
Governador do Colorado
(2011–2019)
Prefeito de Denver
(2003–2011)
Senador pelo Alaska
(1969–1981)
Representante pela Califórnia
(desde 2013)
Senador estadual da Virgínia Ocidental
(2016–2019)
Gillibrand 2020 logo.png Seth Moulton 2020 presidential campaign logo.svg Jay Inslee 2020 logo3.png John Hickenlooper 2020 presidential campaign logo.png Gravel Mg web logo line two color.svg Eric Swalwell 2020 presidential campaign logo.svg
28 de agosto de 2019[142] 23 de agosto de 2019[143] 21 de agosto de 2019[144] 15 de agosto de 2019[145] 6 de agosto de 2019[146] 8 de julho de 2019[147] 25 de janeiro de 2019[148]

Partido Libertário[editar | editar código-fonte]

Libertarian Disc.svg
Jo Jorgensen Spike Cohen
para Presidente para Vice-Presidente
Jorgensen Cohen 2020 Campaign Logo.svg

Jo Jorgensen 2020 campaign logo (square).png
Jo Jorgensen portrait 3 (cropped).jpg
Spike Cohen portrait 1 (crop 1).jpg
Professora na Universidade Clemson[149] Podcaster e empresário[150]

Partido Verde[editar | editar código-fonte]

Green Party of the United States social media logo.svg
Howie Hawkins Angela Walker
para Presidente para Vice-presidente
Hawkins Walker Logo.png
Hawkins 2010 (1).jpg
Angela Walker (cropped).jpg
Co-fundador do Partido Verde[151] Ativista e motorista[152]

Partido da Constituição[editar | editar código-fonte]

Logomarca do Partido da Constituição.png
Don Blankenship William Mohr
para Presidente para Vice-presidente
Don Blankenship 2020 presidential campaign logo.jpg
Don Blankenship Image (cropped).jpeg
Executivo da Virgínia Ocidental[153] Presidente do partido

Convenções partidárias[editar | editar código-fonte]

Eleição presidencial nos Estados Unidos em 2020 (Estados Unidos)
Cyan pog.svg
Milwaukee
Red pog.svg
Jacksonville
Gold pog.svg
Virtual
Green pog.svg
Virtual
  Partido Democrata
  Partido Republicano
  Partido Libertário (virtual)
  Partido Verde (virtual)

A Convenção Nacional Democrata estava originalmente programada para ocorrer entre 13 a 16 de julho em Milwaukee, Wisconsin,[154][155] mas foi postergada para 17 a 20 de agosto por conta da pandemia do novo coronavírus.[156] Em 24 de junho de 2020, foi anunciado que a maioria dos delegados participaria remotamente do evento, mas que alguns ainda assim estariam fisicamente presentes.[157] Na primeira votação, Biden alcançou 3.448 votos, bem acima dos 1.151 de Sanders.[158]

A Convenção Nacional Republicana foi inicialmente planejada para os dias 24 e 27 de agosto,[159] sendo sediada em Charlotte, Carolina do Norte. No entanto, diante de divergências sobre as regras de distanciamento social, os discursos e celebrações foram transferidos para Jacksonville, Flórida, ainda que algumas atividades permaneceram em Charlotte.[160][161] Tanto Trump quanto Pence foram renomeados pelos delegados republicanos por unanimidade.[162]

A Convenção Nacional Libertária seria em princípio realizada em Austin, Texas, no fim de semana do Memorial Day, de 22 a 25 de maio,[163] mas o evento foi alterado[164] e o partido escolheu seus candidatos virtualmente entre 22 a 24 de maio, com uma convenção presencial ocorrendo em Orlando, Flórida, de 8 a 12 de julho.[165] A professora Jo Jorgensen foi designada na quarta votação, com 51% de apoio,[166] e o vice Spike Cohen na terceira, com 52%.[167]

A Convenção Nacional Verde foi organizada para ocorrer em Detroit, Michigan entre 9 a 12 de julho.[168] O partido optou, também em decorrência da COVID-19, por fazer uma convenção virtual, mantendo a data.[169] Os delegados escolheram para a presidência o sindicalista nova-iorquino Howie Hawkins ainda na primeira votação, com 59%, e Angela Walker para a vice-presidência, por unanimidade.[170]

A Convenção Nacional do Partido da Constituição de 2020 seria realizada em St. Louis, Missouri, de 29 de abril a 2 de maio, mas devido à pandemia de coronavírus, o partido decidiu realizar uma convenção por meio de uma videoconferência de 1º de maio a 2 de maio. Don Blankenship foi nomeado candidato a presidente na segunda votação, enquanto William Mohr foi nomeado candidato a vice-presidente.[171]

Campanha eleitoral[editar | editar código-fonte]

Pandemia de COVID-19[editar | editar código-fonte]

Uma funcionária limpando uma cabine de votação após seu uso em Davis, Califórnia, no final de outubro de 2020

A pandemia de COVID-19 foi o tema que gerou maior interesse entre os eleitores e o mais debatido pelos candidatos.[172][173] Com o primeiro caso da doença confirmado em janeiro,[174] o país tinha registrado, em meados de outubro, 218 mil mortos, ultrapassando todos os demais países.[175] Como consequência, a economia sofreu impactos consideráveis,[176] com o desemprego atingindo um pico de 14,7% em abril, maior índice desde 1948.[177] No final de março, Trump sancionou um pacote de estímulos, aprovado pelo Congresso, de US$ 2 trilhões, o maior da história dos EUA.[178] Outra iniciativa semelhante continuou sendo debatida nos meses seguintes.[179]

Em março, Trump decretou estado de emergência e determinou a suspensão da entrada de estrangeiros de vários países, como de quase toda a Europa e da China.[180][181] O presidente inicialmente afirmou que estava otimista em relação à resposta do país e ao nível de ameaça da doença.[182] No entanto, na medida que a gravidade da pandemia aumentava, Trump fez um número significativo de declarações falsas ou enganosas.[183][184] De acordo com a média das pesquisas em outubro, cerca de 40% aprovava o trabalho do presidente diante da pandemia e 57% reprovava. Mais de 50% dizia estar "muito preocupado" com os efeitos econonômicos da doença.[185]

Na oposição, Biden afirmou que o presidente havia se rendido ao vírus e criticou a resposta de seu governo.[186] O candidato democrata prometeu que "ouviria os cientistas" e que "tomaria qualquer medida necessária para salvar vidas", argumentando que o país não voltaria ao normal sem que o vírus fosse contido.[187] Biden também divulgou um plano sobre o assunto que incluía a decretação da obrigatoriedade do uso de máscaras em todo o país, o aumento da testagem e a criação de um plano de reabertura "consistente e confiável".[188] Em resposta, Trump alegou que um governo Biden iria "destruir o país e a economia."[189]

No início de outubro, Trump e a primeira-dama Melania foram diagnosticados com COVID-19, assim como diversos integrantes do governo.[190] Tanto o presidente quanto a primeira-dama entraram imediatamente em quarentena, o que impediu Trump de continuar fazendo campanha presencial, principalmente através de comícios.[191] De 2 a 5 de outubro, Trump permaneceu internado no Hospital Militar Nacional de Walter Reed e, ao receber alta, exortou os norte-americanos a "não temerem" o coronavírus.[192] O diagnóstico do presidente foi amplamente visto como um efeito negativo à sua candidatura, desviando a atenção do público de volta para a pandemia.[193]

Economia[editar | editar código-fonte]

Trump buscou receber o crédito pela expansão econômica consistente ocorrida nos primeiros três anos de sua presidência, com o mercado de ações registrando seu período de crescimento mais longo da história e o menor índice de desemprego em cinquenta anos. Além disso, destacou a recuperação do terceiro trimestre de 2020, na qual o PIB cresceu a uma taxa anualizada de 33,1%.[194] Biden respondeu às afirmações de Trump repetindo que a forte economia foi herdada do governo Obama e que Trump agravou o impacto econômico da pandemia, levando 42 milhões de norte-americanos a ficarem desempregados.[195]

A legislação sancionada por Trump em 2017 que reduziu o imposto de renda para a maioria da população, bem como reduziu a alíquota do imposto corporativo de 35% para 21%, foi uma parte importante da política econômica do presidente. Biden e os democratas geralmente descreveram esses cortes como um benefício injusto à classe alta. O presidenciável democrata prometeu aumentar os impostos sobre as empresas e aqueles que ganhavam mais de US$ 400 mil por ano, mantendo os impostos reduzidos nas faixas de renda mais baixas, e aumentar os impostos sobre ganhos de capital para uma faixa máxima de 39,6%.[196]

Suprema Corte[editar | editar código-fonte]

Amy Coney Barrett sendo empossada juíza associada da Suprema Corte, em 26 de outubro de 2020

Em 18 de setembro de 2020, a juíza Ruth Bader Ginsburg, líder da ala liberal da Suprema Corte, morreu.[197] Imediatamente após, o líder da maioria no Senado, Mitch McConnell, afirmou que uma substituição a Ginsburg seria votada pelos senadores o quanto antes, rompendo com o precedente firmado por ele mesmo de que indicados para a alta corte não deveriam ser considerados em anos de eleições presidenciais, conforme ocorreu em Merrick Garland em 2016.[198] Trump nomeou a juíza Amy Coney Barrett para a Suprema Corte em 26 de setembro,[199] dando início a uma inesperada e histórica batalha política durante a campanha eleitoral.[200]

Trump defendeu a rápida indicação de Barrett argumentando que a corte não poderia estar incompleta caso os resultados da eleição presidencial fossem contestados.[201] Biden criticou a designação, declarando que o povo deveria escolher o novo juiz por meio das eleições.[202] Como não houve dissidências significativas entre a maioria republicana no Senado, o processo de nomeação avançou com celeridade e Barrett foi aprovada por 52 votos a 48 em 26 de outubro.[203][204] Desta forma, foi uma das nomeações para a Suprema Corte que avançaram com maior rapidez na história moderna, bem como a mais próxima de uma eleição.[205]

Saúde[editar | editar código-fonte]

O sistema de saúde foi uma questão polêmica tanto nas primárias democratas quanto na eleição geral. Enquanto Biden, assim como outros candidatos, prometeu proteger o Affordable Care Act (conhecido ainda como "Obamacare") e, com base nele, aprimorar o sistema de saúde, progressistas democratas defenderam a substituição do setor de seguros privados pelo Medicare for All ("saúde para todos").[206][207] Trump prometeu revogar o Affordable Care Act por completo, chamando-o de "muito caro", mas não detalhou o que iria substituí-lo.[208] Igualmente, seu governo e outros republicanos demandaram a revogação do "Obamacare" junto à Suprema Corte.[209]

Meio ambiente[editar | editar código-fonte]

Trump e Biden mantiveram diferenças significativas na agenda relativa à política ambiental, com Trump afirmando às vezes que a mudança climática era uma farsa, embora também a tenha chamado de um assunto sério.[210] Trump condenou o Acordo de Paris sobre a redução de gases de efeito estufa e deu início ao processo de retirada dos EUA, enquanto Biden planejou se juntar a ele e anunciou um plano de ação climática de US$ 2 trilhões. No entanto, Biden não aceitou totalmente o conceito do Green New Deal, uma política climática promovida por políticos progressistas e de esquerda como Sanders. Do mesmo modo, Biden declarou que não iria banir o fracking, mas proibi-lo em terras do governo federal; em um debate, entretanto, Trump afirmou que o adversário queria bani-lo completamente. As outras políticas ambientais de Trump incluem a remoção dos padrões de emissão de metano e uma expansão da mineração.[211]

Distúrbios raciais[editar | editar código-fonte]

Protesto contrário à violência policial, após a morte de George Floyd, em maio de 2020

Como resultado da morte de George Floyd e outros incidentes relacionados à violência policial contra afro-americanos, combinados com os efeitos da pandemia de COVID-19, uma série de protestos e um período mais amplo de agitação racial eclodiram em meados de 2020.[212] Muitos protestos ocorreram, a maioria pacíficos, mas também ocorreram motins e saques. Trump e os republicanos sugeriram o envio de militares para conter os protestos, o que foi criticado, especialmente pelos democratas, como uma medida desproporcional e potencialmente ilegal.[213] Em junho, militares retiraram à força manifestante pacíficos para que Trump tirasse uma foto segurando uma bíblia na frente da Igreja de St. John em Washington D.C., o que foi particularmente polêmico.[214] Biden condenou Trump por suas ações contra os manifestantes; o democrata descreveu as últimas palavras de Floyd ("não consigo respirar") como um "chamado para despertar a nossa nação." Também prometeu que criaria uma comissão para supervisionar a polícia em seus primeiros 100 dias como presidente e estabeleceria um padrão de uso uniforme da força, bem como outras medidas de reforma policial.[215]

Interferência estrangeira[editar | editar código-fonte]

O serviço de inteligência dos EUA acusou a Rússia, a China e o Irã de interferirem nas eleições de 2020.[216] Em fevereiro de 2020, oficiais da inteligência informaram aos membros do Comitê de Inteligência da Câmara dos Representantes que a Rússia estava interferindo como forma de ajudar a reeleger Trump.[217] A Rússia interferiu repetidamente nas eleições norte-americanas para apoiar a candidatura de Trump,[218] enquanto a China buscava apoiar a candidatura de Biden.[219] Em outubro, o Federal Bureau of Investigation (FBI) acusou o Irã de enviar e-mails falsos a eleitores com o propósito de intimidá-los e gerar agitação social.[220]

Votação antecipada[editar | editar código-fonte]

Diante da pandemia, vários estados expandiram as hipóteses de voto antecipado, tanto presencialmente quanto pelo correio,[221] uma prática comum nos Estados Unidos.[222] Em agosto, com o aumento da demanda, a Câmara dos Representantes aprovou uma verba emergencial de US$ 25 bilhões para financiar o Serviço Postal.[223] O presidente Trump, apesar dele próprio ter votado pelo correio em eleições anteriores, acusou repetidamente que tal forma de votação seria fraudulenta,[224] uma alegação que, de acordo com especialistas, não tinha base.[225] De acordo com as pesquisas, os eleitores de Biden tinham maior propensão a votar pelo correio.[226]

Em 6 de outubro, mais de quatro milhões de eleitores já haviam votado, um aumento substancial se comparado com a eleição presidencial anterior de 2016 que, na mesma época, havia computado 75 mil votos.[227] Em 25 de outubro, registrou-se a marca de 60 milhões de votos, um número maior que a totalidade de votos antecipados de 2016.[228] Em alguns estados, o voto antecipado registrou recordes. No Texas, por exemplo, 80% do total de votos de 2016 foi atingido faltando dez dias de votação.[229][230]

Adiamento da votação e reconhecimento dos resultados[editar | editar código-fonte]

Em abril de 2020, Biden disse que Trump poderia tentar adiar a eleição.[231] Em julho, Trump sugeriu que a eleição fosse adiada, arguindo que seria a "mais imprecisa e fraudulenta da história" por conta do "voto antecipado universal."[232] A alteração da data da votação demandaria o aval do Congresso e a Constituição define o término dos mandatos do presidente e do vice-presidente em 20 de janeiro de 2021.[233][234] Ademais, durante a campanha, Trump se negou, por mais de uma vez, a se comprometer a aceitar os resultados da eleição e realizar uma transferência pacífica de poder.[235][236] No Congresso, os republicanos insistiram que haveria uma transferência pacífica de poder caso Trump perdesse e o Senado aprovou uma resolução, de forma unânime, neste sentido.[237][238]

Debates[editar | editar código-fonte]

Eleição presidencial nos Estados Unidos em 2020 (Estados Unidos)
Cyan pog.svg
Case Western Reserve University
Red pog.svg
Universidade de Utah
Gold pog.svg
Centro Adrienne Arsht
Green pog.svg
Universidade Belmont
Locais dos debates da eleição geral

Em outubro de 2019, a Comissão de Debates Presidenciais anunciou que três debates seriam realizados no outono de 2020 entre os presidenciáveis democrata e republicano.[239] O primeiro foi agendado para 29 de setembro na Case Western Reserve University, em Cleveland, Ohio, o segundo em 15 de outubro no Centro Adrienne Arsht, em Miami, Flórida, e o último em 22 de outubro na Universidade de Belmont, em Nashville, Tennessee.[240][241][242] Em virtude da pandemia, duas instituições desistiram de sediar os eventos: a Universidade de Notre Dame desistiu de ser a anfitriã do primeiro[243] e a Universidade de Michigan, em Ann Arbor, do segundo.[244] Além destes, foi marcado um debate dos principais candidatos à vice-presidência na Universidade de Utah, em Salt Lake City, em 7 de outubro.[245]

O primeiro debate foi marcado por ofensas e constantes interrupções, em especial pelo presidente Trump.[246][247] O encontro foi descrito como "caótico" por conta das repetidas interrupções do presidente, fazendo com que a comissão anunciasse que realizaria ajustes no formato dos eventos restantes.[248] A recusa de Trump em condenar a supremacia branca e o grupo neo-fascista Proud Boys teve considerável repercussão e condenação. No dia seguinte, o presidente condenou o grupo.[249][250][251] Por sua vez, Biden chamou Trump de "palhaço" e, demonstrando irritação pelas constantes interrupções, disse: "Você não vai calar a boca, cara? Isso não é nem um pouco presidenciável."[252] Pesquisas de opinião indicaram que Biden teve desempenho melhor.[253]

Após Trump contrair COVID-19, a comissão anunciou que o segundo debate seria realizado virtualmente, no qual os candidatos apareceriam em locais diferentes. No entanto, Trump se recusou a participar de um debate virtual, e a comissão subsequentemente anunciou que o debate havia sido cancelado.[254] Como ambas as campanhas não chegaram a um acordo sobre um debate que substituísse o segundo encontro marcado, Biden e Trump participaram encontros com eleitores, em 14 de outubro e em canais diferentes, de forma simultânea.[255] O terceiro e último debate ocorreu em 22 de outubro na Universidade Belmont em Nashville, Tennessee.[256] O encontro manteve um clima mais civilizado, ao ponto de não ser necessário utilizar a opção de cortar o microfone de um dos candidatos, instituída após o primeiro debate.[257] Biden foi geralmente considerado como o vencedor do debate, embora concluiu-se que era improvável que o confronto alterasse os rumos da disputa.[258][259]

Debates entre os candidatos a presidente e vice-presidente
Data Local Cidade Moderador(es) Participantes Audiência (em milhões)
29 de setembro Case Western Reserve University Cleveland, Ohio Chris Wallace Trump
Biden
73,1[260]
7 de outubro Universidade de Utah Salt Lake City, Utah Susan Page Harris
Pence
57,9[261]
15 de outubro Centro Adrienne Arsht Miami, Flórida Steve Scully Trump
Biden
cancelado[254]
22 de outubro Universidade de Belmont Nashville, Tennessee Kristen Welker Trump
Biden
63[262]

Pesquisas de opinião[editar | editar código-fonte]

Gráfico a nível nacional
     Joe Biden
     Donald Trump
Média a nível nacional
Donald Trump vs. Joe Biden
Fonte Datas Atualizado Joe Biden Donald Trump Outros/Indecisos Margem
270 to Win até 2 de novembro de 2020 3 de novembro de 2020 51,1% 43,1% 5,8% Biden +8,0
RealClear Politics até 2 de novembro de 2020 3 de novembro de 2020 50,7% 44,0% 6,5% Biden +6,7
FiveThirtyEight até 2 de novembro de 2020 3 de novembro de 2020 51,8% 43,4% 4,8% Biden +8,4
Média 51,2% 43,5% 5,3% Biden +7,7
Previsões estaduais

No sistema eleitoral norte-americano, alguns estados desempenham um papel maior que os outros na escolha do presidente. Neste grupo, conhecido como "estados decisivos", tradução de "swing states", a eleição tende a ser equilibrada e os eleitores costumam se alternar entre eleger presidentes democratas e republicanos.[263][264] Em 2016, Trump foi eleito após vencer nos estados de Michigan, Pensilvânia e Wisconsin, que votavam nos democratas desde os anos 1990, por uma diferença de 77.744 votos em um universo de 13,9 milhões de votantes.[265][266] Para 2020, a CNN estimou que em nove estados a eleição estava mais acirrada, sendo eles: Arizona, Carolina do Norte, Flórida, Geórgia, Iowa, Michigan, Ohio, Pensilvânia e Wisconsin.[267] O Five Thirty Eight incluiu neste rol o Colorado, Minnesota, Nova Hampshire e Texas.[268]

A maioria dos preditores eleitorais usaram:

  • incerto: sem vantagem
  • ligeiramente: vantagem que não é tão forte quanto "inclina-se"
  • inclina-se: leve vantagem
  • provável: significante, mas superável, vantagem (*maior avaliação dada por CBS News e NPR)
  • seguro ou sólido: chance de vitória quase certa
Estado
Resultado de 2016
CBS News
4 de outubro de 2020[270]
CNN
7 de outubro de 2020[271]
270toWin
13 de outubro de 2020[272]
The Economist
14 de outubro de 2020[273]
NBC News
27 de outubro de 2020[274]
Cook
28 de outubro de 2020[275]
Inside Elections
28 de outubro de 2020[276]
RealClearPolitics
29 de outubro de 2020[277]
ABC News
30 de outubro de 2020[278]
NPR
30 de outubro de 2020[279]
FiveThirtyEight
2 de novembro de 2020[280]
Politico
2 de novembro de 2020[281]
Sabato
2 de novembro de 2020[282]
Alabama 9 R+14 62,1% R Provável R Sólido R Seguro R Seguro R Sólido R Sólido R Sólido R Sólido R Sólido R Provável R Sólido R Sólido R Seguro R
Alasca 3 R+9 51,3% R Provável R Sólido R Provável R Provável R Provável R Provável R Inclina-se R Provável R Inclina-se R Inclina-se R Provável R Inclina-se R Provável R
Arizona 11 R+5 48,9% R Incerto Inclina-se D (virada) Inclina-se D (virada) Inclina-se D (virada) Incerto Inclina-se D (virada) Ligeiramente D (virada) Incerto Inclina-se D (virada) Incerto Inclina-se D (virada) Incerto Inclina-se D (virada)
Arkansas 6 R+15 60,6% R Provável R Sólido R Seguro R Seguro R Sólido R Sólido R Sólido R Provável R Sólido R Provável R Sólido R Sólido R Seguro R
Califórnia 55 D+12 61,7% D Provável D Sólido D Sólido D Seguro D Sólido D Sólido D Sólido D Sólido D Sólido D Provável D Sólido D Sólido D Seguro D
Carolina do Norte 15 R+3 49,8% R Incerto Incerto Incerto Incerto Incerto Incerto Ligeiramente D (virada) Incerto Incerto Incerto Inclina-se D (virada) Incerto Inclina-se D (virada)
Carolina do Sul 9 R+8 54,9% R Provável R Sólido R Provável R Provável R Provável R Provável R Provável R Inclina-se R Sólido R Sólido R Provável R Provável R Provável R
Colorado 9 D+1 48,2% D Provável D Inclina-se D Provável D Seguro D Provável D Provável D Sólido D Inclina-se D Sólido D Provável D Sólido D Provável D Provável D
Connecticut 7 D+6 54,6% D Provável D Sólido D Sólido D Seguro D Provável D Sólido D Sólido D Provável D Sólido D Provável D Sólido D Sólido D Seguro D
Dakota do Norte 3 R+16 63,0% R Provável R Sólido R Seguro R Seguro R Sólido R Sólido R Sólido R Sólido R Sólido R Provável R Sólido R Sólido R Seguro R
Dakota do Sul 3 R+14 61,5% R Provável R Sólido R Seguro R Seguro R Sólido R Sólido R Sólido R Sólido R Sólido R Provável R Sólido R Sólido R Seguro R
Delaware 3 D+6 53,1% D Provável D Sólido D Sólido D Seguro D Sólido D Sólido D Sólido D Sólido D Sólido D Provável D Sólido D Sólido D Seguro D
Distrito de Columbia 3 D+41 90,9% D Provável D Sólido D Sólido D Seguro D Sólido D Sólido D Sólido D Sólido D Sólido D Provável D Sólido D Sólido D Seguro D
Flórida 29 R+2 49,0% R Incerto Incerto Incerto Inclina-se D (virada) Incerto Incerto Ligeiramente D (virada) Incerto Incerto Incerto Inclina-se D (virada) Incerto Inclina-se R
Geórgia 16 R+5 50,8% R Incerto Incerto Incerto Incerto Incerto Incerto Ligeiramente D (virada) Incerto Incerto Incerto Incerto Incerto Inclina-se D (virada)
Havaí 4 D+18 62,2% D Provável D Sólido D Sólido D Seguro D Sólido D Sólido D Sólido D Sólido D Sólido D Provável D Sólido D Sólido D Seguro D
Idaho 4 R+19 59,3% R Provável R Sólido R Seguro R Seguro R Sólido R Sólido R Sólido R Sólido R Sólido R Provável R Sólido R Sólido R Seguro R
Illinois 20 D+7 55,8% D Provável D Sólido D Sólido D Seguro D Provável D Sólido D Sólido D Provável D Sólido D Provável D Sólido D Sólido D Seguro D
Indiana 11 R+9 56,8% R Provável R Sólido R Provável R Seguro R Provável R Provável R Sólido R Inclina-se R Sólido R Provável R Sólido R Provável R Provável R
Iowa 6 R+3 51,2% R Incerto Incerto Incerto Incerto Incerto Incerto Incerto Incerto Incerto Incerto Inclina-se R Incerto Inclina-se R
Kansas 6 R+13 56,7% R Provável R Sólido R Provável R Seguro R Provável R Provável R Inclina-se R Provável R Sólido R Provável R Sólido R Provável R Provável R
Kentucky 8 R+15 62,5% R Provável R Sólido R Seguro R Seguro R Sólido R Sólido R Sólido R Sólido R Sólido R Provável R Sólido R Sólido R Seguro R
Louisiana 8 R+11 58,1% R Provável R Sólido R Seguro R Seguro R Provável R Sólido R Sólido R Provável R Sólido R Provável R Sólido R Sólido R Seguro R
Maine 2 D+3 47,8% D Provável D Sólido D Provável D Seguro D
(apenas âmbito estadual)
Provável D Provável D Sólido D Inclina-se D Sólido D Provável D Provável D Provável D Provável D
ME-1 1 D+8 54,0% D Provável D Sólido D Sólido D Sólido D Sólido D Sólido D Provável D Sólido D Provável D Sólido D Sólido D Seguro D
ME-2 1 R+2 51,3% R Incerto Incerto Incerto Incerto Incerto Incerto Incerto Incerto Incerto Incerto Incerto Inclina-se R
Maryland 10 D+12 60,3% D Provável D Sólido D Sólido D Seguro D Sólido D Sólido D Sólido D Sólido D Sólido D Provável D Sólido D Sólido D Seguro D
Massachusetts 11 D+12 60,1% D Provável D Sólido D Sólido D Seguro D Sólido D Sólido D Sólido D Sólido D Sólido D Provável D Sólido D Sólido D Seguro D
Michigan 16 D+1 47,5% R Inclina-se D (virada) Inclina-se D (virada) Inclina-se D (virada) Provável D (virada) Inclina-se D (virada) Inclina-se D (virada) Inclina-se D (virada) Incerto Inclina-se D (virada) Inclina-se D (virada) Sólido D (virada) Inclina-se D (virada) Inclina-se D (virada)
Minnesota 10 D+1 46,4% D Inclina-se D Inclina-se D Inclina-se D Provável D Inclina-se D Inclina-se D Provável D Incerto Inclina-se D Inclina-se D Sólido D Inclina-se D Provável D
Mississippi 6 R+9 57,9% R Provável R Sólido R Seguro R Provável R Provável R Sólido R Sólido R Provável R Sólido R Provável R Provável R Sólido R Seguro R
Missouri 10 R+9 56,8% R Provável R Sólido R Provável R Provável R Provável R Provável R Inclina-se R Inclina-se R Inclina-se R Inclina-se R Provável R Provável R Provável R
Montana 3 R+11 56,2% R Provável R Sólido R Provável R Provável R Provável R Provável R Inclina-se R Inclina-se R Inclina-se R Provável R Provável R Provável R Provável R
Nebraska 2 R+14 58,8% R Provável R Sólido R Seguro R Seguro R
(apenas âmbito estadual)
Sólido R Sólido R Sólido R Sólido R Sólido R Provável R Sólido R Sólido R Seguro R
NE-1 1 R+11 56,2% R Provável R Sólido R Provável R Sólido R Sólido R Sólido R Sólido R Sólido R Inclina-se R Sólido R Sólido R Seguro R
NE-2 1 R+4 47,2% R Inclina-se D (virada) Inclina-se D (virada) Inclina-se D (virada) Inclina-se D (virada) Inclina-se D (virada) Ligeiramente D (virada) Incerto Inclina-se D (virada) Inclina-se D (virada) Provável D (virada) Inclina-se D (virada) Inclina-se D (virada)
NE-3 1 R+27 73,9% R Provável R Sólido R Seguro R Sólido R Sólido R Sólido R Sólido R Sólido R Provável R Sólido R Sólido R Seguro R
Nevada 6 D+1 47,9% D Inclina-se D Inclina-se D Inclina-se D Provável D Inclina-se D Inclina-se D Provável D Incerto Inclina-se D Inclina-se D Provável D Inclina-se D Inclina-se D
Nova Hampshire 4 D+1 47,0% D Inclina-se D Inclina-se D Inclina-se D Provável D Inclina-se D Inclina-se D Provável D Inclina-se D Inclina-se D Inclina-se D Provável D Inclina-se D Provável D
Nova Iorque 29 D+11 59,0% D Provável D Sólido D Sólido D Seguro D Sólido D Sólido D Sólido D Sólido D Sólido D Provável D Sólido D Sólido D Seguro D
Nova Jérsei 14 D+7 55,0% D Provável D Sólido D Sólido D Seguro D Provável D Sólido D Sólido D Provável D Sólido D Provável D Sólido D Sólido D Seguro D
Novo México 5 D+3 48,4% D Provável D Sólido D Provável D Seguro D Provável D Sólido D Sólido D Inclina-se D Sólido D Provável D Sólido D Provável D Provável D
Ohio 18 R+3 51,7% R Incerto Incerto Incerto Incerto Incerto Incerto Incerto Incerto Incerto Incerto Incerto Incerto Inclina-se R
Oklahoma 7 R+20 65,3% R Provável R Sólido R Seguro R Seguro R Sólido R Sólido R Sólido R Sólido R Sólido R Provável R Sólido R Sólido R Seguro R
Oregon 7 D+5 50,1% D Provável D Sólido D Sólido D Seguro D Provável D Sólido D Sólido D Inclina-se D Sólido D Provável D Sólido D Provável D Seguro D
Pensilvânia 20 EVEN 48,2% R Inclina-se D (virada) Inclina-se D (virada) Inclina-se D (virada) Provável D (virada) Inclina-se D (virada) Inclina-se D (virada) Inclina-se D (virada) Incerto Inclina-se D (virada) Inclina-se D (virada) Provável D (virada) Inclina-se D (virada) Inclina-se D (virada)
Rhode Island 4 D+10 54,4% D Provável D Sólido D Sólido D Seguro D Provável D Sólido D Sólido D Provável D Sólido D Provável D Sólido D Sólido D Seguro D
Tennessee 11 R+14 60,7% R Provável R Sólido R Seguro R Seguro R Sólido R Sólido R Sólido R Sólido R Sólido R Provável R Sólido R Sólido R Seguro R
Texas 38 R+8 52,2% R Incerto Inclina-se R Inclina-se R Inclina-se R Incerto Incerto Incerto Incerto Incerto Incerto Inclina-se R Inclina-se R Inclina-se R
Utah 6 R+20 45,5% R Provável R Sólido R Provável R Seguro R Provável R Provável R Provável R Provável R Sólido R Provável R Sólido R Provável R Provável R
Vermont 3 D+15 56,7% D Provável D Sólido D Sólido D Seguro D Sólido D Sólido D Sólido D Sólido D Sólido D Provável D Sólido D Sólido D Seguro D
Virgínia 13 D+1 49,7% D Provável D Sólido D Provável D Provável D Provável D Provável D Sólido D Inclina-se D Sólido D Provável D Sólido D Provável D Provável D
Virgínia Ocidental 5 R+19 68,5% R Provável R Sólido R Seguro R Seguro R Sólido R Sólido R Sólido R Sólido R Sólido R Provável R Sólido R Sólido R Seguro R
Washington 12 D+7 52,2% D Provável D Sólido D Sólido D Seguro D Sólido D Sólido D Sólido D Provável D Sólido D Provável D Sólido D Sólido D Seguro D
Wisconsin 10 EVEN 47,2% R Inclina-se D (virada) Inclina-se D (virada) Inclina-se D (virada) Provável D (virada) Inclina-se D (virada) Inclina-se D (virada) Inclina-se D (virada) Incerto Inclina-se D (virada) Inclina-se D (virada) Provável D (virada) Inclina-se D (virada) Inclina-se D (virada)
Wyoming 3 R+25 67,4% R Provável R Sólido R Seguro R Seguro R Sólido R Sólido R Sólido R Sólido R Sólido R Provável R Sólido R Sólido R Seguro R
Total 538 D: 232
R: 306
D: 279
R: 163
Incerto: 96
D: 290
R: 163
Incerto: 85
D: 290
R: 163
Incerto: 85
D: 319
R: 164
Incerto: 55
D: 279
R: 125
Incerto: 134
D: 290
R: 125
Incerto: 123
D: 350
R: 125
Incerto: 63
D: 216
R: 125
Incerto: 197
D: 290
R: 125
Incerto: 123
D: 279
R: 125
Incerto: 134
D: 334
R: 163
Incerto: 41
D: 279
R: 163
Incerto: 96
D: 321
R: 217
Incerto: 0

Resultados[editar | editar código-fonte]

Análise estatística[editar | editar código-fonte]

Biden venceu em 25 estados e o Distrito de Columbia, além de um distrito eleitoral em Nebraska, totalizando 306 votos nominais no Colégio Eleitoral. Trump também venceu em 25 estados, bem como em um distrito eleitoral no Maine, chegando a 232. Este resultado era exatamente o oposto do que ocorreu na eleição de 2016, que Trump venceu por 306 a 232.[283] Quase todos os condados anteriormente considerados indicadores confiáveis de eventual sucesso nas eleições presidenciais votaram em Trump em vez de Biden, o que significou que eles não continuaram suas sequências como condados de referência. Isso foi atribuído ao aumento da polarização política em todo o país.[284]

Mais de 158 milhões de eleitores votaram.[3] Destes, cerca de cem milhões votaram de forma antecipada e/ou via correios por conta da pandemia de COVID-19 que assolava a nação.[285] Trump se tornou o primeiro presidente dos Estados Unidos desde 1992 e o décimo-primeiro incumbente na história do país a não ser reeleito para um segundo mandato. Biden foi o candidato que venceu com a maior fatia do voto popular contra um presidente incumbente desde 1932.[286][287][288] Este pleito teve ainda o maior comparecimento nas urnas dentre a população norte-americana, em termos de percentual dos cidadãos aptos para votar, desde 1900.[289] Cada um dos dois primeiros candidatos levaram mais de 74 milhões de votos totais, ultrapassando a marca de Obama, que era o recorde anterior com 69,5 milhões de votos em 2008.[290] A chapa Biden–Harris terminou a eleição com mais de 81 milhões de votos, mais do que qualquer outros candidatos na história das eleições dos Estados Unidos.[291][292]

Noite da eleição[editar | editar código-fonte]

A noite da eleição terminou sem a confirmação de um vencedor, já que a disputa permanecia apertada em vários estados decisivos, como Wisconsin, Michigan, Pensilvânia, Carolina do Norte, Geórgia, Arizona e Nevada, sendo que existiam milhões de votos a serem contados.[293] A divulgação dos resultados nesses estados foi mais lenta em decorrência de algumas regras locais sobre a contagem dos votos enviados pelo correio. Após a meia-noite, foi projetada a vitória de Trump no estado decisivo da Flórida por três pontos percentuais, um aumento em relação a 2016, quando ganhou ali por 1,2 por cento; o presidente atraiu um apoio significativamente maior entre a comunidade latina do Condado de Miami-Dade.[294]

Pouco depois das 12h30min (EST), Biden proferiu um breve discurso no qual exortou seus eleitores a serem pacientes enquanto os votos eram contados, afirmando que acreditava que estava "no caminho certo para vencer esta eleição."[295][296] Pouco antes das 2h30min (EST), Trump fez um discurso para uma sala cheia de apoiadores na Casa Branca em que afirmou falsamente que havia vencido a eleição e pediu a suspensão de todas as contagens de votos, dizendo que continuar contando os votos era "uma fraude para o povo americano" e que "iremos para a Suprema Corte."[297][298][299]

Contagem dos votos e protestos[editar | editar código-fonte]

Manifestantes demandam a contagem dos votos
Protesto a favor de Trump organizado pelo grupo Proud Boys

Na Pensilvânia, onde a contagem dos votos pelo correio começou apenas na noite da eleição, Trump declarou falsamente sua vitória no estado em 4 de novembro, quando mantinha uma vantagem de 675 mil votos, apesar de que mais de um milhão de votos antecipados ainda seriam apurados. Trump também declarou sua vitória na Carolina do Norte e na Geórgia, ambos os estados que, assim como a Pensilvânia, ainda contariam milhares de votos.[300] Às 23h20min (EST) da noite da eleição, a Fox News projetou que Biden venceria no Arizona, com a Associated Press fazendo a mesma projeção às 2h50min (EST) de 4 de novembro;[301][302] vários outros meios de comunicação, entretanto, concluíram que o estado estava acirrado demais para que o vencedor fosse determinado.[303] Na noite de 4 de novembro, a Associated Press informou que Biden havia garantido 264 votos no Colégio Eleitoral ao vencer em Michigan e em Wisconsin, com os estados da Pensilvânia, Carolina do Norte, Geórgia e Nevada permanecendo indecisos.[304]

Alguns apoiadores de Trump expressaram preocupação com a ocorrência fraudes depois de ver Biden assumindo a liderança em alguns estados que favoreciam Trump na noite da eleição. Os especialistas em eleições atribuíram este fato a vários fatores, incluindo uma "miragem vermelha" dos resultados iniciais, que abrangiam principalmente áreas rurais, relativamente pouco povoadas, que favoreciam Trump e eram mais rápidas na contagem, sendo que a divulgação dos resultados nas áreas urbanas mais densamente povoadas, que optaram por Biden, foi mais lenta. Em alguns estados como a Pensilvânia, Michigan e Wisconsin, as legislaturas controladas pelo Partido Republicano proibiram que os votos pelo correio fossem contados antes do dia da eleição. Em contraste, em estados como a Flórida, que permitia a contagem das cédulas pelo correio semanas antes do dia da eleição, Biden liderou inicialmente a apuração e foi posteriormente superado assim que os votos do dia da eleição, que eram em sua maior parte pró-Trump, foram computados.[305][306][307]

Enquanto isso, manifestantes em todo o país realizaram protestos, tanto a favor da contagem dos votos como em apoio às alegações de Trump.[308][309] Protestos contrários às afirmações do presidente sobre os resultados ocorreram em Minneapolis, Portland, Nova Iorque e outras cidades. Ao mesmo tempo, partidários de Trump se reuniram fora dos centros eleitorais em Phoenix, Detroit e Filadélfia para demonstrarem suas objeções às apurações que mostravam Biden liderando ou ganhando terreno.[310] No Arizona, onde a liderança de Biden estava encolhendo à medida que mais votos eram relatados, os manifestantes pró-Trump exigiram que todos os votos restantes fossem contados, enquanto em Michigan e na Pensilvânia, onde a liderança de Trump encolheu e desapareceu totalmente à medida que mais resultados eram relatados, demandaram que a contagem fosse interrompida.[311]

Em 5 de novembro, um juiz federal indeferiu uma ação da campanha de Trump para impedir a contagem na Pensilvânia. A campanha alegou que seus observadores não tiveram acesso à apuração, mas seus advogados admitiram durante a audiência que seus observadores já estavam presentes na sala onde os votos estavam sendo contados.[312] No mesmo dia, um juiz estadual rejeitou outro processo da campanha de Trump que alegava que na Geórgia as cédulas que chegaram tarde foram contadas. O juiz decidiu que não foram apresentadas provas de que as cédulas foram recebidas fora do prazo.[313] Um juiz estadual do Michigan rejeitou uma ação da campanha de Trump que solicitava uma pausa na contagem dos votos para permitir o acesso aos observadores; o juiz observou que a contagem dos votos já havia terminado lá.[314] O magistrado observou ainda que a queixa não afirmava "por que", "quando, onde ou por quem" um observador eleitoral foi supostamente impedido de observar a contagem de votos em Michigan.[315]

Em 6 de novembro, Biden assumiu a liderança na Pensilvânia e na Geórgia, enquanto os estados continuavam a contar os votos, e os votos restantes nesses estados favoreciam fortemente o democrata.[316] Devido à pequena margem entre Biden e Trump no estado, o secretário de Estado da Geórgia, Brad Raffensperger, anunciou em 6 de novembro que uma recontagem seria realizada. Naquele ponto, a Geórgia não tinha visto "nenhuma irregularidade generalizada" na eleição.[317] Em 7 de novembro, vários republicanos proeminentes denunciaram publicamente as alegações de Trump sobre fraude eleitoral, afirmando que as alegações do presidente eram infundadas ou sem evidências, prejudicavam o processo eleitoral, minavam a democracia e eram perigosas para a estabilidade política, enquanto outros apoiavam sua exigência de transparência.[318]

Vitória de Biden[editar | editar código-fonte]

Em 6 de novembro, o Decision Desk HQ projetou que Biden seria o próximo presidente depois de indicar que o democrata havia derrotado Trump na Pensilvânia. De acordo com o Decision Desk HQ, que ainda não tinha declarado o vencedor no Arizona, os vinte votos da Pensilvânia no Colégio Eleitoral deram a Biden um total de 273 votos.[319] Na manhã de 7 de novembro, aproximadamente às 11h30min (EST), a ABC News, a NBC News, a CBS News, a Associated Press, a CNN e a Fox News projetaram que Biden seria o próximo presidente com base nas projeções de que havia vencido na Pensilvânia, onde sua margem estava fora do limite que exigiria uma recontagem.[320]

Biden e Harris cumprimentam seus apoiadores após o discurso de vitória, em 7 de novembro

Na noite de 7 de novembro, Biden e Harris proferiram discursos em Wilmington, Delaware, em que celebraram a vitória da chapa. A vice-presidente eleita foi a primeira a discursar, declarando:[321]

Eu posso ser a primeira mulher neste cargo, mas não serei a última. Porque toda garotinha nos assistindo hoje vai ver que este é um país de possibilidades.

[...]

Ao povo americano: não importa em quem vocês votaram, vou me esforçar para ser a vice-presidente que Joe foi para o presidente Obama —leal, honesta e preparada, acordando todos os dias pensando em vocês e nas suas famílias. Porque é agora que começa o trabalho de verdade. O trabalho duro. O trabalho necessário. O trabalho bom.[322]

Em seguida, Biden dirigiu-se à nação, afirmando:

As pessoas desta nação se fizeram ouvir e nos deram 74 milhões de votos. Preciso admitir que isso me surpreendeu. A explosão de alegria e de fé renovada no mundo todo. E amanhã será melhor. Estou feliz pela confiança depositada em mim. Eu garanto que vou ser um presidente que não quer dividir, mas unificar. Que não vê estados vermelhos ou azuis, mas que vê os Estados Unidos.

[...]

É hora de baixar a temperatura, de ouvir um ao outro e de fazer progressos para tratar os oponentes não mais como nossos inimigos. Não são nossos inimigos. São americanos. A Bíblia nos diz que para tudo há um tempo, para construir, plantar, colher, curar. E este é o tempo de curar na América. Nossa campanha acabou e os americanos nos chamaram para que marchemos juntos com a força da Justiça, da ciência e as forças da esperança.[323]

Em 14 de dezembro, os eleitores designados a votarem no Colégio Eleitoral conforme os resultados das eleições nos estados formalizaram a vitória de Biden. Não houve nenhum eleitor infiel, de modo que o placar inicial, de 306 votos para Biden e 232 para Trump, permaneceu inalterado.[324]

Tabela de resultados[editar | editar código-fonte]

Resultados finais da eleição presidencial nos Estados Unidos em 2020[325]
Candidato a presidente
Candidato a vice-presidente
Partido Votos populares % Colégio Eleitoral
Joe Biden
Kamala Harris
Democrata 81.268.867 51,31 306
Donald Trump
Mike Pence
Republicano 74.216.747 46,86 232
Jo Jorgensen
Jeremy "Spike" Cohen
Libertário 1.865.620 1,18 0
Howie Hawkins
Angela Walker
Verde 404.021 0,26 0
Outros 626.299 0,40 0
Total 158.381.554 100 538
Eleitores elegíveis[326] 239.247.182 66,20
Voto popular
Biden
  
51,31%
Trump
  
46,86%
Jorgensen
  
1,18%
Hawkins
  
0,26%
Outros
  
0,40%
306 232
Biden Trump


Colégio Eleitoral
Biden/Harris
  
56,88%
Trump/Pence
  
43,12%

Resultados por estados[editar | editar código-fonte]

Estados vencidos por Biden/Harris
Estados vencidos por Trump/Pence
Estado
distrito
Biden/Harris Trump/Pence Jorgensen/Cohen Hawkins/Walker Outros Eleitores
[nota 3]
Total Part.
Fontes
Votos %
EV
Votos %
EV
Votos %
EV
Votos %
EV
Votos %
EV
Ala. 849.624 36,57 1.441.170 62,03 9 25.176 1,08 7.312 0,1 3.683.055 2.323.282 63,08 [327]
Alasca 153.778 42,77 189.951 52,83 3 8.897 2,47 6.904 1,92 525.568 359.530 68,41 [328]
Ariz. 1.672.143 49,36 11 1.661.686 49,06 51.465 1,52 1.557 0,05 475 0,01 5.189.000 3.387.326 65,28 [329]
Ark. 423.932 34,78 760.647 62,40 6 13.133 1,08 2.980 0,24 18.377 1,51 2.182.375 1.219.069 55,86 [330]
Calif. 11.110.250 63,48 55 6.006.429 34,32 187.895 1,07 81.029 0,46 115.278 0,66 25.962.648 17.500.881 67,41 [331]
C.N, 2.684.292 48,59 2.758.775 49,93 15 48.678 0,88 12.195 0,22 20.864 0,38 7.759.051 5.524.804 71,20 [332]
C.S. 1.091.541 43,43 1.385.103 55,11 9 27.916 1,11 6.907 0,27 1.862 0,07 3.926.305 2.513.329 64,01 [333]
Colo. 1.804.352 55,40 9 1.364.607 41,90 52.460 1,61 8.986 0,28 26.575 0,82 4.313.054 3.256.980 75,51 [334]
Conn. 1.080.680 59,24 7 715.291 39,21 20.227 1,11 7.538 0,41 537 0,03 2.603.327 1.824.273 70,07 [335]
D.N. 114.902 31,76 235.595 65,11 3 9.393 2,60 1.929 0,53 565.143 361.819 64,02 [336]
D.S. 150.471 35,61 261.043 61,77 3 11.095 2,63 648.104 422.609 65,21 [337]
Del. 296.268 58,74 3 200.603 39,77 5.000 0,99 2.139 0,42 336 0,07 720.531 504.346 70,00 [338]
D.C. 317.323 92.15 3 18.586 5,40 2.036 0,59 1.726 0.50 4.685 1,36 540.685 344.356 63,39 [339]
Fla. 5.297.045 47,86 5.668.731 51,22 29 70.324 0,64 14.721 0,13 16.635 0,15 15.551.739 11.067.456 71,16 [340]
Ga. 2.473.633 49,50 16 2.461.854 49,26 62.229 1,25 7.383.562 4.997.716 67,69 [341]
Havaí 366.130 63,73 4 196.864 34,27 5.539 0,96 3.822 0,67 2.114 0,37 1.007.920 574.469 56,99 [342]
Idaho 287.021 33,07 554.119 63,85 4 16.304 1,88 407 0,05 10.033 1,16 1.292.701 867.884 67,14 [343][344]
Ill. 3.471.915 57,54 20 2.446.891 40,55 66.544 1,10 30.494 0,51 17.900 0,30 9.027.082 6.033.744 66,84 [345]
Ind. 1.242.416 40,96 1.729.519 57,02 11 59.232 1,95 988 0,03 963 0,03 5.000.007 3.033.118 60,66 [346]
Iowa 759.061 44,89 897.672 53,09 6 19.637 1,16 3.075 0,18 11.426 0,68 2.321.131 1.690.871 72,85 [347]
Kan. 570.323 41,56 771.406 56,21 6 30.574 2,23 2.087.946 1.372.303 65,72 [348]
Ky. 772.474 36,15 1.326.646 62,09 8 26.234 1,23 716 0,03 10.698 0,50 3.312.250 2.136.768 64,51 [349]
La. 856.034 39,85 1.255.776 58,46 8 21.645 1,01 14.607 0,68 3.373.932 2.148.062 63,67 [350]
Maine 435.072 53,09 2 360.737 44,02 14.152 1,73 8.230 1,00 1.270 0,15 1.085.285 819,461 75,51 [351]
ME-1 266.376 60,11 1 164.045 37,02 7.343 1,66 4.654 1,05 694 0,16 443.112
ME-2 168.696 44,82 196.692 52,26 1 6.809 1,81 3.576 0,95 576 0,15 376.349
Md. 1.985.023 65,36 10 976.414 32,15 33.488 1,10 15.799 0,52 26.306 0,87 4.313.416 3.037.030 70,41 [352]
Mass. 2.382.202 65,60 11 1.167.202 32,14 47.013 1,29 18.658 0,51 16.327 0,45 5.072.901 3.631.402 71,58 [353]
Mich. 2.804.040 50,62 16 2.649.852 47,84 60.381 1,09 13.718 0,25 11.311 0,20 7.550.147 5.539.302 73,37 [354]
Minn. 1.717.077 52,40 10 1.484.065 45,28 34.976 1,07 10.033 0,31 31.020 0,95 4.118.462 3.277.171 79,57 [355]
Miss. 539.508 41,06 756.789 57,60 6 8.026 0,61 1.498 0,11 8.073 0,61 2.201.950 1.313.894 59,67 [356]
Mo. 1.253.014 41,41 1.718.736 56,80 10 41.205 1,36 8.283 0,27 4.724 0,16 4.603.060 3.025.962 65,74 [357]
Mont. 244.786 40,55 343.602 56,92 3 15.252 2,53 34 0,01 837.298 603.674 72,10 [358]
Neb. 374.583 39,17 556.846 58,22 2 20.283 2,12 4.671 0,49 1.383.551 956.383 69,12 [359]
NE-1 132.261 41,09 180.290 56,01 1 7.495 2,33 1.840 0,57 321.886
NE-2 176.468 51,95 1 154.377 45,45 6.909 2,03 1.912 0,56 339.666
NE-3 65.854 22,34 222.179 75,36 1 5.879 1,99 919 0,31 294.831
Nev. 703.486 50,06 6 669.890 47,67 14.783 1,05 17.217 1,23 2.153.915 1.405.376 65,25 [360]
N.H. 424.921 52,71 4 365.654 45,36 13.235 1,64 217 0,03 2.155 0,27 1.079.434 806.182 74,68 [361]
N.Y. 5.230.985 60,86 29 3.244.798 37,75 60.234 0,70 32.753 0,38 26.056 0,30 13.670.596 8.594.826 62,87 [362]
N.J. 2.608.335 57,33 14 1.883.274 41,40 31.677 0,70 14.202 0,31 11.865 0,26 6.158.999 4.549.353 73,86 [363]
N.M. 501.614 54,29 5 401.894 43,50 12.585 1,36 4.426 0,48 3.446 0,37 1.515.355 923.965 60,97 [364]
Ohio 2.679.165 45,24 3.154.834 53,27 18 67.569 1,14 18.812 0,32 1.822 0,03 8.859.167 5.922.202 66,85 [365]
Okla. 503.890 32,29 1.020.280 65,37 7 24.731 1,58 11.798 0,76 2.845.835 1.560.699 54,84 [366]
Ore. 1.340.383 56,45 7 958.448 40,37 41.582 1,75 11.831 0,50 22.077 0,93 3.196.425 2.374.321 74,28 [367]
Pa. 3.458.229 50,01 20 3.377.674 48,84 79.380 1,15 9.781.976 6.915.283 70,69 [368]
R.I. 307.486 59,39 4 199.922 38,61 5.053 0,98 5.296 1,02 799.642 517.757 64,75 [369]
Tenn. 1.143.711 37,45 1.852.475 60,66 11 29.877 0,98 4.545 0,15 23.243 0,76 5.124.867 3.053.851 59,59 [370]
Texas 5.259.126 46,48 5.890.347 52,06 38 126.243 1,12 33.396 0,30 5.944 0,05 18.784.280 11.315.056 60,24 [371]
Utah 560.282 37,65 865.140 58,13 6 38.447 2,58 5.053 0,34 19.367 1,30 2.191.484 1.488.289 67,91 [372]
Vt. 242.820 66,09 3 112.704 30,67 3.608 0,98 1.310 0,36 6.986 1,90 499.884 367.428 73,50 [373]
Va. 2.413.568 54,11 13 1.962.430 44,00 64.761 1,45 19.765 0,44 6.196.071 4.460.524 71,99 [374]
V.Oc. 235.984 29,69 545.382 68,62 5 10.687 1,34 2.599 0,33 79 0,01 1.394.028 794.731 57,01 [375]
Wash. 2.369.612 57,97 12 1.584.651 38,77 80.500 1,97 18.289 0,45 34.579 0,85 5.437.844 4.087.631 75,17 [376]
Wis. 1.630.866 49,45 10 1.610.184 48,82 38.491 1,17 1.089 0,03 17.411 0,53 4.368.350 3.298.041 75,50 [377]
Wyo. 73.491 26,55 193.559 69,94 3 5.768 2,08 3.947 1,43 431.364 276.765 64,16 [378]
Total 81.268.867 51,31 306 74.216.747 46,86 232 1.865.620 1,18 404.021 0,26 626.299 0,40 239.247.182 158.381.554 66,20
Fontes
Biden/Harris Trump/Pence Jorgensen/Cohen Hawkins/Walker Outros Eleitores / votos Part.
Oscilação dos estados, de 2016 para 2020

Mapas[editar | editar código-fonte]

Dados demográficos dos votantes[editar | editar código-fonte]

Os dados demográficos dos votantes foram coletados pela Edison Research para o National Eleection Pool, um consórcio formado pela ABC News, CBS News, MSNBC, CNN, Fox News e Associated Press. O levantamento é baseado em pesquisa boca de urna realizada com 15.590 eleitores pessoalmente e por telefone.[379]

Eleição presidencial de 2020 por subgrupo demográfico[380]
Subgrupo demográfico Biden Trump % do
total de votos
Votos totais 51 47 100
Ideologia
Liberais 89 10 24
Moderados 64 34 38
Conservadores 14 85 38
Partido
Democratas 94 5 37
Republicanos 6 94 36
Independentes 54 41 26
Gênero
Homens 45 53 48
Mulheres 57 42 52
Estado civil
Casados 46 53 56
Solteiros 58 40 44
Gênero e estado civil
Homens casados 44 55 30
Mulheres casadas 47 51 26
Homens solteiros 52 45 20
Mulheres solteiras 63 36 23
Raça/etnia
Brancos 41 58 67
Afro-americanos 87 12 13
Hispânicos 65 32 13
Asiáticos 61 34 4
Outros 55 41 4
Gênero e raça/etnia
Homens brancos 38 61 35
Mulheres brancas 44 55 32
Homens afro-americanos 79 19 4
Mulheres afro-americanas 90 9 8
Homens hispânicos 59 36 5
Mulheres hispânicas 69 30 8
Outros 58 38 8
Religião
Protestantes/outros cristãos 39 60 43
Católicos 52 47 25
Judeus 76 22 2
Outra religião 69 29 8
Irreligiosos 65 31 22
Idade
18–24 anos 65 31 9
25–29 anos 54 43 7
30–39 anos 51 46 16
40–49 anos 54 44 16
50–64 anos 47 52 30
65 anos ou mais 47 52 22
Idade e raça
Brancos com 18–29 anos 44 53 8
Brancos com 30–44 anos 41 57 14
Brancos com 45–59 anos 38 61 19
Brancos com 60 anos 42 57 26
Afro-americanos com 18–29 anos 89 10 3
Afro-americanos com 30–44 anos 78 19 4
Afro-americanos com 45–59 anos 89 10 3
Afro-americanos com 60 anos ou mais 92 7 3
Hispânicos com 18–29 anos 69 28 4
Hispânicos com 30–44 anos 62 34 4
Hispânicos com 45–59 anos 68 30 3
Hispânicos com 60 anos ou mais 58 40 2
Outros 57 38 8
Orientação sexual
LGBTs 64 27 7
Heterossexuais 51 48 93
Votantes pela primeira vez
Sim 64 32 14
Não 49 49 86
Educação
Ensino médio ou menos 46 54 19
Algum ensino superior 51 47 23
Bacharéis 51 47 27
Pós-graduados 62 37 15
Educação e raça
Brancos com graduação 51 48 32
Brancos sem graduação 32 67 35
Não-brancos com graduação 70 27 10
Não-brancos sem graduação 72 26 24
Educação e raça/gênero
Mulheres brancas com graduação 54 45 14
Mulheres brancas sem graduação 36 63 17
Homens brancos com graduação 48 51 17
Homens brancos sem graduação 28 70 18
Não-brancos 71 26 33
Renda
Até $30.000 54 46 15
$30.000–49.999 56 44 20
$50.000–99.999 57 42 39
$100.000–199.999 41 58 20
Mais de $200.000 44 44 7
Sindicalizados
Sim 56 40 20
Não 50 49 80
Serviço militar
Veteranos 44 54 15
Não-veteranos 53 45 85
Problema considerado mais importante
Desigualdade racial 92 7 20
COVID-19 81 15 17
Economia 17 83 35
Crime e segurança 27 71 11
Saúde 62 37 11
Região
Leste 58 41 20
Meio-oeste 47 51 23
Sul 46 53 35
Oeste 57 41 22
Área em que reside
Urbana 60 38 29
Suburbana 50 48 51
Rural 42 57 19
Situação financeira da família
Melhor do que há quatro anos 26 72 41
Pior do que há quatro anos 77 20 20
Aproximadamente a mesma 65 34 39

Padrões de votação[editar | editar código-fonte]

Relatório da Instituição Brookings

A Instituição Brookings divulgou um relatório analisando os resultados eleitorais intitulado de "Pesquisas boca de urna mostram que blocos eleitorais conhecidos e novos selaram a vitória de Biden." Seu autor, William H. Frey, atribuiu a vitória de Obama em 2008 a jovens, pessoas de cor e pessoas com formação universitária. Frey afirmou que Trump venceu em 2016 graças a brancos mais idosos sem diploma universitário. Frey escreveu que as mesmas coalizões se mantiveram em grande parte em 2008 e 2016, embora em estados decisivos Biden aumentou seu índice de apoio entre alguns dos grupos que optaram por Trump em 2016, particularmente entre brancos e pessoas mais idosas. Trump ganhou entre os brancos em 2016 por uma diferença de 20%, mas em 2020 por 17%. O Partido Democrata ganhou entre os afro-americanos por 75%, a menor margem desde 2004. Os democratas conquistaram os votos latinos por 33%, que foi inferior à margem de 2004, e prevaleceram entre os asiático-americanos por 27%, o menor número desde 2008. Biden teve desempenho melhor entre os homens brancos sem educação universitária e as mulheres brancas com ensino superior. Os eleitores com 18 a 29 anos registraram um aumento no apoio ao presidenciável democrata entre 2016 e 2020, com a margem de vitória de Biden entre esse grupo demográfico aumentando de 19% para 24%.[381]

Votantes latinos

A organização Voto Latino reportou que o voto latino/hispânico foi crucial para a vitória de Biden no Arizona. No estado, 40% dos eleitores latinos que votaram em 2020 não votaram em 2016 e 73% deles votaram em Biden (438 mil eleitores).[382] Outros observaram que o fracasso dos democratas em vencer na Flórida e no Texas foi o resultado do tratamento dado pela campanha de Biden aos latinos como um bloco eleitoral monolítico. Embora os democratas tenham conquistado a maioria dos eleitores latinos em ambos os estados, eles não conseguiram prevalecer entre os cubano-americanos no Condado de Miami-Dade, Flórida, e os entre os tejanos de língua inglesa da quarta e quinta geração no sul do Texas, como nas eleições anteriores. Mesmo em Nevada, que Biden ganhou, ele falhou em se sair tão bem entre os hispânicos quanto Bernie Sanders tinha conseguido na eleição primária de fevereiro;[383] por outro lado, sem o voto dos latinos, Biden teria perdido Nevada.[384]

Os padrões de votação também diferiram conforme a origem dos votantes. Pesquisas pré e pós-eleitorais mostraram Biden vencendo entre os latinos com descendência mexicana, porto-riquenha, dominicana e espanhola, enquanto Trump se impunha entre os cubanos.[385][386] Dados da Flórida mostraram Biden tendo uma pequena vantagem entre os sul-americanos, com 50% a 49% para Trump. No estado, Biden venceu entre os porto-riquenhos com 66% e Trump entre os cubanos, com 58%.[387]

Votantes afro-americanos

Biden conquistou aproximadamente 90% dos votos dos afro-americanos e seu total de votos entre o seguimento ultrapassou o de Barack Obama em 2008. O resultado foi crucial nas grandes cidades da Pensilvânia e de Michigan; o aumento no voto ao presidenciável democrata no Condado de Milwaukee de cerca de 28 mil votos foi superior à margem de vitória de Biden no estado, de vinte mil votos. Quase metade dos ganhos de Biden na Geórgia veio dos quatro maiores condados—Fulton, DeKalb, Gwinnett e Cobb—todos na área metropolitana de Atlanta e compostos em grande parte por afro-americanos.[388] No entanto, Trump também melhorou sua performance entre os afro-americanos: de 6% em 2016 para 8% em 2020.[389] O desempenho de Trump foi o melhor para um presidenciável republicano entre este seguimento de eleitores desde George W. Bush que, como candidato à reeleição em 2004, foi a escolha de 11% dos afro-americanos.[390]

Votantes asiático-americanos e das ilhas do Pacífico

As pesquisas mostraram que 68% dos eleitores asiático-americanos e das Ilhas do Pacífico apoiaram Biden-Harris, enquanto 28% votaram em Trump-Pence. Essa tendência geral, contudo, difere entre grupos étnicos específicos: coreano-americanos, nipo-americanos, indiano-americanos e chineses-americanos favoreceram Biden por margens mais altas em relação aos vietnamitas-americanos e filipino-americanos. Muitos eleitores se decepcionaram com a linguagem racista de Trump ("vírus chinês" e "kung flu"), mas outros apreciaram sua forte postura anti-China. Entre os votantes com descendência indiana, muitos se identificaram com Kamala Harris, mas outros aprovaram a retórica anti-muçulmana de Trump e o apoio a Narendra Modi, primeiro-ministro da Índia.[391]

Votantes nativo-americanos

Pesquisas pré-eleitorais do Indian Country Today revelaram que eleitores nativos apoiavam Biden de forma esmagadora.[392] Em particular, a Nação Navajo, que abrangia um grande quadrante do leste do Arizona e oeste do Novo México, conferiu entre 60% a 90% de seus votos para Biden.[393][394] Biden também registrou grande aval entre os povos Havasupai, Hopi e Tohono O'odham, ajudando-lhe a ganhar o Novo México por uma margem considerável e a virar no Arizona.[395][396]

Em Montana, enquanto a maioria dos eleitores optaram por Trump, os condados localizados nas reservas indígenas de Blackfeet, Fort Belknap, Crow e Northern Cheyenne ficaram azul. O mesmo padrão ocorreu na Dacota do Sul: condados sobrepostos às terras das tribos Standing Rock Sioux, Cheyenne River Sioux, Oglala Sioux, Rosebud Sioux e Crow Creek favoreceram Biden. No Condado de Oglala Lakota, que se sobrepunha à reserva indígena Pine Ridge, Biden recebeu 88% dos votos.[397]

O desempenho mais forte de Trump foi registrado na tribo Lumbee da Carolina do Norte, onde ganhou uma grande maioria no Condado de Robeson e virou no Condado de Scotland. Durante a campanha, o presidente visitou a cidade de Lumberton, em Robeson, e prometeu que o governo federal reconheceria a tribo Lumbee.[398]

Precisão das pesquisas da opinião[editar | editar código-fonte]

Embora as pesquisas geralmente previram que Biden seria eleito presidente, os levantamentos a nível nacional foram moderadamente imprecisos em cerca de 3-4%, e algumas pesquisas estaduais foram ainda mais distantes do resultado real. A imprecisão também ocorreu em várias disputas para o Senado, onde os democratas tiveram um desempenho inferior em cerca de 5% em relação às pesquisas, assim como nas eleições para a Câmara dos Representantes, onde os republicanos ganharam cadeiras em vez de perder como previam os levantamentos. A maioria dos pesquisadores subestimou o apoio a Trump em vários estados decisivos, incluindo Flórida, Iowa, Ohio, Pensilvânia, Michigan, Texas e Wisconsin. A discrepância entre as previsões e o resultado real persistiu desde a eleição de 2016, apesar das tentativas dos pesquisadores de resolver os problemas que foram observados nas pesquisas em 2016, que subestimaram o voto republicano em vários estados.[399][400]

De acordo com o The New York Times, as falhas nas pesquisas foram atribuídas, entre outras questões, a um menor número de entrevistados e problemas relacionados à pandemia.[400] O jornalista Ben Walker, do New Statesman, apontou os hispânicos como um grupo historicamente difícil de realizar pesquisas com precisão, o que levou os pesquisadores a subestimar o nível de apoio a Trump dentro deste grupo demográfico.[401] O analista eleitoral Nate Silver, do FiveThirtyEight, afirmou que o erro das pesquisas foi completamente normal para os padrões históricos e contestou a narrativa de que elas estavam erradas.[402]

Controvérsias[editar | editar código-fonte]

Falsas acusações de fraude[editar | editar código-fonte]

Após concluir que não existiam provas de que ocorreram fraudes que pudessem alterar o resultado da eleição, o procurador-geral William Barr foi criticado por Trump e renunciou ao cargo

Trump e vários de seus apoiadores fizeram uma série de afirmações falsas em que alegaram que a eleição foi fraudulenta. Tais alegações foram desmentidas repetidamente.[403][404] Em 9 e 10 de novembro, o The New York Times ligou para os escritórios das principais autoridades eleitorais em todos os estados; todas as 45 autoridades estaduais que responderam afirmaram não haver evidências de fraude. Alguns descreveram a eleição como um sucesso notável, considerando a pandemia de coronavírus, o comparecimento recorde e o número sem precedentes de cédulas enviadas pelo correio.[405] Em 12 de novembro, a Agência de Segurança Cibernética e de Infraestrutura emitiu uma declaração em que classificou a eleição de 2020 como "a mais segura da história americana."[406] O procurador-geral William Barr autorizou uma investigação sobre as alegações de fraude e,[407] em 1º de dezembro, declarou não ter encontrado fraudes que pudessem alterar o resultado da eleição.[408] Após a declaração, Barr foi criticado pelo presidente e acabou renunciando.[409]

Como os votos ainda estavam sendo contados dois dias após o último dia de votação, Trump afirmou sem evidências que havia "uma tremenda corrupção e fraude acontecendo", acrescentando: "Se você contar os votos legais, eu ganho facilmente. Se você contar os votos ilegais, eles pode tentar roubar a eleição de nós."[410] Trump afirmou repetidamente que as cédulas enviadas pelo correio sendo fortemente pró-Biden eram suspeitas.[411] No entanto, como Trump atacou repetidamente o voto pelo correio e os democratas o incentivaram, havia uma tendência de que o grupo de eleitores que optou por este método de votação favorecesse Biden.[412] Na Pensilvânia, uma pesquisa boca de urna revelou que 77% dos votos pelo correio foram para Biden.[413]

Muitas alegações de suposta fraude eleitoral foram consideradas falsas ou enganosas. Um vídeo viral de uma autoridade eleitoral preenchendo uma cédula de votação na Pensilvânia se tratava, na verdade, de uma cédula danificada sendo replicada para garantir sua contagem adequada,[414] enquanto um vídeo em Detroit que denunciava um homem levando votos de forma ilegal para um centro de contagem se tratava de um fotógrafo transportando seu equipamento.[415] Na Filadélfia, um vídeo mostrando um observador eleitoral sendo rejeitado foi considerado verídico, mas o observador foi autorizado a entrar na sala de apuração depois que um mal-entendido foi resolvido.[416] Um tweet que se tornou viral afirmou que 14 mil votos no Condado de Wayne, Michigan—que abrange Detroit—foram dados por pessoas mortas, mas a lista com os nomes informados foi considerada incorreta.[417] Em Erie, um funcionário dos correios alegou que seu chefe instruiu os funcionários a alterar as datas das cédulas enviadas após o dia da eleição. O funcionário foi considerado um "herói" pelos apoiadores de Trump, que arrecadaram US$ 136 mil a seu favor. Poucos dias depois, entretanto, o funcionário admitiu ter inventado a história.[418][419]

Dias depois de Biden ter sido declarado o vencedor, a secretária de imprensa da Casa Branca, Kayleigh McEnany, afirmou, sem evidências, que o Partido Democrata estava dando boas-vindas à fraude e ao voto ilegal.[420] O ex-speaker republicano Newt Gingrich afirmou acreditar que a eleição havia sido "corrupta" e "roubada."[421] Trump e seus advogados Rudy Giuliani e Sidney Powell repetidamente fizeram a falsa alegação de que a empresa Dominion Voting Systems, com sede em Toronto, Canadá, que havia fornecido urnas eletrônicas para 27 estados, era uma organização "comunista" controlada pelo bilionário George Soros, pelo ex-presidente venezuelano Hugo Chávez (que morreu em 2013) ou pelo Partido Comunista Chinês, e que as máquinas "roubaram" centenas de milhares de votos de Trump. As falsas afirmações sobre a empresa circularam nas redes sociais, amplificadas por mais de uma dúzia de tweets ou retuítes de Trump. A campanha de desinformação gerou ameaças e assédio contra os funcionários da Dominion.[422] Em dezembro, uma pesquisa mostrou que 77% dos republicanos e 35% dos independentes acreditavam que uma fraude generalizada ocorreu durante a eleição.[423]

Recusa de Trump em aceitar a derrota[editar | editar código-fonte]

Trump em 7 de novembro, quando sua derrota foi projetada

Em 4 de novembro, com a contagem de votos ainda em andamento em muitos estados, Trump afirmou falsamente que havia vencido.[424] Nas semanas seguintes, quando os veículos de comunicação já tinham projetado a vitória de Biden, Trump se recusou a reconhecer sua derrota, o que foi considerado pelo presidente eleito como "uma vergonha."[425] Ao mesmo tempo, a Administração de Serviços Gerais (GSA), liderada por Emily W. Murphy, designada para o cargo por Trump, bloqueou os preparativos para uma transferência de poder e a Casa Branca ordenou que as agências governamentais não cooperassem com a equipe de transição Biden de forma alguma.[426][427]

Pessoas próximas a Trump, como a esposa Melania Trump e o genro Jared Kushner, pediram para que ele aceitasse sua derrota. Embora o presidente reconheceu em privado o resultado da eleição presidencial, encorajou sua equipe jurídica a continuar ingressando com ações legais para questionar os resultados.[428] Trump reconheceu a vitória de Biden em um tweet em 15 de novembro, embora se recusasse a conceder e considerasse sua derrota fruto de uma fraude, afirmando: "Ele venceu porque a eleição foi fraudada" [...] "Não admito NADA! Temos um longo caminho a percorrer."[429] Em 23 de novembro, Murphy reconheceu Biden como o "vencedor aparente" e Trump declarou ter instruído a agência "fazer o que fosse necessário."[430][nota 4]

A campanha de Trump arrecadou mais de 207 milhões de dólares no mês seguinte ao dia da eleição, em grande parte por suas apelações aos apoiadores do presidente. A campanha solicitou o envio de dinheiro para que pudesse iniciar ações judiciais para combater as alegações infundadas de fraude eleitoral. Trump estabeleceu um "Fundo Oficial de Defesa Eleitoral", mas os recursos foram direcionados para outras finalidades, incluindo o financiamento de atividades para sua pós-presidência.[432]

Ações judiciais[editar | editar código-fonte]

Durante o mês seguinte ao dia da eleição, Trump e seus aliados iniciaram sessenta ações judiciais em diferentes estados e instâncias, mas seus argumentos foram rejeitados em 59 deles.[433][434] Os advogados que ingressaram com ações que acusavam a existência de fraude eleitoral ou irregularidades não foram capazes de produzir provas reais para apoiar as alegações. Em um caso, um advogado de Trump tentou interromper a contagem das cédulas em Detroit com base em uma alegação de que um observador republicano havia sido informado por uma pessoa não identificada de que as cédulas estavam tendo suas datas alteradas; a juíza Cynthia Stephens, da Corte de Apelações do Michigan, rejeitou o argumento como um "boato inadmissível dentro de um boato."[435][436]

O juiz federal Stephanos Bibas, da Corte de Apelações para o Terceiro Distrito, nomeado para o cargo por Trump, indeferiu uma ação apresentada pela campanha do presidente. Em sua decisão, Bibas escreveu: "Eleições livres e justas são a força vital da nossa democracia. As acusações de injustiça são graves. Mas chamar uma eleição de injusta não significa que seja assim. Acusações exigem alegações específicas e então provas. Não temos nada disso aqui."[437][438]

Em 9 de dezembro, o procurador-geral do Texas, Ken Paxton, ingressou com uma ação na Suprema Corte em que demandou a anulação dos resultados do Michigan, da Pensilvânia, de Wisconsin e da Geórgia. Na prática, se admitida, a ação garantiria a reeleição de Trump. Procuradores-gerais de outros dezessete estados endossaram a ação, enquanto procuradores-gerais de vinte estados se opuseram.[439][440] Mais de dois terços dos representantes republicanos, ou 126 deles, também apoiaram o pedido de Paxton.[441] O presidente Trump exaltou a ação e apresentou seus argumentos favoráveis; no Twitter, pediu que os juízes associados tivessem "coragem e sabedoria" para "salvar" o país de Biden.[442][443] A Suprema Corte rejeitou a ação por unanimidade, julgando que o caso não tinha base legal.[444][445]

Tentativas de atrasar as certificações dos resultados[editar | editar código-fonte]

Em meados de novembro, Trump decidiu concentrar seus esforços em atrasar as certificações dos resultados pelos estados.[446] No Condado de Wayne, os dois membros republicanos do conselho responsável pela certificação dos resultados foram inicialmente contra. No Twitter, Trump os parabenizou: "Uau! Michigan se recusou a certificar os resultados da eleição! Ter coragem é uma coisa linda. Os EUA estão orgulhosos!" Logo depois, os dois conselheiros decidiram votar pela certificação dos resultados.[447]

Tentativas de alterar os membros do Colégio Eleitoral[editar | editar código-fonte]

Antes e depois da eleição, Trump e outros republicanos consideraram pedir às legislaturas estaduais comandadas pelo Partido Republicano a seleção dos membros do Colégio Eleitoral como forma de garantir a reeleição do presidente no caso de uma vitória de Biden naqueles estados.[448][449] Na Pensilvânia, o advogado pessoal do presidente Rudy Giuliani pediu a um juiz federal que considerasse ordenar que a legislatura estadual selecionasse os eleitores.[450] No entanto, a manobra foi considerada por especialistas como dificilmente bem-sucedida, já que autoridades democratas em vários estados poderiam bloqueá-la e era improvável que o Congresso validasse os resultados de eleitores do Colégio Eleitoral escolhidos pelas legislaturas estaduais ao invés dos votantes.[451][452]

No Arizona, em Michigan e na Pensilvânia, as legislaturas realizaram audiências para discutir as acusações de fraudes.[453][454] Trump pressionou autoridades republicanas eleitas em uma tentativa sem precedentes de alterar o resultado da eleição. No início de dezembro, o presidente pediu ao governador Brian Kemp a convocão da legislatura para anular o resultado da eleição; Kemp se negou a fazê-lo.[455] Neste esforço, Trump contatou pessoalmente presidentes de legislativos republicanos, mas a tentativa também acabou fracassando.[456][457] O presidente da Câmara dos Representantes do Michigan, Lee Chatfield, encontrou-se com o presidente e se negou a interferir no processo de certificação dos resultados em seu estado.[458] Diversos comentaristas descreveram as ações de Trump como uma tentativa de golpe de Estado ou autogolpe.[459]

Recontagens[editar | editar código-fonte]

Em 11 de novembro, o secretário de estado da Geórgia, Brad Raffensperger, ordenou uma recontagem manual em todo o estado, além do processo normal de auditoria. Naquele momento, Biden tinha a vantagem de 14.112 votos, ou 0,3%.[460] A auditoria foi concluída em 19 de novembro e confirmou a liderança de Biden por 12.670 votos. A diferença deveu-se a uma série de erros humanos e não foi atribuída a nenhuma fraude na contagem original.[461] Depois de certificar os resultados, o governador Brian Kemp convocou outra auditoria manual, com critérios adicionais.[462] A recontagem reafirmou a vitória de Biden no estado pela terceira vez.[463]

Em 18 de novembro, a campanha de Trump transferiu três milhões de dólares para pagar por recontagens parciais nos condados de Dane e Milwaukee, em Wisconsin, ambos redutos democratas.[464] A recontagem foi concluída em 29 de novembro e resultou em um aumento da vantagem de Biden em 87 votos.[465]

Certificação[editar | editar código-fonte]

O 117º Congresso dos Estados Unidos se reuniu pela primeira vez em 3 de janeiro de 2021 e foi confirmado que a sessão conjunta do Congresso para ratificar a eleição presidencial seria em 6 de janeiro. A formação do Congresso naquele momento era de 222 Democratas e 211 Republicanos na Câmara dos Representantes e 51 Republicanos e 48 Democratas e independentes no Senado.

Vários republicanos na Câmara dos Representantes, liderados pelo congressista Mo Brooks, afirmaram que eles iriam lançar uma objeção a certificação da vitória de Biden.[466] O senador Josh Hawley anunciou que ele também iria objetar,[467] cumprindo o requerimento de que para uma objeção ser váliada, ela precisa de um representante de cada uma das casas do Congresso. Pelo procedimento, o Vice-presidente, na sua condição de presidente do Senado, mandaria a objeção para o plenário para debate e votação de maioria simples, porém juristas e o próprio Mike Pence confirmaram que o vice não tinha poderes para descartar votos do Colégio Eleitoral, com a sessão sendo uma mera formalidade, com os votos no colégio eleitoral sendo apenas contados e tabulados.[468] Em 2 de janeiro, cerca de onze senadores republicanos, entre eles estavam Ted Cruz (Texas), Ron Johnson (Wisconsin), James Lankford (Oklahoma), Steve Daines (Montana), John Neely Kennedy (Louisiana), Marsha Blackburn (Tennessee) e Mike Braun (Indiana), além dos senadores eleitos Cynthia Lummis (Wyoming), Roger Marshall (Kansas), Bill Hagerty (Tennessee) e Tommy Tuberville (Alabama), disseram em uma declaração conjunta que eles queriam convocar uma auditoria de 10 dias antes de votar para a certificação e que votariam contra a certificação do resultado se não houvesse auditoria.[469] A senadora Kelly Loeffler se tornou a terceira membra do Senado a anunciar que também iria lançar uma objeção a ratificação.[470] Um comunicado do gabinete do vice-presidente disse que Pence saudava o plano dos republicanos de "levantar objeções e apresentar evidências" desafiando os resultados eleitorais.[471] A senadora Amy Klobuchar, a principal Democrata no comitê jurídico que supervisionava eleições federais, considerou o esforço um "golpe publicitário" que acabaria por fracassar e equivalia a uma tentativa de "subverter a vontade dos eleitores".[471]

Trump repetidamente pediu para os seus apoiadores para que comparecessem num grande protesto planejado para 6 de janeiro de 2021, em Washington, D.C., contra a certificação dos votos do Colégio Eleitoral, tweetando coisas como "Grande protesto em D.C. em 6 de janeiro. Esteja lá, será selvagem!"[472] O Serviço Nacional de Parques autorizou três passeatas na capital americana, antecipando milhares de pessoas presentes. O grupo extremista Proud Boys e seu líder disseram que eles estariam presentes em números recordes mas não usariam suas roupas de identificação habituais, em vez disso se espalhariam pela cidade incógnitos em pequenas equipes.[473]

Trump, que vinha promovendo teorias da conspiração falsas a respeito de fraude eleitoral, foi acusado de encorajar atos de violência por parte dos seus apoiadores.[474] A polícia de Washington D.C. estava preocupada pois atos anteriores na capital tinham terminado em violência.[475] Militares desarmados da Guarda Nacional dos Estados Unidos foram colocados na capital para ajudar no controle da situação e auxiliar as forças policiais locais; porém, segundo informações que circularam na imprensa, o presidente Trump expressamente proibiu que mais tropas da Guarda Nacional fossem enviadas em grandes números para a capital.[476] Em 6 de janeiro, o processo de certificação começou. Trump e seus filhos, junto com outros políticos, discursaram para a multidão e novamente acusaram a eleição de ser roubada e ilegitima, mas não apresentaram provas disso. No começo da tarde, ainda no início da sessão no Congresso, apoiadores do presidente Trump invadiram o Capitólio, interrompendo a contagem dos votos e forçando a evacuação da imprensa e dos legisladores. Estas ações foram descritas como uma tentativa de golpe de estado por parte da imprensa e por analistas. Prédios do legislativo foram fechados, reforços policiais foram convocados e algumas horas depois a ordem foi restaurada, mas partes do Capitólio foram depredadas.[477]

Pouco antes da magrugada de 7 de janeiro, a sessão conjunta do Congresso recomeçou. Vários republicanos que previamente queriam desafiar e objetar a certificação acabaram mudando de ideia devido a violência perpetrada antes. Então, às 3:33 da manhã, horário da capital, a 7 de janeiro, os votos do Colégio Eleitoral de Vermont foram certificados, colocando a chapa Biden/Harris acima dos 270 votos eleitorais necessários para garantir a vitória eleitoral.[478] A sessão conjunta no congresso foi oficialmente encerrada por Mike Pence as 3:44 da manhã.[479]

Notas

  1. Embora Trump tenha sido o quinto presidente eleito a receber menos votos populares, a diferença entre ele e Clinton foi a maior já registrada.[16]
  2. O Senado, de maioria republicana, absolveu Trump por 52 a 48 votos da acusação de abuso de poder e por 53 a 47 da acusação de obstrução do Congresso.[31] Todos senadores democratas e independentes consideraram o presidente culpado. Um único republicano, Mitt Romney, votou a favor da acusação de abuso de poder.[32]
  3. O número de eleitores por estado foi compilado pelo United States Election Project e se refere apenas aos eleitores elegíveis (Voting-Eligible Population, ou VEP), e não à população com idade para votar (Voting-Age Population, ou VAP).[326]
  4. Uma lei federal dispõe que a transição se inicia oficialmente quando a Administração de Serviços Gerais determina qual candidato é o aparente vencedor da eleição.[431]

Referências

  1. «Presidential Election Results». The New York Times. 5 de novembro de 2020. Consultado em 5 de novembro de 2020 
  2. «2020 General Elections». Decision Desk. 7 de novembro de 2020. Consultado em 7 de novembro de 2020 
  3. a b «2020 National Popular Vote Tracker». The Cook Political Report. Novembro de 2020. Consultado em 9 de novembro de 2020 
  4. «Article II: Executive Branch». Constitution Center. Consultado em 4 de julho de 2020 
  5. «Political Parties». Mount Vernon. Consultado em 4 de julho de 2020 
  6. Hannah Jackson (30 de janeiro de 2020). «How are U.S. presidential nominees selected? A look at primaries and caucuses». Global News. Consultado em 4 de julho de 2020 
  7. a b «Presidential Election Process». USA Gov. 9 de junho de 2020. Consultado em 4 de julho de 2020 
  8. «What is the Electoral College?». National Archives. 23 de dezembro de 2019. Consultado em 4 de julho de 2020 
  9. Michael Cullen (2011). «If the electoral college votes in US states are based on population, how can a presidential candidate win the popular vote, but lose the electoral college vote?». The Guardian. Consultado em 4 de julho de 2020 
  10. «Distribution of Electoral Votes». National Archives. 6 de março de 2020. Consultado em 4 de julho de 2020 
  11. Chris Tognotti (14 de maio de 2016). «What Happens If Nobody Gets 270 Electoral Votes? It's The 12th Amendment Scenario Nobody Should Want To See». Bustle. Consultado em 4 de julho de 2020 
  12. «Twenty-second Amendment». Encyclopedia Britannica. 3 de outubro de 2012. Consultado em 4 de julho de 2020 
  13. Justin Bank (16 de abril de 2008). «V.P. Term Limits». Fact Check. Consultado em 4 de julho de 2020 
  14. «2020 Election Calendar». The Washington Post. 2020. Consultado em 4 de julho de 2020 
  15. «World media shock and dismay at Trump win». BBC. 9 de novembro de 2016. Consultado em 25 de setembro de 2019 
  16. Benjamin Kentish (12 de dezembro de 2016). «Donald Trump has lost popular vote by greater margin than any US President». The Independent. Consultado em 7 de julho de 2020 
  17. «Presidential Election Results 2016». CNN. Novembro de 2016. Consultado em 7 de julho de 2020 
  18. Eric Bradner (9 de novembro de 2016). «Republicans keep control of Congress». CNN. Consultado em 7 de julho de 2020 
  19. Jane C. Timm (22 de dezembro de 2017). «Trump signs tax cut bill, first big legislative win». NBC News. Consultado em 7 de julho de 2020 
  20. Tucker Higgins (29 de junho de 2019). «Trump's two Supreme Court justices Kavanaugh and Gorsuch split in first term together». CNBC. Consultado em 7 de julho de 2020 
  21. Hasan Dudar e Deirdre Shesgreen (21 de novembro de 2018). «Trump's long list of global trade deals, agreements exited or renegotiated». USA Today. Consultado em 7 de julho de 2020 
  22. «A quick guide to the US-China trade war». BBC. 16 de janeiro de 2020. Consultado em 7 de julho de 2020 
  23. Vanessa Taylor (26 de junho de 2020). «Trump is restarting his war on Obamacare while coronavirus surges». Mic. Consultado em 7 de julho de 2020 
  24. Amy Harder, Sam Baker e Jonathan Swan (2 de agosto de 2018). «Trump's stealth attack on Obama's legacy». Axios. Consultado em 7 de julho de 2020 
  25. «Presidential Approval Ratings -- Donald Trump». Gallup. Julho de 2020. Consultado em 7 de julho de 2020 
  26. «Democrats retaking control of House for first time since 2011». CBS News. 3 de janeiro de 2019. Consultado em 7 de julho de 2020 
  27. «Trump was not exonerated by my report, Robert Mueller tells Congress». BBC. 25 de julho de 2019. Consultado em 7 de julho de 2020 
  28. Bart Jansen e Christal Hayes (3 de dezembro de 2019). «House Democrats' report on the impeachment inquiry finds Trump has solicited foreign interference in the 2020 election». USA Today. Consultado em 24 de dezembro de 2019 
  29. «Câmara aprova impeachment de Trump por obstrução ao Congresso». Agência France-Presse. Correio Braziliense. 18 de dezembro de 2019. Consultado em 19 de dezembro de 2019 
  30. Bart Jansen, Maureen Groppe e Ledyard King (18 de dezembro de 2019). «House impeaches President Trump in historic vote, setting the stage for Senate trial». USA Today. Consultado em 24 de dezembro de 2019 
  31. «How senators voted on Trump's impeachment». Associated Press. Politico. 5 de fevereiro de 2020. Consultado em 7 de fevereiro de 2020 
  32. Chris Cillizza (7 de fevereiro de 2020). «Mitt Romney is now the head of the new old GOP». Associated Press. CNN. Consultado em 7 de fevereiro de 2020 
  33. Jeanine Santucci (12 de março de 2020). «How coronavirus is changing the 2020 presidential campaign for Trump, Biden and Sanders». USA Today. Consultado em 7 de julho de 2020 
  34. Asma Khalid e Tamara Keith (21 de maio de 2020). «Trump And Biden Wage An Uneven Virtual Campaign». NPR. Consultado em 7 de julho de 2020 
  35. Misyrlena Egkolfopoulou e Bill Allison (18 de abril de 2020). «Biden Digital Game Outmatched by Trump as Campaign Goes Virtual». Bloomberg. Consultado em 7 de julho de 2020 
  36. Dan Merica e Kate Sullivan (4 de abril de 2020). «Democratic National Convention pushed back to August». CNN. Consultado em 7 de julho de 2020 
  37. Nick Corasaniti e Stephanie Saul (27 de maio de 2020). «16 States Have Postponed Primaries During the Pandemic. Here's a List.». The New York Times. Consultado em 7 de julho de 2020 
  38. Chris Cillizza (26 de maio de 2020). «Here's the *real* reason Donald Trump is attacking mail-in ballots». CNN. Consultado em 7 de julho de 2020 
  39. Maeve Reston (20 de junho de 2020). «Trump tempts fate with Tulsa rally during a pandemic and a national racial reckoning». CNN. Consultado em 7 de julho de 2020 
  40. Scott Bixby (11 de abril de 2017). «The Road to 2020: Donald Trump's Never-Ending Campaign». The Daily Beast. Consultado em 8 de julho de 2020 
  41. Lee Morehouse (30 de janeiro de 2017). «Trump breaks precedent, files as candidate for re-election on first day». AZ Family. Consultado em 8 de julho de 2020 
  42. «When presidents get primary challenges». CBS News. 24 de agosto de 2017. Consultado em 8 de julho de 2020 
  43. Bill Mahoney (28 de fevereiro de 2020). «New York might cancel Republican presidential primary». Politico. Consultado em 8 de julho de 2020 
  44. Ginger Gibson e Steve Holland (7 de outubro de 2019). «Trump campaign touts Republican rule changes aimed at unified 2020 convention». Reuters. Consultado em 8 de julho de 2020 
  45. Ed Kilgore (8 de outubro de 2019). «Republicans Quietly Rigging 2020 Nominating Contest for Trump». New York Magazine. Consultado em 8 de julho de 2020 
  46. Max Greenwood (25 de janeiro de 2019). «RNC votes to give Trump 'undivided support' ahead of 2020». The Hill. Consultado em 8 de julho de 2020 
  47. Alex Isenstadt (6 de setembro de 2019). «Republicans to scrap primaries and caucuses as Trump challengers cry foul». Politico. Consultado em 8 de julho de 2020 
  48. Annie Karni (6 de setembro de 2019). «GOP plans to drop presidential primaries in 4 states to impede Trump challengers». MSN. Consultado em 8 de julho de 2020 
  49. Kendall Karson e Will Steakin (7 de setembro de 2019). «Nevada and South Carolina GOP cancel 2020 presidential nominating contests». ABC News. Consultado em 8 de julho de 2020 
  50. Rebecca Klar (12 de dezembro de 2019). «Hawaii GOP cancels presidential preference poll, commits delegates to Trump». The Hill. Consultado em 8 de julho de 2020 
  51. Denis Slattery (3 de março de 2020). «New York cancels Republican primary after Trump only candidate to qualify». Daily News. Consultado em 8 de julho de 2020 
  52. «Kansas GOP won't hold a caucus in 2020». Kake. 6 de setembro de 2019. Consultado em 8 de julho de 2020 
  53. Debra J. Saunders (22 de fevereiro de 2020). «Nevada GOP binds delegates to Trump». Las Vegas Review-Journal. Consultado em 8 de julho de 2020 
  54. Max Greenwood (5 de agosto de 2017). «McCain: Republicans 'see weakness' in Trump». The Hill. Consultado em 8 de julho de 2020 
  55. Alexander Burns e Jonathan Martin (5 de agosto de 2017). «Republican Shadow Campaign for 2020 Takes Shape as Trump Doubts Grow». The New York Times. Consultado em 8 de julho de 2020 
  56. «Sen. Susan Collins not sure Trump will be 2020 GOP nominee». CBC News. 21 de agosto de 2017. Consultado em 8 de julho de 2020 
  57. Nicole Goodkind (30 de outubro de 2017). «TRUMP MAY NOT SEEK RE-ELECTION: RAND PAUL, CHRIS CHRISTIE». Newsweek. Consultado em 8 de julho de 2020 
  58. Andrew Kaczynski (24 de agosto de 2017). «Sen. Jeff Flake: Trump 'inviting' 2020 primary challenge by how he's governing». CNN. Consultado em 8 de julho de 2020 
  59. Steve Brusk e Kate Sullivan (16 de abril de 2019). «Bill Weld officially announces he is challenging Trump for GOP nomination in 2020». CNN. Consultado em 8 de julho de 2020 
  60. Alison Durkee (16 de abril de 2019). «BILL WELD OFFICIALLY TARGETS TRUMP WITH LONG-SHOT PRIMARY BID». Vanity Fair. Consultado em 8 de julho de 2020 
  61. Alexander Burns (8 de setembro de 2019). «Mark Sanford Will Challenge Trump in Republican Primary». The New York Times. Consultado em 8 de julho de 2020 
  62. Caitlin Byrd (12 de novembro de 2019). «Former SC Gov. Mark Sanford has dropped out of presidential race». The Post and Courier. Consultado em 8 de julho de 2020 
  63. Caroline Kelly e Kate Sullivan (25 de agosto de 2019). «Joe Walsh to take on Trump in 2020 Republican primary». CNN. Consultado em 8 de julho de 2020 
  64. Nicole Lyn Pesce (7 de fevereiro de 2020). «'I would rather have a socialist in the White House than Donald Trump,' says Republican Joe Walsh». Market Watch. Consultado em 8 de julho de 2020 
  65. Mike Hills (28 de janeiro de 2019). «Trump tracker: How his first two years have gone - in eight graphics». BBC. Consultado em 8 de julho de 2020 
  66. Jeffrey M. Jones (4 de fevereiro de 2020). «Trump Job Approval at Personal Best 49%». Gallup. Consultado em 8 de julho de 2020 
  67. Jack Budryk (17 de março de 2020). «Trump becomes presumptive GOP nominee after sweeping primaries». The Hill. Consultado em 8 de julho de 2020 
  68. Annie Karni (18 de março de 2020). «Bill Weld, Trump's Last G.O.P. Challenger, Exits Presidential Race». The New York Times. Consultado em 8 de julho de 2020 
  69. a b c d e f «2020 Presidential Primaries, Caucuses, and Conventions: Republican Convention». The Green Pappers. 7 de julho de 2020. Consultado em 7 de outubro de 2020 
  70. Maureen Groppe (7 de novembro de 2018). «President Donald Trump and Vice President Mike Pence renew their political vows in advance of 2020». USA Today. Consultado em 9 de julho de 2020 
  71. a b c d e «Who's Running for President in 2020?». The New York Times. 8 de abril 2020. Consultado em 8 de julho de 2020 
  72. a b Michael Scherer, Kevin Uhrmacher e Kevin Schaul (8 de abril de 2020). «Who is hoping to challenge Trump for president in 2020?». The Washington Post. Consultado em 8 de julho de 2020 
  73. a b Michael Scherer, Kevin Uhrmacher e Kevin Schaul (2 de março de 2020). «2020 presidential election: Track the candidates». Axios. Consultado em 8 de julho de 2020 
  74. Kate Sullivan (18 de março de 2020). «Bill Weld ends Republican presidential campaign». CNN. Consultado em 8 de julho de 2020 
  75. Will Steakin (7 de fevereiro de 2020). «Trump challenger Joe Walsh ends long-shot presidential bid, calls Republican party 'cult'». ABC News. Consultado em 8 de julho de 2020 
  76. «"Rocky" De La Fuente wins Alliance Party presidential nomination; Darcy Richardson on ticket as VP following online convention». Yahoo Finance. 25 de abril de 2020. Consultado em 8 de julho de 2020 
  77. Rebecca Buck (12 de novembro de 2020). «Mark Sanford suspends 2020 presidential campaign». CNN. Consultado em 8 de julho de 2020 
  78. Jonathan Easley (31 de março de 2017). «For Democrats, no clear leader». The Hill. Consultado em 1 de março de 2020 
  79. Graham Vyse (28 de abril de 2017). «The 2020 Democratic primary is going to be the all-out brawl the party needs». The New Republic. Consultado em 1 de março de 2020 
  80. Thomas B. Edsall (7 de setembro de 2017). «The Struggle Between Clinton and Sanders Is Not Over». The New York Times. Consultado em 1 de março de 2020 
  81. «Democratas escolhem Perez para liderar o partido contra Trump». Público. 25 de fevereiro de 2017. Consultado em 1 de março de 2020 
  82. Elena Schneider (19 de maio de 2018). «Democrats clash over party's direction in key Texas race». Politico. Consultado em 9 de julho de 2020 
  83. «DNC Passes Historic Reforms to the Presidential Nominating Process». Democratic Party. 25 de agosto de 2018. Consultado em 1 de março de 2020 
  84. Larry Cohen e Jen O'Malley Dillon (Outubro de 2018). «Report of the Unity Reform Commission» (PDF). Democratic Party. Consultado em 1 de março de 2020 
  85. Adam Levy (25 de agosto de 2018). «DNC changes superdelegate rules in presidential nomination process». CNN. Consultado em 9 de julho de 2020 
  86. Louis Jacobson (2 de maio de 2019). «The record-setting 2020 Democratic primary field: What you need to know». Politifact. Consultado em 2 de março de 2020 
  87. Camilo Montoya-Galvez (4 de maio de 2019). «Steve Bullock, Montana governor, announces he's running for president». CBS. Consultado em 2 de março de 2020 
  88. James Oliphant (2 de setembro de 2019). «Biden seen as weak front-runner as 2020 U.S. Democratic race heats up». Reuters. Consultado em 9 de julho de 2020 
  89. Edward-Isaac Dovere (10 de novembro de 2019). «Joe Biden Is Schrödinger's Candidate». The Atlantic. Consultado em 9 de julho de 2020 
  90. Eric Lutz (13 de fevereiro de 2020). «MIKE BLOOMBERG'S BIG SPENDING STRATEGY IS MAKING A LOT MORE SENSE». Vanity Fair. Consultado em 22 de fevereiro de 2020 
  91. Robert Alexander e Lauren Copeland (2 de fevereiro de 2020). «Mike Bloomberg could be the candidate Democrats have been looking for». CNN. Consultado em 22 de fevereiro de 2020 
  92. Fredreka Schouten (20 de março de 2020). «Michael Bloomberg has spent almost $1 billion on his failed presidential campaign». CNN. Consultado em 9 de julho de 2020 
  93. Lisette Voytko e Carlie Porterfield (4 de março de 2020). «Michael Bloomberg Drops Out Of Primary After Reportedly Spending More Than $500 Million». Forbes. Consultado em 9 de julho de 2020 
  94. «2020 primary and caucus results: Map and delegates». CNN. Julho de 2020. Consultado em 9 de julho de 2020 
  95. Max Greenwood e Amie Parnes (24 de fevereiro de 2020). «Candidates face pressure to exit presidential race». The Hill. Consultado em 9 de julho de 2020 
  96. «Who is ahead in the Democratic primary race?». The Economist. 18 de fevereiro de 2020. Consultado em 22 de fevereiro de 2020 
  97. Helio Gurovitz (2 de março de 2020). «A ressurreição de Joe Biden». G1. Consultado em 3 de março de 2020 
  98. Cleve R. Wootson Jr. e Michael Scherer (29 de fevereiro de 2020). «Joe Biden wins South Carolina primary, reshaping the Democratic race». The Washington Post. Consultado em 3 de março de 2020 
  99. Trevor Hunnicutt (2 de março de 2020). «Moderate Democrats close ranks as Buttigieg, Klobuchar endorse Biden». Reuters. Consultado em 22 de fevereiro de 2020 
  100. «Super Tuesday results in full: Biden and Sanders out in front». BBC. 6 de março de 2020. Consultado em 9 de julho de 2020 
  101. Stephen Collinson (4 de março de 2020). «Joe Biden's historic and unbelievable political comeback dominates Super Tuesday». CNN. Consultado em 4 de março de 2020 
  102. Tucker Higgins e Dan Mangan (4 de março de 2020). «Elizabeth Warren drops out of 2020 presidential race after disappointing Super Tuesday showing». CNBC. Consultado em 9 de julho de 2020 
  103. Stephen Collinson (11 de março de 2020). «Biden consolida liderança sobre Sanders com vitórias em mais 4 estados». O Globo. Consultado em 8 de abril de 2020 
  104. «Biden rolls on with big win in Michigan, grows delegate lead over Sanders». NBC News. 11 de março de 2020. Consultado em 9 de julho de 2020 
  105. Maeve Reston (17 de março de 2020). «Joe Biden sweeps the night and wins Florida, Illinois and Arizona to extend his delegate lead over Bernie Sanders». CNN. Consultado em 9 de julho de 2020 
  106. Sydney Ember (8 de abril de 2020). «Bernie Sanders Drops Out of 2020 Democratic Race for President». The New York Times. Consultado em 8 de abril de 2020 
  107. Jacob Pramuk (15 de abril de 2020). «Elizabeth Warren endorses Joe Biden for president». CNBC. Consultado em 9 de julho de 2020 
  108. Caitlin Oprysko e Erin Durkin (3 de abril de 2020). «Bloomberg drops out of presidential race, endorses Biden». Politico. Consultado em 9 de julho de 2020 
  109. Zach Montellaro (5 de junho de 2020). «Biden clinches Democratic presidential nomination». Politico. Consultado em 9 de julho de 2020 
  110. «Joe Biden promete escolher uma mulher para vice-Presidente». Diário de Notícias. 16 de março de 2020. Consultado em 8 de abril de 2020 
  111. Ed O'Keefe (30 de abril de 2020). «Biden announces running mate vetting committee». CBS News. Consultado em 9 de julho de 2020 
  112. «Depois de George Floyd, Biden pode escolher vice negra». AFP. IstoÉ Dinheiro. 10 de junho de 2020. Consultado em 9 de julho de 2020 
  113. Ken Thomas e Sabrina Siddiqui (27 de junho de 2020). «More Democratic Women Urge Joe Biden to Pick a Black Woman Running Mate». The Wall Street Journal. Consultado em 9 de julho de 2020 
  114. Asma Khalid (12 de junho de 2020). «Pressure Grows On Joe Biden To Pick A Black Woman As His Running Mate». National Public Radio. Consultado em 9 de julho de 2020 
  115. Jeff Zeleny, Dan Merica e MJ Lee (27 de junho de 2020). «Aliados de Biden elegem quatro mulheres como favoritas para candidatura a vice». CNN. Consultado em 9 de julho de 2020 
  116. «Amy Klobuchar drops out of Biden VP contention». BBC. 19 de junho de 2020. Consultado em 9 de julho de 2020 
  117. «Kamala Harris é escolhida candidata a vice-presidente na chapa de Joe Biden». G1. 11 de agosto de 2020. Consultado em 11 de agosto de 2020 
  118. Jonathan Martin e Astead W. Herndon (11 de agosto de 2020). «In Kamala Harris, a Choice at Once Safe and Energizing». The New York Times. Consultado em 14 de agosto de 2020 
  119. Dana Bash (11 de agosto de 2020). «Bash on Biden's VP pick: It is a moment in history to remember». CNN. Consultado em 11 de agosto de 2020 
  120. «Bernie Sanders desiste de concorrer à presidência dos EUA». G1. 8 de abril de 2020. Consultado em 9 de julho de 2020 
  121. a b c d e f g h i j k l m n o p q r s t u v w «2020 Presidential Primaries, Caucuses, and Conventions: Democratic Convention». The Green Papers. 9 de julho de 2020. Consultado em 9 de julho de 2020 
  122. «Tulsi Gabbard desiste de primárias democratas e anuncia apoio a Biden». G1. 19 de março de 2020. Consultado em 9 de julho de 2020 
  123. «Elizabeth Warren desiste de concorrer à presidência dos EUA». G1. 5 de março de 2020. Consultado em 9 de julho de 2020 
  124. Amanda Mars (4 de março de 2020). «Bloomberg desiste da corrida democrata após seu fracasso na Superterça». El País. Consultado em 9 de julho de 2020 
  125. «Amy Klobuchar desiste de candidatura democrata e apoia Biden». Folha de S. Paulo. 2 de março de 2020. Consultado em 9 de julho de 2020 
  126. «Pete Buttigieg desiste de corrida à Casa Branca». DW. 2 de março de 2020. Consultado em 9 de julho de 2020 
  127. «Tom Steyer deixa corrida do Partido Democrata à Presidência dos EUA». G1. 29 de fevereiro de 2020. Consultado em 9 de julho de 2020 
  128. Amanda Péchy (12 de fevereiro de 2020). «Debandada: Deval Patrick é 3º democrata na semana a abandonar eleições». Veja. Consultado em 11 de julho de 2020 
  129. «Senador desiste de disputa presidencial democrata após primária em New Hampshire». Gazeta do Povo. 11 de fevereiro de 2020. Consultado em 11 de julho de 2020 
  130. «Empresário Andrew Yang desiste de concorrer à indicação democrata para eleição presidencial». AFP. GaúchaZH. 11 de fevereiro de 2020. Consultado em 11 de julho de 2020 
  131. Susan Heavey (31 de janeiro de 2020). «Former lawmaker Delaney ends 2020 Democratic presidential bid». Reuters. Consultado em 11 de julho de 2020 
  132. «Eleições nos EUA: Senador Cory Booker desiste de corrida presidencial». G1. 13 de janeiro de 2020. Consultado em 11 de julho de 2020 
  133. «Escritora desiste de disputar candidatura democrata à presidência dos EUA». Uol. 10 de janeiro de 2020. Consultado em 11 de julho de 2020 
  134. «Ex-secretário de Habitação de Obama, Julián Castro desiste de campanha presidencial nos EUA». G1. 2 de janeiro de 2020. Consultado em 11 de julho de 2020 
  135. «Kamala Harris desiste de candidatura a presidente dos EUA». G1. 3 de dezembro de 2019. Consultado em 11 de julho de 2020 
  136. «Steve Bullock tornou-se o 13º desistente na corrida à Casa Branca». Mundo ao Minuto. 2 de dezembro de 2019. Consultado em 11 de julho de 2020 
  137. Sean Collins (1 de dezembro de 2019). «Joe Sestak, former congressman and admiral, ends his bid for president». Vox. Consultado em 11 de julho de 2020 
  138. Sean Collins (19 de novembro de 2019). «Wayne Messam, who called on Americans to #BeGreat, suspends his presidential bid». Vox. Consultado em 11 de julho de 2020 
  139. «Beto O'Rourke desiste de tentar candidatura democrata à presidência dos EUA». G1. 1 de novembro de 2019. Consultado em 11 de julho de 2020 
  140. «Tim Ryan desiste de tentar ser candidato democrata à presidência em 2020». Associated Press. G1. 24 de outubro de 2019. Consultado em 11 de julho de 2020 
  141. «Prefeito de Nova York desiste de campanha presidencial». G1. 20 de setembro de 2019. Consultado em 11 de julho de 2020 
  142. Will Weissert (28 de agosto de 2019). «Sen. Kirsten Gillibrand ends once-promising presidential bid». Associated Press. Consultado em 11 de julho de 2020 
  143. Jonathan Allen (23 de agosto de 2019). «Seth Moulton ends presidential campaign». NBC News. Consultado em 11 de julho de 2020 
  144. «Mais um candidato democrata desiste de concorrer à presidência dos EUA». G1. 22 de agosto de 2019. Consultado em 11 de julho de 2020 
  145. «Candidato democrata abandona corrida pela presidência dos EUA». AFP. Exame. 15 de agosto de 2019. Consultado em 11 de julho de 2020 
  146. Julian Shen-Berro (6 de agosto de 2019). «Ex-Alaska Sen. Mike Gravel Ends Unorthodox 2020 Campaign, Endorses Bernie Sanders And Tulsi Gabbard». HuffPost. Consultado em 11 de julho de 2020 
  147. «Azarão democrata Eric Swalwell encerra campanha para Casa Branca». Reuters. G1. 8 de julho de 2019. Consultado em 11 de julho de 2020 
  148. Dan Merica (25 de janeiro de 2020). «Richard Ojeda ends short-lived 2020 campaign». CNN. Consultado em 11 de julho de 2020 
  149. Zoe Nicholson (2 de junho de 2020). «Meet the Greenville resident and Clemson lecturer running for president». Greenville News. Consultado em 11 de julho de 2020 
  150. Brian Doherty (24 de maio de 2020). «Libertarian Party Picks Spike Cohen as Its Vice-Presidential Candidate». Reason. Consultado em 11 de julho de 2020 
  151. John Bowden (21 de junho de 2020). «Howie Hawkins clinches Green Party's nomination after primary wins». The Hill. Consultado em 11 de julho de 2020 
  152. Jessica Barr (13 de maio de 2020). «Green Party candidate Howie Hawkins selects running mate Angela Walker». The Legislative Gazette. Consultado em 11 de julho de 2020 
  153. «Constitution Party nominates general election candidates». Cache Valle Daily. 24 de maio de 2020. Consultado em 15 de junho de 2020 
  154. Dan Merica (15 de junho de 2018). «Exclusive: Democrats, anticipating heated primary, set earlier 2020 convention date». CNN. Consultado em 11 de julho de 2020 
  155. Alex Thompson e Natasha Korecki (3 de novembro de 2019). «Milwaukee to host Democrats' 2020 convention». Politico. Consultado em 11 de julho de 2020 
  156. Allan Smith e Ali Vitali (2 de abril de 2020). «Democratic Party delays July convention until August over coronavirus concerns». NBC News. Consultado em 11 de julho de 2020 
  157. Adam Brewster, Ed O'Keefe e Eleanor Watson (24 de junho de 2020). «Democratic Party reveals scaled-down convention plan». CBS News. Consultado em 11 de julho de 2020 
  158. Herb Scribner e Jeff Parrott (18 de agosto de 2020). «Highlights from Day 2 of the Democratic National Convention: Biden nominated». Deseret News. Consultado em 26 de outubro de 2020 
  159. «2020 Republican National Convention dates announced». WCNC. 1 de outubro de 2018. Consultado em 11 de julho de 2020 
  160. Dartunorro Clark (11 de junho de 2020). «Republicans pick Jacksonville, Florida, as convention site for Trump to accept nomination». NBC News. Consultado em 11 de julho de 2020 
  161. Jim Morrill, Kate Murphy e Tim Funk (11 de junho de 2020). «It's official. RNC convention will head to Jacksonville after 1 day in Charlotte». Charlotte Observer. Consultado em 11 de julho de 2020 
  162. Joe Dwinell (24 de agosto de 2020). «RNC sends Trump-Pence ticket off and running». Boston Herald. Consultado em 26 de outubro de 2020 
  163. Richard Winger (11 de dezembro de 2017). «Libertarian Party Sets Location and Date of 2020 Presidential Convention». Ballot Access News. Consultado em 11 de julho de 2020 
  164. «Reservations to the JW Marriott-Austin Cancelled». Libertarian Party. 26 de abril de 2020. Consultado em 11 de julho de 2020 
  165. Richard Winger (9 de maio de 2020). «Libertarian Party Will Use On-Line Process to Choose National Ticket in Late May, Then Hold an In-Person July Convention for Other Business». Ballot Access News. Consultado em 11 de julho de 2020 
  166. Brian Doherty (23 de maio de 2020). «Jo Jorgensen Wins Libertarian Party Presidential Nomination». Reason. Consultado em 26 de outubro de 2020 
  167. Noah Dawson (26 de maio de 2020). «Libertarian Party Nominated Jo Jorgensen and Spike Cohen». The Amarillo Pioneer. Consultado em 26 de outubro de 2020 
  168. «Selection of Site for 2020 Presidential Nominating ConventionANM». Green Party. 2019. Consultado em 11 de julho de 2020 
  169. Richard Winger (24 de abril de 2020). «Green Party Presidential Convention Will be Virtual». Ballot Access News. Consultado em 11 de julho de 2020 
  170. «Green Party nominates Howie Hawkins & Angela Walker for President & VP». Green Party of Florida. 17 de julho de 2020. Consultado em 26 de outubro de 2020 
  171. Richard Winger (2 de maio de 2020). «Constitution Party Nominates Don Blankenship for President on Second Ballot». Ballot Access News. Consultado em 2 de maio de 2020 
  172. Sabrina Siddiqui (29 de setembro de 2020). «Presidential Debate to Focus on Coronavirus, Supreme Court». The Wall Street Journal. Consultado em 26 de outubro de 2020 
  173. Rick Sobey (7 de outubro de 2020). «Coronavirus is top issue for likely voters in presidential election: Boston Herald poll». Boston Herald. Consultado em 26 de outubro de 2020 
  174. «EUA têm primeiro caso de coronavírus». G1. 21 de janeiro de 2020. Consultado em 26 de outubro de 2020 
  175. «United States surpasses 8 million COVID-19 cases: Johns Hopkins». Al Jazeera. 16 de outubro de 2020. Consultado em 26 de outubro de 2020 
  176. Mike Patton (12 de outubro de 2020). «The Impact Of Covid-19 On U.S. Economy And Financial Markets». Forbes. Consultado em 26 de outubro de 2020 
  177. «Unemployment Rate (UNRATE)». U.S. Bureau of Labor Statistics. Setembro de 2020. Consultado em 26 de outubro de 2020 
  178. Clare Foran, Manu Raju, Haley Byrd e Ted Barrett (27 de março de 2020). «Trump signs historic $2 trillion stimulus after Congress passes it Friday». CNN. Consultado em 26 de outubro de 2020 
  179. Natalie Andrews e Andrew Restuccia (23 de outubro de 2020). «White House, Democrats Point Fingers on Stalled Coronavirus Stimulus Talks». The Wall Street Journal. Consultado em 26 de outubro de 2020 
  180. «Trump declara emergência nacional nos EUA por causa da Covid-19». Jornal Nacional. 13 de março de 2020. Consultado em 26 de outubro de 2020 
  181. «Trump suspende viagens da Europa aos EUA para conter novo coronavírus». G1. 11 de março de 2020. Consultado em 26 de outubro de 2020 
  182. Aaron Blake (17 de março de 2020). «A timeline of Trump playing down the coronavirus threat». The Washington Post. Consultado em 26 de outubro de 2020 
  183. Christian Paz (1 de outubro de 2020). «All the President's Lies About the Coronavirus». The Atlantic. Consultado em 26 de outubro de 2020 
  184. Daniel Dale (21 de outubro de 2020). «Fact-checking Trump's dishonest weekend: The President made at least 66 false or misleading claims in three days». CNN. Consultado em 26 de outubro de 2020 
  185. Aaron Bycoffe, Christopher Groskopf e Dhrumil Mehta (26 de outubro de 2020). «How Americans View The Coronavirus Crisis And Trump's Response». Five Thirty Eight. Consultado em 26 de outubro de 2020 
  186. Andy Sullivan e Trevor Hunnicutt (23 de outubro de 2020). «Biden alerta sobre alta do coronavírus; Trump diz que pandemia vai acabar logo». Reuters. Consultado em 26 de outubro de 2020 
  187. «Biden says he would 'listen to the scientists' in combating COVID-19». ABC News. 21 de agosto de 2020. Consultado em 26 de outubro de 2020 
  188. Christina Wilkie (23 de outubro de 2020). «Joe Biden lays out a detailed plan to fight coronavirus as new infections soar». CNBC News. Consultado em 26 de outubro de 2020 
  189. Brooke Singman (7 de setembro de 2020). «Trump says a Biden-Harris administration would 'destroy' country, economy». Fox News. Consultado em 26 de outubro de 2020 
  190. Benjamin Hart e Chas Danner (14 de setembro de 2020). «Who in President Trump's Orbit Has Tested Positive for COVID-19?». New York Magazine. Consultado em 26 de outubro de 2020 
  191. Alex Seitz-Wald e Mike Memoli (2 de outubro de 2020). «Trump's Covid diagnosis upends campaign, presents challenge for Biden». NBC News. Consultado em 26 de outubro de 2020 
  192. Lucas Alonso (5 de outubro de 2020). «Após 3 dias, Trump deixa hospital e pede a americanos que não temam coronavírus». Folha de S. Paulo. Consultado em 26 de outubro de 2020 
  193. David Siders e Charlie Mathesian (2 de outubro de 2020). «'This is the worst nightmare for the Trump campaign'». Politico. Consultado em 26 de outubro de 2020 
  194. James Politi e Courtney Weaver (9 de outubro de 2020). «Trump and Biden spar over state of economy in final days of race». Financial Times. Consultado em 3 de novembro de 2020 
  195. Tyler Pager (8 de junho de 2020). «Biden Says Trump Squandered Economic Expansion Begun With Obama». Bloomberg. Consultado em 3 de novembro de 2020 
  196. Shannon K. Crawford (29 de setembro de 2020). «Trump vs. Biden on the issues: Economy». ABC News. Consultado em 3 de novembro de 2020 
  197. «Ruth Bader Ginsburg, a juíza mais antiga da Suprema Corte dos EUA, morre aos 87 anos». G1. 18 de setembro de 2020. Consultado em 26 de outubro de 2020 
  198. Katie Wadington (19 de setembro de 2020). «Then and now: What McConnell, others said about Merrick Garland in 2016 vs. after Ginsburg's death». USA Today. Consultado em 26 de outubro de 2020 
  199. «Amy Coney Barrett: Trump nominates conservative favourite for Supreme Court». BBC. 27 de setembro de 2020. Consultado em 26 de outubro de 2020 
  200. Clare Foran, Manu Raju e Ted Barrett (19 de setembro de 2020). «McConnell vows Trump's nominee to replace Ginsburg will get Senate vote, setting up historic fight». CNN. Consultado em 26 de outubro de 2020 
  201. David Jackson e Joey Garrison (23 de setembro de 2020). «Trump says he wants to fill Supreme Court seat quickly in case justices need to settle election dispute». USA Today. Consultado em 26 de outubro de 2020 
  202. Guilherme Venaglia (29 de setembro de 2020). «Biden quer indicação à Suprema Corte após as eleições; Trump defende Amy Barrett». CNN. Consultado em 26 de outubro de 2020 
  203. Lisa Mascaro e Mary Clare Jalonick (21 de outubro de 2020). «Democrats to boycott Barrett vote, Senate GOP pushes ahead». Associated Press. Consultado em 26 de outubro de 2020 
  204. «Amy Coney Barrett's Senate confirmation vote». CNN. 26 de outubro de 2020. Consultado em 26 de outubro de 2020 
  205. Barbara Sprunt (1 de outubro de 2020). «How Amy Coney Barrett's Confirmation Would Compare To Past Supreme Court Picks». National Public Radio. Consultado em 26 de outubro de 2020 
  206. Christopher Kerns (9 de abril de 2020). «It's (nearly) official: Biden vs. Trump. Here's our take». Advisory. Consultado em 3 de novembro de 2020 
  207. Marianna Sotomayor e Mike Memoli (2 de novembro de 2020). «Biden health care plan would build on Obamacare». NBC News. Consultado em 3 de novembro de 2020 
  208. Elena Moore (16 de outubro de 2020). «Trump's And Biden's Plans For Health Care». National Public Radio. Consultado em 3 de novembro de 2020 
  209. Sheryl Gay Stolberg (24 de setembro de 2020). «Trump Administration Asks Supreme Court to Strike Down Affordable Care Act». The New York Times. Consultado em 3 de novembro de 2020 
  210. Cheung Helie (23 de junho de 2020). «What does Trump actually believe on climate change?». BBC. Consultado em 3 de novembro de 2020 
  211. Amy McKeever (28 de outubro de 2020). «Latest: Trump's and Biden's environmental policy promises and actions». Science. Consultado em 3 de novembro de 2020 
  212. Jack Healy e Dionne Searcey (4 de junho de 2020). «Two Crises Convulse a Nation: A Pandemic and Police Violence». The New York Times. Consultado em 3 de novembro de 2020 
  213. Jake Horton (2 de setembro de 2020). «Does Trump have the right to send in federal forces?». BBC. Consultado em 3 de novembro de 2020 
  214. Katherine Faulders e Matthew Mosk (8 de junho de 2020). «Trump's quest to 'dominate' amid George Floyd protests sparks new concerns about presidential powers». ABC News. Consultado em 3 de novembro de 2020 
  215. Barbara Sprunt e Scott Detrow (2 de junho de 2020). «'He Thinks Division Helps Him': Biden Condemns Trump's Protest Response». National Public Radio. Consultado em 3 de novembro de 2020 
  216. Alyza Sebenius (24 de junho de 2019). «U.S. Sees Russia, China, Iran Trying to Influence 2020 Elections». Bloomberg. Consultado em 26 de outubro de 2020 
  217. Eric Tucker (24 de fevereiro de 2020). «FBI official: Russia wants to see US 'tear ourselves apart'». Associated Press. Consultado em 26 de outubro de 2020 
  218. Adam Goldman, Julian E. Barnes, Maggie Haberman e Nicholas Fandos (20 de fevereiro de 2020). «Lawmakers Are Warned That Russia Is Meddling to Support Trump». The New York Times. Consultado em 26 de outubro de 2020 
  219. «'Beijing wants unpredictable Trump to lose election'». AFP. The Hindu. 9 de agosto de 2020. Consultado em 26 de outubro de 2020 
  220. «Irã e Rússia tentam interferir na eleição americana, diz diretor de inteligência dos EUA». G1. 21 de outubro de 2020. Consultado em 26 de outubro de 2020 
  221. «The U.S. has hit 133% of total 2016 early voting». The Washington Post. 21 de outubro de 2020. Consultado em 26 de outubro de 2020 
  222. «Texas reduz número de centros onde entregar voto por correio». AFP. IstoÉ Dinheiro. 2 de outubro de 2020. Consultado em 26 de outubro de 2020 
  223. Barbara Sprunt (13 de agosto de 2020). «Trump Opposes Postal Service Funding But Says He'd Sign Bill Including It». National Public Radio. Consultado em 26 de outubro de 2020 
  224. Steve Benen (8 de abril de 2020). «After voting by mail, Trump denounces voting by mail». MSNBC. Consultado em 26 de outubro de 2020 
  225. Andy Sullivan (7 de julho de 2020). «Explainer: Fraud is rare in U.S. mail-in voting. Here are the methods that prevent it». Reuters. Consultado em 26 de outubro de 2020 
  226. Nathaniel Rakich (28 de agosto de 2020). «Biden's Voters Appear Far More Likely To Vote By Mail Than Trump's. That Could Make For A Weird Election Night.». Five Thirty Eight. Consultado em 26 de outubro de 2020 
  227. John Whitesides (6 de outubro de 2020). «More than 4 million Americans have already voted, suggesting record turnout». Reuters. Consultado em 26 de outubro de 2020 
  228. Adam Levy, Ethan Cohen e Liz Stark (25 de outubro de 2020). «Pre-election voting surpasses all 2016 early ballots cast with 8 days left until Election Day». CNN. Consultado em 26 de outubro de 2020 
  229. «States Brace for Continued Surge in Early Voting». The Wall Street Journal. 16 de outubro de 2020. Consultado em 26 de outubro de 2020 
  230. Paul J. Weber (24 de outubro de 2020). «Eyes turn to Texas as early voting surge surpasses 2016». Associated Press. Consultado em 26 de outubro de 2020 
  231. «Trump tentará adiar eleição presidencial, diz Biden». France Presse. G1. 24 de abril de 2020. Consultado em 26 de outubro de 2020 
  232. «Trump tweets about delaying US election over unsubstantiated mail-in vote fears». France 24. 30 de julho de 2020. Consultado em 26 de outubro de 2020 
  233. Derek T. Muller (29 de abril de 2020). «Trump Can't Postpone the Election». The Wall Street Journal. Consultado em 26 de outubro de 2020 
  234. Evan Koslof (31 de julho de 2020). «VERIFY: Nancy Pelosi won't become president on Jan. 20 if Congress delays federal elections». WUSA 9. Consultado em 26 de outubro de 2020 
  235. «US election: Trump won't commit to peaceful transfer of power elections». BBC. 24 de setembro de 2020. Consultado em 26 de outubro de 2020 
  236. Tommy Beer (24 de setembro de 2020). «Here's Everything Trump Has Said About Refusing To Give Up Power». Forbes. Consultado em 26 de outubro de 2020 
  237. Michael Crowley (24 de setembro de 2020). «2020 Election Live Updates: Trump Once Again Questions the Election, as Top Republicans Commit to a Peaceful Transfer of Power». The New York Times. Consultado em 26 de outubro de 2020 
  238. «What Senate Republicans are saying after Trump refused to commit to an orderly transfer of power». The Washington Post. 24 de setembro de 2020. Consultado em 26 de outubro de 2020 
  239. Madison Feller (24 de junho de 2020). «When Are The 2020 General Election Debates?». Elle. Consultado em 13 de julho de 2020 
  240. Veronica Stracqualursi (23 de junho de 2020). «Second presidential debate moved to Miami after original host pulls out due to coronavirus concerns». CNN. Consultado em 13 de julho de 2020 
  241. Adam Tamburin (11 de outubro de 2019). «Belmont University awarded final 2020 presidential debate». Tennessean. Consultado em 13 de julho de 2020 
  242. Angie Kiska (27 de julho de 2020). «Case Western Reserve and Cleveland Clinic to Host First Presidential Debate Tuesday, Sept. 29, in Health Education Campus' Samson Pavilion». Newsroom. Consultado em 14 de agosto de 2020 
  243. «Universidade cita pandemia e desiste de sediar primeiro debate presidencial dos EUA». Terra. 27 de julho de 2020. Consultado em 14 de agosto de 2020 
  244. Adam Brewster (23 de junho de 2020). «University of Michigan expected to withdraw from hosting presidential debate». CBS News. Consultado em 13 de julho de 2020 
  245. Steven Shepard e Zach Montellaro (11 de outubro de 2019). «General-election debate schedule revealed for 2020». Politico. Consultado em 13 de julho de 2020 
  246. Rodrigo Craveiro (30 de setembro de 2020). «Primeiro debate entre Trump e Biden é marcado por ofensas e interrupções». Correio Braziliense. Consultado em 1º de outubro de 2020 
  247. Jeremy Stahl (30 de setembro de 2020). «We Counted Every Single Time Trump Interrupted During the First Presidential Debate». Slate. Consultado em 1º de outubro de 2020 
  248. Michael M. Grynbaum (30 de setembro de 2020). «The Commission on Presidential Debates says it will change debate format, however, no decision yet on cutting off microphones». The New York Times. Consultado em 1º de outubro de 2020 
  249. Maegan Vazquez e Paul LeBlanc (30 de setembro de 2020). «Trump refuses to condemn White supremacists at presidential debate». CNN. Consultado em 1º de outubro de 2020 
  250. Sarah McCammon (30 de setembro de 2020). «From Debate Stage, Trump Declines To Denounce White Supremacy». National Public Radio. Consultado em 1º de outubro de 2020 
  251. Ivan Pereira (30 de setembro de 2020). «Trump doesn't denounce white supremacists and militias during debate». ABC News. Consultado em 1º de outubro de 2020 
  252. «"Cala a boca" e "palhaço": Biden e Trump trocam insultos no primeiro debate presidencial nos EUA». RFI. Uol. 30 de setembro de 2020. Consultado em 1º de outubro de 2020 
  253. Andrew Prokop (30 de setembro de 2020). «The first post-debate polls say Biden won». Vox. Consultado em 1º de outubro de 2020 
  254. a b Christina Wilkie (8 de outubro de 2020). «Trump refuses to participate in virtual debate on Oct. 15: 'I'm not going to waste my time'». CNBC. Consultado em 25 de outubro de 2020 
  255. «Trump and Biden hold dueling town halls». CNN. 15 de outubro de 2020. Consultado em 25 de outubro de 2020 
  256. «Neighboring Belmont University to host presidential debate Oct. 22». Vanderbilt University. 19 de outubro de 2020. Consultado em 25 de outubro de 2020 
  257. «Covid, racismo, imigração: o último debate entre Trump e Biden em 6 destaques». G1. 23 de outubro de 2020. Consultado em 25 de outubro de 2020 
  258. Evan Semones (23 de outubro de 2020). «Poll: Majority of viewers say Biden won final debate». Politico. Consultado em 25 de outubro de 2020 
  259. John F. Harris (23 de outubro de 2020). «This Was a Pretty Good Debate. Who Cares?». Politico. Consultado em 25 de outubro de 2020 
  260. Stephen Battaglio (30 de setembro de 2020). «Chaotic presidential debate watched by 73 million viewers, far short of expectations». Los Angeles Times. Yahoo. Consultado em 1 de outubro de 2020 
  261. John Koblin (8 de outubro de 2020). «Pence-Harris Debate Is No. 2 in Vice-Presidential Ratings, With 58 Million TV Viewers». The New York Times. ISSN 0362-4331. Consultado em 9 de outubro de 2020 
  262. Sara Fischer (23 de outubro de 2020). «63 million people watched final presidential debate». Axios. Consultado em 25 de outubro de 2020 
  263. «Mapa eleitoral dos EUA mostra por que alguns estados são decisivos». Jornal Nacional. 8 de novembro de 2016. Consultado em 27 de outubro de 2020 
  264. Lucas Vidigal (17 de outubro de 2020). «Eleições nos EUA: saiba quais estados são os principais campos de batalha na disputa entre Trump e Biden». G1. Consultado em 27 de outubro de 2020 
  265. «Presidential Election Results: Donald J. Trump Wins». The New York Times. 8 de novembro de 2016. Consultado em 17 de janeiro de 2018 
  266. Craig Gilbert, Todd Spangler e Bill Laitner (10 de novembro de 2016). «How Clinton lost 'blue wall' states of Mich., Pa., Wis.». Milwaukee Journal Sentinel e Detroit Free Press. USA Today. Consultado em 17 de janeiro de 2018 
  267. «Watch these nine states in the US election». CNN. 20 de outubro de 2020. Consultado em 27 de outubro de 2020 
  268. Ryan Best, Jay Boice, Aaron Bycoffe e Nate Silver (26 de outubro de 2020). «Explore The Ways Trump Or Biden Could Win The Election». Five Thirty Eight. Consultado em 27 de outubro de 2020 
  269. Miles Coleman (15 de dezembro de 2017). «2016 State PVI Changes – Decision Desk HQ». Decision Desk (em inglês). Consultado em 3 de novembro de 2020. Cópia arquivada em 13 de junho de 2018 
  270. «2020 Election Battleground Tracker». CBS News (em inglês). 12 de julho de 2020. Consultado em 3 de novembro de 2020 
  271. «Road to 270». CNN (em inglês). 20 de setembro de 2020. Consultado em 3 de novembro de 2020 
  272. «2020 Presidential Election Interactive Map». 270 to Win (em inglês). Consultado em 3 de novembro de 2020 
  273. «Forecasting the US elections». The Economist (em inglês). 7 de julho de 2020. Consultado em 3 de novembro de 2020 
  274. Chuck Todd; Mark Murray; Carrie Dann; Melissa Holzberg (27 de outubro de 2020). «Biden continues to lead in our latest battleground map». NBC News (em inglês). Consultado em 3 de novembro de 2020 
  275. «2020 Electoral College Ratings» (PDF). The Cook Political Report (em inglês). 28 de outubro de 2020. Consultado em 3 de novembro de 2020 
  276. «Presidential Ratings». Inside Elections (em inglês). 3 de abril de 2020. Consultado em 3 de novembro de 2020 
  277. «Battle for White House». RealClearPolitics (em inglês). 19 de abril de 2019. Consultado em 3 de novembro de 2020 
  278. «ABC News Race Ratings». CBS News (em inglês). 24 de julho de 2020. Consultado em 3 de novembro de 2020 
  279. «2020 Electoral Map Ratings: Trump Slides, Biden Advantage Expands Over 270 Votes». NPR.org (em inglês). Consultado em 3 de novembro de 2020 
  280. «2020 Election Forecast». FiveThirtyEight (em inglês). Consultado em 3 de novembro de 2020 
  281. Steven Shepard; Allan James Vestal; Beatrice Jin; Andrew Briz; Scott Bland; Lily Mihalik; Charlie Mahtesian; Andrew McGill; Mike Zapler; Andy Goodwin; Sushant Sagar; Robin Turner (19 de novembro de 2019). «2020 Election Forecast». Politico (em inglês). Consultado em 3 de novembro de 2020 
  282. «2020 President». Sabato's Crystall Ball (em inglês). 14 de julho de 2020. Consultado em 3 de novembro de 2020 
  283. Jason Silverstein (13 de novembro de 2020). «2020 election ends at same electoral vote as 2016 – 306 to 232, with Trump losing this time». CBS News. Consultado em 15 de dezembro de 2020 
  284. John McCormick (13 de novembro de 2020). «Bellwether Counties Nearly Wiped Out by 2020 Election». The Wall Street Journal. Consultado em 15 de dezembro de 2020 
  285. Joey Garrison (3 de novembro de 2020). «Voter turnout 2020: Early voting tops 100 million ballots cast». USA Today. Consultado em 15 de dezembro de 2020 
  286. John Haltiwanger (7 de novembro de 2020). «Trump is the first president in nearly 3 decades to lose a reelection». Business Insider. Consultado em 15 de dezembro de 2020 
  287. Astead W. Herndon (14 de novembro de 2020). «Biden Asked Republicans to Give Him a Chance. They're Not Interested.». The New York Times. Consultado em 15 de dezembro de 2020 
  288. James Hohmann (11 de novembro de 2020). «The Daily 202: Biden won with the weakest coattails in 60 years. That could make him dependent on GOP senators.». The Washington Post. Consultado em 15 de dezembro de 2020 
  289. Kate Rabinowitz, Kevin Schaul e Ted Mellnik (13 de novembro de 2020). «2020 turnout is the highest in over a century». The Washington Post. Consultado em 15 de dezembro de 2020 
  290. Andrea Park (5 de novembro de 2020). «2020 Voter Turnout Was the Highest the U.S. Has Seen in Over a Century». Marie Claire. Consultado em 15 de dezembro de 2020 
  291. «Joe Biden Crosses 80 million votes». Newsweek. 24 de novembro de 2020. Consultado em 15 de dezembro de 2020 
  292. Sophie Lews (7 de novembro de 2020). «Joe Biden breaks Obama's record for most votes ever cast for a U.S presidential candidate». CBS News. Consultado em 15 de dezembro de 2020 
  293. Noreen O'Donnell (3 de novembro de 2020). «As Ballots Are Counted, No Clear Winner on Election Night». NBC Bay Area. Consultado em 15 de dezembro de 2020 
  294. Alex Leary (4 de novembro de 2020). «Trump's Florida Election Win Hinged on Big Gains in Miami-Dade». The Wall Street Journal. Consultado em 15 de dezembro de 2020 
  295. Sean Sullivan (4 de novembro de 2020). «Biden says he is confident of victory but asks supporters to have patience as votes are counted». The Washington Post. Consultado em 15 de dezembro de 2020 
  296. Adam Nagourney e Shane Goldmacher (4 de novembro de 2020). «Biden and Trump Are Locked in Tight Race as Uncounted Votes Remain». The New York Times. Consultado em 15 de dezembro de 2020 
  297. Christina Wilkie (4 de novembro de 2020). «Trump tries to claim victory even as ballots are being counted in several states – NBC has not made a call». NBC. Consultado em 15 de dezembro de 2020 
  298. Nathan Bomey (4 de novembro de 2020). «Facebook, Twitter label Trump claims over 'stealing the election' as potentially misleading». USA Today. Consultado em 15 de dezembro de 2020 
  299. Alexander Burns e Jonathan Martin (4 de novembro de 2020). «As America Awaits a Winner, Trump Falsely Claims He Prevailed». The New York Times. Consultado em 15 de dezembro de 2020 
  300. Brian Slodyosko (5 de novembro de 2020). «EXPLAINER: States still in play and what makes them that way». Associated Press. Consultado em 15 de dezembro de 2020 
  301. Brian Slodyosko (4 de novembro de 2020). «EXPLAINER: Why AP called Arizona for Biden». Associated Press. Consultado em 15 de dezembro de 2020 
  302. Annie Karni e Maggie Haberman (4 de novembro de 2020). «Fox's Arizona Call for Biden Flipped the Mood at Trump Headquarters». The New York Times. Consultado em 15 de dezembro de 2020 
  303. Elahe Izadi (4 de novembro de 2020). «Who won Arizona? Why the call differs by media organization». The Washington Post. Consultado em 15 de dezembro de 2020 
  304. Alexandra Jaffe, Jonathan Lemire, Jill Colvin e Zeke Miller (4 de novembro de 2020). «Biden wins Michigan, Wisconsin, now on brink of White House». The Washington Post. Consultado em 15 de dezembro de 2020 
  305. «Trump x Biden: o que são as 'miragens' vermelha ou azul, cruciais para entender o resultado das eleições nos EUA». BBC. G1. 3 de novembro de 2020. Consultado em 15 de dezembro de 2020 
  306. David Wasserman (3 de novembro de 2020). «Beware the 'blue mirage' and the 'red mirage' on election night». NBC News. Consultado em 15 de dezembro de 2020 
  307. Aaron Blake (5 de novembro de 2020). «Trump blames Democrats for late-counted mail ballots. He should blame the GOP». The Washington Post. Consultado em 15 de dezembro de 2020 
  308. Maanvi Singh (5 de novembro de 2020). «'Count every vote': protesters take to streets across US as ballots tallied». The Guardian. Consultado em 15 de dezembro de 2020 
  309. Simon Romero, Shaila Dewan e Giulia McDonnell Nieto del Rio (5 de novembro de 2020). «In a Year of Protest Cries, Now It's 'Count Every Vote!' and 'Stop the Steal!'». The New York Times. Consultado em 15 de dezembro de 2020 
  310. Adam Geller e Martha Bellisle (6 de novembro de 2020). «More than a dozen arrested as protesters demand vote count». Associated Press. Consultado em 15 de dezembro de 2020 
  311. Peter Beaumont (5 de novembro de 2020). «Trump supporters protest at Arizona vote counting centre». The Guardian. Consultado em 15 de dezembro de 2020 
  312. Kadhim Shubber (6 de novembro de 2020). «Trump Pennsylvania litigation getting tepid response from federal judge». Financial Times. Consultado em 15 de dezembro de 2020 
  313. Brad Schrade (6 de novembro de 2020). «Georgia judge dismisses Trump campaign case in Chatham ballot dispute». The Atlanta Journal-Constitution. Consultado em 15 de dezembro de 2020 
  314. Paul Egan (5 de novembro de 2020). «Judge throws out Trump lawsuit over counting of Michigan ballots». Detroit Free Press. Consultado em 15 de dezembro de 2020 
  315. Jeremy Herb e Katelyn Polantz (7 de novembro de 2020). «'Democracy plain and simple': How the 2020 election defied fraud claims and pandemic fears». CNN. Consultado em 15 de dezembro de 2020 
  316. Jonathan Martin e Katie Glueck (5 de novembro de 2020). «Biden Pulls Ahead in Key States as Anxious Nation Awaits Winner». The New York Times. Consultado em 15 de dezembro de 2020 
  317. Zach Montellaro (6 de novembro de 2020). «Georgia heading to recount, top election official says». Politico. Consultado em 15 de dezembro de 2020 
  318. Mel Grau e Ren LaForme (6 de novembro de 2020). «Vox.com, working with Decision Desk HQ, was one of the first news outlets to call the election». The Washington Post. Consultado em 15 de dezembro de 2020 
  319. «Joe Biden & Kamala Harris Election Acceptance & Victory Speech Transcripts November 7». Rev. 7 de novembro de 2020. Consultado em 15 de dezembro de 2020 
  320. «Leia a íntegra do discurso da vitória de Kamala Harris». Folha de S. Paulo. 8 de novembro de 2020. Consultado em 15 de dezembro de 2020 
  321. André Paixão e Patrícia Basilio (8 de novembro de 2020). «Joe Biden: os 'recados' do discurso da vitória». G1. Consultado em 15 de dezembro de 2020 
  322. «Colégio Eleitoral confirma vitória de Joe Biden como presidente eleito dos EUA». G1. 14 de dezembro de 2020. Consultado em 15 de dezembro de 2020 
  323. «2020 Presidential Election by State». The Green Papers. Novembro de 2020. Consultado em 15 de dezembro de 2020 
  324. a b «2020 November General Election Turnout Rates». United States Election Project. 7 de outubro de 2020. Consultado em 24 de outubro de 2020 
  325. «State of Alabama: Canvass of Results» (PDF). Alabama Secretary of State. 23 de novembro de 2020. Consultado em 15 de dezembro de 2020 
  326. «Alaska Division of Elections» (PDF). Alaska Division of Elections. 30 de novembro de 2020. Consultado em 15 de dezembro de 2020 
  327. «State of Arizona Official Canvass» (PDF). Arizona Secretary of State. Novembro de 2020. Consultado em 15 de dezembro de 2020 
  328. «General Election and Nonpartisan Judicial Runoff». Arkansas Secretary of State. 25 de novembro de 2020. Consultado em 15 de dezembro de 2020 
  329. «Statement of Vote, General Election, November 3, 2020» (PDF). California Secretary of State. Novembro de 2020. Consultado em 15 de dezembro de 2020 
  330. «November 03, 2020 General Election Results by Contest» (PDF). North Carolina State Board of Elections. Novembro de 2020. Consultado em 15 de dezembro de 2020 
  331. «2020 Statewide General Election Election Night Reporting». SC Votes. Novembro de 2020. Consultado em 15 de dezembro de 2020 
  332. «Statewide abstract of votes cast for the November 3, 2020 General Election» (PDF). Colorado Secretary of State. 8 de dezembro de 2020. Consultado em 15 de dezembro de 2020 
  333. «2020 Presidential Election Official Results». Connecticut Secretary of State. Novembro de 2020. Consultado em 15 de dezembro de 2020 
  334. «Official (without recounts) 2020 General Election Results». North Dakota Secretary of State. Novembro de 2020. Consultado em 15 de dezembro de 2020 
  335. «General Election – November 3, 2020» (PDF). South Dakota Secretary of State. Novembro de 2020. Consultado em 15 de dezembro de 2020 
  336. «Delaware Election Results». Delaware Department of Elections. Novembro de 2020. Consultado em 15 de dezembro de 2020 
  337. «General Election 2020 – Certified Results». District of Columbia Board of Elections. 2 de dezembro de 2020. Consultado em 15 de dezembro de 2020 
  338. «November 3, 2020 General Election». Florida Department of State, Division of Elections. Novembro de 2020. Consultado em 15 de dezembro de 2020 
  339. «November 3, 2020 Presidential Recount». Georgia Secretary of State. 4 de dezembro de 2020. Consultado em 15 de dezembro de 2020 
  340. «General Election 2020 – State of Hawaii – Statewide November 3, 2020 **FINAL SUMMARY REPORT**» (PDF). Hawaii Office of Elections. 19 de novembro de 2020. Consultado em 15 de dezembro de 2020 
  341. «Certificate of Ascertainment of the Electors of President and Vice-President of the United States» (PDF). Idaho Secretary of State. Novembro de 2020. Consultado em 15 de dezembro de 2020 
  342. «Idaho Election Results». Idaho Secretary of State. Novembro de 2020. Consultado em 15 de dezembro de 2020 
  343. «Election Results, 2020 General Election». Illinois State Board of Elections. Novembro de 2020. Consultado em 15 de dezembro de 2020 
  344. «Indiana Election Results». Indiana Election Division. Novembro de 2020. Consultado em 15 de dezembro de 2020 
  345. «State of Iowa Election Canvass Summary» (PDF). Iowa Secretary of State. Novembro de 2020. Consultado em 15 de dezembro de 2020 
  346. «2020 General Election Official Vote Totals» (PDF). Kansas Secretary of State. Novembro de 2020. Consultado em 15 de dezembro de 2020 
  347. «Official 2020 General Election Results» (PDF). Kentucky Secretary of State. Novembro de 2020. Consultado em 15 de dezembro de 2020 
  348. «Louisiana Secretary of State – Election Results». Louisiana Secretary of State. Novembro de 2020. Consultado em 15 de dezembro de 2020 
  349. «Maine Official Election Results». Maine Secretary of State. 24 de novembro de 2020. Consultado em 15 de dezembro de 2020 
  350. «Official 2020 Presidential General Election results for President and Vice President of the United States». Maryland State Board of Elections. Novembro de 2020. Consultado em 15 de dezembro de 2020 
  351. «2020 Massachusetts Official General Election Results». Election Stats Massachusetts. 24 de novembro de 2020. Consultado em 15 de dezembro de 2020 
  352. «2020 Michigan Official General Election Results». Michigan Elections. 23 de novembro de 2020. Consultado em 15 de dezembro de 2020 
  353. «State of Minnesota Canvassing Report (incorporating Post-Election Review)» (PDF). Minnesota Secretary of State. Novembro de 2020. Consultado em 15 de dezembro de 2020 
  354. «Election Summary Report» (PDF). Mississippi Secretary of State. 3 de dezembro de 2020. Consultado em 15 de dezembro de 2020 
  355. «General Election, November 03, 2020, Official Results». Missouri Secretary of State. 8 de dezembro de 2020. Consultado em 15 de dezembro de 2020 
  356. «Official Election Results». Montana Secretary of State. 30 de novembro de 2020. Consultado em 15 de dezembro de 2020 
  357. «Official Report of the Nebraska Board of State Canvassers, General Election, November 3, 2020» (PDF). Nebraska Secretary of State. Novembro de 2020. Consultado em 15 de dezembro de 2020 
  358. «Silver State Presidential Election». Nevada Secretary of State. Novembro de 2020. Consultado em 15 de dezembro de 2020 
  359. «NH-SOS – General Election». New Hampshire Secretary of State. Novembro de 2020. Consultado em 15 de dezembro de 2020 
  360. «2020 Election Results». New York State Board of Elections. Novembro de 2020. Consultado em 15 de dezembro de 2020 
  361. «Official List, Candidates for President for General Election 11/03/2020» (PDF). New Jersey Division of Elections. Novembro de 2020. Consultado em 15 de dezembro de 2020 
  362. «Official Results 2020 General Election». New Mexico Secretary of State. Novembro de 2020. Consultado em 15 de dezembro de 2020 
  363. «2020 Official Elections Results». Ohio Secretary of State. Novembro de 2020. Consultado em 15 de dezembro de 2020 
  364. «OK Election Results». Oklahoma Elections. Novembro de 2020. Consultado em 15 de dezembro de 2020 
  365. «November 3, 2020, General Election Abstract of Votes» (PDF). Oregon Secretary of State. Novembro de 2020. Consultado em 15 de dezembro de 2020 
  366. «PA Election Results». Pennsylvania Pressroom. Novembro de 2020. Consultado em 15 de dezembro de 2020 
  367. «RI.gov: Election Results». Rhode Island Board of Elections. Novembro de 2020. Consultado em 15 de dezembro de 2020 
  368. «State of Tennessee November 3, 2020 State General United States President» (PDF). Tennessee Secretary of State. Novembro de 2020. Consultado em 15 de dezembro de 2020 
  369. «Official Canvass Report – 2020 November 3rd General Election» (PDF). Texas Secretary of State. Novembro de 2020. Consultado em 15 de dezembro de 2020 
  370. «2020 General Election Canvass» (PDF). State of Utah. Novembro de 2020. Consultado em 15 de dezembro de 2020 
  371. «Vermont Election Night Results». Election Results Vermont. Novembro de 2020. Consultado em 15 de dezembro de 2020 
  372. «2020 November General». Virginia Department of Elections. Novembro de 2020. Consultado em 15 de dezembro de 2020 
  373. «Certificate of Ascertainment» (PDF). West Virginia Secretary of State. Novembro de 2020. Consultado em 15 de dezembro de 2020 
  374. «November 3, 2020 General Election Results». Washington Secretary of State. Novembro de 2020. Consultado em 15 de dezembro de 2020 
  375. «Statement of Canvass for President, Vice President and Presidential Electors – General Election, November 3, 2020» (PDF). Wisconsin Elections Commission. Novembro de 2020. Consultado em 15 de dezembro de 2020 
  376. «Statewide Candidates Official Summary Wyoming General Election – November 3, 2020» (PDF). Wyoming Secretary of State. Novembro de 2020. Consultado em 15 de dezembro de 2020 
  377. «National Exit Polls: How Different Groups Voted». The New York Times. 3 de novembro de 2020. Consultado em 15 de dezembro de 2020 
  378. «National Results 2020 President exit polls». CNN. Novembro de 2020. Consultado em 15 de dezembro de 2020 
  379. William H. Frey (12 de novembro de 2020). «Exit polls show both familiar and new voting blocs sealed Biden's win». Brookings Institution. Consultado em 15 de dezembro de 2020 
  380. Max Gorden (9 de novembro de 2020). «Latinos key to turning Arizona blue in 2020 presidential election, group says». AZFamily. Consultado em 15 de dezembro de 2020 
  381. Jasmine Aguilera (10 de novembro de 2020). «The Complexities of the 2020 'Latino Vote' Were Overlooked, Again». Time. Consultado em 15 de dezembro de 2020 
  382. Savannah Strott e Tabitha Mueller (16 de novembro de 2020). «Polls show how Latino voters helped drive Biden win in Nevada, though Trump gained ground since 2016». The Nevada Independent. Consultado em 15 de dezembro de 2020 
  383. «American Election Eve Poll 2020». The American Election Eve Poll. Novembro de 2020. Consultado em 15 de dezembro de 2020 
  384. «New Mexico Voter Surveys: How Different Groups Voted». The New York Times. Novembro de 2020. Consultado em 15 de dezembro de 2020 
  385. «Florida Voter Surveys: How Different Groups Voted». The New York Times. Novembro de 2020. Consultado em 15 de dezembro de 2020 
  386. Aaron Morrison, Angeleki Kastanis e Kat Stafford (9 de novembro de 2020). «'This is proof': Biden's win reveals power of Black voters». AP News. Consultado em 15 de dezembro de 2020 
  387. Sean Collins (4 de novembro de 2020). «Trump made gains with Black voters in some states. Here's why.». Vox. Consultado em 15 de dezembro de 2020 
  388. Avik Roy (4 de novembro de 2020). «No, Trump Didn't Win 'The Largest Share Of Non-White Voters Of Any Republican In 60 Years'». Forbes. Consultado em 15 de dezembro de 2020 
  389. Li Zhou (14 de novembro de 2020). «What we know about who Asian American voters supported in the election». Vox. Consultado em 15 de dezembro de 2020 
  390. «SURVEY: Indian Country overwhelmingly supports Joe Biden». Native News Online. 21 de outubro de 2020. Consultado em 15 de dezembro de 2020 
  391. Camille Caldera (11 de novembro de 2020). «Fact check: There was strong Navajo support for Biden, but numbers cited in claim have changed». USA Today. Consultado em 15 de dezembro de 2020 
  392. Grace Segers (26 de novembro de 2020). «Native American voters critical to Biden's success in Arizona». CBS News. Consultado em 15 de dezembro de 2020 
  393. Angeliki Kastanis e Felicia Fonseca (19 de novembro de 2020). «Native American votes helped secure Biden's win in Arizona». AP News. Consultado em 15 de dezembro de 2020 
  394. Mariya Moseley (17 de novembro de 2020). «Invisible no more: Native Americans celebrate Biden win after playing key role in election». ABC News. Consultado em 15 de dezembro de 2020 
  395. Anna V. Smith (6 de novembro de 2020). «How Indigenous voters swung the 2020 election». High Country News. Consultado em 15 de dezembro de 2020 
  396. Evie Fordham (6 de novembro de 2020). «Trump investment in North Carolina's Native American Lumbee Tribe pays off». Fox News. Consultado em 15 de dezembro de 2020 
  397. Dylan Matthews (10 de novembro de 2020). «One pollster's explanation for why the polls got it wrong». Vox. Consultado em 16 de dezembro de 2020 
  398. a b David Leonhardt (12 de novembro de 2020). «'A Black Eye': Why Political Polling Missed the Mark. Again». The New York Times. Consultado em 16 de dezembro de 2020 
  399. Ben Walker (29 de novembro de 2020). «How accurate were the US presidential election polls?». New Statesman. Consultado em 16 de dezembro de 2020 
  400. Nate Silver (1 de novembro de 2020). «The Polls Weren't Great. But That's Pretty Normal». FiveThirtyEight. Consultado em 16 de dezembro de 2020 
  401. Amanda Seitz, Barbara Ortutay e David Klepper (10 de novembro de 2020). «False claims of voting fraud, pushed by Trump, thrive online». Associated Press. Consultado em 16 de dezembro de 2020 
  402. Glenn Kessler e Salvador Rizzo (6 de novembro de 2020). «President Trump's false claims of vote fraud: A chronology». The Washington Post. Consultado em 16 de dezembro de 2020 
  403. Jim Rutenberg, Nick Corasaniti e Reid Epstein (10 de novembro de 2020). «The Times Called Officials in Every State: No Evidence of Voter Fraud». The New York Times. Consultado em 16 de dezembro de 2020 
  404. «Joint Statement from Elections Infrastructure Government Coordinating Council & the Election Infrastructure Sector Coordinating Executive Committees». Cybersecurity and Infrastructure Security Agency. 12 de novembro de 2020. Consultado em 16 de dezembro de 2020 
  405. «Procurador-geral dos EUA dá ordem para que sejam investigadas 'alegações substanciais' de fraude eleitoral nos EUA». G1. 10 de novembro de 2020. Consultado em 16 de dezembro de 2020 
  406. «EUA: Procurador-geral diz que não há sinal de fraude nas eleições». Associated Press. R7. 1 de dezembro de 2020. Consultado em 16 de dezembro de 2020 
  407. Michael Balsamo (14 de dezembro de 2020). «William Barr resigning as Attorney General». Associated Press. King5. Consultado em 16 de dezembro de 2020 
  408. Daniel Dale (5 de novembro de 2020). «Fact check: Trump delivers most dishonest speech of his presidency as Biden closes in on victory». CNN. Consultado em 16 de dezembro de 2020 
  409. Eric Boehm (5 de novembro de 2020). «Trump Says Mail-in Votes Are Suspicious Because They Overwhelmingly Favor Joe Biden. He's Wrong». Reason. Consultado em 16 de dezembro de 2020 
  410. Ben Cristopher (30 de outubro de 2020). «Why President Trump's attacks on voting by mail could backfire for California GOP». ABC. Consultado em 16 de dezembro de 2020 
  411. Jonathan Lai e Julia Terruso (20 de novembro de 2020). «Joe Biden won 3 of every 4 mail ballots in Pennsylvania. Trump won 2 of 3 votes cast in person. What does that mean for the future?». The Philadelphia Inquirer. Consultado em 16 de dezembro de 2020 
  412. Ciara O'Rourke (6 de novembro de 2020). «Video shows a poll worker committing voter fraud in Delaware County, Pa.». Politifact. Consultado em 16 de dezembro de 2020 
  413. Marisa Iati e Adriana Usero (5 de novembro de 2020). «A viral video implied a man was illegally moving ballots. It was a photographer and his equipment.». The Washington Post. Consultado em 16 de dezembro de 2020 
  414. Miriam Fauzia (3 de novembro de 2020). «Fact check: Poll watcher turned away at Philadelphia polling station in misunderstanding». USA Today. Consultado em 16 de dezembro de 2020 
  415. Clara Hendrickson (6 de novembro de 2020). «PolitiFact – List does not show over 14,000 dead people cast ballots in Michigan's Wayne County». Politifact. Consultado em 16 de dezembro de 2020 
  416. Jacob Bogage e Shawn Boburg (10 de novembro de 2020). «Postal worker recanted allegations of ballot tampering, officials say». The Washington Post. Consultado em 16 de dezembro de 2020 
  417. «EUA: Funcionário dos Correios volta atrás e admite que mentiu em denúncia de fraude eleitoral, diz jornal». Uol. 11 de novembro de 2020. Consultado em 16 de dezembro de 2020 
  418. Elahe Izadi e Sarah Ellison (9 de novembro de 2020). «Fox News cuts away from Kayleigh McEnany news conference after she alleges vote fraud with no evidence». The Washington Post. Consultado em 16 de dezembro de 2020 
  419. Luke Broadwater (8 de novembro de 2020). «As Biden Plans Transition, Republicans Decline to Recognize His Election». The New York Times. Consultado em 16 de dezembro de 2020 
  420. «Quinnipiac Poll: 77% of Republicans believe there was widespread fraud in the presidential election; 60% overall consider Joe Biden's victory legitimate». Yahoo!. 10 de dezembro de 2020. Consultado em 15 de dezembro de 2020 
  421. Jane C. Timm (4 de novembro de 2020). «With states still counting, Trump falsely claims he won». NBC News. Consultado em 16 de dezembro de 2020 
  422. Anthony Zurcher (11 de novembro de 2020). «Biden: Trump refusal to concede 'an embarrassment'». BBC News. Consultado em 16 de dezembro de 2020 
  423. Maggie Haberman, Michael Crowley e Michael D. Shear (10 de novembro de 2020). «Trump Appointee Stands Between Biden's Team and a Smooth Transition». The New York Times. Consultado em 16 de dezembro de 2020 
  424. «White House, escalating tensions, orders agencies to rebuff Biden transition team». The Washington Post. 9 de novembro de 2020. Consultado em 16 de dezembro de 2020 
  425. Kevin Liptak (8 de novembro de 2020). «Inside Trump's loss: A culmination of self-destructive decisions». CNN. Consultado em 15 de dezembro de 2020 
  426. Alison Main e Maegan Vazquez, Sarah Westwood (15 de novembro de 2020). «Trump says for the first time Biden won the election but later insists he's not conceding». CNN. Consultado em 15 de dezembro de 2020 
  427. Kristen Holmes e Jeremy Herb (23 de novembro de 2020). «First on CNN: Key government agency acknowledges Biden's win and begins formal transition». CNN. Consultado em 15 de dezembro de 2020 
  428. «GSA's Role in Presidential Transitions». General Services Administration. 23 de novembro de 2020. Consultado em 15 de dezembro de 2020 
  429. «It's official: Joe Biden confirmed as president-elect by Electoral College». Business Standard. 15 de dezembro de 2020. Consultado em 15 de dezembro de 2020 
  430. Abigail Abrams e Alana Abramson (18 de novembro de 2020). «Here Are All the Lawsuits the Trump Campaign Has Filed Since Election Day—And Why Most Are Unlikely to Go Anywhere». Time. Consultado em 15 de dezembro de 2020 
  431. Aaron Blake (12 de novembro de 2020). «Trump lawyers suffer embarrassing rebukes from judges over voter fraud claims». The Washington Post. Consultado em 16 de dezembro de 2020 
  432. Law & Crime (5 de novembro de 2020). «'Come on Now': Michigan Judge Scoffs at and Tosses Trump Campaign Lawsuit Backed by 'Hearsay' Evidence». The Washington Post. Consultado em 16 de dezembro de 2020 
  433. Jan Wolfe (1 de dezembro de 2020). «U.S. judiciary, shaped by Trump, thwarts his election challenges». Reuters. Consultado em 16 de dezembro de 2020 
  434. «No. 20-3371» (PDF). United States Court of Appeals for the Third Circuit. 27 de novembro de 2020. Consultado em 16 de dezembro de 2020 
  435. Steve Benen (10 de dezembro de 2020). «Ludicrous Texas anti-election lawsuit jolts Republican politics». MSNBC. Consultado em 16 de dezembro de 2020 
  436. Lawrence Hurley (10 de dezembro de 2020). «States assail 'bogus' Texas bid to overturn U.S. election at Supreme Court». Reuters. Consultado em 16 de dezembro de 2020 
  437. Andrew Solender (12 de dezembro de 2020). «126 House Republicans Now Support Lawsuit To Overturn Election In Updated Brief». Forbes. Consultado em 16 de dezembro de 2020 
  438. Josh Gerstein e Kyle Cheney (11 de dezembro de 2020). «Supreme Court rejects Texas-led effort to overturn Biden's victory». Politico. Consultado em 16 de dezembro de 2020 
  439. Greg Stohr (11 de dezembro de 2020). «Supreme Court Punctures Trump Dream of Overturning Election Loss». Bloomberg. Consultado em 16 de dezembro de 2020 
  440. «Suprema Corte dos EUA rejeita ação do Texas para reverter derrota de Trump nas eleições». G1. 11 de dezembro de 2020. Consultado em 16 de dezembro de 2020 
  441. Pete Williams e Dartunorro Clark (12 de dezembro de 2020). «Supreme Court rejects Texas' effort to overturn election in fatal blow to Trump legal blitz to stop Biden». Yahoo. Consultado em 16 de dezembro de 2020 
  442. Thomas Colson (20 de novembro de 2020). «Trump has reportedly given up on overturning battleground defeats and is trying to delay a final vote count in a desperate bid to throw Biden's victory into doubt». Business Insider. Consultado em 16 de dezembro de 2020 
  443. Lee DeVito (18 de novembro de 2020). «This man (and his Zoom background) emerge as viral star of contentious Wayne County canvassers vote». Detroit Metro Times. Consultado em 16 de dezembro de 2020 
  444. Sam Levine (25 de setembro de 2020). «Could Republicans ignore the popular vote and choose their own pro-Trump electors?». The Guardian. Consultado em 16 de dezembro de 2020 
  445. Stephanie Saul e Trip Gabriel (16 de setembro de 2020). «Could State Legislatures Pick Electors to Vote for Trump? Not Likely». The New York Times. Consultado em 16 de dezembro de 2020 
  446. «As defeats pile up, Trump tries to delay vote count in last-ditch attempt to cast doubt on Biden victory». The Washington Post. 18 de novembro de 2020. Consultado em 16 de dezembro de 2020 
  447. Derek Muller (25 de novembro de 2020). «Congress would stop the most rogue Electoral College scenarios in their tracks». Excess of Democracy. Consultado em 16 de dezembro de 2020 
  448. Lawrence Lessig (18 de novembro de 2020). «State legislatures do not have the power to veto the people's choice in an election». USA Today. Consultado em 16 de dezembro de 2020 
  449. Nicholas Wu (3 de dezembro de 2020). «Rudy Giuliani took a road trip to push claims of election fraud. He was rebuffed». USA Today. Consultado em 16 de dezembro de 2020 
  450. Jonathan Oosting e Madeline Halpert (1 de dezembro de 2020). «Michigan lawmakers hear lots of theories, no proof, in election fraud probe». Bridge Michigan. Consultado em 16 de dezembro de 2020 
  451. Amy Gardner, Colby Itkowitz e Josh Dawsey (6 de dezembro de 2020). «Trump calls Georgia governor to pressure him for help overturning Biden's win in the state». The Washington Post. Consultado em 16 de dezembro de 2020 
  452. Lauren Aratani (21 de dezembro de 2020). «Trump's last-ditch efforts to overturn results fail to make dent in Biden victory». The Guardian. Consultado em 16 de dezembro de 2020 
  453. «20 days of fantasy and failure: Inside Trump's quest to overturn the election». The Washington Post. 7 de dezembro de 2020. Consultado em 16 de dezembro de 2020 
  454. Jordyn Phelps e Ben Gittleson (20 de novembro de 2020). «Michigan GOP lawmakers reject Trump's brazen effort to overturn election results». ABC News. Consultado em 16 de dezembro de 2020 
  455. Christina A. Cassidy (12 de novembro de 2020). «EXPLAINER: Is Georgia's upcoming ballot 'audit' a recount?». Associated Press. Consultado em 16 de dezembro de 2020 
  456. Barbara Speunt (19 de novembro de 2020). «Georgia's Recount Confirms Biden's Lead; AP Declares Him State's Winner». National Public Radio. Consultado em 16 de dezembro de 2020 
  457. Caroline Linton (11 de novembro de 2020). «Georgia governor calls for audit after state certifies election results». CBS News. Consultado em 16 de dezembro de 2020 
  458. Chandelis Duster (7 de novembro de 2020). «Georgia reaffirms Biden's victory for 3rd time after recount, dealing major blow to Trump's attempt to overturn the results». CNN. Consultado em 16 de dezembro de 2020 
  459. Dan Mangan e Kevin Breuninger (18 de novembro de 2020). «Trump campaign requests partial Wisconsin recount, deposits $3 million to challenge Biden victory». CNBC. Consultado em 16 de dezembro de 2020 
  460. Patrick Marley (29 de novembro de 2020). «Biden gains 87 votes in Trump's $3 million Wisconsin recount as Dane County wraps up review. President plans lawsuit.». Milwaukee Journal Sentinel. Consultado em 16 de dezembro de 2020 
  461. Fandos, Nicholas; Schmidt, Michael S. (14 de dezembro de 2020). «Trump Allies Eye Long-Shot Election Reversal in Congress, Testing Pence». The New York Times. Consultado em 2 de janeiro de 2021 
  462. Brockell, Gillian (5 de janeiro de 2021). «The senators who were expelled after refusing to accept Lincoln's election». The Washington Post. Consultado em 7 de janeiro de 2021 
  463. «GOP senator to object to Electoral College results, forcing Congress to vote on overturning Biden's win». NBC News 
  464. Carney, Jordain (2 de janeiro de 2021). «11 Senate Republicans say they will oppose Electoral College results Wednesday». TheHill 
  465. Kenny, Caroline (4 de janeiro de 2021). «Loeffler says she'll object to certification of Biden's Electoral College win». CNN. Consultado em 7 de janeiro de 2021 
  466. a b Broadwater, Luke. «Pence Welcomes Bid to Overturn Biden's Election as Republican Senators Join - The vice president's office said he welcomed the efforts of a group of Republican lawmakers who plan to object to the outcome of the election.». The New York Times. Consultado em 2 de janeiro de 2021 
  467. The Editorial Board (30 de dezembro de 2020). «Trump is inciting chaos on Jan. 6, both in and outside the Capitol». The Washington Post. Consultado em 2 de janeiro de 2021 
  468. Jackson, David; Brown, Matthew (1 de janeiro de 2021). «'Wild' protests: Police brace for pro-Trump rallies when Congress meets Jan. 6 to certify Biden's win». USA Today. Consultado em 3 de janeiro de 2021 
  469. Budryk, Zack (29 de dezembro de 2020). «Ex-Pence aide turned Trump critic 'very concerned' about Jan. 6 violence». The Hill. Consultado em 3 de janeiro de 2021 
  470. Editorial board (30 de dezembro de 2020). «Trump is inciting chaos on Jan. 6, both in and outside the Capitol». The Washington Post. Consultado em 3 de janeiro de 2021 
  471. «Pentagon approves DC mayor's request to deploy National Guard for upcoming demonstrations». CNN. 4 de janeiro de 2021. Consultado em 6 de janeiro de 2021 
  472. Graham, David (6 de janeiro de 2021). «This Is a Coup». The Atlantic. Consultado em 7 de janeiro de 2021 
  473. «Congress affirms Biden's Electoral College victory». CNN (em inglês). 6 de janeiro de 2021. Consultado em 7 de janeiro de 2021 
  474. «Congresso dos EUA ratifica vitória de Biden na eleição presidencial». G1. Consultado em 7 de janeiro de 2021 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Outros projetos Wikimedia também contêm material sobre este tema:
Commons Categoria no Commons
Wikinotícias Categoria no Wikinotícias