Eleições distritais no Distrito Federal em 1994

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
1990 Brasil 1998
Eleições distritais no  Distrito Federal em 1994
3 de outubro de 1994
(Primeiro turno)
15 de novembro de 1994
(Segundo turno)
Foto oficial de Cristovam Buarque.jpg Senador Valmir Campelo (15245951454).jpg
Candidato Cristovam Buarque Valmir Campelo
Partido PT PTB
Natural de Recife, PE Crateús, CE
Vice Arlete Sampaio Newton de Castro
Votos 460.137 393.710
Porcentagem 53,89% 46,11%


Brasão do Distrito Federal (Brasil).svg

Governador do Distrito Federal

Titular
Joaquim Roriz
PP

As eleições distritais no Distrito Federal em 1994 ocorreram em 3 de outubro como parte das eleições gerais na unidade administrativa em questão e em 26 estados brasileiros[1] e nela foram eleitos o governador Cristovam Buarque, a vice-governadora Arlete Sampaio, os senadores José Roberto Arruda e Lauro Campos, oito deputados federais e vinte e quatro distritais. Como nenhum candidato a governador atingiu metade mais um dos votos válidos, houve um segundo turno em 15 de novembro entre Cristovam Buarque e Valmir Campelo, com vitória do petista.[2]

Natural do Recife, o governador Cristovam Buarque é formado em Engenharia Mecânica na Universidade Federal de Pernambuco com mestrado em Economia na mesma instituição, onde lecionou. Professor da Universidade Católica de Pernambuco e colaborador da SUDENE, saiu do país em 1970 para fugir do Ato Institucional Número Cinco e três anos depois concluiu o Doutorado em Economia em Paris, na Sorbonne. Ainda em 1973 foi trabalhar no Banco Interamericano de Desenvolvimento e viajou pela América Latina a convite de outros organismos internacionais.[3]

Sua volta ao Brasil aconteceu nas pegadas da Lei da Anistia sancionada em 1979 pelo presidente João Figueiredo e assim tornou-se professor da Universidade de Brasília.[3] Colaborador do ministro da Indústria e Comércio, João Camilo Pena, assessorou Tancredo Neves durante a sucessão presidencial e com a morte deste foi confirmado na chefia de gabinete de Fernando Lyra, titular do Ministério da Justiça nos primeiros meses do Governo Sarney em 1985 até ser escolhido reitor da UnB. Outrora militante da Ação Popular nos primeiros tempos do Regime Militar de 1964, filou-se ao PT após participar da campanha presidencial de Luiz Inácio Lula da Silva em 1989. Sua vitória ao Palácio do Buriti tendo como vice-governadora a médica Arlete Sampaio, encerra um ciclo de seis anos onde a cena política brasiliense foi dominada por Joaquim Roriz.

O senador eleito mais votado foi Lauro Campos. Advogado formado pela Universidade Federal de Minas Gerais, ele nasceu em Belo Horizonte, é pós-graduado em Economia em Roma e Doutor pela Universidade Federal de Goiás.[4] Professor da Universidade Federal de Minas Gerais e da Universidade Federal de Goiás, chegou à capital federal no ano de 1976 integrando a Universidade de Brasília. Filiado ao PT, elegeu-se senador após as derrotas[2] de 1986 e 1990.

A segunda vaga senatorial coube a José Roberto Arruda. Formado em Engenharia Elétrica na Universidade Federal de Itajubá, cidade onde nasceu.[5] Diretor da Novacap no governo Aimé Lamaison, fez especialização em Engenharia de Segurança em Barcelona e pós-graduação em Administração Pública na Fundação Getúlio Vargas. Com a Nova República tornou-se Secretário de Modernização Administrativa e Informática do Ministério de Minas e Energia sob a gestão Aureliano Chaves, até assumir a Companhia Energética de Brasília. Secretário de Serviços Públicos durante o governo José Aparecido de Oliveira, fundou o PSDB no Distrito Federal. Durante o segundo governo de Joaquim Roriz foi chefe da Casa Civil e depois Secretário de Obras, elegendo-se agora senador pelo PP.

Resultado da eleição para governador[editar | editar código-fonte]

Primeiro turno[editar | editar código-fonte]

Segundo o Tribunal Regional Eleitoral do Distrito Federal houve 768.815 votos nominais (84,01%), 83.367 votos em branco (9,11%) e 62.996 votos nulos (6,88%) totalizando 915.178 eleitores.[1]

Candidato a governador do estado
Candidato a vice-governador Número Coligação Votação Percentual
Valmir Campelo
PTB
Newton de Castro
PP
141
Frente Progressista
(PTB, PP, PFL, PMDB)
304.848
39,65%
Cristovam Buarque
PT
Arlete Sampaio
PT
131
Frente Popular Brasília
(PT, PSB, PPS, PC, PCdoB, PSTU)
285.841
37,18%
Maria de Lourdes Abadia
PSDB
Wanderley Vallim
PPR
451
Brasília de mãos dadas
(PSDB, PPR, PMN)
155.164
20,18%
Ildeu Araújo
PRONA
José Uchôa de Aquino
PRONA
561
PRONA (sem coligação)
9.457
1,23%
Paulo Cezar Timm
PDT
Boanerges Araújo
PDT
121
PDT (sem coligação)
8.367
1,09%
João Ferreira da Silva
PSC
Paulo Florentino da Silveira
PSC
201
Força Alternativa
(PSC, PSD)
5.138
0,67%
  Segundo turno

Segundo turno[editar | editar código-fonte]

Segundo o Tribunal Regional Eleitoral do Distrito Federal houve 853.847 votos nominais (94,69%), 4.294 votos em branco (0,48%) e 43.601 votos nulos (4,84%) totalizando 901.742 eleitores.[1]

Candidato a governador do estado
Candidato a vice-governador Número Coligação Votação Percentual
Cristovam Buarque
PT
Arlete Sampaio
PT
131
Frente Popular Brasília
(PT, PSB, PPS, PCB, PCdoB, PSTU)
460.137
53,89%
Valmir Campelo
PTB
Newton de Castro
PP
141
Frente Progressista
(PTB, PP, PMDB, PFL)
393.710
46,11%
  Eleito(a)

Resultado da eleição para senador[editar | editar código-fonte]

Segundo o Tribunal Regional Eleitoral do Distrito Federal compareceram 915.178 eleitores.[1][nota 1]

Candidatos a senador da República
Primeiro suplente de senador Número Coligação Votação Percentual
Lauro Campos[nota 2]
PT
Ulisses Riedel[nota 2]
PSB
133
Frente Popular Brasília
(PT, PSB, PPS, PCB, PCdoB, PSTU)
352.464
26,31%
José Roberto Arruda[nota 3]
PP
Lindberg Aziz Cury[nota 3]
PMDB
393
Frente Progressista
(PTB, PP, PFL, PMDB)
301.194
22,48%
Márcia Kubitschek
PP
Pedro Teixeira
PP
392
Frente Progressista
(PTB, PP, PFL, PMDB)
211.865
15,82%
Carlos Alberto Torres
PPS
Antônio Carlos de Andrade
PT
232
Frente Popular Brasília
(PT, PSB, PPS, PCB, PCdoB, PSTU)
194.052
14,49%
Sigmaringa Seixas
PSDB
Otília Pompeu de Sousa
PSDB
453
Brasília de mãos dadas
(PSDB, PPR, PMN)
140.781
10,51%
Joaquim Vaz de Mesquita
PPR
João Pelles
PPR
112
Brasília de mãos dadas
(PSDB, PPR, PMN)
42.566
3,18%
Rui Nogueira
PRONA
Avani Dias de Araújo
PRONA
561
PRONA (sem coligação)
31.506
2,35%
Mauro Dantas
PDT
Antônio Patrício de Assis
PDT
123
PDT (sem coligação)
29.947
2,24%
Camilo Calazans
PDT
Sônia Ferreira
PDT
122
PDT (sem coligação)
18.961
1,41%
Laélio de Souza
PSD
Etibere Zen
PSC
412
Força Alternativa
(PSC, PSD)
16.205
1,21%
  Eleito(a)

Deputados federais eleitos[editar | editar código-fonte]

São relacionados os candidatos eleitos com informações complementares da Câmara dos Deputados.[6] Ressalte-se que os votos em branco eram considerados válidos para fins de cálculo do quociente eleitoral nas disputas proporcionais até 1997, quando essa anomalia foi banida de nossa legislação.[7]

Deputados federais eleitos Partido Votação Percentual Localidade onde nasceu Unidade federativa
Chico Vigilante PT 57.697 9,24% Vitorino Freire  Maranhão
Wigberto Tartuce[nota 4] PP 57.649 9,23% Rio Verde  Goiás
Osório Adriano PFL 53.864 8,63% Uberaba  Minas Gerais
Augusto Carvalho PPS 45.782 7,33% Patos de Minas  Minas Gerais
Benedito Domingos[nota 5] PP 39.070 6,26% São Sebastião do Paraíso  Minas Gerais
Jofran Frejat PP 35.897 5,75% Floriano  Piauí
Agnelo Queiroz PCdoB 23.979 3,84% Itapetinga Bahia Bahia
Maria Laura Pinheiro PT 19.849 3,18% Jaguaribe  Ceará

Deputados distritais eleitos[editar | editar código-fonte]

Foram eleitos 24 parlamentares para a Câmara Legislativa do Distrito Federal.[1]

Notas

  1. Embora a Constituição afirme que cada senador deva ser eleito com dois suplentes (Art. 46 § 3º), mencionamos apenas o primeiro sem prejuízo de citar o outro quando necessário.
  2. a b Lauro Campos faleceu nos últimos dias de seu mandato e assim foi efetivado o suplente
  3. a b José Roberto Arruda renunciou ao mandato em 2001 sob a acusação de quebra do decoro parlamentar, daí a efetivação de seu suplente.
  4. Licenciou-se nos últimos dias da legislatura em favor de Enyr Laprovita Vieira para assumir o cargo de secretário do Trabalho no terceiro governo de Joaquim Roriz.
  5. Renunciou ao mandato nos últimos dias da legislatura em favor de João Brochado para assumir o mandato de vice-governador do Distrito Federal na chapa de Joaquim Roriz.

Referências

  1. a b c d e «Banco de dados do Tribunal Regional Eleitoral do Distrito Federal». Consultado em 21 de agosto de 2015 
  2. a b «Banco de dados do Tribunal Superior Eleitoral». Consultado em 22 de agosto de 2015 
  3. a b «Página pessoal de Cristovam Buarque». Consultado em 21 de agosto de 2015 
  4. «Senado Federal do Brasil: senador Lauro Campos». Consultado em 23 de agosto de 2015 
  5. «Câmara dos Deputados do Brasil: deputado José Roberto Arruda». Consultado em 23 de agosto de 2015 
  6. «Página oficial da Câmara dos Deputados». Consultado em 21 de agosto de 2015. Arquivado do original em 2 de outubro de 2013 
  7. «BRASIL. Presidência da República: Lei nº 9.504 de 30/09/1997». Consultado em 21 de agosto de 2015