Eleições distritais no Distrito Federal em 2014

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
‹ 2010 Brasil 2018
Eleições distritais no  Distrito Federal em 2014
26 de outubro de 2014
(Segundo Turno)
Rodrigo Rollemberg 14maio2012.jpg Deputado Federal Jofran Frejat.jpg
Candidato Rodrigo Rollemberg Jofran Frejat
Partido PSB PR
Natural de Rio de Janeiro, RJ Floriano, PI
Vice Renato Santana
PSD
Flávia Arruda
PR
Votos 812.036 649.587
Porcentagem 55,56% 44,44%


Brasão do Distrito Federal (Brasil).svg
Governador do Distrito Federal

Titular
Agnelo Queiroz
PT

Eleição parlamentar no  Distrito Federal em 2014 (Senado)
5 de outubro de 2014
(Turno único)
José Antônio Machado Reguffe.jpg Gim argello.jpg
Líder José Reguffe Gim Argello
Partido PDT PTB
Natural de Rio de Janeiro, RJ São Vicente, SP
Votos 826.576 271.525
Porcentagem 57,61% 18,92%


Coat of arms of Brazil.svg
Senador

Titular(es)
Gim Argello
PTB

Eleito(s)
José Reguffe
PDT

As eleições distritais no Distrito Federal em 2014 aconteceram em 5 de outubro, como parte das eleições em 26 estados e no Distrito Federal. Foram eleitos o governador, o vice-governador, um senador, oito deputados federais e vinte e quatro estaduais.[1] Como nenhum dos candidatos a governador recebeu metade do votos válidos, um segundo turno foi realizado em 26 de outubro. Pela Constituição, o governador é eleito para um mandato de quatro anos a se iniciar em 1º de janeiro de 2015.[2]

O governador do Distrito Federal à época era Agnelo Queiroz (PT), que tentou a reeleição, tendo de enfrentar Luiz Pitiman (PSDB), Rodrigo Rollemberg (PSB), Toninho do PSOL (PSOL) e Perci Marrara (PCO), além do ex-governador cassado José Roberto Arruda (PR), que decidiu renunciar à candidatura e deixou em seu lugar Jofran Frejat (PR). Na eleição para senador, Reguffe (PDT) foi eleito para a sucessão de Gim Argello com 57,61%.

Com 55,56% dos votos válidos, o senador Rodrigo Rollemberg, do Partido Socialista Brasileiro foi eleito governador do Distrito Federal derrotando Jofran Frejat, do Partido da República que obteve 44,44% dos votos.

Candidatos a governador[editar | editar código-fonte]

Candidato a governador Candidato a vice-governador Número Eleitoral Coligação Tempo de horário eleitoral
AgneloQueiroz2010.jpg
Agnelo Queiroz
PT
Silver - replace this image male.svg
Tadeu Filippelli
PMDB
13
Respeito por Brasília
(
PT, PMDB, PSC, PP, PRB, PCdoB, PV, PPL, PTN, PRP, PTdoB, PROS, PTC, PSL, PHS, PEN)
Luiz Pitiman.JPG
Luiz Pitiman
PSDB
Silver - replace this image male.svg
Adão Cândido
PPS
45
Seriedade para Mudar
(
PSDB, PPS, PSDC)
Rodrigo Rollemberg 14maio2012.jpg
Rodrigo Rollemberg
PSB
Silver - replace this image male.svg
Renato Santana
PSD
40
Somos Todos Brasília
(
PSB, PSD, PDT, SD)
Silver - replace this image male.svg
Toninho do PSOL
PSOL
Silver - replace this image male.svg
Guillen
PSOL
50
Frente de Esquerda
(
PSOL PCB PSTU)
Silver - replace this image male.svg
Perci Marrara
PCO
Silver - replace this image male.svg
Gilson Dobbin
PCO
29
Partido da Causa Operária
PCO
Plenariocamara.jpeg
Jofran Frejat
PR
Flávia Peres
PR
22
União e Força
(
PR, DEM, PTB, PMN, PRTB)

Caso Arruda[editar | editar código-fonte]

No dia 11 de fevereiro de 2010, numa decisão do Superior Tribunal de Justiça, o então governador José Roberto Arruda teve decretada sua prisão preventiva, junto a mais cinco pessoas, com o objetivo da preservação da ordem pública e da instrução criminal devido as acusações de envolvimento no que ficou conhecido como Mensalão do DEM. Ficou alojado em uma sala da Superintendência da Polícia Federal em Brasília. O motivo da prisão preventiva foi a suposta participação na tentativa de suborno do jornalista Edson Sombra, testemunha do caso. A punição de Arruda foi o primeiro caso na história do Brasil de um governador que teve sua prisão decretada, consequentemente teve o mandato cassado. Neste ano, ele se candidatou ao GDF pelo PR, em primeira instância teve a candidatura impugnada com base na lei da ficha limpa, mas a impugnação da candidatura foi suspensa sob liminar.

No dia 12 de Setembro de 2014, o TSE, seguindo decisão do PGR, optou por manter a suspensão da candidatura de Arruda nas eleições de 2014, tornando o candidato inelegível.[3]

Candidatos a senador[editar | editar código-fonte]

Candidato a Senador 1º Suplente 2º Suplente Número Eleitoral Coligação Tempo de horário eleitoral
Geraldo Magela medidas de combate a corrupção.jpg
Geraldo Magela
PT
Pastor Manoel Ferreira (PSC) Roberto Barreto (PP)
133
Respeito por Brasília
Silver - replace this image male.svg
Sandra Quezado
PSDB
Wander Rodrigues Sobrinho (PSDC) Leão Magno (PSDB)
456
Seriedade para Mudar
José Antônio Machado Reguffe.jpg
Reguffe
PDT
José Carlos Vasconcellos (PDT) Fadi Faraj (SD)
123
Somos Todos Brasília
Gim argello.jpg
Gim Argello
PTB
Weslian Roriz (PRTB) Anicélia (PTB)
144
União e Força
Silver - replace this image male.svg
Aldemario
PSOL
Tatiana Maranhão (PSOL) Clemildo Sá (PSOL)
500
Partido Socialismo e Liberdade
PSOL
Silver - replace this image male.svg
Robson
PSTU
Silvio (PSTU) Francisco Targino (PSTU)
160
Partido Socialista dos Trabalhadores Unificado
PSTU
Silver - replace this image male.svg
Jamil Magari
PCB
Maria de Fátima (PCB) Tânia Maria (PCB)
211
Partido Comunista Brasileiro
PCB
Silver - replace this image male.svg
Expedito Mendonça
PCO
Valmir Barbosa (PCO) Maria das Graças (PCO)
290
Partido da Causa Operária
PCO

Programa eleitoral[editar | editar código-fonte]

De acordo com a lei eleitoral, todas as redes de acesso gratuito de televisão e rádio devem reservar dois programas de 50 minutos por dia. O tempo reservado a cada um dos candidatos é determinado com base no número de assentos ocupados pelos partidos que correspondem a sua coligação na Câmara dos Deputados.[4] Os programas eleitorais são considerados uma ferramenta-chave de campanha no Brasil, onde a televisão e o rádio são as principais fontes de informação para muitos eleitores. O horário eleitoral gratuito também inclui candidatos concorrendo a cargos como Governador, Deputados Estadual e Federal, e Senador.[4]

Primeiro turno[editar | editar código-fonte]

Pesquisas de intenção de voto[editar | editar código-fonte]

Governador[editar | editar código-fonte]

Data Instituto Candidato
Rollemberg (PSB) Agnelo (PT) Frejat (PR) Luiz Pitiman (PSDB) Toninho (PSOL) Perci (PCO) Brancos ou Nulos Nenhum ou Não sabe
18 de setembro Ibope 28% 21% 21% 5% 3% 0% 15% 30
25 a 26/09/2014 Datafolha[5] 35% 22% 19% 4% 3% 0% 8% 9%
27 a 29/09/2014 Ibope[6] 32% 19% 24% 3% 3% 0% 9% 10%
01 a 02/10/2014 Datafolha[7] 39% 21% 23% 4% 3% 0% 4% 5%

Senador[editar | editar código-fonte]

Data Instituto Candidato
Reguffe (PDT) Magela (PT) Gim Argello (PTB) Sandra Quezado (PSDB) Robson (PSTU) Aldemário (PSOL) Expedito Mendonça (PCO) Jamil Magari (PCB) Brancos ou Nulos Nenhum ou Não sabe
21 a 23/09/2014 Ibope[8] 37% 17% 13% 3% 1% 1% 0% 0% 10% 19%
25 a 26/09/2014 Datafolha[9] 42% 20% 10% 2% 0% 0% 0% 0% 10% 15%

Resultados[editar | editar código-fonte]

Governador[editar | editar código-fonte]

Senador[editar | editar código-fonte]

Governador - 2° turno[editar | editar código-fonte]