Eleições estaduais em Mato Grosso em 2002

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
‹ 1998 Brasil 2006
Eleições estaduais em  Mato Grosso em 2002
6 de outubro de 2002
(Decisão em primeiro turno)
Blairo Maggi 2012.jpg Replace this image male.png
Candidato Blairo Maggi Antero Paes de Barros
Partido PPS PSDB
Natural de Torres, RS[1] Cuiabá, MT
Vice Iraci França Janete Riva
Votos 619.655 360.296
Porcentagem 50,68% 29,47%


Brasão de Mato Grosso.png

Governador de Mato Grosso

Eleito
Blairo Maggi
PPS

As eleições estaduais em Mato Grosso em 2002 ocorreram à 6 de outubro como parte das eleições gerais no Distrito Federal e em 26 estados. Foram eleitos o governador Blairo Maggi, a vice-governadora Iraci França, os senadores Jonas Pinheiro e Serys Slhessarenko, além de oito deputados federais e vinte e quatro estaduais num pleito decidido em primeiro turno.[2]

Natural de Torres,[1] o governador Blairo Maggi é formado em Agronomia pela Universidade Federal do Paraná e vive desde 1981 em Mato Grosso obtendo agora o seu primeiro mandato político. Após chegar a Rondonópolis fundou o Grupo Amaggi e comprou uma fazenda que impulsionou a criação do município de Sapezal. Como empresário é denominado o rei da soja e enfrenta acusações de estímulo ao desmatamento,[3] o que o torna uma figura polêmica entre os ambientalistas. Eleito pelo PPS tem Iraci França como vice-governadora e tornou-se o segundo governador eleito pelo partido após Eduardo Braga que em 2002 elegeu-se pelo Amazonas.[4]

Na eleição para senador o mais votado foi Jonas Pinheiro, médico veterinário natural de Santo Antônio de Leverger e formado pela Universidade Federal de Mato Grosso.[5] Filiado ao PDS e depois ao PFL foi eleito deputado federal em 1982, 1986 e 1990, além de ter sido Secretário do Interior no governo Júlio Campos. Eleito senador em 1994, ele garantiu a reeleição num pleito onde pelo menos cinco nomes competitivos se apresentaram ao eleitor[4] e ainda reelegeu sua mulher, a deputada federal Celcita Pinheiro.

A grande surpresa do pleito foi a vitória da professora Serys Slhessarenko para ocupar a segunda vaga senatorial. Gaúcha de Cruz Alta, ela é formada em Direito e Pedagogia na Universidade Federal de Mato Grosso, onde leciona e fez Mestrado na Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro. Secretária de Educação no governo Carlos Bezerra e na segunda passagem de Dante de Oliveira pela prefeitura de Cuiabá, foi eleita deputada estadual em 1990, 1994 e 1998 tornando-se agora a primeira senadora da história de Mato Grosso integrando a bancada do PT.

Resultado da eleição para governador[editar | editar código-fonte]

Com informações oriundas do Tribunal Regional Eleitoral de Mato Grosso.[2]

Candidatos a governador do estado
Candidatos a vice-governador Número Coligação Votação Percentual
Blairo Maggi
PPS
Iraci França
PPS
23
Mato Grosso mais forte
(PPS, PFL, PPB, PSC, PSD, PV, PTN, PAN, PSDC, PRTB, PRP, PTdoB)
619.655
50,68%
Antero Paes de Barros
PSDB
Janete Riva
PSDB
45
Frente Cidadania e Desenvolvimento
(PSDB, PMDB)
360.296
29,47%
Alexandre César
PT
Elenilda Scala
PT
13
Mato Grosso ético e solidário
(PT, PL, PCdoB)
227.598
18,62%
Tião Matrinchã
PSB
Zilmar Medeiros
PSB
40
Frente Cidadã Democrática
(PSB, PTC, PHS)
14.287
1,17%
Carlos Linguiça
PGT
Maurício Barbant
PGT
30
PGT
(sem coligação)
715
0,06%
  Eleito(a)

Resultado da eleição para senador[editar | editar código-fonte]

Foram apurados 2.217.629 votos nominais na disputa pelas duas vagas em aberto.[2][6]

Candidatos a senador da República
Candidatos a suplente de senador Número Coligação Votação Percentual
Jonas Pinheiro
PFL
Gilberto Goellner
PPS
Jorge Yanai
PPB
251
Mato Grosso mais forte
(PPS, PFL, PPB, PSC, PSD, PV, PTN, PAN, PSDC, PRTB, PRP, PTdoB)
612.965
27,64%
Serys Slhessarenko
PT
Wanderley Pignati
PT
Orency Francisco
PT
131
Mato Grosso ético e solidário
(PT, PL, PCdoB)
575.539
25,95%
Dante de Oliveira
PSDB
Carlos Avalone Júnior
PSDB
Eraí Scheffer
PSDB
455
Frente Cidadania e Desenvolvimento
(PSDB, PMDB)
439.798
19,83%
Murilo Domingos
PTB
Clarice Grapeggia
PTB
José Messias Dourado
PTB
141
Frente Trabalhista
(PTB, PDT)
287.183
12,95%
Carlos Bezerra
PMDB
Carlos Nunes
PSDB
Elarmin Miranda
PMDB
155
Frente Cidadania e Desenvolvimento
(PSDB, PMDB)
238.960
10,78%
Professora Jacy Proença
PSB
Vilma Oliveira
PSB
Josefa Souza
PSB
404
Frente Cidadã Democrática
(PSB, PTC, PHS)
45.850
2,07%
Mário Márcio Torres
PDT
Ricardo Siqueira da Costa
PDT
Ademar Capelari
PDT
121
Frente Trabalhista
(PTB, PDT)
15.377
0,69%
Jacques Carvalho
PGT
César Rasec
PGT
Wilson Locatelli
PGT
308
PGT
(sem coligação)
1.957
0,09%
  Eleito(a)

Deputados federais eleitos[editar | editar código-fonte]

São relacionados os candidatos eleitos com informações complementares da Câmara dos Deputados.[7] Ressalte-se que os votos em branco eram considerados válidos para fins de cálculo do quociente eleitoral nas disputas proporcionais até 1997[8] quando essa anomalia foi banida de nossa legislação.

Deputados federais eleitos Partido Votação Percentual Cidade onde nasceu Unidade federativa
Pedro Henry PPB 120.846 9,51% Santo André  São Paulo
Carlos Abicalil PT 118.120 9,29% Nova Friburgo  Rio de Janeiro
Wellington Fagundes PL 114.098 8,98% Rondonópolis  Mato Grosso
Wilson Santos PSDB 94.267 7,42% Dracena  São Paulo
Ricarte de Freitas PSDB 66.125 5,20% Lages  Santa Catarina
Rogério Silva PMDB 62.041 4,88% Ubá  Minas Gerais
Celcita Pinheiro PFL 59.665 4,69% Santo Antônio de Leverger  Mato Grosso
Telma de Oliveira PSDB 58.293 4,59% Cuiabá  Mato Grosso

Deputados estaduais eleitos[editar | editar código-fonte]

Estavam em jogo as vinte e quatro vagas disponíveis na Assembleia Legislativa de Mato Grosso.[2]

Referências

  1. a b Esta informação provém do Senado Federal e do Tribunal Superior Eleitoral e por isso a publicamos, embora sua página na Wikipedia afirme que o mesmo é nascido em São Miguel do Iguaçu, PR.
  2. a b c d «Banco de dados do Tribunal Regional Eleitoral de Mato Grosso». Consultado em 19 de setembro de 2014 
  3. «Blairo Maggi é premiado com Motosserra de Ouro do Greenpeace (revistagloborural.com)». Consultado em 19 de setembro de 2014 
  4. a b «Banco de dados do Tribunal Superior Eleitoral». Consultado em 19 de setembro de 2014 
  5. «Câmara dos Deputados do Brasil: deputado Jonas Pinheiro». Consultado em 19 de setembro de 2014 
  6. Embora cada senador deva ser eleito com dois suplentes (Art. 46 § 3º– CF), mencionamos apenas o primeiro sem prejuízo de citar o outro quando necessário.
  7. «Página oficial da Câmara dos Deputados». Consultado em 19 de setembro de 2014 
  8. «Presidência da República: Lei nº 9.504 de 30/09/1997». Consultado em 19 de setembro de 2014