Eleições estaduais em Minas Gerais em 1945

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
‹ 1935 Brasil 1947
Eleições estaduais em  Minas Gerais em 1945
2 de dezembro de 1945
(Turno único)
Senadores eleitos
Replace this image male.png Fernando de Mello Vianna.jpg
Candidato Levindo Coelho Melo Viana
Partido PSD PSD
Natural de Catas Altas da Noruega, MG Sabará, MG
Votos 469.078 461.918
Porcentagem 27,41% 27,00%


Brasão de Minas Gerais.svg

Governador de Minas Gerais

Eleito
João Beraldo
PSD (interventor)

As eleições estaduais em Minas Gerais em 1945 ocorreram à 2 de dezembro sob as regras fixadas no decreto-lei nº 7.586 e numa resolução do Tribunal Superior Eleitoral editada em 8 de setembro como parte das eleições gerais no Distrito Federal, 20 estados e no território federal do Acre.[nota 1] Foram escolhidos dois senadores e trinta e cinco deputados federais enviados à Assembleia Nacional Constituinte para elaborar a Constituição de 1946 e assim restaurar o regime democrático após o Estado Novo.[1][2][3]

Eleito senador com a maior votação nominal do país,[nota 2] Levindo Coelho nasceu em Catas Altas da Noruega e foi professor de inglês em Ouro Preto antes tornar-se funcionário dos Correios. Graduado em Química pela Universidade Federal de Ouro Preto e em Medicina pela Universidade Federal do Rio de Janeiro, fixou residência em Ubá como fazendeiro, além de jornalista.[nota 3][4] Atendendo a um convite do governador Raul Soares de Moura, ingressou à legenda do Partido Republicano Mineiro sendo eleito vereador em Ubá e deputado federal, dentre outros mandatos. Leal à Revolução de 1930, foi secretário de Educação e prefeito interino de Belo Horizonte por opção do governador Olegário Maciel. Eleito deputado federal, participou da elaboração da Constituição 1934 e, mesmo reeleito, teve o mandato extinto pelo Estado Novo. Seu último cargo público antes de eleger-se senador pelo PSD foi a prefeitura de Ubá no governo de Benedito Valadares.[5]

Mineiro de Sabará, o advogado Fernando de Melo Viana foi premiado com a vaga remanescente de senador.[6] Formado na Universidade Federal de Minas Gerais, viveu em Mar de Espanha, onde foi eleito vereador em 1901. Eleito deputado estadual em 1903, renunciou por razões de saúde e foi advogar em Sete Lagoas; depois atuou como promotor de justiça em Carangola, Conceição do Mato Dentro, Mar de Espanha, Pará de Minas e Uberaba. Pelas mãos do governador Artur Bernardes tornou-se advogado-geral do estado de Minas Gerais e secretário do Interior de Raul Soares de Moura. Eleito governador de Minas Gerais em 1924 devido à morte deste último, chegou a vice-presidente da República na chapa de Washington Luís em 1926. Expoente do Partido Republicano Mineiro até sair da legenda, viveu dois anos fora do Brasil por causa da Revolução de 1930 e ao voltar fixou-se na cidade do Rio de Janeiro. Filiado ao PSD, elegeu-se senador e a seguir presidiu a Assembleia Nacional Constituinte que promulgou a Constituição de 1946.

Resultado da eleição para senador[editar | editar código-fonte]

Com informações oriundas do Tribunal Superior Eleitoral com informações complementares do Senado Federal.[1][5][6]

Candidatos a senador da República
Primeiro suplente de senador Número Coligação Votação Percentual
Levindo Coelho
PSD
Edison Silva[nota 4]
PSD
-
PSD (sem coligação)
469.078
27,41%
Melo Viana[nota 5]
PSD
Nestor Massena[nota 4]
PSD
-
PSD (sem coligação)
461.918
27,00%
Artur Bernardes[nota 6]
UDN
Não havia
UDN
-
UDN (sem coligação)
366.187
21,40%
Pedro Aleixo
UDN
Não havia
UDN
-
UDN (sem coligação)
364.895
21,33%
Luís Carlos Prestes[nota 7]
PCB
Não havia
-
-
PCB (sem coligação)
24.767
1,45%
Armando Hiller
PCB
Não havia
-
-
PCB (sem coligação)
24.206
1,41%
  Eleito

Resultado da eleição para suplente de senador[editar | editar código-fonte]

Segundo o Tribunal Superior Eleitoral houve 392.240 votos nominais.[1][nota 4]

Primeiro suplente de senador
Candidatos a senador da República Número Coligação Votação Percentual
Nestor Massena
PSD
Ver acima
-
-
PSD (sem coligação)
181.106
46,17%
Edison Silva
PSD
Ver acima
-
-
PSD (sem coligação)
165.953
42,31%
Francisco Zagari
PSD
Ver acima
-
-
PSD (sem coligação)
16.581
4,23%
Álvaro Braga de Araújo
PSD
Ver acima
-
-
PSD (sem coligação)
16.044
4,09%
Sinfrônio Augusto de Castro
PSD
Ver acima
-
-
PSD (sem coligação)
10.147
2,59%
Jacques Montandon
PSD
Ver acima
-
-
PSD (sem coligação)
2.409
0,61%
  Eleito

Deputados federais eleitos[editar | editar código-fonte]

São relacionados os candidatos eleitos com informações complementares da Câmara dos Deputados.[7][8]

Deputados federais eleitos Partido Votação Percentual Cidade onde nasceu Unidade federativa
Benedito Valadares PSD 41.663 Pará de Minas  Minas Gerais
Martins Soares[nota 8] PSD 26.596 Ponte Nova  Minas Gerais
Juscelino Kubitschek PSD 26.293 Diamantina  Minas Gerais
Carlos Luz[nota 9] PSD 24.895 Três Corações  Minas Gerais
Rodrigues Seabra[nota 10] PSD 22.764 Niterói  Rio de Janeiro
Pedro Dutra PSD 19.705 Cataguases  Minas Gerais
Bias Fortes PSD 18.897 Barbacena  Minas Gerais
Duque de Mesquita PSD 18.807 Três Pontas  Minas Gerais
Israel Pinheiro PSD 17.731 Caeté  Minas Gerais
Monteiro de Castro UDN 16.612 Sabará  Minas Gerais
João Henrique PSD 15.875 Fortaleza  Ceará
Cristiano Machado PSD 15.242 Sabará  Minas Gerais
Jaci Figueiredo PR 14.215 Três Pontas  Minas Gerais
José Bonifácio UDN 14.118 Barbacena  Minas Gerais
Magalhães Pinto[nota 10] UDN 14.001 Santo Antônio do Monte  Minas Gerais
Wellington Brandão PSD 13.264 Visconde do Rio Branco  Minas Gerais
Joaquim Libânio PSD 13.164 Guaxupé  Minas Gerais
Daniel de Carvalho[nota 11] PR 13.049 Itabira  Minas Gerais
José Maria Alkmin PSD 12.594 Bocaiuva  Minas Gerais
Augusto Viegas[nota 12] PSD 12.320 Bom Sucesso  Minas Gerais
Artur Bernardes Filho PR 12.263 Viçosa  Minas Gerais
Gustavo Capanema PSD 12.131 Bocaiuva  Minas Gerais
Gabriel Passos UDN 11.735 Itapecerica  Minas Gerais
Rodrigues Pereira PSD 11.654 Carandaí  Minas Gerais
Noraldino Lima[nota 9] PSD 11.350 São Sebastião do Paraíso  Minas Gerais
Milton Campos[nota 13] UDN 11.331 Ponte Nova  Minas Gerais
Celso Machado PSD 10.821 Araxá  Minas Gerais
Olinto Fonseca PSD 10.748 Formiga  Minas Gerais
Mário Brant PR 10.148 Diamantina  Minas Gerais
Filipe Balbi PR 10.145 Guidoval  Minas Gerais
Lopes Cançado UDN 9.593 Pitangui  Minas Gerais
Artur Bernardes PR 8.548 Viçosa  Minas Gerais
Licurgo Leite UDN 8.444 Muzambinho  Minas Gerais
Lery Santos PTB 6.457 Rio Novo  Minas Gerais
Ezequiel Mendes[nota 14] PTB 4.415 Rio de Janeiro  Rio de Janeiro

Notas

  1. Este elegeria dois deputados federais sendo que, em 1947, Amapá, Rondônia e Roraima elegeriam apenas um deputado federal cada.
  2. Esta afirmação advém tanto do acervo do Tribunal Superior Eleitoral quanto da comparação dos votos recebidos pelos candidatos a senador em todo o país.
  3. Por decisão editorial preferimos mencionar as instituições de ensino presentes neste texto por sua denominação contemporânea.
  4. a b c Segundo o Art. 11, § 2º, inciso I, alínea "b" das Disposições Transitórias da Constituição de 1946, os suplentes dos senadores eleitos em 1945 seriam escolhidos por voto direto em 1947.
  5. Melo Viana faleceu no Rio de Janeiro em 10 de fevereiro de 1954, sendo efetivado o suplente.
  6. Tal era a liberalidade da legislação eleitoral em vigor que o mesmo foi eleito deputado federal por outra legenda.
  7. Luís Carlos Prestes foi eleito senador pelo Distrito Federal e deputado federal pelo Distrito Federal, Pernambuco e Rio Grande do Sul optando pela vaga senatorial.
  8. Dois dias após a instalação da Constituinte, o interventor João Beraldo assumiu o Palácio da Liberdade e nomeou Martins Soares à Secretaria do Interior. Tal decisão levou à renúncia do deputado federal titular e permitiu a efetivação de Milton Prates.
  9. a b O presidente Eurico Gaspar Dutra nomeou Carlos Luz ministro da Justiça, Noraldino Lima diretor da Caixa Econômica Federal no Rio de Janeiro no começo de seu governo e assim foram efetivados Lair Tostes e Alfredo Sá.
  10. a b No governo Milton Campos, Magalhães Pinto foi secretário de Fazenda e Rodrigues Seabra foi secretário de Viação e Obras Públicas. Tais alterações permitiram as convocações de Leopoldo Maciel e Euvaldo Lodi.
  11. Promulgada a nova Constituição, o presidente Eurico Gaspar Dutra nomeou figuras de oposição para compor sua equipe e assim Daniel de Carvalho foi escolhido ministro da Agricultura.
  12. Foi secretário de Fazenda nos 34 dias da interventoria de Noraldino Lima em fins de 1946 e permitiu a convocação de Clemente Medrado.
  13. Milton Campos renunciou ao mandato em 1947 após sua eleição para governador de Minas Gerais e em seu lugar foi efetivado Afonso Arinos.
  14. Graças ao ardil das candidaturas múltiplas, Getúlio Vargas obteve nove mandatos em 1945: deputado federal pela Bahia, Distrito Federal, Minas Gerais, Paraná, Rio de Janeiro, Rio Grande do Sul e São Paulo e senador pelo Rio Grande do Sul e São Paulo optando por representar os gaúchos no Senado Federal, daí a efetivação de seu suplente mineiro.

Referências