Eleições estaduais em Minas Gerais em 1994

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
1990 Brasil 1998
Eleições estaduais em  Minas Gerais em 1994
3 de outubro de 1994
(Primeiro turno)
15 de novembro de 1994
(Segundo turno)
Eduardo azeredo.jpg Ministro Hélio Costa.jpg
Candidato Eduardo Azeredo Hélio Costa
Partido PSDB PP
Natural de Belo Horizonte, MG Barbacena, MG
Vice Walfrido Mares Guia Vitor Penido
Votos 4.370.836 3.081.094
Porcentagem 58,65% 41,35%


Brasão de Minas Gerais.svg
Governador Minas Gerais

Titular
Hélio Garcia
PTB

As eleições estaduais em Minas Gerais ocorreram em 3 de outubro como parte das eleições gerais no Distrito Federal e em 26 estados. Foram eleitos o governador Eduardo Azeredo, o vice-governador Walfrido Mares Guia, os senadores Francelino Pereira e Arlindo Porto, 53 deputados federais e 77 estaduais. Como nenhum candidato a governador atingiu a metade mais um dos votos válidos na eleição, houve um segundo turno em 15 de novembro e pelo texto da Constituição e da Lei nº. 8.713, a posse aconteceria em 1º de janeiro de 1995 para quatro anos de mandato e originalmente sem direito a reeleição.[1][2][3] [nota 1]

Quatro anos após retornar ao Palácio da Liberdade pelo inexpressivo Partido das Reformas Sociais, Hélio Garcia mudou para o PTB e levou seu novo partido a integrar a coligação que elegeu Eduardo Azeredo como seu sucessor numa campanha onde o jornalista Hélio Costa largou como favorito para vencer já em primeiro turno.[4][5] Beneficiado pelo efeito recall graças à sua candidatura ao governo em 1990, Hélio Costa passou a sofrer críticas de seus adversários cuja tática rememorou suas ligações pretéritas com Fernando Collor quando este era presidente da República e ambos pertenciam ao PRN.[6] Curiosamente, o início de campanha do PSDB foi ruim a ponto de Fernando Henrique Cardoso, candidato a presidente pelo partido, ter que tratar Hélio Costa e Eduardo Azeredo como seus aliados no primeiro turno.[7]

Primeiro governador mineiro natural de Belo Horizonte a ser eleito por voto direto desde o fim do Estado Novo,[nota 2] Eduardo Azeredo é formado em Engenharia Mecânica na Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais em 1971 e tem o curso de extensão em Engenharia Econômica pela Fundação Dom Cabral e no ano seguinte cursou Análise de Sistemas na IBM Brasil.[8][9] Presidiu a Companhia de Tecnologia da Informação do Estado de Minas Gerais nos governos Tancredo Neves e Hélio Garcia e também a Associação Brasileira de Empresas Estaduais de Processamento de Dados antes de assumir a superintendência da DATAMEC em Minas Gerais.[nota 3] Filho de Renato Azeredo, disputou sua primeira eleição na legenda do PSDB em 1988 quando foi eleito vice-prefeito da capital mineira na chapa de Pimenta da Veiga e este o nomeou presidente da Empresa de Processamento de Dados de Belo Horizonte. Em 1990 assumiu a prefeitura quando o titular renunciou para concorrer ao governo do estado. Findo o seu mandato como alcaide ocupou a presidência do Serviço Federal de Processamento de Dados durante um ano até janeiro de 1994, meses antes de eleger-se para o governo mineiro.[10]

O vice-governador eleito é Walfrido Mares Guia. Mineiro de Santa Bárbara, diplomou-se em Engenharia Química na Universidade Federal de Minas Gerais e Administração de Empresas pela Universidade Fundação Mineira de Educação e Cultura e cursou a Fundação João Pinheiro.[11] Fundador da Faculdade Pitágoras e do Kroton Educacional, dirigiu o Sindicato dos Estabelecimentos Particulares de Ensino de Minas Gerais. Vinculado a Hélio Garcia, foi secretário municipal de Planejamento em Belo Horizonte e quando Garcia assumiu o governo após a renúncia de Tancredo Neves, foi secretário de Desburocratização, presidiu o Centro Tecnológico de Minas Gerais e assumiu a pasta da Ciência e Tecnologia. Após migrar do PMDB para o PRS foi secretário de Educação com o retorno de Hélio Garcia ao governo mineiro e foi eleito agora via PTB.

A eleição para senador cessou o retiro político de Francelino Pereira. Natural de Angical do Piauí, morou em Amarante, Teresina e Fortaleza. Ao chegar em Belo Horizonte, presidiu o Centro Acadêmico Afonso Pena da Universidade Federal de Minas Gerais e graduou-se advogado.[12] Filiado à UDN e à ARENA após o Regime Militar de 1964, elegeu-se vereador em Belo Horizonte em 1958, antes prestando consultoria jurídica à prefeitura da capital mineira. Assessor de Rondon Pacheco, secretário de Justiça no governo Magalhães Pinto, e também do próprio governador, elegeu-se deputado federal em 1962, 1966, 1970 e 1974. Em 21 de setembro de 1975 foi eleito presidente nacional da ARENA em lugar de Petrônio Portela.[13] Escolhido governador de Minas Gerais em 1978 pelo presidente Ernesto Geisel, esteve no PDS e anos depois assumiu a presidência estadual do PFL. Presidente da empresa Aços Especiais Itabira (ACESITA) até 1984 e do Banco do Brasil no governo de José Sarney, foi diretor da Associação Comercial de Minas Gerais e presidente da Aliança Francesa. Após dezesseis anos sem disputar eleições, conquistou um mandato de senador em 1994.[14]

Outro senador eleito foi o empresário Arlindo Porto. Nascido em Patos de Minas, diplomou-se em Contabilidade e Administração de Empresas na Universidade Federal de Uberlândia. Em 1982 foi eleito prefeito de sua cidade natal pelo PMDB e anteriormente fundou e dirigiu o Lions Club local. Filiado ao PTB, elegeu-se vice-governador de Hélio Garcia em 1990. Secretário do Trabalho e Ação Social no referido governo, conquistou agora seu primeiro mandato parlamentar.[15][16]

Resultado da eleição para governador[editar | editar código-fonte]

Primeiro turno[editar | editar código-fonte]

Segundo o Tribunal Superior Eleitoral, houve 8.837.261 votos nominais (83,69%), 2.042.158 votos em branco (23,11%) e 804.105 votos nulos (9,10%). O total de votos válidos foi 5.990.998 (67,79%) e a abstenção e votos não totalizados foi 1.722.478 (16,31% do total de 10.559.739 eleitores).[1]

Candidatos a governador do estado
Candidatos a vice-governador Número Coligação Votação Percentual
Hélio Costa
PP
Vitor Penido
PFL
39
União por Minas
(PP, PFL, PPR)
2.893.594
48,30%
Eduardo Azeredo
PSDB
Walfrido Mares Guia
PTB
45
Todos por Minas
(PSDB, PTB, PL)
1.629.711
27,20%
José Alencar
PMDB
Alfredo Campos
PMDB
15
PMDB (sem coligação)
641.877
10,71%
Antônio Carlos Pereira
PT
Raul Messias
PSB
13
Frente Minas Popular
(PT, PSB, PCdoB, PPS, PV, PCB, PSTU)
585.173
9,77%
Ércio Firpe
PSD
-
PSD
41
PSD (sem coligação)
101.310
1,69%
Cleuber Cunha
PRONA
-
PRONA
56
PRONA (sem coligação)
70.329
1,17%
Hebert Ribeiro
PSC
-
PSC
20
PSC (sem coligação)
39.929
0,67%
Monico Gomes
PRN
-
PRN
36
PRN (sem coligação)
29.065
0,49%
  Segundo turno

Segundo turno[editar | editar código-fonte]

Segundo o Tribunal Superior Eleitoral, houve 8.381.240 votos apurados (79,37%), 115.782 votos em branco (1,38%) e 813.528 votos nulos (9,71%). O total de votos válidos foi 7.451.930 (88,91%) e a abstenção chegou a 2.178.499 (20,63% do total de 10.559.739 eleitores).[1]

Candidatos a governador do estado
Candidatos a vice-governador Número Coligação Votação Percentual
Eduardo Azeredo
PSDB
Walfrido Mares Guia
PTB
45
Todos por Minas
(PSDB, PTB, PL)
4.370.836
58,65%
Hélio Costa
PP
Vitor Penido
PFL
39
União por Minas
(PP, PFL, PPR)
3.081.094
41,35%
  Eleito(a)

Resultado da eleição para senador[editar | editar código-fonte]

Foram apurados 8.913.333 votos válidos.[1][nota 4]

Candidatos a senador da República
Primeiro suplente de senador Número Coligação Votação Percentual
Francelino Pereira
PFL

PP
253
União por Minas
(PP, PFL, PPR)
1.764.546
19,80%
Arlindo Porto[nota 5]
PTB
Regina Assumpção
PL
143
Todos por Minas
(PSDB, PTB, PL)
1.419.993
15,93%
Virgílio Guimarães
PT
-
PT
133
Frente Minas Popular
(PT, PSB, PCdoB, PPS, PV, PCB, PSTU)
1.369.632
15,37%
Sérgio Ferrara
PDT
-
PDT
122
Força do Povo Minas
(PDT, PMN)
1.031.701
11,58%
Aluísio Pimenta
PL
-
PL
222
Todos por Minas
(PSDB, PTB, PL)
883.603
9,91%
Tarcísio Delgado
PMDB
-
PMDB
153
PMDB (sem coligação)
750.886
8,42%
Jô Moraes
PCdoB
-
PCdoB
652
Frente Minas Popular
(PT, PSB, PCdoB, PPS, PV, PCB, PSTU)
610.911
6,85%
Sérgio dos Anjos
PSD
-
PSD
413
PSD (sem coligação)
382.871
4,30%
Carlos Medina
PMN
-
PMN
332
Força do Povo Minas
(PDT, PMN)
292.691
3,28%
Helvécio Tavares
PSC
-
PSC
202
PSC (sem coligação)
144.311
1,62%
Dreyfus Rabello
PRP
-
PRP
442
PRP (sem coligação)
136.384
1,53%
Walter Almeida
PRONA
-
PRONA
562
PRONA (sem coligação)
125.804
1,41%
  Eleitos

Deputados federais eleitos[editar | editar código-fonte]

São relacionados os candidatos eleitos com informações complementares da Câmara dos Deputados.[17] Ressalte-se que os votos em branco eram considerados válidos para fins de cálculo do quociente eleitoral nas disputas proporcionais até 1997, quando essa anomalia foi banida de nossa legislação.[18]

Deputados federais eleitos Partido Votação Percentual Cidade onde nasceu Unidade federativa
Newton Cardoso[nota 6] PMDB 179.169 3,68% Brumado Bahia Bahia
Danilo de Castro PSDB 113.179 2,33% Viçosa  Minas Gerais
Eliseu Resende PFL 108.343 2,23% Oliveira  Minas Gerais
Aécio Neves PSDB 105.385 2,17% Belo Horizonte  Minas Gerais
Ademir Lucas[nota 7] PSDB 99.980 2,06% Esmeraldas  Minas Gerais
Humberto Souto[nota 8][nota 9] PFL 92.111 1,89% Montes Claros  Minas Gerais
Saraiva Felipe PMDB 87.257 1,79% Belo Horizonte  Minas Gerais
Odelmo Leão PP 83.135 1,71% Uberaba  Minas Gerais
Chico Ferramenta[nota 10] PT 80.431 1,65% Bom Despacho  Minas Gerais
José Rezende PTB 79.968 1,64% Araponga  Minas Gerais
Vittorio Medioli PSDB 71.998 1,48% Parma  Itália
Maria Elvira Ferreira PMDB 71.251 1,47% Belo Horizonte  Minas Gerais
Roberto Brant PTB 69.214 1,42% Belo Horizonte  Minas Gerais
Osmânio Pereira PSDB 63.284 1,30% Pedra Azul  Minas Gerais
Paulo Delgado PT 60.848 1,25% Lima Duarte  Minas Gerais
Carlos Melles PFL 56.684 1,17% São Sebastião do Paraíso  Minas Gerais
Zaire Rezende PMDB 54.726 1,13% Uberlândia  Minas Gerais
José Elias Murad PSDB 51.612 1,06% Ribeirão Vermelho  Minas Gerais
Carlos Mosconi[nota 11] PSDB 51.609 1,06% Andradas  Minas Gerais
Sérgio Naya[nota 12] PP 51.385 1,06% Laranjal  Minas Gerais
Silas Brasileiro PMDB 51.244 1,05% Patrocínio  Minas Gerais
Paulo Heslander PTB 50.442 1,04% Barão de Cocais  Minas Gerais
Jair Siqueira[nota 13] PFL 49.544 1,02% Paulistas  Minas Gerais
Maurício Campos[nota 14] PL 49.519 1,02% Rio Pomba  Minas Gerais
Mário de Oliveira PP 49.042 1,01% Júlio Mesquita  São Paulo
José Santana de Vasconcelos PFL 46.992 0,97% Alvinópolis  Minas Gerais
Raul Belém PP 46.785 0,96% Araguari  Minas Gerais
Romel Anízio PP 46.382 0,95% Ituiutaba  Minas Gerais
Lael Varela PFL 46.218 0,95% Muriaé  Minas Gerais
Mauro Lopes PFL 44.671 0,92% Entre Folhas  Minas Gerais
Fernando Diniz PMDB 43.663 0,90% Belo Horizonte  Minas Gerais
Marcos Lima PMDB 41.800 0,86% Itaúna  Minas Gerais
Bonifácio de Andrada PTB 41.449 0,85% Barbacena  Minas Gerais
Filemon Rodrigues PTB 40.378 0,83% Mamanguape  Paraíba
Ronaldo Perim PMDB 40.294 0,83% Castelo  Espírito Santo
Genésio Bernardino PMDB 39.862 0,82% Mutum  Minas Gerais
Hugo Rodrigues da Cunha PFL 39.825 0,82% Uberaba  Minas Gerais
Eduardo Barbosa[nota 15] PSDB 38.605 0,79% Pará de Minas  Minas Gerais
Aracely de Paula PFL 38.454 0,79% Ibiá  Minas Gerais
Antônio do Vale PMDB 37.709 0,78% Patos de Minas  Minas Gerais
Marcio Reinaldo Moreira PP 36.997 0,76% Sete Lagoas  Minas Gerais
Ibrahim Abi-Ackel PPR 35.547 0,73% Manhumirim  Minas Gerais
Leopoldo Bessone PTB 35.256 0,72% Belo Horizonte  Minas Gerais
Jaime Martins Filho PFL 33.963 0,70% Nova Serrana  Minas Gerais
Israel Pinheiro Filho[nota 16] PTB 33.543 0,69% Belo Horizonte  Minas Gerais
Armando Costa PMDB 28.337 0,58% Felixlândia  Minas Gerais
Tilden Santiago PT 26.307 0,54% Nova Era  Minas Gerais
Nilmário Miranda PT 25.917 0,53% Belo Horizonte  Minas Gerais
Sílvio Abreu Júnior PDT 24.512 0,50% Juiz de Fora  Minas Gerais
Sérgio Miranda PCdoB 23.013 0,47% Belém Pará Pará
Sandra Starling PT 21.377 0,44% Belo Horizonte  Minas Gerais
João Fassarella PT 20.721 0,43% Vargem Alta  Espírito Santo
Herculano Anghinetti PMN 17.781 0,37% Belo Horizonte  Minas Gerais

Deputados estaduais eleitos[editar | editar código-fonte]

Foram escolhidos 77 deputados estaduais para a Assembleia Legislativa de Minas Gerais.[1][18]

Deputados estaduais eleitos Partido Votação Percentual Cidade onde nasceu Unidade federativa
Romeu Queiroz PTB 63.827 1,18% Patrocínio  Minas Gerais
José Henrique PMDB 47.032 0,87% Abre Campo  Minas Gerais
Carlos Murta PP 43.787 0,81%
Ermano Batista PL 43.715 0,81% Aimorés  Minas Gerais
Rêmolo Aloise PMDB 42.258 0,78% São Sebastião do Paraíso  Minas Gerais
Marcelo Cecé PTB 41.058 0,76%
Sebastião Helvécio PP 40.096 0,74% Juiz de Fora  Minas Gerais
João Leite PSDB 39.664 0,73% Belo Horizonte  Minas Gerais
José Militão PSDB 38.792 0,72% Ibiraci  Minas Gerais
Jairo Ataíde PFL 37.590 0,70%
Bonifácio Mourão PMDB 36.881 0,68% Sabinópolis  Minas Gerais
Antônio Genaro PP 36.574 0,68% Guaimbê  São Paulo
Simão Pedro Toledo PTB 36.031 0,67% Pouso Alegre  Minas Gerais
Mauri Torres PMDB 34.542 0,64% Guararema  São Paulo
Ivair Nogueira PDT 34.192 0,63% Betim  Minas Gerais
Elmo Braz PP 34.123 0,63%
Glycon Terra Pinto PP 33.789 0,62% Belo Horizonte  Minas Gerais
Geraldo Santana PMDB 33.377 0,62% Salinas  Minas Gerais
Leonídio Bouças PFL 31.812 0,59%
Navarro Vieira Filho PFL 31.677 0,59% Botelhos  Minas Gerais
Maria Olívia PTB 30.940 0,57% Lagoa da Prata  Minas Gerais
Olavo Bilac Pinto Neto PFL 30.889 0,57% Rio de Janeiro  Rio de Janeiro
Bené Guedes PDT 30.819 0,57% Itajubá  Minas Gerais
José Miguel Martini PSDB 30.044 0,56%
Ibrahim Jacob PDT 29.817 0,55% Ubá  Minas Gerais
Alberto Pinto Coelho PP 29.593 0,55% Rio Verde  Goiás
Wilson Trópia PV 29.393 0,54%
José Ferraz PTB 29.265 0,54% Santa Maria do Salto  Minas Gerais
Cleuber Carneiro PFL 29.213 0,54% Paratinga  Minas Gerais
Hely Tarquínio PP 29.011 0,54% Uberaba  Minas Gerais
Djalma Diniz PFL 28.832 0,53% Linhares  Espírito Santo
Paulo Pettersen PP 28.623 0,53% Carangola  Minas Gerais
Carlos Pimenta PL 28.604 0,53% Belo Horizonte  Minas Gerais
Ronaldo Vasconcelos PL 28.420 0,53% Ponte Nova  Minas Gerais
Wanderley Ávila PSDB 28.292 0,52% Joaquim Felício  Minas Gerais
Geraldo Rezende PMDB 28.240 0,52% Tupaciguara  Minas Gerais
Luiz Antônio Zanto PP 28.006 0,52%
Anderson Adauto PMDB 27.804 0,51% Sacramento  Minas Gerais
Olinto Godinho PL 27.492 0,51%
Sebastião Costa PFL 27.334 0,51% Divino  Minas Gerais
Toninho Zeitune PMDB 27.230 0,50%
Dimas Rodrigues PP 27.162 0,50%
Péricles Ferreira PSDB 27.158 0,50% Salinas  Minas Gerais
Marcelo Gonçalves PDT 26.909 0,50%
Gil Pereira PP 27.162 0,50% Montes Claros  Minas Gerais
Arnaldo Canarinho PSDB 26.336 0,49%
José Bonifácio Filho PTB 25.952 0,48% Belo Horizonte  Minas Gerais
Paulo Piau PFL 25.785 0,48% Patos de Minas  Minas Gerais
Ajalmar Silva PTB 25.708 0,48%
Ailton Vilela PPR 25.426 0,47% São Bento Abade  Minas Gerais
Kemil Kumaira PMDB 25.275 0,47% Teófilo Otoni  Minas Gerais
Paulo Schettino PTB 24.929 0,46%
Jorge Hannas PFL 24.176 0,45% Resende Costa  Minas Gerais
Agostinho Patrus PTB 24.064 0,44% Belo Horizonte  Minas Gerais
José Maria Barros PSDB 23.992 0,44%
Francisco Ramalho PSDB 23.870 0,44%
Dilzon Melo PTB 23.805 0,44% Capitólio  Minas Gerais
José Braga PDT 23.301 0,43% Ubaí  Minas Gerais
Antônio Júlio PMDB 23.289 0,43% Pará de Minas  Minas Gerais
Antônio Roberto PMDB 22.822 0,42%
Jorge Eduardo de Oliveira PMDB 22.818 0,42% Machado  Minas Gerais
Irani Barbosa PSD 22.551 0,42% Belo Horizonte  Minas Gerais
Tarcísio Henriques PMDB 21.322 0,39%
Álvaro Antônio PDT 19.056 0,35% Belo Horizonte  Minas Gerais
João Batista de Oliveira PSB 18.852 0,35%
Dinis Pinheiro PSD 18.844 0,35% Ibirité  Minas Gerais
Geraldo Nascimento PT 16.470 0,30% Timóteo  Minas Gerais
Alencar da Silveira Júnior PDT 15.235 0,28% Sete Lagoas  Minas Gerais
Maria José Haueisen PT 14.647 0,27% Teófilo Otoni  Minas Gerais
Ivo José PT 14.084 0,26%
Gilmar Machado PT 13.922 0,26% Cascalho Rico  Minas Gerais
Durval Andrade PT 13.885 0,26% Baixo Guandu  Espírito Santo
Marco Regis PPS 13.074 0,24%
Almir Cardoso PT 12.977 0,24% Paracatu  Minas Gerais
Marcos Helênio PT 12.940 0,24% Belo Horizonte  Minas Gerais
Raul Lima Neto PMN 11.872 0,22%
Anivaldo Coelho PT 11.622 0,21%

Notas

  1. A reeleição foi inserida no ordenamento jurídico brasileiro pela Emenda Constitucional nº. 16 de 04/06/1997.
  2. A informação quanto aos locais de nascimento dos governadores mineiros até então foram obtidas ao examinarmos suas biografias, inclusive nesta enciclopédia.
  3. Esta última empresa era responsável pelo processamento de dados da Caixa Econômica Federal.
  4. Embora a Constituição afirme que cada senador deva ser eleito com dois suplentes (Art. 46 § 3º), mencionamos apenas o primeiro sem prejuízo de citar o outro quando necessário.
  5. Durante sua passagem como ministro da Agricultura no governo Fernando Henrique Cardoso, seu mandato foi exercido pela suplente.
  6. Renunciou ao mandato em 1996 a fim de assumir a prefeitura de Contagem e por isso foi efetivado Neif Jabur.
  7. Afastou-se do mandato para ocupar a Secretaria de Esportes, Lazer e Turismo.
  8. Renunciou em 24/08/1995 para assumir uma cadeira de ministro no Tribunal de Contas da União.
  9. Deixou o parlamento em favor de Edson Soares que foi eleito prefeito de Teófilo Otoni em 1996 e permitiu que João Magalhães fosse efetivado.
  10. Renunciou ao mandato em 1996 a fim de assumir a prefeitura de Ipatinga e por isso foi efetivada Joana d'Arc Guimarães.
  11. Afastou-se do mandato para ocupar a Secretaria de Assuntos Municipais.
  12. Teve o mandato cassado por quebra de decoro parlamentar em 15 de abril de 1998 e por isso foi efetivado Mário Assad Júnior.
  13. Renunciou ao mandato em 1996 a fim de assumir a prefeitura de Pouso Alegre e por isso foi efetivado Wagner do Nascimento.
  14. Afastou-se do mandato para ocupar a Secretaria de Indústria, Comércio e Turismo.
  15. Afastou-se do mandato para ocupar a Secretaria do Trabalho, da Assistência Social, da Criança e do Adolescente.
  16. Afastou-se do mandato para ocupar a Secretaria de Transportes e Obras Públicas.

Referências

  1. a b c d e «Banco de dados do Tribunal Superior Eleitoral». Consultado em 5 de junho de 2016 
  2. «BRASIL. Presidência da República. Constituição de 1988». Consultado em 5 de junho de 2016 
  3. «BRASIL. Presidência da República. Lei nº. 8.713 de 30/09/1993». Consultado em 5 de junho de 2016 
  4. Garcia faz opção pela campanha (online). Jornal do Brasil, Rio de Janeiro (RJ), 22/09/1994. Política e Governo, p. 03. Página visitada em 6 de junho de 2016.
  5. Hélio Costa quer liderar conservadores (online). O Estado de S. Paulo, São Paulo (SP), 28/08/1994. Geral, p. 27. Página visitada em 6 de junho de 2016.
  6. Azeredo vai explorar amizade de Costa com Fernando Collor (online). Jornal do Brasil, Rio de Janeiro (RJ), 14/10/1994. Política e Governo, p. 04. Página visitada em 6 de junho de 2016.
  7. Costa pede a Cardoso "neutralidade" em Minas (online). Jornal do Brasil, Rio de Janeiro (RJ), 10/10/1994. Política e Governo, p. 03. Página visitada em 6 de junho de 2016.
  8. «Câmara dos Deputados do Brasil: deputado Eduardo Azeredo». Consultado em 6 de junho de 2016 
  9. «Biografia de Eduardo Azeredo na página oficial do governo mineiro». Consultado em 6 de dezembro de 2017 
  10. «Senado Federal do Brasil: senador Eduardo Azeredo». Consultado em 6 de dezembro de 2017 
  11. «Câmara dos Deputados do Brasil: deputado Walfrido Mares Guia». Consultado em 6 de junho de 2016 
  12. «Câmara dos Deputados do Brasil: deputado Francelino Pereira». Consultado em 7 de junho de 2016 
  13. Francelino: o culto mineiro da paciência (online). Folha de S. Paulo, 22/09/1975. Página visitada em 7 de junho de 2016.
  14. «Senado Federal do Brasil: senador Francelino Pereira». Consultado em 4 de dezembro de 2017 
  15. PTB faz senador em Minas (online). Jornal do Brasil, Rio de Janeiro (RJ), 11/10/1994. Política e Governo, p. 03. Página visitada em 6 de dezembro de 2017.
  16. «Senado Federal do Brasil: senador Arlindo Porto». Consultado em 6 de dezembro de 2017 
  17. «Página oficial da Câmara dos Deputados». Consultado em 5 de dezembro de 2017 
  18. a b «BRASIL. Presidência da República: Lei nº 9.504 de 30/09/1997». Consultado em 5 de dezembro de 2017