Eleições estaduais em Rondônia em 1994

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
1990 Brasil 1998
Eleições estaduais em  Rondônia em 1994
3 de outubro de 1994
(Primeiro turno)
15 de novembro de 1994
(Segundo turno)
Valdir raupp 2011.jpg Chiquilito Erse.jpg
Candidato Valdir Raupp Chiquilito Erse
Partido PMDB PDT
Natural de São João do Sul, SC Manaus, AM
Vice Aparício Carvalho Edison Fidélis
Votos 248.148 145.037
Porcentagem 63,11% 36,89%


BrasaoRondonia.jpg
Governador de Rondônia

Titular
Osvaldo Piana
PP

As eleições estaduais em Rondônia ocorreram em 3 de outubro como parte das eleições gerais no Distrito Federal e em 26 estados. Foram eleitos o governador Valdir Raupp, o vice-governador Aparício Carvalho, os senadores José Bianco e Ernandes Amorim, oito deputados federais e vinte e quatro estaduais.[1] Como nenhum candidato a governador atingiu a metade mais um dos votos válidos na eleição, houve um segundo turno em 15 de novembro e segundo a Constituição e a Lei nº. 8.713, a posse aconteceria em 1º de janeiro de 1995 para quatro anos de mandato e originalmente sem direito a reeleição.[2][3][4][nota 1]

Catarinense de São João do Sul, Valdir Raupp chegou a Rondônia em 1977 e trabalhou como agricultor até sua eleição como vereador de Cacoal pelo PMDB em 1982. Após a criação do município de Rolim de Moura em 1983 por decreto-lei do governador Jorge Teixeira, houve eleições em 10 de dezembro de 1984 e nelas Valdir Raupp elegeu-se prefeito e assumiu no dia 28 daquele mês.[5][6][7][8] Findo o seu mandato assumiu a direção-geral do Departamento de Estradas de Rodagem no governo Jerônimo Santana, coordenou a campanha presidencial de Fernando Collor no estado em 1989 e aderiu ao PRN, contudo foi derrotado por Osvaldo Piana ao disputar o governo estadual em 1990. Formado em Administração de Empresas pelo Centro de Ensino Superior de Brasília, regressou ao PMDB e foi eleito para um segundo mandato como prefeito de Rolim de Moura em 1992, cargo ao qual renunciou antes de eleger-se governador de Rondônia em 1994.[9][nota 2][nota 3]

Médico formado pela Universidade Federal do Amazonas em 1976 com especialização em Psiquiatria na Universidade Federal Fluminense, Aparício Carvalho nasceu em Rio Bonito, na Região Metropolitana do Rio de Janeiro. Passou a residir em Porto Velho em setembro de 1979 ao ser nomeado subsecretário municipal de Saúde na administração Francisco Lopes de Paiva. Presidente da Associação Médica de Rondônia por quatro vezes, tornou-se membro do conselho deliberativo da Associação Médica Brasileira e presidiu a Associação dos Servidores do Hospital de Base Dr. Ary Pinheiro. Eleito suplente de vereador em Porto Velho pelo PTB em 1988, ficou também na suplência ao disputar um mandato de deputado federal em 1990. Efetivado após a cassação de Nobel Moura em 1993, militou no PST e PP até ingressar no PSDB, legenda pela qual foi eleito vice-governador de Rondônia em 1994.[10][nota 4]

Natural de Apucarana e formado em 1973 pela Universidade Estadual de Londrina, o advogado José Bianco veio para Rondônia um ano depois e exerceu sua profissão antes de entrar para a política. Eleito deputado estadual pelo PDS em 1982, foi o primeiro presidente da Assembleia Legislativa de Rondônia e também da Assembleia Estadual Constituinte de 1983. Integrante da delegação rondoniense que compareceu ao Colégio Eleitoral 1985, votou em Tancredo Neves e após ingressar no PFL foi derrotado como candidato a vice-governador na chapa de Odacir Soares em 1986. Eleito prefeito de Ji-Paraná em 1988, cumpriu o mandato e em 1994 foi eleito senador. Anos mais tarde renunciou ao posto após sua eleição para governador em 1998.[11][12]

Baiano nascido em Itagibá e diplomado em Educação Física pela Universidade Católica de Salvador, Ernandes Amorim chegou a Rondônia em 1977 fixando-se em Ariquemes onde trabalhou com mineração e depois tornou-se professor e pecuarista.[13] Filiado ao PMDB, alcançou a suplência como candidato a deputado estadual em 1982. Efetivado mediante a eleição de Tomaz Correia para vice-prefeito de Rio Branco em 1985, reelegeu-se deputado estadual em 1986. Após migrar para o PDT elegeu-se prefeito de Ariquemes em 1988 e senador em 1994, voltando à prefeitura de Ariquemes no ano 2000 quando já estava no PPB.[14]

Resultado da eleição para governador[editar | editar código-fonte]

Primeiro turno[editar | editar código-fonte]

Segundo o Tribunal Superior Eleitoral foram apurados 376.120 votos nominais (78,30%), 79.333 votos em branco (16,52%) e 24.867 votos nulos (5,18%) resultando no comparecimento de 480.320 eleitores.[1][2][nota 5]

Candidatos a governador do estado
Candidatos a vice-governador Número Coligação Votação Percentual
Valdir Raupp
PMDB
Aparício Carvalho
PSDB
15
União por Rondônia
(PMDB, PSDB, PSB)
159.847
42,50%
Chiquilito Erse
PDT
Edison Fidélis
PP
12
Rondônia segue em Frente
(PDT, PP, PTB, PL)
146.259
38,89%
Jorge Streit
PT
Antônio Miguel Arrabal
PT
13
Frente Popular
(PT, PPS, PSC, PRP, PCdoB)
32.766
8,71%
Odacir Soares
PFL
Sônia Balau
PFL
25
PFL, PSD
20.624
5,48%
Jerônimo Santana
PPR
Adegildo Ferreira
PPR
11
PPR, PV
11.281
3,00%
Edgard Azevedo
PRONA
Amaro Silva Jr
PRONA
56
PRONA (sem coligação)
5.343
1,42%
  Segundo turno

Segundo turno[editar | editar código-fonte]

Segundo o Tribunal Superior Eleitoral foram apurados 393.185 votos nominais (93,67%), 3.019 votos em branco (0,72%) e 23.549 votos nulos (5,61%) resultando no comparecimento de 419.753 eleitores.[1][2][nota 6]

Candidatos a governador do estado
Candidatos a vice-governador Número Coligação Votação Percentual
Valdir Raupp
PMDB
Aparício Carvalho
PSDB
15
União por Rondônia
(PMDB, PSDB, PSB)
248.148
63,11%
Chiquilito Erse
PDT
Edison Fidélis
PTB
12
Rondônia segue em Frente
(PDT, PP, PTB, PL)
145.037
36,89%
  Eleito

Resultado da eleição para senador[editar | editar código-fonte]

Segundo o Tribunal Superior Eleitoral houve 621.187 votos nominais (64,66%), 262.154 votos em branco (27,29%) e 77.299 votos nulos (8,05%) resultando no comparecimento de 960.640 eleitores.[1][2][nota 5][nota 7]

Candidatos a senador da República
Candidatos a suplente de senador Número Coligação Votação Percentual
José Bianco
PDT
Moreira Mendes[nota 8][15][16]
PP
122
Rondônia segue em Frente
(PDT, PP, PTB, PL)
157.059
25,28%
Ernandes Amorim
PDT
Fernando Matusalém[nota 9][17][18]
PP
123
Rondônia segue em Frente
(PDT, PP, PTB, PL)
133.239
21,45%
Amir Lando[nota 10]
PMDB
Chico Sartori[nota 11][19][20]
PMDB
152
União por Rondônia
(PMDB, PSDB, PSB)
117.079
18,85%
Eduardo Valverde[nota 10][21]
PT
-
PT
133
Frente Popular
(PT, PPS, PSC, PRP, PCdoB)
39.831
6,41%
Luiz Malheiros Tourinho
PFL
-
PFL
253
PFL, PSD
34.443
5,54%
Israel Xavier Batista
PT
-
PT
132
Frente Popular
(PT, PPS, PSC, PRP, PCdoB)
30.743
4,95%
Manoel Francisco da Silva Neto
PRP
-
PRP
442
PRP (sem coligação)
30.547
4,92%
Roque José de Oliveira
PMDB
-
PMDB
153
União por Rondônia
(PMDB, PSDB, PSB)
27.925
4,50%
Maurício Calixto
PFL
-
PFL
252
PFL, PSD
20.809
3,35%
Antônio Morimoto
PPR
-
PPR
112
PPR, PV
20.574
3,31%
Rogério Oliveira Dias da Cruz
PRONA
-
PRONA
562
PRONA (sem coligação)
8.938
1,44%
  Eleitos

Deputados federais eleitos[editar | editar código-fonte]

São relacionados os candidatos eleitos com informações complementares da Câmara dos Deputados. Foram apurados 294.727 votos nominais e de legenda (00,00%), 83.997 votos em branco (00,00%) e 101.645 votos nulos (00,00%) resultando no comparecimento de 000.000 eleitores.[22][23][1][2][nota 5]

Deputados federais eleitos Partido Votação Percentual Cidade onde nasceu Unidade federativa
Silvernani Santos PP 20.996 7,12% Trairi  Ceará
Expedito Júnior PL 20.198 6,85% Guararapes  São Paulo
Ildemar Küssler PSDB 19.224 6,52% Palmitos  Santa Catarina
Confúcio Moura PMDB 17.396 5,90% Dianópolis  Tocantins
Carlinhos Camurça PP 15.573 5,28% Guajará-Mirim  Rondônia
Emerson Pires PSDB 14.744 5,00% Goiânia  Goiás
Eurípedes Miranda PDT 12.900 4,38% Cardoso  São Paulo
Marinha Raupp PSDB 11.683 3,96% Maracaí  São Paulo

Deputados estaduais eleitos[editar | editar código-fonte]

Foram eleitos 24 deputados estaduais para a Assembleia Legislativa de Rondônia.

Deputados estaduais eleitos Partido Votação Percentual Cidade onde nasceu Unidade federativa
Marcos Donadon PMDB 9.549 2,67% Florestópolis  Paraná
Renato Veloso PMDB 7.010 1,96% Uberlândia  Minas Gerais
Luiz Carlos Coelho de Menezes PMN 5.972 1,67%
João Batista dos Santos PRN 5.556 1,55% Graccho Cardoso  Sergipe
José Mário de Melo PDT 5.494 1,53%
Mileni Mota PL 5.272 1,47% Cianorte  Paraná
João Batista de Lima PDT 5.234 1,46% Itapemirim  Espírito Santo
Lúcia Tereza PSC 5.076 1,42% Presidente Prudente  São Paulo
César Cassol PDT 4.585 1,28%
Francisco Sales PSC 4.479 1,25% Grossos  Rio Grande do Norte
João Ferreira Martins PTB 4.260 1,19%
José Carlos Oliveira PTB 4.080 1,14%
Heitor Costa Júnior PMN 4.067 1,14%
Elizeu Ferreira da Silva PL 4.055 1,13%
Mauro Nazif PSDB 3.954 1,10% Barra do Piraí  Rio de Janeiro
Augusto Tunes Plaça PMDB 3.718 1,04% Mandaguari  Paraná
José Cunha e Silva Júnior PMN 3.553 0,99%
Ivone Abrão PMN 3.362 0,94%
Daniel Pereira PT 3.241 0,91% Campo Mourão  Paraná
Sueli Alves Aragão PMDB 3.157 0,88%
Altair Schons PSDB 3.006 0,84%
Rosária Helena PT 2.694 0,75% Prata  Minas Gerais
Carlos Magno Ramos PFL 2.484 0,69% Coromandel  Minas Gerais
Donizetti José PFL 2.463 0,69%

Notas

  1. A reeleição foi inserida no ordenamento jurídico brasileiro pela Emenda Constitucional nº. 16 de 04/06/1997.
  2. Rolim de Moura foi criado pelo Decreto-Lei Estadual n.º 71 de 5 de agosto de 1983.
  3. A renúncia de Valdir Raupp levou ao poder o então vice-prefeito João Batista Dias.
  4. Para que pudesse assumir o mandato de vice-governador, Aparício Carvalho renunciou ao mandato em favor de Sérgio Carminato pouco antes do fim da legislatura.
  5. a b c No primeiro turno compareceram 480.320 eleitores (69,40%) com uma abstenção de 211.747 eleitores (30,60%) somando 692.067 inscritos aptos a votar.
  6. No segundo turno compareceram 419.753 eleitores (00,00%) com uma abstenção de 000.000 eleitores (00,00%) somando 000.000 inscritos aptos a votar.
  7. Como havia duas vagas em disputa na eleição para senador, o total de votos apurados corresponde ao dobro de eleitores que compareceram às urnas.
  8. Advogado nascido em São Paulo e formado pela Faculdade de Direito Rio Pretense em São José do Rio Preto, Moreira Mendes chegou a Rondônia em 1972 e anos mais tarde filiou-se à ARENA e depois ao PDS. Procurador da Assembleia Legislativa de Rondônia, além de agropecuarista e empresário hoteleiro, foi secretário de Administração no governo Osvaldo Piana e em 1994 elegeu-se suplente de senador pelo PP na chapa de José Bianco sendo efetivado após a eleição do titular como governador de Rondônia em 1998.
  9. Ernandes Amorim pediu licença do mandato parlamentar a fim de tomar parte na campanha eleitoral e assim o empresário Fernando Matusalém, paulista de Fernandópolis, assumiu o mandato e foi efetivado mediante a vitória de Amorim à prefeitura de Ariquemes no ano 2000.
  10. a b Fernando Matusalém exerceu o mandato até que o Tribunal Superior Eleitoral cassou a chapa de Ernandes Amorim em junho de 2001 por abuso do poder econômico e político na campanha eleitoral de 1994 e determinou a posse do mais votado entre os candidatos remanescentes. Teoricamente a vaga seria entregue a Amir Lando, porém o mesmo se elegera senador em 1998 e assim o petista Eduardo Valverde deveria tomar posse, mas uma liminar concedida pelo ministro Nelson Jobim impediu o cumprimento da sentença.
  11. Ao fim de uma batalha judicial decidiu-se por Amir Lando como titular da vaga em disputa, mas este renunciou em favor do suplente, Chico Sartori. Catarinense de Joaçaba, ele assumiu em 5 de março de 2002.

Referências

  1. a b c d e «Banco de dados do Tribunal Superior Eleitoral». Consultado em 23 de dezembro de 2017. 
  2. a b c d e «Banco de dados do Tribunal Regional Eleitoral de Rondônia». Consultado em 23 de dezembro de 2017. 
  3. «BRASIL. Presidência da República. Constituição de 1988». Consultado em 23 de dezembro de 2017. 
  4. «BRASIL. Presidência da República. Lei nº. 8.713 de 30/09/1993». Consultado em 23 de dezembro de 2017. 
  5. «IBGE cidades: informações sobre Rolim de Moura''». Consultado em 24 de dezembro de 2017. 
  6. TRE de Rondônia faz plebiscitos (online). Jornal do Brasil, Rio de Janeiro (RJ), 03/08/1983. Política, p. 02. Página visitada em 23 de dezembro de 2017.
  7. Assembleia censura governador (online). Jornal do Brasil, Rio de Janeiro (RJ), 12/12/1983. Política, p. 03. Página visitada em 23 de dezembro de 2017.
  8. Novos municípios ganham prazo em Rondônia para criar partidos e votar (online). Jornal do Brasil, Rio de Janeiro (RJ), 10/08/1984. Política, p. 02. Página visitada em 23 de dezembro de 2017.
  9. «Senado Federal do Brasil: senador Valdir Raupp». Consultado em 24 de dezembro de 2017. 
  10. «Câmara dos Deputados do Brasil: deputado Aparício Carvalho». Consultado em 24 de dezembro de 2017. 
  11. Sai de São Paulo o voto para a vitória da Aliança (online). Folha de S. Paulo, São Paulo (SP), 16/01/1985. Primeiro caderno, p. 06. Página visitada em 25 de dezembro de 2017.
  12. «Senado Federal do Brasil: senador José Bianco». Consultado em 25 de dezembro de 2017. 
  13. «Câmara dos Deputados do Brasil: deputado Ernandes Amorim». Consultado em 25 de dezembro de 2017. 
  14. «Senado Federal do Brasil: senador Ernandes Amorim». Consultado em 25 de dezembro de 2017. 
  15. «Senado Federal do Brasil: senador Moreira Mendes». Consultado em 25 de dezembro de 2017. 
  16. «Câmara dos Deputados do Brasil: deputado Moreira Mendes». Consultado em 25 de dezembro de 2017. 
  17. «Senado Notícias: Fernando Matusalém é empossado na vaga de Ernandes Amorim». Consultado em 26 de dezembro de 2017. 
  18. «Senado Federal do Brasil: senador Fernando Matusalém». Consultado em 26 de dezembro de 2017. 
  19. «Senado Notícias: Chico Sartori toma posse no Senado». Consultado em 26 de dezembro de 2017. 
  20. «Senado Federal do Brasil: senador Chico Sartori». Consultado em 26 de dezembro de 2017. 
  21. Oposição ganha e perde 27º nome para CPI (online). Folha de S. Paulo, São Paulo (SP), 30/06/2001. Brasil, p. A-6. Página visitada em 26 de dezembro de 2017.
  22. «Página oficial da Câmara dos Deputados». Consultado em 23 de dezembro de 2017. 
  23. «BRASIL. Presidência da República: Lei nº 9.504 de 30/09/1997». Consultado em 23 de dezembro de 2017.