Eleições estaduais em São Paulo em 1978

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
‹ 1974 Brasil 1982
Eleições estaduais em  São Paulo em 1978
1º de setembro de 1978
(Eleição indireta)
15 de novembro de 1978
(Eleição direta)


Paulo Maluf.jpg
Candidato Paulo Maluf


Partido ARENA


Natural de São Paulo, SP


Vice José Maria Marin
Votos 1.021
Porcentagem 99,42%


Brasão do estado de São Paulo.svg
Governador de São Paulo

As eleições estaduais em São Paulo em 1978 aconteceram conforme as regras do Pacote de Abril outorgado pelo Governo Ernesto Geisel: em 1º de setembro ocorreu a via indireta e a ARENA fez o governador Paulo Maluf, o vice-governador José Maria Marin e o senador Amaral Furlan. A etapa seguinte ocorreu em 15 de novembro e nela o MDB elegeu o senador Franco Montoro e obteve as maiores bancadas entre os 55 deputados federais e 79 estaduais que foram eleitos. Os paulistas residentes no Distrito Federal escolheram os seus representantes no Congresso Nacional por força de lei específica.[1][2][3][nota 1]

Engenheiro civil formado em 1954 pela Universidade de São Paulo, o empresário Paulo Maluf nasceu em São Paulo e descende de uma família com ancestrais libaneses cujo legado é a Eucatex. Eleito vice-presidente da Associação Comercial de São Paulo em 1964, Paulo Maluf assumiu a superintendência da Caixa Econômica Federal em São Paulo no ano seguinte[4] e, graças à proximidade com o governo do presidente Artur da Costa e Silva, foi nomeado prefeito da capital paulista pelo governador Abreu Sodré em 8 de abril de 1969.[nota 2][5] Integrado aos quadros da ARENA foi secretário dos Transportes no governo Laudo Natel e em 1976 assumiu a presidência da Associação Comercial de São Paulo.[6] Decidido a concorrer ao governo estadual montou uma chapa dissidente e venceu Laudo Natel na convenção da ARENA[7] tornando-se o candidato oficial do partido ao Palácio dos Bandeirantes, não obstante a predileção de Ernesto Geisel e João Figueiredo por seu adversário.[nota 3] A vitória de Paulo Maluf foi contestada no Tribunal Superior Eleitoral, mas a corte negou o pedido[8] e assim o referido político foi eleito governador em 1978.

Advogado nascido em São Paulo e formado na Universidade de São Paulo, o esportista José Maria Marin custeou sua graduação como jogador de futebol chegando a atuar no São Paulo Futebol Clube. Filiado ao PRP e depois à ARENA com a vitória do Regime Militar de 1964, elegeu-se vereador na capital paulista em 1964 e 1968 sendo escolhido presidente da Câmara Municipal de São Paulo no ano seguinte. Eleito deputado estadual em 1970 e 1974, ascendeu ao cargo de vice-governador em 1978 e chegaria ao governo quando Paulo Maluf renunciou para eleger-se deputado federal em 1982, ano em que Marin tornou-se presidente da Federação Paulista de Futebol.[9]

Natural de Sertãozinho, o advogado Amaral Furlan é graduado na Universidade de São Paulo e iniciou sua carreira política via PSD elegendo-se vereador em sua cidade natal em 1947. Eleito deputado estadual em 1954, conquistou o mandato de deputado federal em 1958 e 1962 migrando para o MDB quando os militares impuseram o bipartidarismo e assim foi reeleito em 1966, porém uma guinada o fez ingressar na ARENA, legenda na qual renovou o mandato em 1970 e 1974.[10] Aliado à facção partidária comandada por Paulo Maluf, foi eleito senador biônico em 1978.[11][nota 4]

Graduado em Filosofia e Pedagogia pela Universidade de São Paulo em 1938, o professor Franco Montoro formou-se advogado naquele mesmo ano e pela referida instituição. Nascido em São Paulo, teve contato com a Ação Católica Brasileira e anos mais tarde entrou no PDC sendo eleito vereador de São Paulo em 1950, deputado estadual em 1954 e deputado federal em 1958.[12] Escolhido ministro do Trabalho pelo primeiro-ministro Tancredo Neves durante a fase parlamentarista do governo João Goulart, foi reeleito deputado federal em 1962 e alcançou a presidência nacional do PDC antes da extinção dos partidos políticos em 1965. Diante da nova realidade renovou o mandato via MDB em 1966 e foi eleito senador em 1970 e 1978.[13] Ressalte-se que sua eleição como governador de São Paulo em 1982 resultou na efetivação de Fernando Henrique Cardoso como senador pelo referido estado.[14]

Resultado da eleição para governador[editar | editar código-fonte]

O Colégio Eleitoral de São Paulo era dominado pela ARENA e nas fileiras do partido governista foram registradas vinte e quatro ausências, cinco abstenções e um voto nulo enquanto os duzentos e um delegados do MDB não compareceram à votação.[15]

Candidatos a governador do estado
Candidatos a vice-governador Número Coligação Votação Percentual
Paulo Maluf
ARENA
José Maria Marin
ARENA
11
ARENA (sem coligação)
1.021
99,42%
  Eleito

Resultado da eleição para senador[editar | editar código-fonte]

Mandato biônico de oito anos[editar | editar código-fonte]

Resultado correspondente à votação obtida no Colégio Eleitoral.[16][nota 5]

Candidatos a senador da República
Candidatos a suplente de senador Número Coligação Votação Percentual
Amaral Furlan
ARENA
Ferreira Filho
ARENA
Dulce Braga[nota 6]
ARENA
110
ARENA (sem coligação)
1.022
99,51%
  Eleito

Mandato direto de oito anos[editar | editar código-fonte]

Segundo o acervo do Tribunal Superior Eleitoral houve 7.015.602 votos nominais (77,13%), 1.154.395 votos em branco (12,69%) e 925.455 votos nulos (10,18%), resultando no comparecimento de 9.095.452 eleitores[nota 5][nota 7]

Candidatos a senador da República
Primeiro suplente de senador Número Coligação Votação Percentual
Franco Montoro
MDB
[nota 5]
MDB
151
MDB (em sublegenda)
4.517.456
64,39%
Fernando Henrique Cardoso[nota 8][17]
MDB
[nota 5]
MDB
152
MDB (em sublegenda)
1.272.416
18,14%
Cláudio Lembo
ARENA
Blota Júnior
ARENA
111
ARENA (em sublegenda)
1.225.730
17,47%
  Eleito

Deputados federais eleitos[editar | editar código-fonte]

São relacionados os candidatos eleitos com informações complementares da Câmara dos Deputados.[18][19]

Deputados federais eleitos Partido Votação Percentual Cidade onde nasceu Unidade federativa
Samir Achôa MDB 239.492 Vera Cruz  São Paulo
Ademar de Barros Filho ARENA 191.880 São Paulo  São Paulo
Baldacci Filho ARENA 158.972 Caçapava  São Paulo
Erasmo Dias ARENA 152.972 Paraguaçu Paulista  São Paulo
Ulysses Guimarães MDB 151.105 Itirapina  São Paulo
Cunha Bueno ARENA 139.019 São Paulo  São Paulo
Jorge Paulo Nogueira MDB 134.241 São Paulo  São Paulo
Caio Pompeu de Toledo ARENA 105.436 São Paulo  São Paulo
Alberto Goldman MDB 101.863 São Paulo  São Paulo
Bezerra de Melo ARENA 91.078 Crateús  Ceará
Roberto Cardoso Alves MDB 90.884 Aparecida  São Paulo
Alcides Franciscato ARENA 88.614 Piracicaba  São Paulo
Mário Hato MDB 88.288 Vera Cruz  São Paulo
Rui Silva ARENA 88.151 Palmital  São Paulo
Athiê Jorge Coury MDB 87.226 Itu  São Paulo
Natal Gale MDB 86.860 Orlândia  São Paulo
José Camargo MDB 80.085 São Roque  São Paulo
Ralph Biasi MDB 79.699 Americana  São Paulo
Walter Garcia MDB 78.747 Santo André  São Paulo
Carlos Nelson MDB 77.717 Mogi Guaçu  São Paulo
João Cunha MDB 70.282 Ribeirão Preto  São Paulo
Maluly Neto ARENA 69.140 Fartura  São Paulo
Antônio Russo MDB 64.969 São Caetano do Sul  São Paulo
Airton Soares MDB 64.818 Pirajuí  São Paulo
Antônio Zacarias MDB 59.682 Passos  Minas Gerais
Gioia Júnior ARENA 59.132 Campinas  São Paulo
Audálio Dantas MDB 58.602 Tanque d'Arca  Alagoas
Otacílio de Almeida MDB 55.489 Tietê  São Paulo
Israel Dias Novaes MDB 54.707 Avaré  São Paulo
Del Bosco Amaral MDB 53.616 Santos  São Paulo
Horácio Ortiz MDB 52.724 Redenção da Serra  São Paulo
Francisco Rossi ARENA 51.853 Caçapava  São Paulo
Francisco Leão MDB 48.763 Arceburgo  Minas Gerais
Diogo Nomura ARENA 48.586 Registro  São Paulo
Aurélio Peres MDB 47.073 Bilac  São Paulo
Herbert Levy ARENA 44.932 São Paulo  São Paulo
Cardoso de Almeida ARENA 44.580 São Paulo  São Paulo
Salvador Julianelli ARENA 44.389 São Paulo  São Paulo
Santilli Sobrinho MDB 44.176 Mineiros do Tietê  São Paulo
Freitas Nobre MDB 42.667 Fortaleza  Ceará
Ruy Codo MDB 42.596 Santa Gertrudes  São Paulo
João Arruda MDB 42.381 São Paulo  São Paulo
Pacheco Chaves MDB 41.715 São Paulo  São Paulo
Benedito Marcílio MDB 41.279 Serra Negra  São Paulo
Sílvio Lopes ARENA 40.635 Santos  São Paulo
José Coimbra MDB 39.639 Coxim  Mato Grosso do Sul
Cantídio Sampaio[nota 9] ARENA 38.020 São Paulo  São Paulo
Antônio Morimoto ARENA 37.431 Promissão  São Paulo
Flávio Chaves MDB 36.545 Casa Branca  São Paulo
Airton Sandoval MDB 36.458 Itirapuã  São Paulo
Tidei de Lima MDB 35.588 Bauru  São Paulo
Jairo Maltoni MDB 34.806 Ribeirão Preto  São Paulo
Otávio Torrecilla MDB 34.094 Gália  São Paulo
Roberto de Carvalho MDB 33.904 Barretos  São Paulo
Adalberto Camargo MDB 33.332 Araraquara  São Paulo

Deputados estaduais eleitos[editar | editar código-fonte]

Estavam em jogo 79 vagas na Assembleia Legislativa de São Paulo.[1][19]

Deputados estaduais eleitos Partido Votação Percentual Cidade onde nasceu Unidade federativa
Nodeci Nogueira MDB 139.737
Robson Marinho MDB 75.767 Belo Horizonte  Minas Gerais
Manoel Oliveira Sala MDB 72.762
Eduardo Suplicy MDB 70.377 São Paulo  São Paulo
Marcos Cortes MDB 66.125
Fausto Rocha ARENA 61.691 São Paulo  São Paulo
Nabi Abi Chedid ARENA 60.860 Ramarith Líbano
Vanderlei Macris MDB 58.384 Americana  São Paulo
José Silveira Sampaio[nota 10] MDB 55.865 Rio Claro  São Paulo
Artur Alves Pinto ARENA 55.827 São Paulo  São Paulo
Wadih Helu ARENA 54.332 Tatuí  São Paulo
Antônio Rezk MDB 53.434
Antônio Salim Curiati ARENA 52.974 Avaré  São Paulo
Fernando Morais MDB 49.607 Mariana  Minas Gerais
Franco Baruselli MDB 46.080 Cerveno  Itália
Reginaldo Valadão MDB 45.717
João Gilberto Sampaio MDB 45.332
Geraldo Menezes ARENA 42.682
Marcelino Machado ARENA 42.357 Ribeirão Preto  São Paulo
Sérgio Morinaga MDB 41.766 Osvaldo Cruz  São Paulo
Ademar de Barros[nota 11] ARENA 41.587 Olímpia  São Paulo
Osmar Ribeiro Fonseca MDB 40.333
Fernando Zuppo ARENA 39.786 Garça  São Paulo
Walter Leme Soares ARENA 39.688
Roberto Purini MDB 39.581 Poloni  São Paulo
Hélio Rosas MDB 39.264 Pindamonhangaba  São Paulo
Walter Mendes MDB 39.166
Mário Rocha[nota 12] MDB 39.148
Álvaro Fraga ARENA 39.024
André Benassi MDB 37.608 Jundiaí  São Paulo
José Felício Castellano ARENA 37.495 Rio Claro  São Paulo
Luiz Carlos Santos MDB 37.291 Araxá  Minas Gerais
Antônio Carlos Mesquita MDB 36.599
José Storópoli MDB 36.344
Edson Tomaz de Lima MDB 36.049
Flávio Bierrenbach MDB 35.432 São Paulo  São Paulo
Abrahim Dabus ARENA 34.854 Avaré  São Paulo
Armando Pinheiro ARENA 34.827 São Paulo  São Paulo
Rubens Lara MDB 34.591 São Paulo  São Paulo
Delfim Cerqueira Neves ARENA 34.181
Jairo Ribeiro de Matos ARENA 33.982 Piracicaba  São Paulo
Benedito Ferreira de Campos MDB 33.822
Célio dos Santos MDB 33.478
Ricardo Izar ARENA 33.440 São Paulo  São Paulo
Vicente Botta MDB 33.253 São Carlos  São Paulo
Ivan Espíndola de Ávila MDB 33.000 Santos  São Paulo
José Eduardo Rodrigues MDB 32.957
Oscar Yazbek MDB 32.885
Archimedes Lammoglia ARENA 32.601
Marco Antônio de Oliveira ARENA 32.576
Evandro Mesquita[nota 13] MDB 32.227
José Yunes MDB 32.091 São Paulo  São Paulo
Fauze Carlos ARENA 31.687 Catiguá  São Paulo
Almir Pazzianotto MDB 30.737 Capivari  São Paulo
Renato Cordeiro ARENA 30.625 Birigui  São Paulo
Emílio Justo MDB 30.569
Irma Passoni MDB 30.438 Concórdia  Santa Catarina
Wanderlei Simionato Doenha MDB 29.757
José Bustamante MDB 29.674
Sílvio Benito Martini ARENA 29.546 Araraquara  São Paulo
Januário Mantelli Neto ARENA 29.651
Geraldo Augusto Siqueira MDB 29.449
Mauro Bragato MDB 29.417 Promissão  São Paulo
Jihei Noda MDB 28.986 Saga  Japão
Waldemar Lopes Ferraz ARENA 28.196
Waldemar Chubaci ARENA 28.156 Jaborandi  São Paulo
Hatiro Shimomoto ARENA 27.953 Katsuura  Japão
João Batista Breda MDB 27.641
Marco Aurélio Ribeiro MDB 26.775
Luís Benedito Máximo MDB 26.565
Walter Auada MDB 26.172
Luís Sérgio Santos MDB 26.128
Francisco Dias MDB 25.982 Baturité  Ceará
Theodosina Rosário Ribeiro MDB 25.436 Barretos  São Paulo
Agenor Lino de Matos MDB 25.400
Edson Adalberto Real MDB 24.740
Milton José Baldochi MDB 24.572
Doreto Campanari MDB 24.315 Marília  São Paulo
Goro Hama MDB 24.179 São Paulo  São Paulo

Notas

  1. No Distrito Federal havia seções especiais para captar o voto de quem estava fora do seu estado de origem e nos territórios federais do Amapá, Rondônia e Roraima serviu apenas para a escolha de deputados federais.
  2. Usando a terminologia da época, ele assumiu a "presidência do Conselho Administrativo da Caixa Econômica Federal de São Paulo," sendo que a expressão "superintendência" foi empregada para fins de concisão textual e similaridade com as denominações contemporâneas.
  3. A chapa "oficial" da ARENA era composta por Laudo Natel (governador), Rui Silva (vice-governador) e Ferreira Filho (senador).
  4. Antes de eleger-se para a Assembleia Legislativa em 1954, Amaral Furlan foi eleito suplente de deputado estadual em 1950 e sob tal insígnia foi convocado a exercer o mandato.
  5. a b c d Após a promulgação da Emenda Constitucional Número Um o Art. 41 § 2º da Constituição de 1967 dizia que cada senador seria eleito com o seu suplente. Em 1978 o senador biônico seria eleito sob a legislação concebida pelo Pacote de Abril enquanto no pleito direto seria eleito o candidato a senador mais votado de cada sublegenda cabendo aos demais a condição de suplentes, entretanto neste último caso citamos aqui apenas o primeiro de cada chapa sem deixar de referenciar o outro quando necessário.
  6. Não confundir com a escritora Dulce Braga.
  7. As sublegendas do MDB asseguraram a vitória de seus candidatos ao conquistarem 5.789.872 votos.
  8. Nascido no Rio de Janeiro, Fernando Henrique Cardoso é formado em Sociologia na Universidade de São Paulo. Professor auxiliar da respectiva disciplina, tomou assento no corpo docente da respectiva universidade onde conheceu Florestan Fernandes e Alain Touraine. Em 1961 obteve o Doutorado em Ciências Sociais na USP e nos dois anos seguintes fez pós-graduação na Universidade de Paris. Com a vitória do Regime Militar de 1964 trabalhou na Comissão Econômica para a América Latina e o Caribe e viveu em Santiago e Paris antes de voltar à Universidade de São Paulo, porém foi aposentado compulsoriamente pelo Ato Institucional Número Cinco em 1968. No ano seguinte ajudou na fundação do Centro Brasileiro de Análise e Planejamento e a seguir ministrou aulas no México, Suíça, França, Reino Unido e Estados Unidos. Descendente de uma família de militares, Fernando Henrique Cardoso é filho de Leônidas Cardoso. Em 1978 foi candidato a senador por uma sublegenda do MDB, mas perdeu a eleição e foi reposicionado como suplente de Franco Montoro.
  9. Faleceu vítima de câncer em São Paulo à 27/09/1982 e em seu lugar foi efetivado Henrique Turner, o qual fora originalmente convocado para substituir parlamentares que assumiram secretarias de estado no governo Paulo Maluf.
  10. Não confundir com o médico e ator Silveira Sampaio.
  11. Homônimo do político paulista Ademar de Barros.
  12. Não confundir com Mário da Rocha, escritor e jornalista português.
  13. Homônimo do cantor e ator Evandro Mesquita.

Referências

  1. a b «Banco de dados do Tribunal Superior Eleitoral». Consultado em 15 de outubro de 2017. 
  2. «BRASIL. Presidência da República: Emenda Constitucional Número Oito de 14/04/1977». Consultado em 15 de outubro de 2017. 
  3. «BRASIL. Presidência da República: Lei nº 6.091 de 15/08/1974». Consultado em 15 de outubro de 2017. 
  4. Delfim dá posse a Paulo Maluf (online). Jornal do Brasil, Rio de Janeiro (RJ), 13/05/1967. Primeiro caderno, p. 13. Página visitada em 16 de outubro de 2017.
  5. Paulo Maluf toma posse e promete govêrno (sic) austero (online). Jornal do Brasil, Rio de Janeiro (RJ), 09/04/1969. Primeiro caderno, p. 04. Página visitada em 16 de outubro de 2017.
  6. «Câmara dos Deputados do Brasil: deputado Paulo Maluf». Consultado em 16 de outubro de 2017. 
  7. Maluf derrota Natel por 28 votos (online). Folha de S. Paulo, São Paulo (SP), 05/06/1978. Capa. Página visitada em 16 de outubro de 2017.
  8. Natel é derrotado no TSE (online). Folha de S. Paulo, São Paulo (SP), 18/07/1978. Nacional, p. 05. Página visitada em 16 de outubro de 2017.
  9. «EBC esportes: saiba quem é José Maria Marin». Consultado em 16 de outubro de 2017. 
  10. «Câmara dos Deputados do Brasil: deputado Amaral Furlan». Consultado em 16 de outubro de 2017. 
  11. «Senado Federal do Brasil: senador Amaral Furlan». Consultado em 16 de outubro de 2017. 
  12. «Câmara dos Deputados do Brasil: deputado Franco Montoro». Consultado em 16 de outubro de 2017. 
  13. «Senado Federal do Brasil: senador Franco Montoro». Consultado em 16 de outubro de 2017. 
  14. «Senado Federal do Brasil: senador Fernando Henrique Cardoso». Consultado em 17 de outubro de 2017. 
  15. Um ritual monótono que durou doze horas (online). Folha de S. Paulo, São Paulo (SP), 02/09/1978. Nacional, p. 06. Página visitada em 15 de outubro de 2017.
  16. Menos de dez mil votos elegeram 22 senadores (online). Jornal do Brasil, Rio de Janeiro (RJ), 01/09/1978. Primeiro caderno, p. 04. Página visitada em 4 de junho de 2018.
  17. «CPDOC – Memória das Ciências Sociais no Brasil: biografia de Fernando Henrique Cardoso». Consultado em 17 de outubro de 2017. 
  18. «Página oficial da Câmara dos Deputados». Consultado em 15 de outubro de 2017. 
  19. a b «BRASIL. Presidência da República: Lei nº 9.504 de 30/09/1997». Consultado em 15 de outubro de 2017.