Eleições estaduais em São Paulo em 1998

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
‹ 1994 Brasil 2002
Eleições estaduais em São Paulo em 1998
4 de outubro de 1998
(Primeiro turno)
25 de outubro de 1998
(Segundo turno)
Covas Governador.jpg Paulo Maluf em 2002.jpg
Candidato Mário Covas Paulo Maluf
Partido PSDB PPB
Vice Geraldo Alckmin Luiz Carlos Santos
Votos 9.800.253 7.900.598
Porcentagem 55,37% 44,63%
Resultados da eleição para governador de São Paulo em 1998 por cidades.png
Resultados da eleição por municípios. Em azul, cidades onde Covas obteve o maior número de votos, e, em verde, onde Maluf venceu.



Governador(a) do Estado

Titular
Mário Covas
PSDB

As eleições estaduais em São Paulo em 1998 ocorreram em 4 de outubro, como parte das eleições gerais em 26 estados e no Distrito Federal. Assim foram eleitos o governador Mário Covas, o vice-governador Geraldo Alckmin, o senador Eduardo Suplicy, setenta deputados federais e 94 estaduais. Como nenhum candidato a governador recebeu a maioria dos votos válidos, houve um segundo turno em 25 de outubro entre Mário Covas e Paulo Maluf com vitória daquele. Segundo a Constituição de 1988, o mandato do governador seria de quatro anos a se iniciar em 1º de janeiro de 1999 para quatro anos de mandato já sob a égide da reeleição.[1][2][3][nota 1]

Eleito governador em 1994, Mario Covas (PSDB) pôde candidatar-se graças a aprovação de uma emenda que permitiu a reeleição para ocupantes do Executivo. No primeiro turno, o ex-governador Paulo Maluf (PPB) recebeu a maior votação: 32,2% dos votos válidos. A disputa pela outra vaga no segundo turno contou com uma acirrada disputa entre Covas e a deputada federal Marta Suplicy (PT), a qual Covas prevaleceu por 0,44% dos votos válidos, ou 74.436 votos em um universo de 16,6 milhões de votos. Em 25 de outubro, Covas foi reeleito governador com 55,3% dos votos, obtendo 1,9 milhão de votos a mais que Maluf.

O senador de primeiro mandato Eduardo Suplicy (PT) reelegeu-se com 6,7 milhões de votos, ou 43,1%. Suplicy derrotou Oscar Schmidt (PPB), jogador de basquetebol, que conseguiu 36,9%. Na eleição para a Câmara dos Deputados, o PSDB elegeu quinze deputados federais, o PT quatorze, o PPB doze, o PMDB e o PTB cinco cada. Para a Assembleia Legislativa, 21 deputados estaduais eleitos eram filiados ao PSDB, quinze ao PT, onze ao PFL, dez ao PPB, oito ao PMDB, sete ao PDT, seis ao PTB e cinco ao PL.

Eleição para o governo estadual[editar | editar código-fonte]

Governador eleito[editar | editar código-fonte]

Mario Covas no período em que era prefeito de São Paulo.

Nascido em Santos, o engenheiro civil Mário Covas formou-se na Universidade de São Paulo e seu primeiro cargo público foi o de secretário municipal de Obras em sua cidade natal. Em 1961 perdeu a eleição para a prefeitura santista via PST. Elegeu-se deputado federal em 1962 e reeleito pelo MDB em 1966. Adversário da Ditadura Militar de 1964, teve o mandato cassado e os direitos políticos suspensos por dez anos graças ao Ato Institucional Número Cinco em 1969 e assim foi trabalhar na iniciativa privada.[4][5] Eleito presidente do diretório estadual do MDB em 1979, migrou para o PMDB no ano seguinte e foi eleito deputado federal em 1982. Nomeado secretário de Transportes e depois prefeito de São Paulo pelo governador Franco Montoro em 1983,[6][nota 2] foi eleito senador em 1986, subscreveu a Constituição de 1988 e nesse mesmo ano esteve entre os fundadores do PSDB.[7][8] Quarto colocado no primeiro turno da eleição presidencial de 1989, perdeu o governo paulista em 1990, mas venceu a disputa pelo Palácio dos Bandeirantes em 1994.[9]

Vice-governador eleito[editar | editar código-fonte]

Natural de Pindamonhangaba, Geraldo Alckmin graduou-se em medicina na Universidade de Taubaté e um ano após obter o diploma foi eleito vereador pelo MDB em 1972 e alcançou a presidência da Câmara Municipal. Paralelo à sua carreira política foi professor universitário e chefe do Departamento de Anestesiologia da Santa Casa de Misericórdia em Pindamonhangaba.[10] Eleito prefeito de sua cidade natal em 1976, ingressou no PMDB durante o mandato. Eleito deputado estadual em 1982 e deputado federal em 1986, assinou a Constituição de 1988. Reeleito pelo PSDB em 1990, votou a favor do impeachment de Fernando Collor em 1992[11] e foi eleito vice-governador de São Paulo em 1994 e reeleito em 1998. Por causa do falecimento de Covas em 6 de março de 2001, foi efetivado governador.[12]

Resultados[editar | editar código-fonte]

Primeiro turno[editar | editar código-fonte]

Segundo o Tribunal Superior Eleitoral houve 16.612.001 votos nominais.[1]

Candidatos a governador do estado
Candidatos a vice-governador Número Coligação Votação Percentual
Paulo Maluf
PPB
Luiz Carlos Santos
PFL
11
Viva São Paulo
(PPB, PFL, PL, PRN, PSL, PST)
5.351.026
32,21%
Mário Covas
PSDB
Geraldo Alckmin
PSDB
45
São Paulo no Rumo Certo
(PSDB, PTB, PSD)
3.813.186
22,95%
Marta Suplicy
PT
Newton Lima Neto
PT
13
Pra renovar São Paulo
(PT, PCdoB, PCB, PPS, PMN)
3.738.750
22,51%
Francisco Rossi
PDT
José Aristodemo Pinotti
PSB
12
"PDT-PSB-PTN-PSN-PAN"
(PDT, PSB, PTN, PAN, PSN)
2.843.515
17,18%
Orestes Quércia
PMDB
Fernando Morais
PMDB
15
Levanta São Paulo
(PMDB, PRP, PTdoB, PGT)
714.097
4,30%
Constantino Cury
PRONA
Francisco Pacces
PRONA
56
PRONA (sem coligação)
68.906
0,41%
Antônio Donizete Ferreira
PSTU
Maria Valéria Carneiro
PSTU
16
PSTU (sem coligação)
29.033
0,18%
João Manuel Batista
PSDC
Inésio Domingues Carneiro
PSDC
27
PSDC (sem coligação)
24.229
0,15%
Edson Falanga
PSC
Luís Antônio Camargo
PSC
20
PSC (sem coligação)
14.853
0,09%
Levy Fidelix
PRTB
Luís Roberto Brunello
PRTB
28
PRTB (sem coligação)
14.406
0,08%
  Segundo turno

Segundo turno[editar | editar código-fonte]

De acordo com o Tribunal Superior Eleitoral houve 17.700.851 votos nominais.[1]

Candidatos a governador do estado
Candidatos a vice-governador Número Coligação Votação Percentual
Mário Covas
PSDB
Geraldo Alckmin
PSDB
45
São Paulo no rumo certo
(PSDB, PTB, PSD)
9.800.253
55,37%
Paulo Maluf
PPB
Luiz Carlos Santos
PFL
11
Viva São Paulo
(PPB, PFL, PL, PRN, PSL, PST)
7.900.598
44,63%
  Eleito

Eleição para o Senado Federal[editar | editar código-fonte]

Senador eleito[editar | editar código-fonte]

Eduardo Suplicy discursando no Senado durante seu segundo mandato.

Professor da Fundação Getúlio Vargas, Eduardo Suplicy graduou-se em Administração de Empresas à referida instituição e possui Doutorado em Economia pela Michigan State University. Nascido em São Paulo, elegeu-se deputado estadual pelo MDB em 1978 e em 1980 ajudou à fundação do PT.[13] Eleito deputado federal em 1982, votou a favor da Emenda Dante de Oliveira em 1984 e ausentou-se da eleição presidencial indireta no Colégio Eleitoral em 1985 por orientação partidária.[14][15] Derrotado ao disputar a prefeitura de São Paulo em 1985 e o governo de São Paulo em 1986, foi eleito vereador na capital paulista em 1988, chegando a presidir a Câmara Municipal. Eleito senador em 1990, foi vencido por Paulo Maluf em segundo turno ao disputar a prefeitura paulistana em 1992, contudo assegurou outro mandato de senador em 1998.[16][nota 3]

Resultados[editar | editar código-fonte]

Conforme o Tribunal Superior Eleitoral houve 15.576.926 votos nominais.[1]

Candidatos a senador da República
Número Coligação Votação Percentual
Eduardo Suplicy
PT
13
Pra renovar São Paulo
(PT, PCdoB, PCB, PPS, PMN)
6.718.463
43,13%
Oscar Schmidt
PPB
11
Viva São Paulo
(PPB, PFL, PL, PRN, PSL, PST)
5.752.202
36,93%
João Leite Neto
PTB
14
São Paulo no rumo certo
(PSDB, PTB, PSD)
2.300.545
14,77%
Jooji Hato
PMDB
15
Levanta São Paulo
(PMDB, PRP, PTdoB, PGT)
299.178
1,92%
Almino Afonso
PSB
40
"PDT-PSB-PTN-PSN-PAN"
(PDT, PSB, PTN, PAN, PSN)
161.093
1,03%
Paulo César Corrêa
PRONA
56
PRONA (sem coligação)
115.813
0,74%
Osmar Simonatto
PSDC
27
PSDC (sem coligação)
95.361
0,61%
Domingos Fernandes
PV
43
PV (sem coligação)
51.253
0,33%
Mauro Puerro
PSTU
16
PSTU (sem coligação)
36.691
0,24%
Leônidas de Oliveira
PTdoB
70
PTdoB (sem coligação)
17.911
0,11%
Nicanor Aguiar Filho
PRTB
28
PRTB (sem coligação)
16.406
0,11%
Napoleon Miguel Alves
PGT
30
PGT (sem coligação)
11.810
0,08%
Pedro de Camillo Netto[nota 4]
PSC
20
PSC (sem coligação)
zero
zero
  Eleito

Deputados federais eleitos[editar | editar código-fonte]

Composição da representação de São Paulo na Câmara dos Deputados eleita em 1998:
  PSDB: 15 assentos
  PT: 14 assentos
  PPB: 12 assentos
  PFL: 8 assentos
  PMDB: 5 assentos
  PTB: 5 assentos
  PDT: 4 assentos
  PL: 2 assentos
  PSB: 2 assentos
  Outros: 3 assentos

São relacionados os candidatos eleitos com informações complementares da Câmara dos Deputados.[17] Ressalte-se que os votos em branco eram considerados válidos para fins de cálculo do quociente eleitoral nas disputas proporcionais até 1997, quando essa anomalia foi banida da legislação brasileira.[3]

Deputados federais eleitos Partido Votação Percentual Cidade onde nasceu Unidade federativa
José Genoino PT 306.988 1,97% Quixeramobim  Ceará
Aloizio Mercadante PT 241.559 1,55% Santos  São Paulo
Rubens Furlan PFL 220.596 1,41% Sorocaba  São Paulo
Michel Temer PMDB 206.154 1,32% Tietê  São Paulo
Celso Giglio[nota 5] PTB 190.047 1,22% Campinas  São Paulo
Luíza Erundina PSB 187.498 1,20% Uiraúna  Paraíba
Celso Russomanno PPB 185.611 1,19% São Paulo  São Paulo
Luiz Antônio de Medeiros PFL 185.283 1,19% Eirunepé  Amazonas
Salvador Zimbaldi PSDB 182.760 1,17% Campinas  São Paulo
Delfim Neto PPB 177.912 1,14% São Paulo  São Paulo
Wagner Salustiano PPB 159.125 1,02% São Paulo  São Paulo
Paulo Lima PFL 158.186 1,01% Presidente Prudente  São Paulo
Telma de Souza PT 135.172 0,87% Santos  São Paulo
Marcos Cintra PL 132.266 0,85% São Paulo  São Paulo
Lamartine Posella PPB 129.907 0,83% Campinas  São Paulo
Antonio Palocci PT 125.462 0,80% Ribeirão Preto  São Paulo
Vadão Gomes PPB 124.062 0,79% Populina  São Paulo
Alberto Mourão[nota 6] PMDB 122.734 0,79% São Paulo  São Paulo
Maluly Neto[nota 7] PFL 118.799 0,76% Fartura  São Paulo
Nelo Rodolfo PPB 116.736 0,75% São Paulo  São Paulo
Vanderval Santos PTB 115.668 0,74% Rio de Janeiro  Rio de Janeiro
José Dirceu PT 113.659 0,73% Passa Quatro  Minas Gerais
Ricardo Izar PPB 113.399 0,73% São Paulo  São Paulo
Antônio Kandir PSDB 111.843 0,72% São Paulo  São Paulo
Valdemar Costa Neto PL 108.827 0,70% São Paulo  São Paulo
Zé Índio PPB 107.381 0,69% Recife  Pernambuco
Corauci Sobrinho PFL 106.488 0,68% Ribeirão Preto  São Paulo
Cunha Bueno PPB 103.432 0,66% São Paulo  São Paulo
Duilio Pisaneschi PTB 100.366 0,64% Santo André  São Paulo
Franco Montoro[nota 8] PSDB 99.356 0,64% São Paulo  São Paulo
Jorge Tadeu Mudalen PPB 97.478 0,62% Guarulhos  São Paulo
Milton Monti PMDB 97.080 0,62% São Manuel  São Paulo
Paulo de Velasco PRONA 94.880 0,61% Curvelo  Minas Gerais
Ary Kara PPB 94.179 0,60% Neves Paulista  São Paulo
Arnaldo Faria de Sá PPB 94.087 0,60% São Paulo  São Paulo
Paulo Kobayashi PSDB 92.937 0,60% Ribeirão Pires  São Paulo
Gilberto Kassab PFL 92.866 0,59% São Paulo  São Paulo
Moreira Ferreira PFL 91.194 0,58% São Paulo  São Paulo
Professor Luizinho PT 90.738 0,58% Cândido Mota  São Paulo
Arnaldo Madeira PSDB 88.512 0,57% Santos  São Paulo
Robson Tuma PFL 87.279 0,56% São Paulo  São Paulo
Nelson Marquezelli PTB 86.643 0,56% Pirassununga  São Paulo
José Aníbal PSDB 86.320 0,55% Guajará-Mirim  Rondônia
Ângela Guadagnin PT 85.177 0,55% Rio de Janeiro  Rio de Janeiro
Aldo Rebelo PCdoB 84.288 0,54% Viçosa  Alagoas
Aloysio Nunes PSDB 83.685 0,54% São José do Rio Preto  São Paulo
Antonio Carlos Pannunzio PSDB 77.277 0,50% Sorocaba  São Paulo
Emerson Kapaz PSDB 74.818 0,48% São Paulo  São Paulo
André Benassi PSDB 72.093 0,46% Jundiaí  São Paulo
Marcelo Barbieri PMDB 70.625 0,45% Araraquara  São Paulo
Alberto Goldman PSDB 70.472 0,45% São Paulo  São Paulo
Edinho Araújo[nota 9] PMDB 70.393 0,45% Santa Fé do Sul  São Paulo
Xico Graziano PSDB 69.600 0,45% Araras  São Paulo
Luiz Antônio Fleury Filho PTB 68.874 0,44% São José do Rio Preto  São Paulo
Sampaio Dória PSDB 68.558 0,44% São Paulo  São Paulo
José de Abreu[nota 10] PSDB 64.322 0,41% Belo Horizonte  Minas Gerais
Júlio Semeghini PSDB 63.969 0,41% Fernandópolis  São Paulo
Ricardo Berzoini PT 63.313 0,41% Juiz de Fora  Minas Gerais
João Paulo Cunha PT 61.058 0,39% Caraguatatuba  São Paulo
Eduardo Jorge PT 60.995 0,39% Salvador Bahia Bahia
Jair Meneguelli PT 59.590 0,38% São Paulo  São Paulo
Arlindo Chinaglia PT 56.672 0,36% Serra Azul  São Paulo
José Machado PT 53.691 0,34% Tanabi  São Paulo
João Herrmann Neto PPS 52.162 0,33% Campinas  São Paulo
Iara Bernardi PT 51.218 0,33% Sorocaba  São Paulo
Hélio Santos PDT 48.157 0,31% Corumbá  Mato Grosso do Sul
Fernando Zuppo PDT 44.528 0,29% Garça  São Paulo
Evilásio Farias PSB 40.162 0,26% Cabaceiras  Paraíba
José Roberto Batochio PDT 38.048 0,24% Dois Córregos  São Paulo
Neuton Lima PDT 37.604 0,24% São Paulo  São Paulo

Deputados estaduais eleitos[editar | editar código-fonte]

Composição da Assembleia Legislativa de São Paulo eleita em 1998:
  PSDB: 21 assentos
  PT: 15 assentos
  PFL: 11 assentos
  PPB: 10 assentos
  PMDB: 8 assentos
  PDT: 7 assentos
  PTB: 6 assentos
  PL: 5 assentos
  PRONA: 3 assentos
  Outros: 8 assentos

Foram escolhidos 94 deputados estaduais para a Assembleia Legislativa de São Paulo.[1][3][nota 11]

Deputados estaduais eleitos Partido Votação Percentual Cidade onde nasceu Unidade federativa
Faria Júnior PMDB 170.325 1,08% São Paulo  São Paulo
Conte Lopes PPB 148.388 0,94% São Paulo  São Paulo
Edson Ferrarini PL 144.188 0,92% São Paulo  São Paulo
Agripino de Oliveira Lima PFL 99.272 0,63% Lençóis Paulista  São Paulo
Reinaldo de Barros Filho PPB 98.365 0,63% São Paulo  São Paulo
Campos Machado PTB 90.849 0,58% Cerqueira César  São Paulo
Paschoal Thomeu PPB 87.577 0,56% São Paulo  São Paulo
Edna Macedo PTB 81.222 0,52% Rio das Flores  Rio de Janeiro
José Caldini Crespo PFL 77.324 0,49% Sorocaba  São Paulo
Celino Cardoso PSDB 77.058 0,49% Terra Rica  Paraná
Márcio de Lima Araújo PFL 74.313 0,47% Recife  Pernambuco
Rodrigo Garcia PFL 73.320 0,47% Tanabi  São Paulo
Antônio Salim Curiati PPB 73.318 0,47% Avaré  São Paulo
Célia Leão PSDB 73.265 0,47% São Paulo  São Paulo
Cícero de Freitas PFL 73.036 0,46% Viçosa  Alagoas
Dimas Ramalho PMDB 72.625 0,46% Taquaritinga  São Paulo
Vanderlei Macris PSDB 70.917 0,45% Americana  São Paulo
Vaz de Lima PSDB 70.889 0,45% Fernandópolis  São Paulo
Marquinho Tortorello PPS 70.293 0,45% São Joaquim da Barra  São Paulo
Alberto Hiar PSDB 70.084 0,45% São Paulo  São Paulo
Afanásio Jazadji PFL 68.243 0,43% São Paulo  São Paulo
Roberto Engler PSDB 66.311 0,42% São Paulo  São Paulo
Daniel Marins Alessi PTB 65.426 0,42% São Paulo  São Paulo
Walter Feldman PSDB 63.533 0,40% São Paulo  São Paulo
Junji Abe PFL 59.932 0,38% Mogi das Cruzes  São Paulo
Eli Corrêa Filho PFL 59.925 0,38% São Paulo  São Paulo
Ricardo Tripoli PSDB 59.559 0,38% São Paulo  São Paulo
Duarte Nogueira PFL 57.521 0,37% Ribeirão Preto  São Paulo
Roque Barbiere PTB 56.447 0,36% Coroados  São Paulo
Milton Vieira PRONA 56.099 0,36% Iepê  São Paulo
Gilberto Nascimento PMDB 54.511 0,35% São Paulo  São Paulo
Aldo Demarchi PPB 53.702 0,34% Rio Claro  São Paulo
Nelson Salomé[nota 12] PL 53.684 0,34% Araras  São Paulo
José de Filippi Júnior PT 52.216 0,33% Espírito Santo do Pinhal  São Paulo
Jilmar Tatto PT 51.952 0,33% Corbélia  Paraná
Jorge Luis Caruso PMDB 51.250 0,33% São Paulo  São Paulo
Paulo Teixeira PT 51.078 0,32% Águas da Prata  São Paulo
Hamilton Pereira PT 50.623 0,32% Sorocaba  São Paulo
Marcos Ribeiro Mendonça PSDB 50.302 0,32% São Paulo  São Paulo
Paulo Julião PSDB 49.319 0,31% São Sebastião  São Paulo
Edmir Chedid PFL 49.025 0,31% Campinas  São Paulo
Vitor Sapienza PMDB 48.931 0,31% São Paulo  São Paulo
Lobbe Neto PMDB 48.625 0,31% São Paulo  São Paulo
Pedro Yves Simão PPB 48.121 0,31% Agudos  São Paulo
Sidney Beraldo PSDB 48.091 0,31% São João da Boa Vista  São Paulo
Jamil Murad PCdoB 47.779 0,30% José Bonifácio  São Paulo
Elói Pietá PT 47.202 0,30% Gaurama  Rio Grande do Sul
João Caramez PSDB 47.072 0,30% Itapevi  São Paulo
Rodolfo da Costa e Silva PSDB 46.988 0,30% Goiânia  Goiás
Renato Simões PT 46.641 0,30% Campinas  São Paulo
José Benedito Rezende PPB 46.333 0,29% São Paulo  São Paulo
Maria do Carmo Piunti PSDB 45.927 0,29% Itu  São Paulo
Terezinha da Paulina PFL 45.392 0,29% Itapeva  São Paulo
Arnaldo Jardim PMDB 45.044 0,29% Altinópolis  São Paulo
Artur Alves Pinto PL 44.774 0,28% São Paulo  São Paulo
Rosmary Corrêa PMDB 44.676 0,28% São Paulo  São Paulo
Wilson de Oliveira Morais PSDB 44.627 0,28% Santa Bárbara Bahia Bahia
Carlos Eduardo Faraco Braga PPB 44.207 0,28% Bauru  São Paulo
Carlinhos Almeida PT 43.846 0,28% Santa Rita de Jacutinga  Minas Gerais
Willians Rafael da Silva PL 43.841 0,28% São Roque  São Paulo
Pedro Tobias PDT 43.377 0,28% Bekarzla Líbano
José Carlos Stangarlini PSDB 43.053 0,27% São Paulo  São Paulo
Celso Tanauí PTB 42.842 0,27% Terra Roxa  São Paulo
Edson Gomes PPB 42.389 0,27% Fernandópolis  São Paulo
Roberto Gouveia PT 42.135 0,27% Ituiutaba  Minas Gerais
Dorival Braga PSDB 41.650 0,26% São Paulo  São Paulo
Hanna Garib[nota 13] PPB 41.544 0,26% Halba Líbano
Ary Fossen PSDB 41.402 0,26% Jundiaí  São Paulo
José Zico Prado PT 41.339 0,26% Macaubal  São Paulo
Edson Aparecido PSDB 41.008 0,26% São Paulo  São Paulo
Geraldo Vinholi PDT 40.328 0,26% Itápolis  São Paulo
Carlos Sampaio PSDB 39.945 0,25% Campinas  São Paulo
Carlos Zarattini PT 39.653 0,25% São Paulo  São Paulo
Vanderlei Siraque PT 38.937 0,25% Santa Cruz do Rio Pardo  São Paulo
Maria Lúcia Prandi PT 38.230 0,24% Potirendaba  São Paulo
Edmur Mesquita PSDB 37.649 0,24% Santos  São Paulo
Luiz Gonzaga Camargo PDT 37.623 0,24% Tatuí  São Paulo
Nivaldo Santana Silva PCdoB 37.416 0,24% São Paulo  São Paulo
Claury Alves da Silva PTB 37.125 0,24% Ourinhos  São Paulo
José Augusto PT 36.462 0,23% Garanhuns  Pernambuco
Petterson Prado PDT 36.336 0,23% Campinas  São Paulo
Roberto Morais PPS 35.721 0,23% Charqueada  São Paulo
Zuza Abdul Massih PRP 34.795 0,22% Beirute Líbano
Mariângela Duarte PT 32.727 0,21% Rio de Janeiro  Rio de Janeiro
Pedro Mori PDT 31.943 0,20% Presidente Bernardes  São Paulo
Alberto Calvo PSB 31.163 0,20% Santos  São Paulo
Henrique Pacheco PT 31.016 0,20% São Paulo  São Paulo
César Callegari PSB 30.657 0,20% São Paulo  São Paulo
Rafael Silva PDT 30.175 0,19% Jardinópolis  São Paulo
Edir Sales PL 29.259 0,19% Araguari  Minas Gerais
Salvador Khuriyeh PDT 27.815 0,18% Taubaté  São Paulo
Ramiro Meves PRONA 27.806 0,18% São Bernardo do Campo  São Paulo
Eduardo Soltur PRONA 19.234 0,12% São Paulo  São Paulo
Luiz Carlos Gondim PV 13.327 0,09% Fortaleza  Ceará

Notas

  1. A posse dos parlamentares eleitos ocorreria em 1º de fevereiro de 1999 para os deputados federais e 15 de março para os estaduais.
  2. As eleições diretas para prefeito nas capitais foram restabelecidas em 1985 e em São Paulo o vencedor foi o ex-presidente Jânio Quadros.
  3. Henrique Santillo tornou-se o primeiro senador da história petista em 1980, todavia o representante goiano deixou o partido por conta de divergências políticas e dois anos depois o amazonense Evandro Carreira filiou-se à legenda, mas Eduardo Suplicy foi o primeiro senador eleito originalmente pelo PT.
  4. Faleceu em 13/09/1998 e Kayo Fukuda substituiu-o no restante da campanha.
  5. Eleito prefeito de Osasco em 2000, renunciou ao mandato parlamentar em prol de Mendes Thame.
  6. Eleito prefeito de Praia Grande em 2000, renunciou ao mandato parlamentar em prol de Wagner Rossi.
  7. Eleito prefeito de Araçatuba em 2000, renunciou ao mandato parlamentar em prol de Chico Sardelli.
  8. Faleceu em São Paulo à 16 de julho de 1999 e em seu lugar foi efetivada Zulaiê Cobra.
  9. Eleito prefeito de São José do Rio Preto em 2000, renunciou ao mandato parlamentar em prol de João Dado, pois Carlos Apolinário, o suplente anterior, fora eleito vereador na capital paulista.
  10. Homônimo do ator José de Abreu.
  11. No ano 2000 Junji Abe foi eleito prefeito em Mogi das Cruzes, José de Filippi Júnior em Diadema e Eloi Pietá em Guarulhos, daí foram efetivados os respectivos suplentes.
  12. Homônimo do pianista e compositor Nelson Salomé.
  13. Teve o mandato cassado em 29 de junho de 1999 por quebra do decoro parlamentar e assim foi efetivado Wadih Helu.

Referências

  1. a b c d e «Banco de dados do Tribunal Superior Eleitoral». Consultado em 26 de outubro de 2017. 
  2. «BRASIL. Presidência da República. Constituição de 1988». Consultado em 26 de outubro de 2017. 
  3. a b c «BRASIL. Presidência da República. Lei nº. 9.504 de 30/09/1997». Consultado em 26 de outubro de 2017. 
  4. As eleições em Santos (online). Folha de S. Paulo, 26/02/1961. Assuntos Diversos, p. 04. Página visitada em 26 de outubro de 2017.
  5. «Câmara dos Deputados do Brasil: deputado Mário Covas». Consultado em 26 de outubro de 2017. 
  6. Covas assume e promete seguir lutando por diretas (online). Folha de S. Paulo, 11/05/1983. Nacional, p. 04. Página visitada em 26 de outubro de 2017.
  7. «Senado Federal do Brasil: senador Mário Covas». Consultado em 26 de outubro de 2017. 
  8. Novo partido nasce sem nome (online). O Estado de S. Paulo, São Paulo (SP), 25/06/1988. Geral, p. 04. Página visitada em 26 de outubro de 2017.
  9. «Biografia de Mário Covas no UOL Educação». Consultado em 26 de outubro de 2017. 
  10. «Câmara dos Deputados do Brasil: deputado Geraldo Alckmin». Consultado em 26 de outubro de 2017. 
  11. «Governistas tentaram evitar implosão (online). Folha de S. Paulo, São Paulo (SP), 30/09/1992. Brasil, p. 1-8.». Consultado em 26 de outubro de 2017. 
  12. «Morre em SP o governador Mário Covas». Diário de Cuiabá. 7 de março de 2001. Consultado em 12 de janeiro de 2018. 
  13. «Câmara dos Deputados do Brasil: deputado Eduardo Suplicy». Consultado em 26 de outubro de 2017. 
  14. A nação frustrada! Apesar da maioria de 298 votos, faltaram 22 para aprovar diretas (online). Folha de S. Paulo São Paulo (SP), 26/04/1984. Capa. Página visitada em 26 de outubro de 2017.
  15. Sai de São Paulo o voto para a vitória da Aliança (online). Folha de S. Paulo, São Paulo (SP), 16/01/1985. Primeiro caderno, p. 06. Página visitada em 26 de outubro de 2017.
  16. «Senado Federal do Brasil: senador Eduardo Suplicy». Consultado em 26 de outubro de 2017. 
  17. «Página oficial da Câmara dos Deputados». Consultado em 26 de outubro de 2017.