Eleições estaduais em São Paulo em 2006

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
2002 Brasil 2010
Eleições estaduais em  São Paulo em 2006
1º de outubro de 2006
(Decisão em primeiro turno)
Serra02032007-2.jpg Aloizio mercadante2.jpg
Candidato José Serra Aloizio Mercadante
Partido PSDB PT
Natural de São Paulo, SP Santos, SP
Vice Alberto Goldman Nádia Campeão
Votos 12.381.038 6.771.582
Porcentagem 57,93% 31,68%


Brasão do estado de São Paulo.svg
Governador de São Paulo

Eleito
José Serra
PSDB

As eleições estaduais em São Paulo em 2006 aconteceram em 1º de outubro como parte das eleições gerais no Distrito Federal e em 26 estados. Foram escolhidos o governador José Serra, o vice-governador Alberto Goldman, o senador Eduardo Suplicy, 70 deputados federais e 94 estaduais. Como o candidato mais votado superou a metade mais um dos votos válidos o pleito foi decidido em primeiro turno e conforme a Constituição a posse do governador e do vice-governador se daria em 1º de janeiro de 2007 para quatro anos de mandato já sob a égide da reeleição.[1][2][3][nota 1]

Nascido na cidade de São Paulo, José Serra faz política desde os seus tempos como aluno da Escola Politécnica da Universidade de São Paulo quando, graças ao arrimo da Ação Popular, elegeu-se presidente da União Nacional dos Estudantes[4] e nessa condição participou do Comício das Reformas realizado na Central do Brasil em 13 de março de 1964, dias antes da queda de João Goulart e instalação do Regime Militar de 1964. Exilado na França, regressou à América do Sul e obteve o mestrado em Economia pela Universidade do Chile. Em 1973 um golpe de estado instalou uma ditadura militar comandada por Augusto Pinochet e em razão disso José Serra foi morar nos Estados Unidos. Doutor em Economia na Universidade de Cornell em 1976, foi professor na Universidade de Princeton por dois anos e ao voltar ao Brasil ministrou aulas na Universidade Estadual de Campinas.[5] Nomeado secretário de Planejamento no governo Franco Montoro, deixou o cargo a tempo de eleger-se deputado federal pelo PMDB em 1986. Subscritor da Constituição de 1988, nesse mesmo ano tomou parte na criação do PSDB e foi candidato a prefeito de São Paulo, mas não se elegeu.[nota 2][6][7] Renovou o mandato de deputado federal em 1990, votou pelo impeachment de Fernando Collor em 1992 e foi eleito senador em 1994.[8][9] Nomeado ministro do Planejamento por escolha do presidente Fernando Henrique Cardoso, renunciou para disputar a prefeitura paulistana em 1996, no entanto caiu já em primeiro turno. Em 1998 assumiu o cargo de ministro da Saúde e nele ficou até 2002 quando candidatou-se a presidente da República.[10][11] Derrotado por Luiz Inácio Lula da Silva em segundo turno, foi escolhido presidente nacional do PSDB no ano seguinte. Mais tarde foi eleito prefeito de São Paulo em 2004 e governador do estado em 2006 numa inédita vitória ainda em primeiro turno e sob o recorde nominal de 12.381.038 votos.[11][1]

Natural de São Paulo, o engenheiro civil Alberto Goldman é formado pela Universidade de São Paulo. Trabalhando na iniciativa privada, era membro clandestino do proscrito PCB, mas foi pelo MDB que estreou na política ao eleger-se deputado estadual em 1970 e 1974 e deputado federal em 1978. Extinto o bipartidarismo ingressou no PMDB e foi reeleito em 1982. Nessa legislatura votou pela Emenda Dante de Oliveira em 1984 e em Tancredo Neves no Colégio Eleitoral em 1985.[12][13] Vitoriosa a Nova República tornou-se líder do PCB na Câmara dos Deputados, mas não se reelegeu. Nomeado secretário especial de Coordenação de Programas de Governo e depois secretário de Administração pelo governador Orestes Quércia, regressou ao PMDB em 1987, foi eleito deputado federal em 1990 e votou a favor do impeachment de Fernando Collor em 1992.[14][9] A seguir foi nomeado ministro dos Transportes pelo presidente Itamar Franco e reeleito deputado federal em 1994.[14] Derrotado ao disputar o cargo de vice-prefeito de São Paulo em 1996 na chapa de José Aristodemo Pinotti, deixou o PMDB no ano seguinte e foi reeleito via PSDB em 1998 e 2002. Eleito vice-governador de São Paulo em 2006, foi secretário de Desenvolvimento a convite de José Serra e substituiu o titular quando este renunciou para disputar a presidência da República em 2010.[15]

Na eleição para senador o vencedor foi o professor Eduardo Suplicy. Nascido em São Paulo, formou-se em Administração de Empresas na Fundação Getúlio Vargas, onde lecionou, e tem Doutorado em Economia na Michigan State University. Filiado ao MDB, elegeu-se deputado estadual pelo MDB em 1978 e em 1980 veio a fundação do PT.[16] Eleito deputado federal em 1982, apoiou a Emenda Dante de Oliveira em 1984 e não compareceu à eleição presidencial indireta no Colégio Eleitoral em 1985 por decisão partidária.[12][13] Derrotado ao disputar a prefeitura de São Paulo em 1985 e o governo de São Paulo em 1986, foi eleito vereador na capital paulista em 1988 chegando a presidir a Câmara Municipal. Eleito senador em 1990, foi vencido por Paulo Maluf em segundo turno ao disputar a prefeitura paulistana em 1992, porém renovou seu mandato de senador em 1998 e 2006, atingindo a marca inédita de três mandatos consecutivos como representante paulista na Câmara Alta do Parlamento.[17][nota 3]

Resultado da eleição para governador[editar | editar código-fonte]

Segundo o Tribunal Superior Eleitoral houve 21.373.140 votos nominais (89,91%), 1.124.475 votos em branco (4,73%) e 1.274.283 votos nulos (5,36%) resultando no comparecimento de 23.771.898 eleitores.[1]

Candidatos a governador do estado
Candidatos a vice-governador Número Coligação Votação Percentual
José Serra
PSDB
Alberto Goldman
PSDB
45
Compromisso com São Paulo
(PSDB, PFL, PTB, PPS)
12.381.038
57,93%
Aloizio Mercadante
PT
Nádia Campeão
PCdoB
13
Melhor pra São Paulo
(PT, PCdoB, PL, PRB, PRTB)
6.771.582
31,68%
Orestes Quércia
PMDB
Átila Russomano
PP
15
Nome não disponível
(PMDB, PP)
977.695
4,57%
Plínio de Arruda Sampaio
PSOL
Mauro Iasi
PCB
50
Frente de Esquerda por São Paulo
(PSOL, PCB, PSTU)
532.470
2,49%
Carlos Apolinário
PDT
José Pereira dos Santos
PDT
12
PDT (sem coligação)
430.847
2,02%
Cláudio Antônio de Mauro
PV
Aurélio Nomura
PV
43
PV (sem coligação)
186.097
0,87%
Mario Luiz Guide
PSB
Marcos Gava
PSB
40
PSB (sem coligação)
39.857
0,19%
Tarcísio Foglio
PSC
Samuel Rodrigues
PSC
20
PSC (sem coligação)
17.420
0,08%
Antônio da Cunha Lima
PSDC
Samuel Rodrigues
PSDC
27
PSDC (sem coligação)
7.073
0,03%
Roberto Sarli Júnior
PAN
Roberto Machioni
PAN
26
PAN (sem coligação)
6.607
0,03%
Eder Xavier
PTC
Jarbas Ávila
PTC
36
PTC (sem coligação)
6.047
0,03%
Roberto Siqueira Gomes
PSL
Marcos Germano
PSL
17
PSL (sem coligação)
5.982
0,03%
Anaí Caproni
PCO
Firmino Alves Rosa
PCO
29
PCO (sem coligação)
5.902
0,03%
Fred Corrêa
PTN
Evandro de Lima
PTdoB
19
São Paulo de cara nova
(PTN, PTdoB, PRP)
4.523
0,02%
Pedro Viviani
PMN
Armando Coelho Neto
PMN
33
PMN (sem coligação)
zero
zero
Rui Reichmann
PRONA
Gioconda Cornélio
PRONA
56
PRONA (sem coligação)
zero
zero
  Eleito

Resultado da eleição para senador[editar | editar código-fonte]

Segundo o Tribunal Superior Eleitoral houve 18.791.421 votos nominais (79,05%), 2.223.288 votos em branco (9,35%) e 2.757.189 votos nulos (11,60%) resultando no comparecimento de 23.771.898 eleitores.[1][nota 4]

Candidatos a senador da República
Candidatos a suplente de senador Número Coligação Votação Percentual
Eduardo Suplicy
PT
Carlos Ramiro
PT
Ari Fernandes
PT
131
Melhor pra São Paulo
(PT, PCdoB, PL, PRB, PRTB)
8.986.803
47,82%
Afif Domingos
PFL
Zulaiê Cobra
PSDB
Natanael Miranda dos Santos
PFL
252
Compromisso com São Paulo
(PSDB, PFL, PTB, PPS)
8.212.177
43,70%
Alda Marco Antônio
PMDB
Hans Krauss
PP
Antônio Neto
PMDB
151
Nome não disponível
(PMDB, PP)
929.179
4,95%
Elza Pereira
PDT
Dráusio Rangel
PDT
Alexandre Zakir
PDT
123
PDT (sem coligação)
195.817
1,04%
Domingos Fernandes
PV
Ana Alice Vieira
PV
Rogério Menezes
PV
430
PV (sem coligação)
187.587
1,00%
Luís Carlos Prates[nota 5]
PSTU
Fátima Fernandes
PSTU
Paulo Pasin
PSTU
161
Frente de Esquerda por São Paulo
(PSOL, PCB, PSTU)
81.525
0,43%
Manoel Barbosa do Nascimento
PSC
Alcides de Souza
PSC
Suzana Góes
PSC
201
PSC (sem coligação)
52.388
0,28%
Marcelo Reis Lobo
PSB
Maria Izabel Balboni
PSB
Marcos Saltini
PSB
400
PSB (sem coligação)
48.581
0,26%
Robson Malek
PRONA
Bráulio Jesus Borges
PRONA
Ludovico Pregeli Filho
PRONA
561
PRONA (sem coligação)
42.971
0,23%
Paulo Piasenti
PTdoB
Alfredo Mimessi Júnior
PTdoB
Ubiratan Lopes
PTdoB
700
São Paulo de cara nova
(PTN, PTdoB, PRP)
22.484
0,12%
João Dárcio Filho[nota 6]
PTN
Shane de Abreu
PTN
Jesus Cones
PTN
190
São Paulo de cara nova
(PTN, PTdoB, PRP)
9.856
0,05%
José Ribamar Dantas
PMN
Eduardo Zanzini Neto
PMN
Marcelo Albano
PMN
333
PMN (sem coligação)
9.426
0,05%
Ana Prudente
PTC
Singoala Costa
PTC
Maria Isabel Moura
PTC
360
PTC (sem coligação)
7.050
0,04%
Antônio Carlos Silva
PCO
Júlio Marcelino
PCO
Sandra Mazzeo
PCO
291
PCO (sem coligação)
3.027
0,02%
João Rezende
PAN
Cícero Francisco da Silva
PAN
Josué Lins
PAN
266
PAN (sem coligação)
2.550
0,01%
Rubens Pavão
PSDC
Ezio Balbino
PSDC
Francisco Sena
PSDC
270
PSDC (sem coligação)
zero
zero
Raimundo Souza Teixeira
PRTB
Francisco Paioli
PRTB
Marco Aurélio Russo
PRTB
280
PRTB (sem coligação)
zero
zero
Constantino Cury
PHS
Edson Veneroni
PSL
Silvânia Lamas
PHS
310
Nome não disponível
(PSL, PHS)
zero
zero
Félix Gil Fernandes[nota 6]
PRP
André Luiz da Cruz
PRP
Isaías Dutra
PRP
441
São Paulo de cara nova
(PTN, PTdoB, PRP)
zero
zero
  Eleito

Deputados federais eleitos[editar | editar código-fonte]

São relacionados os candidatos eleitos com informações complementares da Câmara dos Deputados.[18] Ressalte-se que os votos em branco eram considerados válidos para fins de cálculo do quociente eleitoral nas disputas proporcionais até 1997, quando essa anomalia foi banida de nossa legislação.[3]

Deputados federais eleitos Partido Votação Percentual Cidade onde nasceu Unidade federativa
Paulo Maluf PP 739.827 3,63% São Paulo  São Paulo
Celso Russomanno PP 573.524 2,82% São Paulo  São Paulo
Clodovil Hernandes[nota 7] PTC 493.951 2,43% Elisiário  São Paulo
Enéas Carneiro[nota 8] PRONA 386.905 1,90% Rio Branco  Acre
Emanuel Fernandes PSDB 328.486 1,61% Valentim Gentil  São Paulo
Paulinho da Força PDT 287.443 1,41% Porecatu  Paraná
Edson Aparecido PSDB 248.639 1,22% São Paulo  São Paulo
Carlos Sampaio PSDB 239.781 1,16% Campinas  São Paulo
Márcio França PSB 215.388 1,06% São Vicente  São Paulo
Mendes Thame PSDB 205.462 1,01% Piracicaba  São Paulo
Luíza Erundina PSB 195.886 0,96% Uiraúna  Paraíba
José Aristodemo Pinotti[nota 9] PFL 193.918 0,95% São Paulo  São Paulo
Renato Amary PSDB 188.331 0,93% Sorocaba  São Paulo
Arnaldo Jardim PPS 187.427 0,92% Altinópolis  São Paulo
Reinaldo Nogueira PDT 184.553 0,91% Indaiatuba  São Paulo
João Paulo Cunha PT 177.056 0,85% Caraguatatuba  São Paulo
Walter Feldman PSDB 176.495 0,85% São Paulo  São Paulo
Duarte Nogueira PSDB 170.319 0,84% Ribeirão Preto  São Paulo
Arlindo Chinaglia PT 170.008 0,84% Serra Azul  São Paulo
Aldo Rebelo PCdoB 169.621 0,83% Viçosa  Alagoas
Jorge Tadeu Mudalen PFL 165.699 0,81% Guarulhos  São Paulo
Júlio Semeghini PSDB 160.962 0,79% Fernandópolis  São Paulo
Ricardo Tripoli PSDB 157.128 0,77% São Paulo  São Paulo
Arnaldo Madeira PSDB 153.302 0,75% Santos  São Paulo
Ricardo Izar PTB 152.795 0,75% São Paulo  São Paulo
Antonio Palocci PT 152.246 0,75% Ribeirão Preto  São Paulo
Jilmar Tatto PT 145.081 0,71% Corbélia  Paraná
Frank Aguiar PTB 144.797 0,71% Itainópolis  Piauí
Vanderlei Macris PSDB 142.510 0,70% Americana  São Paulo
Carlos Zarattini PT 134.224 0,66% São Paulo  São Paulo
Silvinho Peccioli[nota 10] PFL 133.033 0,65% Santos  São Paulo
Sílvio Torres PSDB 131.197 0,64% São José do Rio Pardo  São Paulo
José Aníbal PSDB 129.300 0,64% Guajará-Mirim  Rondônia
Milton Monti PL 126.940 0,62% São Manuel  São Paulo
Paulo Renato Souza PSDB 124.610 0,61% Porto Alegre  Rio Grande do Sul
José Eduardo Cardozo PT 124.409 0,61% São Paulo  São Paulo
Nelson Marquezelli PTB 118.721 0,58% Pirassununga  São Paulo
Cândido Vaccarezza PT 118.258 0,58% Senhor do Bonfim Bahia Bahia
Lobbe Neto PSDB 117.285 0,58% São Paulo  São Paulo
Dimas Ramalho PPS 117.108 0,56% Taquaritinga  São Paulo
Janete Pietá PT 116.865 0,57% Rio de Janeiro  Rio de Janeiro
Arnaldo Faria de Sá PTB 114.709 0,56% São Paulo  São Paulo
William Woo PSDB 113.010 0,56% São Paulo  São Paulo
Paulo Teixeira PT 112.452 0,55% Águas da Prata  São Paulo
Ricardo Berzoini PT 112.006 0,55% Juiz de Fora  Minas Gerais
Fernando Chucre PSDB 111.048 0,54% Itajubá  Minas Gerais
Antônio Bulhões PMDB 109.978 0,53% Rio de Janeiro  Rio de Janeiro
Antonio Carlos Pannunzio PSDB 109.150 0,53% Sorocaba  São Paulo
Francisco Rossi PMDB 106.272 0,51% Caçapava  São Paulo
José Mentor PT 104.960 0,51% Santa Isabel  São Paulo
Valdemar Costa Neto PL 104.157 0,50% São Paulo  São Paulo
Guilherme Campos PFL 103.605 0,50% Campinas  São Paulo
Walter Ihoshi PFL 101.097 0,49% São Paulo  São Paulo
Michel Temer[nota 11] PMDB 99.046 0,48% Tietê  São Paulo
José Genoino PT 98.729 0,48% Quixeramobim  Ceará
Vicente Paulo da Silva PT 97.477 0,47% Santa Cruz  Rio Grande do Norte
Devanir Ribeiro PT 92.047 0,44% Getulina  São Paulo
Marco Aurélio Ubiali PSB 84.175 0,41% São Paulo  São Paulo
Ivan Valente PSOL 83.719 0,40% São Paulo  São Paulo
Vadão Gomes PP 78.728 0,38% Populina  São Paulo
Edinho Montemor PSB 73.212 0,35% Mirassol  São Paulo
Beto Mansur PP 67.447 0,32% São Vicente  São Paulo
João Dado PDT 61.716 0,30% São José do Rio Preto  São Paulo
Talmir Rodrigues PV 60.407 0,29% Muzambinho  Minas Gerais
Roberto Santiago PV 56.481 0,27% São Paulo  São Paulo
Marcelo Ortiz PV 48.749 0,23% Penápolis  São Paulo
Régis de Oliveira PSC 48.631 0,23% Monte Aprazível  São Paulo
João Paulo Tóffano PV 43.652 0,21% Jaú  São Paulo
Sérgio Nechar PV 42.173 0,20% Piracicaba  São Paulo
Aline Corrêa PP 11.132 0,05% Recife  Pernambuco

Deputados estaduais eleitos[editar | editar código-fonte]

Foram escolhidos 94 deputados estaduais para a Assembleia Legislativa de São Paulo.[1][3]

Deputados estaduais eleitos Partido Votação Percentual Cidade onde nasceu Unidade federativa
Campos Machado PTB 246.247 1,20% Cerqueira César  São Paulo
Pedro Tobias PSDB 228.325 1,11% Bekarzla Líbano
Rodrigo Garcia PFL 196.824 0,96% Tanabi  São Paulo
Rui Falcão PT 183.364 0,90% Pitangui  São Paulo
Paulo Alexandre Barbosa PSDB 182.654 0,89% Santos  São Paulo
Gil Arantes PFL 149.642 0,73% Barueri  São Paulo
Vaz de Lima PSDB 142.903 0,70% Fernandópolis  São Paulo
Dárcy Vera PFL 140.702 0,69% Indiaporã  São Paulo
Analice Fernandes PSDB 140.587 0,69% Jales  São Paulo
Sidney Beraldo PSDB 136.826 0,67% São João da Boa Vista  São Paulo
Valdomiro Lopes PSB 132.605 0,65% São José do Rio Preto  São Paulo
Célia Leão PSDB 124.131 0,61% São Paulo  São Paulo
Bruno Covas PSDB 122.312 0,60% São Paulo  São Paulo
Orlando Morando PSDB 120.771 0,59% São Bernardo do Campo  São Paulo
André Soares PFL 120.168 0,59% Rio de Janeiro  Rio de Janeiro
Rogério Nogueira PDT 117.298 0,57% Indaiatuba  São Paulo
Maria Lúcia Amary PSDB 117.212 0,57% São Paulo  São Paulo
Barros Munhoz PSDB 114.009 0,56% São Paulo  São Paulo
Celso Giglio PSDB 111.302 0,54% Campinas  São Paulo
Mauro Bragato PSDB 110.146 0,54% Promissão  São Paulo
Samuel Moreira PSDB 109.225 0,53% Governador Valadares  Minas Gerais
Celino Cardoso PSDB 106.563 0,52% Terra Rica  Paraná
Simão Pedro PT 104.339 0,51% Tapira  Paraná
Mário Reali PT 98.694 0,48% São Paulo  São Paulo
Edson Ferrarini PTB 98.541 0,48% São Paulo  São Paulo
Roque Barbiere PTB 96.597 0,47% Coroados  São Paulo
Fernando Capez PSDB 95.101 0,46% São Paulo  São Paulo
Vinícius Camarinha PSB 94.551 0,46% Marília  São Paulo
Antônio Carlos da Silva PSDB 94.218 0,46% Jacareí  São Paulo
Estevam Galvão PFL 94.099 0,46% Garça  São Paulo
Marcos Zerbini PSDB 94.082 0,46% São Paulo  São Paulo
Carlinhos Almeida PT 94.024 0,46% Santa Rita de Jacutinga  Minas Gerais
Rodolfo da Costa e Silva PSDB 92.382 0,45% Goiânia  Goiás
Sebastião Almeida PT 89.399 0,44% Guaporema  Paraná
Jonas Donizette PSB 89.374 0,44% Monte Belo  São Paulo
Waldir Agnello PTB 87.939 0,43% Santos  São Paulo
Conte Lopes PTB 87.191 0,43% São Paulo  São Paulo
João Caramez PSDB 84.560 0,41% Itapevi  São Paulo
Geraldo Vinholi PDT 83.935 0,41% Itápolis  São Paulo
Roberto Turchi Morais PPS 82.487 0,40% Charqueada  São Paulo
Hamilton Pereira PT 82.256 0,40% Sorocaba  São Paulo
Jorge Caruso PMDB 81.810 0,40% São Paulo  São Paulo
Ricardo Montoro PSDB 81.181 0,40% São Paulo  São Paulo
Vicente Cândido PT 81.132 0,40% Bom Jesus do Galho  Minas Gerais
João Mellão Neto PFL 79.903 0,39% São Paulo  São Paulo
Edmir Chedid PFL 78.583 0,38% Campinas  São Paulo
Antonio Mentor PT 77.874 0,38% São Paulo  São Paulo
João Barbosa de Carvalho PFL 77.650 0,38% Flórida Paulista  São Paulo
Roberto Engler PSDB 77.486 0,38% São Paulo  São Paulo
Patrícia Freitas Lima PRONA 77.351 0,38% São Paulo  São Paulo
Rita Passos PV 76.841 0,38% Indaiatuba  São Paulo
José Zico Prado PT 76.708 0,37% Macaubal  São Paulo
José Augusto PSDB 74.638 0,36% Garanhuns  Pernambuco
José Antônio Bruno PFL 73.968 0,36% São Paulo  São Paulo
Roberto Massafera PSDB 72.205 0,35% Araraquara  São Paulo
Mozart Russomanno PP 71.952 0,35% São Paulo  São Paulo
Marcos Martins PT 71.474 0,35% Mandaguari  Paraná
Aldo Demarchi PFL 70.880 0,35% Rio Claro  São Paulo
Milton Leite PFL 70.629 0,34% São Paulo  São Paulo
Luiz Carlos Gondim PPS 70.403 0,34% Fortaleza  Ceará
Adriano Diogo PT 69.074 0,34% São Paulo  São Paulo
Rafael Silva PDT 68.092 0,33% Jardinópolis  São Paulo
Ana do Carmo PT 67.596 0,33% São Paulo  São Paulo
José Afonso Lobato PV 67.138 0,33% Redenção da Serra  São Paulo
Haifa Madi PDT 66.981 0,33% Santos  São Paulo
Ana Perugini PT 66.878 0,33% Cariacica  Espírito Santo
Antônio Salim Curiati PP 66.208 0,32% Avaré  São Paulo
Gilmaci Santos PL 65.188 0,32% Dourados  Mato Grosso do Sul
Vitor Sapienza PPS 64.918 0,32% São Paulo  São Paulo
Vanessa Damo PV 64.579 0,32% Mauá  São Paulo
Donisete Braga PT 64.569 0,32% Flora Rica  São Paulo
Baleia Rossi PMDB 64.000 0,31% São Paulo  São Paulo
Cido Sério PT 63.021 0,31% Bento de Abreu  São Paulo
Alex Manente PPS 60.571 0,30% São Bernardo do Campo  São Paulo
Otoniel Lima PL 60.358 0,29% São Paulo  São Paulo
Luciano Batista PSB 59.653 0,29% Santos  São Paulo
Roberto Felício PT 59.227 0,29% Itapuí  São Paulo
José Cândido PT 58.932 0,29% Sabino  São Paulo
Maria Lúcia Prandi PT 55.736 0,27% Potirendaba  São Paulo
Vanderlei Siraque PT 55.715 0,27% Santa Cruz do Rio Pardo  São Paulo
Fausto Figueira PT 55.599 0,27% São Paulo  São Paulo
Davi Zaia PPS 54.799 0,27% Cordeirópolis  São Paulo
Uebe Rezeck PMDB 52.587 0,26% Colina  São Paulo
Major Olímpio PV 52.386 0,26% Presidente Venceslau  São Paulo
Carlos Giannazi PSOL 50.269 0,25% São Paulo  São Paulo
Edson Tomazini PMDB 48.609 0,24% Santo Anastácio  São Paulo
Edson Giriboni PV 47.968 0,23% Itapetininga  São Paulo
Reinaldo Alguz PV 47.192 0,23% Tupã  São Paulo
Chico Sardelli PV 45.445 0,22% Americana  São Paulo
Feliciano Nahimy Filho PV 43.643 0,21% Campinas  São Paulo
José Bittencourt PDT 41.510 0,20% Tobias Barreto  Sergipe
Raul Marcelo PSOL 35.670 0,17% São Pedro do Turvo  São Paulo
Ahmad Said Mourad PSC 34.020 0,17% São Paulo  São Paulo
Lelis Trajano PSC 29.515 0,14% São Paulo  São Paulo

Notas

  1. A posse dos parlamentares eleitos ocorreria em 1º de fevereiro de 2007 para os deputados federais e em 15 de março de 2007 para os estaduais.
  2. Originalmente José Serra era candidato a vice-prefeito na chapa de Franco Montoro, mas como o titular renunciou por motivos de saúde o PSDB trocou o cabeça de chapa.
  3. Henrique Santillo foi o primeiro senador petista em 1980, todavia o parlamentar goiano saiu do partido ante divergências políticas e dois anos depois o amazonense Evandro Carreira filiou-se à legenda, mas Eduardo Suplicy foi o primeiro senador eleito originalmente pelo PT.
  4. Os candidatos assinalados com a expressão "zero" tiveram o registro indeferido (negado) pelo juiz e recorreram à instância superior, mas esta confirmou a sentença antes proferida.
  5. Conhecido pelo epíteto de "Mancha", é homônimo do jornalista Luiz Carlos Prates.
  6. a b Uma análise no banco de dados da Justiça Eleitoral informa que PTN e PRP lançaram candidaturas à parte mesmo compondo uma coligação.
  7. Faleceu em Brasília em 17 de março de 2009 vítima de parada cardíaca e nisso sua cadeira parlamentar foi entregue a Jairo Paes de Lira.
  8. Faleceu no Rio de Janeiro em 6 de maio de 2007 vítima de leucemia e nisso sua cadeira parlamentar foi entregue à suplente Luciana Costa.
  9. Faleceu em São Paulo em 1º de julho de 2009 vítima de câncer de pulmão e nisso sua cadeira parlamentar foi entregue a Geraldo Tenuta Filho.
  10. Eleito prefeito de Santana de Parnaíba em 2008, renunciou ao mandato parlamentar em prol de Jorginho Maluly.
  11. Eleito vice-presidente da República na chapa de Dilma Rousseff em 2010, renunciou ao mandato parlamentar no último mês da legislatura em prol de Paulo Lima.

Referências

  1. a b c d e «Banco de dados do Tribunal Superior Eleitoral». Consultado em 1º de novembro de 2017 
  2. «BRASIL. Presidência da República. Constituição de 1988». Consultado em 1º de novembro de 2017 
  3. a b c «BRASIL. Presidência da República. Lei nº. 9.504 de 30/09/1997». Consultado em 1º de novembro de 2017 
  4. Chapa de esquerda sai vencedora nas eleições para presidência da UNE (online). Jornal do Brasil, Rio de Janeiro (RJ), 30/07/1963. Primeiro caderno, p. 03. Página visitada em 3 de novembro de 2017.
  5. «CPDOC – A trajetória política de João Goulart: biografia de José Serra». Consultado em 3 de novembro de 2017 
  6. Montoro desiste da candidatura; substituto sai na próxima semana (online). Folha de S. Paulo, 19/08/1988. Política, p. A-4. Página visitada em 3 de novembro de 2017.
  7. Serra cede e vai disputar a prefeitura (online). Folha de S. Paulo, 01/09/1988. Capa. Página visitada em 3 de novembro de 2017.
  8. «Câmara dos Deputados do Brasil: deputado José Serra». Consultado em 3 de novembro de 2017 
  9. a b «Governistas tentaram evitar implosão (online). Folha de S. Paulo, São Paulo (SP), 30/09/1992. Brasil, p. 1-8.». Consultado em 3 de novembro de 2017 
  10. «Senado Federal do Brasil: senador José Serra». Consultado em 3 de novembro de 2017 
  11. a b «José Serra (PSDB), ministro das Relações Exteriores do governo Temer (g1.globo.com)». Consultado em 3 de novembro de 2017 
  12. a b A nação frustrada! Apesar da maioria de 298 votos, faltaram 22 para aprovar diretas (online). Folha de S. Paulo São Paulo (SP), 26/04/1984. Capa. Página visitada em 3 de novembro de 2017.
  13. a b Sai de São Paulo o voto para a vitória da Aliança (online). Folha de S. Paulo, São Paulo (SP), 16/01/1985. Primeiro caderno, p. 06. Página visitada em 3 de novembro de 2017.
  14. a b «Câmara dos Deputados do Brasil: deputado Alberto Goldman». Consultado em 3 de novembro de 2017 
  15. «Goldman assume SP e promete governo em velocidade de cruzeiro (g1.globo.com)». Consultado em 3 de novembro de 2017 
  16. «Câmara dos Deputados do Brasil: deputado Eduardo Suplicy». Consultado em 4 de novembro de 2017 
  17. «Senado Federal do Brasil: senador Eduardo Suplicy». Consultado em 4 de novembro de 2017 
  18. «Página oficial da Câmara dos Deputados». Consultado em 1º de novembro de 2017