Eleições estaduais na Paraíba em 1945

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
‹ 1935 Brasil 1947
Eleições estaduais na  Paraíba em 1945
2 de dezembro de 1945
(Turno único)
Senadores eleitos
Replace this image male.png Replace this image male.png
Candidato Adalberto Ribeiro Vergniaud Wanderley
Partido UDN UDN
Natural de Recife, PE Campina Grande, PB
Votos 74.477 73.942
Porcentagem 26,75% 26,55%


Brasão da Paraíba.svg
Governador da Paraíba
Symbol merge onhold.svg Modelo de infocaixa a fundir

As eleições estaduais na Paraíba em 1945 ocorreram em 2 de dezembro sob as regras decreto-lei 7.586[1] e uma resolução do Tribunal Superior Eleitoral editada em 8 de setembro como parte das eleições no Distrito Federal, 20 estados e no território federal do Acre. Foram eleitos dois senadores e dez deputados federais[2] membros da Assembleia Nacional Constituinte destinada a elaborar a Constituição de 1946 e assim restaurar o regime democrático após o Estado Novo.[nota 2][3]

Na eleição para senador o mais votado foi Adalberto Ribeiro. Nascido no Recife, graduou-se advogado em 1908 na Universidade Federal de Pernambuco e residiu em Vitória onde presidiu o Conselho Municipal. Após deixar o Espírito Santo chegou à Paraíba em 1934, ano em que foi eleito deputado estadual constituinte. Presidente da seção paraibana da Ordem dos Advogados do Brasil e membro do Instituto dos Advogados Brasileiros, agiu na condição de inspetor de ensino e esteve longe da política durante o Estado Novo. Eleito senador pela UDN, foi signatário da Carta Magna de 1946. Renunciou ao mandato em 1951 após aprovação em concurso público no Rio de Janeiro[4] e durante quatro meses seu mandato esteve às mãos de Epitácio Pessoa até que este veio a falecer.[5]

Diante dos fatos, houve uma eleição suplementar em 4 de novembro de 1951 a fim de preencher a vaga e o escolhido foi Veloso Borges, um farmacêutico nascido em Pilar e formado na Universidade Federal da Bahia. Residiu no Amazonas e no Rio de Janeiro ora exercendo seu ofício, ora como diretor de empresas e nesse compasso assumiu o cargo de vice-presidente do Banco Aliança do Rio de Janeiro. Ligado politicamente a José Américo de Almeida, foi eleito senador via PSD.[nota 3]

Sobre a outra vaga senatorial aberta em 1945, esta foi entregue a Vergniaud Wanderley. Advogado natural de Campina Grande e formado na Universidade Federal de Pernambuco, foi promotor de justiça em Blumenau por cinco anos a partir de 1930.[6] De volta à Paraíba foi chefe de polícia e secretário de Viação e Obras Públicas. Nomeado prefeito de sua cidade natal em 1935, afastou-se com a decretação do Estado Novo, mas retomou o posto em 1940. Eleito senador pela UDN, assinou a Carta Magna de 1946 e desempenhou suas funções até a renúncia em 1952, quando assumiu uma cadeira de ministro no Tribunal de Contas da União. Como o suplente, Antônio Pereira Diniz, exercia o mandato de deputado federal, os paraibanos ficaram privados de um senador até a convocação de eleições extraordinárias.[7]

O pleito suplementar para esta vaga foi decidido em favor de Assis Chateaubriand. Empresário do setor de comunicação, formou-se na Universidade Federal de Pernambuco e com o passar dos anos firmou-se não apenas como advogado e jornalista, mas como proprietário dos Diários Associados, maior conglomerado de mídia do país até o surgimento do Grupo Globo.[8] Natural de Umbuzeiro, foi eleito senador por seu estado em 9 de março de 1952 e mais tarde conquistaria um novo mandato pelo Maranhão.

Resultado da eleição para senador[editar | editar código-fonte]

Dados fornecidos pelo Tribunal Regional Eleitoral da Paraíba[2] com informações complementares do Senado Federal.

Candidatos a senador da República
Primeiro suplente de senador Número Coligação Votação Percentual
Adalberto Ribeiro[nota 4]
UDN
Epitácio Pessoa[nota 5]
PTB
-
UDN (sem coligação)
74.477
26,75%
Vergniaud Wanderley[nota 4]
UDN
Pereira Diniz[nota 5]
UDN
-
UDN (sem coligação)
73.942
26,55%
Antônio Galdino Guedes
PSD
Não havia
-
-
PSD (sem coligação)
57.940
20,81%
José Pereira Lira
PSD
Não havia
-
-
PSD (sem coligação)
57.044
20,48%
Luís Carlos Prestes
PCB
Não havia
-
-
PCB (sem coligação)
7.571
2,72%
João Santa Cruz de Oliveira
PCB
Não havia
-
-
PCB (sem coligação)
7.485
2,69%
  Eleito

Deputados federais eleitos[editar | editar código-fonte]

São relacionados os candidatos eleitos com informações complementares da Câmara dos Deputados.[9] Ressalte-se que os votos em branco eram considerados válidos para fins de cálculo do quociente eleitoral nas disputas proporcionais até 1997, quando essa anomalia foi banida de nossa legislação.[10]

Deputados federais eleitos Partido Votação Percentual Cidade onde nasceu Unidade federativa
Argemiro de Figueiredo UDN 13.989 Campina Grande  Paraíba
Janduhy Carneiro PSD 10.547 Pombal  Paraíba
João Agripino UDN 10.356 Brejo do Cruz  Paraíba
João Úrsulo UDN 9.797 Santa Rita  Paraíba
Samuel Duarte PSD 9.683 Alagoa Nova  Paraíba
Plínio Lemos UDN 7.533 Areia  Paraíba
José Joffily PSD 7.076 Campina Grande  Paraíba
Ernani Sátiro UDN 6.759 Patos  Paraíba
Fernando Nóbrega UDN 6.310 João Pessoa  Paraíba
Osmar de Aquino UDN 4.907 Guarabira  Paraíba

Eleição suplementar de 1951[editar | editar código-fonte]

Resultado para senador[editar | editar código-fonte]

Foram apurados 74.810 votos nominais, 1.960 votos em branco (2,46%) e 2.754 votos nulos (3,46%), resultando no comparecimento de 79.524 eleitores.[2][nota 6]

Candidatos a senador da República
Primeiro suplente de senador Número Coligação Votação Percentual
Veloso Borges
PL
Ver abaixo
-
-
PL, PSD
53.690
71,77%
Epitácio Cordeiro Pessoa Cavalcante
-
Ver abaixo
-
-
-
21.120
28,23%
  Eleito(a)

Resultado para suplente[editar | editar código-fonte]

Foram apurados 54.019 votos nominais, 1.788 votos em branco (2,25%) e 23.717 votos nulos (29,82%), resultando no comparecimento de 79.524 eleitores.[2][nota 6]

Primeiro suplente de senador
Candidatos a senador da República Número Coligação Votação Percentual
Francisco de Paula Porto
PSD
Ver acima
-
-
PL, PSD
48.067
88,98%
Francisco Serrano Falcão
-
Ver abaixo
-
-
-
5.952
28,23%
  Eleito

Eleição suplementar de 1952[editar | editar código-fonte]

Resultado para senador[editar | editar código-fonte]

Num cenário de candidatura única foram apurados 15.520 votos em branco (15,69%) e 4.332 votos nulos (4,38%) que, se somados aos votos nominais, resultam no comparecimento de 98.909 eleitores.[2]

Candidatos a senador da República
Primeiro suplente de senador Número Coligação Votação Percentual
Assis Chateaubriand
PSD
Ver abaixo
-
-
PL, PSD
79.057
100%
  Eleito(a)

Resultado para suplente[editar | editar código-fonte]

Foram apurados 89.134 votos nominais, 5.371 votos em branco (5,43%) e 4.404 votos nulos (4,45%), resultando no comparecimento de 98.909 eleitores.[2][nota 6]

Primeiro suplente de senador
Candidatos a senador da República Número Coligação Votação Percentual
Drault Ernani
PSD
Ver acima
-
-
PL, PSD
74.508
83,59%
João Lelis de Luna Freire
-
Ver acima
-
-
-
14.626
16,41%
  Eleito(a)

Notas

  1. Embora não pertencesse a qualquer partido político seu secretariado era composto por filiados à UDN, segundo a Fundação Getúlio Vargas.
  2. O Acre elegeria dois deputados federais sendo que em 1947 Amapá, Rondônia e Roraima elegeriam apenas um deputado federal cada.
  3. Virgínio Veloso Borges é irmão de Manuel Veloso Borges, eleito senador pela Paraíba na última legislatura antes do Estado Novo.
  4. a b Adalberto Ribeiro renunciou em 24 de abril de 1951 para assumir o cargo de procurador da prefeitura do Rio de Janeiro e após quatro meses faleceu o suplente, que era sobrinho e homônimo do ex-presidente Epitácio Pessoa. Sobre Vergniaud Wanderley, este renunciou junto com o suplente em 1952 cumprindo um acordo político para eleger Assis Chateaubriand.
  5. a b Segundo o Art. 11, § 2º, inciso I, alínea "b" das Disposições Transitórias, os suplentes dos senadores eleitos em 1945 seriam escolhidos por voto direto em 1947.
  6. a b c Não foi possível levantar a filiação partidária de alguns dos candidatos nas eleições suplementares para senador junto ao TRE paraibano. As poucas informações a respeito foram colhidas na coluna "Coisas da Política" no Jornal do Brasil.

Referências