Eleições estaduais na Paraíba em 1994

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
1990 Brasil 1998
Eleições estaduais na  Paraíba em 1994
3 de outubro de 1994
(Primeiro turno)
15 de novembro de 1994
(Segundo turno)
Antonio Mariz.jpg Plenário do Congresso (39777958125).jpg
Candidato Antônio Mariz Lúcia Braga
Partido PMDB PDT
Natural de João Pessoa, PB João Pessoa, PB
Vice José Maranhão Evaldo Gonçalves
Votos 781.349 558.987
Porcentagem 58,30% 41,70%


Brasão da Paraíba.svg
Governador da Paraíba

As eleições estaduais na Paraíba ocorreram em 3 de outubro como parte das eleições gerais no Distrito Federal e em 26 estados. Foram escolhidos o governador Antônio Mariz, o vice-governador José Maranhão, os senadores Ronaldo Cunha Lima e Humberto Lucena, 12 deputados federais e 36 estaduais. Como nenhum candidato a governador alcançou a metade mais um dos votos válidos, houve um segundo turno em 15 de novembro e conforme a Constituição e a Lei nº. 8.713, a posse ocorreria em 1º de janeiro de 1995 para quatro anos de mandato e originalmente sem direito a reeleição.[nota 1][1][2][3][4]

Em 1978 o cientista político e advogado Antônio Mariz foi derrotado por Tarcísio Burity na convenção da ARENA que escolheu o candidato a governador na eleição indireta ao Palácio da Redenção.[5] Após filiar-se ao PMDB Antônio Mariz foi candidato a governador em 1982 numa eleição vencida por Wilson Braga. Dentre os cargos que exerceu estão as de subchefe da Casa Civil no governo Pedro Gondim e promotor de justiça em cidades do Rio Grande do Norte e Paraíba.[nota 2] Nascido em João Pessoa e diplomado em Ciência Política na Universidade de Nancy, formou-se advogado na Universidade Federal do Rio de Janeiro. Eleito prefeito de Sousa na legenda do PTB em 1963, foi secretário de Educação no governo João Agripino e elegeu-se deputado federal pela ARENA em 1970, 1974 e 1978.[6] Com a incorporação do antigo PP ao PMDB[7] ingressou neste último e após ser vencido na disputa pelo governo estadual foi nomeado para uma diretoria no Banco Nacional da Habitação pelo presidente José Sarney em 1985. Eleito deputado federal em 1986, subscreveu a Constituição de 1988 e em 1990 foi eleito senador, mandato ao qual renunciaria em prol de Ney Suassuna.[8] Eleito governador da Paraíba em 1994, Antônio Mariz governaria até sua morte em 16 de setembro de 1995.[9][10]

Diante de tão infausto acontecimento o governo estadual foi entregue a José Maranhão. Advogado nascido em Araruna e formado na Universidade Federal da Paraíba, foi eleito deputado estadual via PTB e depois pelo MDB em 1954, 1958, 1962 e 1966, interrompendo sua vida parlamentar durante o governo José Fernandes de Lima onde foi secretário de Agricultura. Cassado pelo Ato Institucional Número Cinco em 1969, regressou à política em 1980 como filiado ao PMDB, legenda na qual foi eleito deputado federal em 1982, 1986 e 1990. Favorável à emenda Dante de Oliveira, votou em Tancredo Neves no Colégio Eleitoral, ajudou a escrever a Constituição de 1988 e votou a favor do impeachment de Fernando Collor em 1992.[11][12][3][13] A seguir foi eleito vice-governador da Paraíba em 1994 sendo efetivado após a morte do titular.[14][15][16][nota 3]

Eleito senador com a maior votação do estado, o advogado Ronaldo Cunha Lima nasceu em Guarabira e formou-se na Universidade Federal da Paraíba. Sua carreira política começou como vereador em e iniciou sua carreira política como vereador em Campina Grande e em 1962 foi eleito deputado estadual pelo PTB[17] e reeleito via MDB em 1966. Dois anos mais tarde foi eleito prefeito de Campina Grande, mas teve o mandato cassado pelo Ato Institucional Número Cinco. Radicado na cidade do Rio de Janeiro, voltou à política em 1982 ao se eleger prefeito de Campina Grande pelo PMDB. Sua chegada ao governo estadual aconteceu em 1990, mandato do qual se licenciou após efetuar dois disparos à queima-roupa contra Tarcísio Burity, seu adversário político, no final de 1993. Quatro meses depois Cunha Lima renunciou a fim de se eleger senador em 1994.[18][19]

Condenado por crime eleitoral ao utilizar a gráfica do Senado Federal para imprimir material de campanha, o advogado Humberto Lucena aguardou até às vésperas da posse para usufruir do mandato que conquistara. Nascido em João Pessoa, formou-se em 1951 pela Universidade Federal de Pernambuco. Eleito deputado estadual via PSD em 1950 e 1954, elegeu-se deputado federal em 1958 e 1962. Por conta do bipartidarismo instituído pelo Regime Militar de 1964 foi reeleito pelo MDB em 1966. Derrotado na eleição para senador em 1970, conquistou um novo mandato de deputado federal em 1974 e foi eleito senador por uma sublegenda do MDB em 1978.[nota 4][20] Posteriormente filiado ao PMDB foi reeleito em 1986 e exerceu a presidência do Senado Federal por duas vezes.[nota 5][21] Eleito pela terceira vez em 1994, foi beneficiado por um projeto de anistia que favoreceu também outros parlamentares, mas faleceu no exercício do mandato.[22][23][nota 6][24][25]

Resultado da eleição para governador[editar | editar código-fonte]

Primeiro turno[editar | editar código-fonte]

Candidatos a governador do estado Candidatos a vice-governador Número Coligação Votação Percentual
Antônio Mariz
PMDB
José Maranhão
PMDB
151
Frente Paraíba
(PMDB, PSDB, PPS, PSD, PP, PRP, PSC)
525.396
46,59%
Lúcia Braga
PDT
Evaldo Gonçalves
PFL
121
União das Oposições Paraíbanas
(PDT, PFL, PRN, PTB, PL)
489.066
43,37%
Avenzoar Arruda
PT
Antônio Cariri
PCdoB
131
Frente Paraíba Popular
(PT, PCdoB, PSB, PV, PSTU)
73.989
6,56%
Francisco Evangelista
PPR
Salomão Gadelha
PPR
111
PPR (sem coligação)
24.541
2,18%
Djacy Lima
PMN
Paulo Valle
PMN
331
PMN (sem coligação)
14.611
1,30%
  Segundo turno

Segundo turno[editar | editar código-fonte]

Candidatos a governador do estado Candidatos a vice-governador Número Coligação Votação Percentual
Antônio Mariz
PMDB
José Maranhão
PMDB
151
Frente Paraíba
(PMDB, PSDB, PPS, PSD, PP, PRP, PSC)
781.349
58,30%
Lúcia Braga
PDT
Evaldo Gonçalves
PFL
121
União das Oposições Paraibanas
(PDT, PFL, PRN, PTB, PL)
558.987
41,70%
  Eleitos

Resultado da eleição para senador[editar | editar código-fonte]

Candidatos a senador da República
Candidatos a suplente de senador Número Coligação Votação Percentual
Ronaldo Cunha Lima
PMDB
José Carlos da Silva Júnior
PMDB
Roberto Cavalcanti
PMDB
153
Frente Paraíba
(PMDB, PSDB, PPS, PSD, PP, PRP, PSC)
517.833
26,84%
Humberto Lucena
PMDB
Wellington Roberto
PMDB
Renato Cunha Lima
PMDB
152
Frente Paraíba
(PMDB, PSDB, PPS, PSD, PP, PRP, PSC)
415.900
21,56%
Raimundo Lira
PFL
Tico Lira
PFL
Roberto França
PFL
252
União das Oposições Paraibanas
(PDT, PFL, PRN, PTB, PL)
381.186
19,76%
João Agripino
PFL
Manuel Gaudêncio
PFL
Romeu Gonçalves
PDT
253
União das Oposições Paraibanas
(PDT, PFL, PRN, PTB, PL)
319.095
16,54%
Joaquim Neto
PT
Albenor Carvalho
PSB
Edilson Fernandes
PT
132
Frente Paraíba Popular
(PT, PCdoB, PSB, PV, PSTU)
135.834
7,04%
Francis Zenaide
PCdoB
Jáder Costa
PCdoB
Arimateia Silva
PSB
653
Frente Paraíba Popular
(PT, PCdoB, PSB, PV, PSTU)
65.972
3,42%
João Bosco Melo
PMN
Marcelo Cavalcanti
PMN
Antônio Ernesto
PMN
332
PMN (sem coligação)
47.471
2,46%
João Nunes de Castro
PMN
José Mário Batista
PMN
Flávio Bonner Filho
PMN
333
PMN (sem coligação)
45.898
2,38%
  Eleitos

Deputados federais eleitos[editar | editar código-fonte]

São relacionados os candidatos eleitos com informações complementares da Câmara dos Deputados.[26][27]

Deputados federais eleitos Partido Votação Percentual Cidade onde nasceu Unidade federativa
Cássio Cunha Lima[nota 7] PMDB 157.609 16,49% Campina Grande  Paraíba
Wilson Braga PDT 64.271 6,73% Conceição  Paraíba
Gilvan Freire PMDB 57.566 6,02% São Mamede  Paraíba
Ivandro Cunha Lima PMDB 53.748 5,72% Guarabira  Paraíba
José Luiz Clerot PMDB 42.964 4,50% Mamanguape  Paraíba
Armando Abílio PMDB 41.233 4,50% Itaporanga  Paraíba
Adauto Pereira PFL 35.213 3,69% Pombal  Paraíba
Efraim Morais PFL 34.595 3,62% Santa Luzia  Paraíba
Álvaro Gaudêncio Neto PFL 34.094 3,57% Campina Grande  Paraíba
Enivaldo Ribeiro PPR 33.303 3,49% Campina Grande  Paraíba
José Aldemir PMDB 32.657 3,42% Cajazeiras  Paraíba
Roberto Paulino[nota 8] PMDB 31.644 3,31% Guarabira  Paraíba

Deputados estaduais eleitos[editar | editar código-fonte]

Estavam em jogo 36 vagas na Assembleia Legislativa da Paraíba.[1][2]

Deputados estaduais eleitos Partido Votação Percentual Cidade onde nasceu Unidade federativa
Zenóbio Toscano PSDB 34.837 3,37% Guarabira  Paraíba
Carlos Dunga PTB 32.404 3,14% Pombal  Paraíba
José Romero PDT 18.964 1,83% João Pessoa  Paraíba
Nominando Diniz PMDB 18.893 1,83% Princesa Isabel  Paraíba
Ariano Fernandes PMDB 17.724 1,71% João Pessoa  Paraíba
Robson Dutra PMDB 17.608 1,7% Campina Grande  Paraíba
Chica Motta PMDB 16.800 1,63% Catolé do Rocha  Paraíba
José Luiz Júnior PDT 16.529 1,6% Bezerros  Pernambuco
Gervásio Maia PMDB 15.870 1,54% Catolé do Rocha  Paraíba
Valdecir Amorim PFL 15.388 1,49% Teixeira  Paraíba
José Lacerda Neto PFL 15.277 1,48% São José de Piranhas  Paraíba
Lindolfo Pires PMDB 15.187 1,47% Sousa  Paraíba
Tião Gomes PMDB 14.984 1,45% Pombal  Paraíba
Djaci Farias PMDB 14.944 1,45% Boqueirão dos Cochos  Paraíba
Domiciano Cabral PMDB 14.581 1,41% João Pessoa  Paraíba
Epitácio Leite PFL 14.521 1,4% Cajazeiras  Paraíba
Levi Olímpio PMDB 14.350 1,39% Pombal  Paraíba
Walter Brito PMDB 14.148 1,37% Campina Grande  Paraíba
Inaldo Leitão PMDB 13.897 1,34% Sousa  Paraíba
Aércio Pereira PFL 13.649 1,32% Pombal  Paraíba
Estefânia Maroja PMDB 13.451 1,3% João Pessoa  Paraíba
Antônio Ivo PMDB 13.279 1,28% Santa Luzia  Paraíba
Neto Franca PDT 13.268 1,28% João Pessoa  Paraíba
Pedro Medeiros PMDB 13.244 1,28% São João do Cariri  Paraíba
Wilson Santiago PDT 13.191 1,28% Uiraúna  Paraíba
Vitalzinho PDT 13.008 1,26% Campina Grande  Paraíba
Tarcizo Telino PMDB 12.555 1,21% Cajazeiras  Paraíba
Dona Dida PFL 12.549 1,21% Maceió  Alagoas
Vani Braga PDT 12.277 1,19% Conceição  Paraíba
Tarcísio Marcelo PDT 12.271 1,19% João Pessoa  Paraíba
Gilbran Asfora PMDB 12.018 1,16% Campina Grande  Paraíba
João Estrela PFL 11.890 1,15% Sousa  Paraíba
Padre Adelino PT 11.730 1,13% Belém  Paraíba
Luiz Couto PT 9.449 0,91% Soledade  Paraíba
Chico Lopes PTB 9.243 0,89% Itaporanga  Paraíba
Tota Agra PV 7.826 0,76% Campina Grande  Paraíba

Notas

  1. A reeleição foi inserida no ordenamento jurídico brasileiro pela Emenda Constitucional nº. 16 de 04/06/1997.
  2. No Rio Grande do Norte trabalhou em Arês, Martins e Natal e na Paraíba atuou em Itabaiana, São João do Cariri e São João do Rio do Peixe.
  3. Para que pudesse assumir o cargo de vice-governador, José Maranhão renunciou aos últimos dias de mandato como deputado federal em prol de Robson Paulino.
  4. Em 1978 Ivan Bichara disputou o mandato de senador como candidato único da ARENA e foi o mais votado, porém a vitória foi de Humberto Lucena graças aos votos de Bosco Barreto e de Ary Ribeiro que formavam a chapa do MDB.
  5. Primeiro entre 1987/1989 e depois entre 1993/1995.
  6. Com a morte de Humberto Lucena a representação paraibana na Câmara Alta do Parlamento recebeu Wellington Roberto. Nascido em São José de Piranhas, ele não concluiu o curso de Engenharia Civil preferindo estabelecer-se como empresário no setor sucroalcoleiro e no ramo da corretagem de veículos, dentre outros. Eleito suplente de senador via PMDB em 1994, assumiu após a morte do titular.
  7. Renunciou ao mandato parlamentar em favor de Ricardo Rique ao ser eleito prefeito de Campina Grande em 1996.
  8. Eleito vice-governador na chapa que reconduziu José Maranhão ao governo, Roberto Paulino renunciou ao mandato no fim da legislatura em prol de Vituriano de Abreu.

Referências

  1. a b «Banco de dados do Tribunal Superior Eleitoral». Consultado em 20 de julho de 2017 
  2. a b «Banco de dados do Tribunal Regional Eleitoral da Paraíba». Consultado em 20 de julho de 2017 
  3. a b «BRASIL. Presidência da República. Constituição de 1988». Consultado em 20 de julho de 2017 
  4. «BRASIL. Presidência da República. Lei nº. 8.713 de 30/09/1993». Consultado em 20 de julho de 2017 
  5. Um reduto em perigo (online). Veja, 14/06/1978. Página visitada em 20 de julho de 2017.
  6. «Câmara dos Deputados do Brasil: deputado Antônio Mariz». Consultado em 20 de julho de 2017 
  7. PP e PMDB decidem unir-se (online). Folha de S. Paulo, 21/12/1981. Página visitada em 20 de julho de 2017.
  8. «Senado Federal do Brasil: senador Antônio Mariz». Consultado em 20 de julho de 2017 
  9. Saiba quem foi Mariz (online). Folha de S. Paulo, São Paulo (SP), 18/09/1995. Brasil, p. 1-9. Página visitada em 20 de julho de 2017.
  10. «Agência Senado: Senado relembra 20 anos da morte de Antonio Mariz». Consultado em 20 de julho de 2017 
  11. A nação frustrada! Apesar da maioria de 298 votos, faltaram 22 para aprovar diretas (online). Folha de S. Paulo, São Paulo (SP), 26/04/1984. Capa. Página visitada em 24 de julho de 2017.
  12. Sai de São Paulo o voto para a vitória da Aliança (online). Folha de S. Paulo, São Paulo (SP), 16/01/1985. Primeiro caderno, p. 06. Página visitada em 24 de julho de 2017.
  13. «Governistas tentaram evitar implosão (online). Folha de S. Paulo, São Paulo (SP), 30/09/1992. Brasil, p. 1-8.». Consultado em 24 de julho de 2017 
  14. «Senado Federal do Brasil: senador José Maranhão». Consultado em 20 de julho de 2017 
  15. «Câmara dos Deputados do Brasil: deputado José Maranhão». Consultado em 20 de julho de 2017 
  16. Governador da PB quer rejeição do FSE (online). Folha de S. Paulo, São Paulo (SP), 19/09/1995. Brasil, p. 1-5. Página visitada em 20 de julho de 2017.
  17. «Câmara dos Deputados do Brasil: deputado Ronaldo Cunha Lima». Consultado em 20 de julho de 2017 
  18. «UOL notícias: Morre o ex-governador da Paraíba Ronaldo Cunha Lima.». Consultado em 20 de julho de 2017 
  19. «Senado Federal do Brasil: senador Ronaldo Cunha Lima». Consultado em 20 de julho de 2017 
  20. «Câmara dos Deputados do Brasil: deputado Humberto Lucena». Consultado em 20 de julho de 2017 
  21. «Senado Federal do Brasil: senador Humberto Lucena». Consultado em 20 de julho de 2017 
  22. «Galeria de presidentes do Senado Federal do Brasil na Nova República». Consultado em 20 de julho de 2017 
  23. Anistiados festejam na casa de Lucena (online). O Estado de S. Paulo, São Paulo (SP), 20/01/1995. Política, p. 05. Página visitada em 20 de julho de 2017.
  24. «Câmara dos Deputados do Brasil: deputado Wellington Roberto». Consultado em 20 de julho de 2017 
  25. «Senado Federal do Brasil: senador Wellington Roberto». Consultado em 20 de julho de 2017 
  26. «Página oficial da Câmara dos Deputados». Consultado em 19 de julho de 2017. Arquivado do original em 2 de outubro de 2013 
  27. «BRASIL. Presidência da República: Lei nº 9.504 de 30/09/1997». Consultado em 19 de julho de 2017