Eleições estaduais na Paraíba em 2010

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
2006 Brasil 2014
Eleições estaduais na  Paraíba em 2010
3 de outubro de 2010
(Primeiro turno)
31 de outubro de 2010
(Segundo turno)
Ricardo Coutinho 2011.jpg José Maranhão - cropped.jpg
Candidato Ricardo Coutinho José Maranhão
Partido PSB PMDB
Natural de João Pessoa, PB Araruna, PB
Vice Rômulo Gouveia Rodrigo Soares
Votos 1.079.164 930.331
Porcentagem 53,70% 46,30%


Brasão da Paraíba.svg
Governador da Paraíba

As eleições estaduais na Paraíba em 2010 ocorreram em 3 de outubro como parte das eleições gerais em 26 estados e no Distrito Federal. Foram eleitos o governador Ricardo Coutinho, o vice-governador Rômulo Gouveia, os senadores Cássio Cunha Lima e Vital do Rego Filho, 12 deputados federais e 36 estaduais.[1][2] Como nenhum candidato ao governo atingiu metade mais um dos votos válidos, houve um segundo turno em 31 de outubro entre Ricardo Coutinho e José Maranhão com a vitória daquele. Segundo a Constituição, o governador teria um mandato de quatro anos com direito a uma reeleição.[3][4]

Natural de João Pessoa o farmacêutico Ricardo Coutinho é graduado pela Universidade Federal da Paraíba com especialização em Farmácia Hospitalar na Universidade Federal do Rio de Janeiro. Funcionário público lotado no Hospital Universitário Lauro Wanderley, militou no Sindicato dos Farmacêuticos, no Sindicato dos Trabalhadores Públicos da Saúde do Estado da Paraíba e no Sindicato dos Funcionários da Universidade Federal da Paraíba filiando-se à Central Única dos Trabalhadores e ao PT. Eleito vereador na capital paraibana em 1992 e 1996, foi derrotado por duas vezes ao buscar um mandato de deputado estadual, todavia elegeu-se em 1998 e 2002. Após divergir de seu partido ingressou no PSB e venceu as eleições para prefeito de João Pessoa em 2004 e 2008. Renunciou ao executivo municipal em favor de Luciano Agra e recebeu o apoio de Cássio Cunha Lima a fim de disputar o Palácio da Redenção e foi eleito governador da Paraíba em 2010 ao impedir a reeleição de José Maranhão, que ascendera ao poder em 2009 por decisão do Tribunal Superior Eleitoral. Vitorioso nas urnas, Ricardo Coutinho tornou-se o primeiro líder paraibano com origem de esquerda e sem conexões prévias com o PMDB.[5][6]

Seu companheiro de chapa é Rômulo Gouveia. Nascido em Campina Grande e formado em Direito na Faculdade Maurício de Nassau, ocupou diferentes cargos na prefeitura campinense entre os anos 1980 e os anos 2000 quando Ronaldo Cunha Lima e Cássio Cunha Lima administraram a cidade. Filiado ao PMDB foi eleito vereador em sua cidade natal em 1992 e 1996 e deputado estadual em 1998. Após entrar no PSDB foi reeleito em 2002 chegando à presidência da Assembleia Legislativa da Paraíba. Derrotado por Veneziano Vital do Rego nas eleições para prefeito de Campina Grande em 2004 e 2008, elegeu-se deputado federal em 2006 e quatro anos depois foi eleito vice-governador.[7][8][nota 1]

Na eleição para o Senado Federal o mais votado foi o advogado Cássio Cunha Lima. Nascido em Campina Grande e graduado em 1991 pela Universidade Federal da Paraíba, elegeu-se deputado federal pelo PMDB em 1986 e 1994 subscrevendo a Carta Magna de 1988.[9] Renunciou aos mandatos parlamentares em 1988 e 1996 quando venceu a disputa pela cadeira de prefeito em sua cidade natal, cargo para o qual se reelegeu no ano 2000. Deixou a prefeitura em 3 de dezembro de 1992 para assumir a Superintendência do Desenvolvimento do Nordeste por nomeação do presidente Itamar Franco. Após ingressar no PSDB apresentou nova renúncia ao executivo campinense e foi eleito governador da Paraíba em 2002.[nota 2] Reeleito em 2006, teve o mandato cassado pelo Tribunal Superior Eleitoral em 2009 sob a acusação de abuso de poder político e econômico durante a campanha.[10][11] Por conta de uma batalha judicial sua eleição ficou sub judice até a decisão do Supremo Tribunal Federal quanto à irretroatividade da Lei da Ficha Limpa e assim Cássio Cunha Lima foi empossado senador em 8 de novembro de 2011.[12][13]

Enquanto a situação descrita acima não se resolvia a Paraíba foi representada por Wilson Santiago. Advogado nascido em Uiraúna e graduado pelo Centro Universitário de João Pessoa em 1986, foi defensor público e trabalhou junto à Secretaria de Segurança Pública antes de se formar. Embora sua primeira filiação partidária tenha sido ao PMDB foi eleito deputado estadual pelo PDT em 1994 e reeleito via PSDB em 1998. De volta ao PMDB foi eleito deputado federal em 2002 e 2006. Quatro anos depois foi originalmente o terceiro colocado na eleição para senador, entretanto a questão envolvendo Cássio Cunha Lima permitiu que Wilson Santiago cumprisse o mandato durante a maior parte de 2011.[14][15]

Outro vitorioso nas urnas foi Vital do Rego Filho. Nascido em Campina Grande, ele é médico formado pela Universidade Federal da Paraíba e advogado pela Universidade Estadual da Paraíba. Filho de Vital do Rego e Nilda Gondim, foi eleito vereador pelos campinenses via PSB em 1988 e via PST em 1992, muito embora tenha perdido a eleição como candidato a vice-prefeito na chapa de Enivaldo Ribeiro em 1996 e a prefeito de Campina Grande no ano 2000.[2] Durante muitos anos militou no PDT e nessa legenda conquistou mandatos de deputado estadual em 1994, 1998 e 2002. Eleito deputado federal pelo PMDB em 2006, tornou-se senador em 2010. Derrotado ao buscar o governo paraibano quatro anos depois, seu mandato terminou em dezembro de 2014 quando renunciou a fim de assumir uma cadeira no Tribunal de Contas da União e assim Raimundo Lira regressou ao Senado Federal pelo PMDB, mesmo partido que o elegera em 1986.[16][17][18][19]

Resultado da eleição para governador[editar | editar código-fonte]

Primeiro turno[editar | editar código-fonte]

Conforme os arquivos da Justiça Eleitoral foram apurados 1.893.926 votos nominais.[1][2]

Candidato a governador(a) do estado
Candidato a vice-governador(a) Número Coligação Votação Percentual
Ricardo Coutinho
PSB
Rômulo Gouveia
PSDB
40
Uma nova Paraíba
(PSB, PSDB, DEM, PDT, PPS, PTC, PV, PTN, PRP)
942.121
49,74%
José Maranhão
PMDB
Rodrigo Soares
PT
15
Paraíba Unida
(PMDB, PT, PP, PTB, PR, PSC, PRB, PSL, PMN, PCdoB, PHS, PTdoB)
933.754
49,30%
Nelson Júnior
PSOL
Ana Júlia Soares Cardoso
PSOL
50
PSOL (sem coligação)
12.471
0,66%
Lourdes Sarmento
PCO
Gilberto Ferreira da Silva
PCO
29
PCO (sem coligação)
2.442
0,13%
Francisco Oliveira
PCB
Jocimar Oliveira da Silva
PCB
21
PCB (sem coligação)
1.886
0,10%
Marcelino Rodrigues
PSTU
Lissandro Matias Saraiva
PSTU
16
PSTU (sem coligação)
1.252
0,07%
  Segundo turno

Segundo turno[editar | editar código-fonte]

Conforme os arquivos da Justiça Eleitoral foram apurados 2.009.495 votos nominais.[1][2]

Candidato a governador(a) do estado
Candidato a vice-governador(a) Número Coligação Votação Percentual
Ricardo Coutinho
PSB
Rômulo Gouveia
PSDB
40
Uma nova Paraíba
(PSB, PSDB, DEM, PDT, PPS, PTC, PV, PTN, PRP)
1.079.164
53,70%
José Maranhão
PMDB
Rodrigo Soares
PT
15
Paraíba Unida
(PMDB, PT, PP, PTB, PR, PSC, PRB, PSL, PMN, PCdoB, PHS, PTdoB)
930.331
46,30%
  Eleito(a)

Resultado da eleição para senador[editar | editar código-fonte]

Conforme os arquivos da Justiça Eleitoral foram apurados 3.462.215 votos nominais.[1][2]

Candidatos a senador da República
Candidatos a suplente de senador Número Coligação Votação Percentual
Cássio Cunha Lima
PSDB
Deca do Atacadão
PSDB
Ivandro Cunha Lima
PSDB
456
Uma nova Paraíba
(PSB, PSDB, DEM, PDT, PPS, PTC, PV, PTN, PRP)
1.004.183
29,01%
Vital do Rego Filho
PMDB
Raimundo Lira
PMDB
Não disponível
PMDB
155
Paraíba Unida
(PMDB, PT, PP, PTB, PR, PSC, PRB, PSL, PMN, PCdoB, PHS, PTdoB)
869.501
25,11%
Wilson Santiago
PMDB
Não disponível
PMDB
Não disponível
PMDB
151
Paraíba Unida
(PMDB, PT, PP, PTB, PR, PSC, PRB, PSL, PMN, PCdoB, PHS, PTdoB)
820.653
23,70%
Efraim Morais
DEM
Carlos Antônio
DEM
Ramalho Leite
PPS
256
Uma nova Paraíba
(PSB, PSDB, DEM, PDT, PPS, PTC, PV, PTN, PRP)
692.451
20,00%
Vital Farias
PCB
José Silveira
PCB
Graciete Cunha
PCB
211
PCB (sem coligação)
58.460
1,69%
Marcos Dias
PSOL
Ronaldo Damião
PSOL
Adriana Costa
PSOL
501
PSOL (sem coligação)
16.967
0,49%
Edgard Malagodi[nota 3][20]
PSOL
Leonardo de Castro
PSOL
Indeferido[nota 4]
PSOL
502
PSOL (sem coligação)
Indeferido
zero
Maria das Dores da Silva
PCO
Rossana Mouta
PCO
Geraldo Viegas
PCO
299
PCO (sem coligação)
Indeferida
zero
  Eleito(a)

Deputados federais eleitos[editar | editar código-fonte]

São relacionados os candidatos eleitos com informações complementares da Câmara dos Deputados. Ressalte-se que os votos em branco eram considerados válidos para fins de cálculo do quociente eleitoral nas disputas proporcionais até 1997, quando essa anomalia foi banida de nossa legislação.[21][4]

Deputados federais eleitos Partido Votação Percentual Cidade onde nasceu Unidade federativa
Wellington Roberto PR 113.167 5,80% São José de Piranhas  Paraíba
Ruy Carneiro PSDB 108.644 5,56% Rio de Janeiro  Rio de Janeiro
Manoel Junior PMDB 108.041 5,53% Pedras de Fogo  Paraíba
Wilson Santiago Filho PMDB 105.822 5,42% João Pessoa  Paraíba
Luiz Couto PT 95.555 4,89% Soledade  Paraíba
Romero Rodrigues[nota 5] PSDB 95.293 4,88% Campina Grande  Paraíba
Benjamin Maranhão PMDB 94.984 4,86% João Pessoa  Paraíba
Aguinaldo Ribeiro PP 87.572 4,48% Campina Grande  Paraíba
Damião Feliciano PDT 87.134 4,46% Campina Grande  Paraíba
Efraim Filho DEM 87.014 4,46% João Pessoa  Paraíba
Hugo Motta PMDB 86.150 4,41% João Pessoa  Paraíba
Nilda Gondim PMDB 79.412 4,07% João Pessoa  Paraíba

Deputados estaduais eleitos[editar | editar código-fonte]

Estavam em jogo 36 cadeiras na Assembleia Legislativa da Paraíba.[1][2]

Deputados estaduais eleitos Partido Votação Percentual Cidade onde nasceu Unidade federativa
Toinho do Sopão PTN 57.592 2,90% Piancó  Paraíba
Gervásio Maia PMDB 45.597 2,30% São Paulo  São Paulo
Francisca Motta PMDB 43.475 2,19% Catolé do Rocha  Paraíba
Manoel Ludgério PDT 40.153 2,02% Catolé do Rocha  Paraíba
Léa Toscano PSB 37.820 1,90% Esperança  Paraíba
Arnaldo Monteiro PSC 35.765 1,80% Esperança  Paraíba
Trocolli Júnior PMDB 35.622 1,79% João Pessoa  Paraíba
Ricardo Marcelo PSDB 35.164 1,77% João Pessoa  Paraíba
Lindolfo Pires DEM 34.935 1,76% Sousa  Paraíba
Edmilson Soares PSB 33.401 1,68% Barra de Santa Rosa  Paraíba
André Gadelha PMDB 33.312 1,68% João Pessoa  Paraíba
José Aldemir DEM 32.814 1,65% Cajazeiras  Paraíba
João Henrique DEM 32.591 1,64% Monteiro  Paraíba
Olenka Maranhão PMDB 32.344 1,63% João Pessoa  Paraíba
Caio Roberto PR 32.307 1,63% Campina Grande  Paraíba
Branco Mendes DEM 32.012 1,61% Aguiar  Paraíba
Tião Gomes PSL 30.638 1,54% Pombal  Paraíba
Daniela Ribeiro PP 29.863 1,50% Campina Grande  Paraíba
Guilherme Almeida PSC 29.858 1,50% Campina Grande  Paraíba
Raniery Paulino PMDB 29.257 1,47% João Pessoa  Paraíba
Adriano Galdino PSB 29.098 1,47% Pocinhos  Paraíba
Eva Gouveia PTN 27.158 1,37% Sumé  Paraíba
Dinaldo Wanderley PSDB 26.822 1,35% Patos  Paraíba
Frei Anastácio PT 26.014 1,31% Esperança  Paraíba
João Gonçalves PSDB 25.542 1,29% São José dos Ramos  Paraíba
Doda de Tião PMDB 24.953 1,26% Campina Grande  Paraíba
Wilson Braga PMDB 24.752 1,25% Conceição  Paraíba
Vituriano de Abreu PSC 24.482 1,23% Cajazeiras  Paraíba
Antônio Mineral PSDB 24.387 1,23% Patos  Paraíba
Luciano Cartaxo PT 24.296 1,22% Sousa  Paraíba
Carlos Batinga PSC 23.732 1,20% Monteiro  Paraíba
Anísio Maia PT 21.516 1,08% Alagoa Nova  Paraíba
Gilma Germano PPS 21.067 1,06% Picuí  Paraíba
Aníbal Marcolino PSL 20.455 1,03% João Pessoa  Paraíba
Janduhy Carneiro PPS 16.504 0,83% João Pessoa  Paraíba
Genival Matias PTdoB 15.255 0,77% João Pessoa  Paraíba

Aspectos da campanha[editar | editar código-fonte]

O caso dos panfletos[editar | editar código-fonte]

Durante a campanha eleitoral do segundo turno, um helicóptero pertencente ao candidato José Maranhão sobrevoava com vários panfletos que acusavam Ricardo Coutinho de "ser ateu" e de praticar rituais de magia negra. O advogado do socialista acusou o então senador de autorizar a distribuição dos panfletos com a intenção de prejudicar seu rival, versão que foi negada pelos advogados de Maranhão.

Fotos de estátuas instaladas pelo candidato do PSB quando ainda era prefeito de João Pessoa - segundo os panfletos, eram "pagãs" - e outra imagem, de um encontro comemorativo do Dia Nacional da Consciência Negra, era, segundo o autor da suposta acusação, de representantes de religiões afro-brasileiras. Em seu programa eleitoral, Ricardo Coutinho negou as acusações e garantiu que tomaria providências sobre o caso.

Em 29 de outubro, a Justiça Eleitoral fez uma apreensão no comitê de José Maranhão[22], encontrando 30 mil panfletos que novamente prejudicavam o socialista, desta vez acusando-o de superfaturamento para utilização do dinheiro da compra da Fazenda Cuiá, que seria usado na campanha de Ricardo Coutinho. A mesma quantidade foi apreendida na Gráfica Moura Ramos, e a coligação "Paraíba Unida" assumiu a autoria, embora garantisse que o material era legal.

Notas

  1. Para que pudesse assumir o cargo de vice-governador, Rômulo Gouveia renunciou aos últimos dias de mandato como deputado federal em prol de João Viegas.
  2. Francisco Rolim e Ricardo Rique substituíram Cunha Lima em suas renúncias ao mandato de deputado federal e na prefeitura de Campina Grande seus sucessores foram, respectivamente, Tico Lira e Cozete Barbosa.
  3. Teve a candidatura invalidada por irregularidade nas contas do primeiro suplente, Leonardo de Castro, que não foram aprovadas no prazo quando ele concorreu a vereador em 2008.
  4. Os 2 candidatos a segundo suplente, Maria das Graças e Fabiano Galdino, também foram impedidos de concorrer na eleição.
  5. Renunciou ao mandato parlamentar em favor do Major Fábio ao ser eleito prefeito de Campina Grande em 2012.

Referências

  1. a b c d e «Banco de dados do Tribunal Superior Eleitoral». Consultado em 22 de julho de 2017. 
  2. a b c d e f «Banco de dados do Tribunal Regional Eleitoral da Paraíba». Consultado em 22 de julho de 2017. 
  3. «BRASIL. Presidência da República. Constituição de 1988». Consultado em 22 de julho de 2017. 
  4. a b «BRASIL. Presidência da República. Lei n.º 9.504 de 30/09/1997». Consultado em 22 de julho de 2017. 
  5. «José Maranhão toma posse como governador da Paraíba (g1.globo.com)». Consultado em 23 de julho de 2017. 
  6. «Ricardo Coutinho, do PSB, é reeleito governador da Paraíba (g1.globo.com)». Consultado em 23 de julho de 2017. 
  7. «UOL eleições 2008: Veneziano (PMDB) é reeleito prefeito em Campina Grande (PB)». Consultado em 23 de julho de 2017. 
  8. «Câmara dos Deputados do Brasil: deputado Rômulo Gouveia». Consultado em 23 de julho de 2017. 
  9. «Câmara dos Deputados do Brasil: deputado Cássio Cunha Lima». Consultado em 23 de julho de 2017. 
  10. «UOL eleições 2006: Tucano Cássio Cunha Lima é reeleito na Paraíba.». Consultado em 23 de julho de 2017. 
  11. «TSE nega recursos e confirma cassação do mandato do governador da Paraíba (g1.globo.com)». Consultado em 23 de julho de 2017. 
  12. «Cássio Cunha Lima toma posse no Senado (band.com.br).». Consultado em 23 de julho de 2017. 
  13. «Senado Federal do Brasil: senador Cássio Cunha Lima». Consultado em 24 de julho de 2017. 
  14. «Câmara dos Deputados do Brasil: deputado Wilson Santiago». Consultado em 23 de julho de 2017. 
  15. «Senado Federal do Brasil: senador Wilson Santiago». Consultado em 24 de julho de 2017. 
  16. «Câmara dos Deputados do Brasil: deputado Vital do Rego Filho». Consultado em 23 de julho de 2017. 
  17. «Senado Federal do Brasil: senador Vital do Rego Filho». Consultado em 24 de julho de 2017. 
  18. «Tribunal de Contas da União: ministro Vital do Rego Filho». Consultado em 23 de julho de 2017. 
  19. «Senado Federal do Brasil: senador Raimundo Lira». Consultado em 24 de julho de 2017. 
  20. {{citar web || url=http://www.parlamentopb.com.br/Noticias/?edgard-malagodi-recorre-e-diz-que-se-mantem-na-disputa-pelo-senado-12.08.2010 || titulo= Parlamento PB: Edgard Malagodi recorre e diz que se mantém na disputa pelo Senado
  21. «Página oficial da Câmara dos Deputados». Consultado em 22 de julho de 2017. 
  22. «PB: Justiça faz nova apreensão de panfletos em comitê de Maranhão». Consultado em 29 de outubro de 2010.