Eleições estaduais no Acre em 1994

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
1990 Brasil 1998
Eleições estaduais no  Acre em 1994
3 de outubro de 1994
(Primeiro turno)
15 de novembro de 1994
(Segundo turno)
Orleir.jpg DEP.wIK.jpg
Candidato Orleir Cameli Flaviano Melo
Partido PPR PMDB
Natural de Cruzeiro do Sul, AC Rio Branco, AC
Vice Labib Murad Ilson Ribeiro
Votos 91.997 79.436
Porcentagem 53,66% 46,34%


Brasão do Acre.svg
Governador do Acre

As eleições estaduais no Acre em 1994 ocorreram em 3 de outubro, como parte das eleições em 26 estados e no Distrito Federal. Foram escolhidos o governador Orleir Cameli, o vice-governador Labib Murad, os senadores Marina Silva e Nabor Júnior, oito deputados federais e vinte e quatro estaduais. Como nenhum candidato a governador teve a maioria dos votos na luta pelo Palácio Rio Branco, houve um segundo turno em 15 de novembro e pelo disposto na Constituição e na Lei nº. 8.713, a posse aconteceria em 1º de janeiro de 1995 para quatro anos de mandato e originalmente sem direito a reeleição.[nota 1][1][2][3]

Na qualidade de sucessor político da ARENA e do PDS, o PPR manteve-se como antagonista do PMDB e reverteu a vantagem inicial do senador Flaviano Melo, que buscava retornar ao governo.[4] Apoiado pelo governador Romildo Magalhães, o empresário Orleir Cameli, com negócios na indústria madeireira, na construção civil e no transporte de combustíveis, venceu a disputa ao concentrar seus ataques em Flaviano Melo recebendo, para tanto, apoio indireto do PT, legenda que apresentou a candidatura do médico Tião Viana. A estreia do governador Orleir Cameli na vida pública aconteceu pelo extinto PDC ao ser eleito prefeito de Cruzeiro do Sul em 1992, cargo ao qual renunciou para disputar o governo.

O avanço do PT permitiu-lhe eleger Marina Silva, a primeira mulher a representar o Acre na Câmara Alta desde Laélia de Alcântara. A outra vaga ficou com o reeleito Nabor Júnior (PMDB). Na disputa pelos mandatos proporcionais, as coligações que foram ao segundo turno conquistaram todas as vagas na Câmara dos Deputados e a quase totalidade da Assembleia Legislativa do Acre.

No mesmo dia, houve a eleição presidencial e o Acre seguiu a tendência nacional ao dar a vitória à Fernando Henrique Cardoso.

Resultado da eleição para governador[editar | editar código-fonte]

Primeiro turno[editar | editar código-fonte]

Dados extraídos do Tribunal Superior Eleitoral segundo as quais houve 27.842 votos em branco (13,49%) e 9.033 votos nulos (4,38%) com os 169.518 votos nominais assim distribuídos:[3]

Candidato a governador do estado
Candidato a vice-governador(a) Número Coligação Votação Percentual
Orleir Cameli
PPR
Labib Murad
PPR
111
Frente Progressista do Acre
(PPR, PP, PFL)
79.331
46,80%
Flaviano Melo
PMDB
Ilson Ribeiro
PSDB
151
Frente de Libertação do Acre
(PMDB, PSDB, PDT)
46.280
27,30%
Tião Viana
PCdoB
Eduardo Faria
PCdoB
651
Frente Popular do Acre
(PCdoB, PT, PSB, PPS, PMN, PL, PV, PSTU)
41.830
24,67%
Duarte José do Couto Neto
PRONA
Fábio Aurélio Rangel
PRONA
561
PRONA (sem coligação)
2.077
1,23%
  Segundo turno

Segundo turno[editar | editar código-fonte]

Nesta disputa houve 1.706 votos em branco (0,92%) e 11.560 votos nulos (6,26%) com os 171.433 votos nominais assim distribuídos:[3]

Candidato a governador(a) do estado
Candidato a vice-governador(a) Número Coligação Votação Percentual
Orleir Cameli
PPR
Labib Murad
PPR
111
Frente Progressista do Acre
(PPR, PP, PFL)
91.997
53,66%
Flaviano Melo
PMDB
Ilson Ribeiro
PSDB
151
Frente de Libertação do Acre
(PMDB, PSDB, PDT)
79.436
46,34%
  Eleito(a)

Resultado da eleição para senador[editar | editar código-fonte]

Estavam em jogo as cadeiras do reeleito Nabor Júnior e Aluízio Bezerra, sucedido por Marina Silva. O Tribunal Superior Eleitoral não divulgou dados sobre os brancos e nulos, mas os 301.283 votos nominais foram assim distribuídos:[nota 2]

Candidatos a senador da República
Primeiro suplente de senador Número Coligação Votação Percentual
Marina Silva
PT
Júlio Eduardo Pereira
PPS
132
Frente Popular do Acre
(PCdoB, PT, PSB, PPS, PMN, PL, PV, PSTU)
64.436
21,39%
Nabor Júnior
PMDB
Armando Dantas
PMDB
152
Frente de Libertação do Acre
(PMDB, PSDB, PDT)
60.355
20,03%
Narciso Mendes
PPR
Sônia Bessa
PPR
113
Frente Progressista do Acre
(PPR, PP, PFL)
55.995
18,58%
Aluísio Bezerra
PMDB
Aldemir Lopes
PDT
153
Frente de Libertação do Acre
(PMDB, PSDB, PDT)
53.038
17,60%
Jorge Kalume
PPR
Evandro Cardoso
PFL
112
Frente Progressista do Acre
(PPR, PP, PFL)
45.633
15,15%
José Humberto Coelho
PL
Francisco Josemar
PMN
222
Frente Popular do Acre
(PCdoB, PT, PSB, PPS, PMN, PL, PV, PSTU)
11.921
3,96%
José Wilkens Dias Sobrinho
PRONA
Silvino Oliveira
PRONA
562
PRONA (sem coligação)
9.905
3,29%
  Eleito(a)

Deputados federais eleitos[editar | editar código-fonte]

São relacionados os candidatos eleitos com informações complementares da Câmara dos Deputados.[5] Ressalte-se que os votos em branco eram considerados válidos para fins de cálculo do quociente eleitoral nas disputas proporcionais até 1997, quando essa anomalia foi banida de nossa legislação.[6]

Deputados federais eleitos Partido Votação Percentual Cidade onde nasceu Unidade federativa
Carlos Airton PPR 12.780 7,53% Feijó  Acre
Chicão Brígido[nota 3] PMDB 11.636 6,86% Ipixuna  Amazonas
Célia Mendes PPR 10.894 6,42% Belém Pará Pará
Mauri Sérgio[nota 4] PMDB 10.850 6,40% Xapuri  Acre
João Maia[nota 5] PP 7.583 4,47% Santa Branca  São Paulo
Zila Bezerra PMDB 7.422 4,37% Rio de Janeiro  Rio de Janeiro
Ronivon Santiago[nota 5] PPR 6.965 4,10% Cruzeiro do Sul  Acre
Francisco Diógenes[nota 6] PMDB 5.363 3,16% Iguatu  Ceará

Deputados estaduais eleitos[editar | editar código-fonte]

Deputados estaduais eleitos Partido Votação Percentual Cidade onde nasceu Unidade federativa
Hildebrando Pascoal PFL 7.841 4,67% Rio Branco  Acre
César Messias PPR 4.420 2,63% Cruzeiro do Sul  Acre
Vagner Sales PMDB 4.264 2,54% Cruzeiro do Sul  Acre
Álvaro Romero PPR 3.690 2,20% Blumenau  Santa Catarina
José Elson Santiago PPR 3.173 1,89% Cruzeiro do Sul  Acre
Márcio Bittar PMDB 3.159 1,88% Franca  São Paulo
Chico Sombra PPR 3.134 1,87% Tarauacá  Acre
José Raimundo Bestene PPR 3.043 1,81% Brasileia  Acre
Radir Leitão PFL 2.617 1,56% Feijó  Acre
Elson Bezerra PMDB 2.614 1,56% Cruzeiro do Sul  Acre
Raimundo Sales PPR 2.491 1,48% Sena Madureira  Acre
João Correia PMDB 2.444 1,46% Cruzeiro do Sul  Acre
Armando Salvatierra Barroso PPR 2.418 1,44% Plácido de Castro  Acre
Benedito Damasceno PPR 2.380 1,42% Tarauacá  Acre
Hamilton de Araújo Rocha PFL 2.338 1,39% Sena Madureira  Acre
Roberto Filho PMN 2.312 1,38% Rio Branco  Acre
Sérgio Taboada PCdoB 2.306 1,37% Rio Branco  Acre
Mamede Said Maia Filho PMDB 2.214 1,32% Santa Branca  São Paulo
Tarcísio Pinheiro PMDB 2.133 1,27% Rio Branco  Acre
Alércio Dias PFL 2.090 1,24% Joinville  Santa Catarina
José Vieira PFL 2.033 1,21% Sena Madureira  Acre
Nilson Mourão PT 1.733 1,03% Tarauacá  Acre
Sérgio Petecão PMN 1.677 1,00% Rio Branco  Acre
Ronald Polanco PT 1.425 0,85% Brasileia  Acre

Notas

  1. A reeleição foi inserida no ordenamento jurídico brasileiro pela Emenda Constitucional nº. 16 de 04/06/1997.
  2. Embora a Constituição afirme que cada senador deva ser eleito com dois suplentes (Art. 46 § 3º), mencionamos apenas o primeiro sem prejuízo de citar o outro quando necessário.
  3. Chicão Brigido foi secretário municipal de Representação Política e Cidadania de Rio Branco e foi substituído por Adelaide Néri.
  4. Mauri Sérgio foi eleito prefeito de Rio Branco em 1996 e permitiu assim a efetivação de Regina Lino.
  5. a b João Maia e Ronivon Santiago renunciaram em 21 de maio de 1997 em meio ao Escândalo da Reeleição e assim foram efetivados Emílio Assmar Sobrinho e João Tota.
  6. Francisco Diógenes renunciou em 4 de dezembro de 1995 a fim de assumir uma vaga de conselheiro no Tribunal de Contas do Acre e assim foi efetivado Osmir Lima.

Referências

  1. «BRASIL. Presidência da República. Constituição de 1988». Consultado em 13 de junho de 2016 
  2. «BRASIL. Presidência da República. Lei nº. 8.713 de 30/09/1993». Consultado em 13 de junho de 2016 
  3. a b c «Banco de dados do Tribunal Superior Eleitoral». Consultado em 25 de maio de 2013 
  4. Empresário do PPR vence senador no Acre (online). Jornal do Brasil, Rio de Janeiro (RJ), 19/09/1994. Política e Governo, p. 07. Página visitada em 13 de junho de 2016.
  5. «Página oficial da Câmara dos Deputados». Consultado em 22 de agosto de 2015. Arquivado do original em 2 de outubro de 2013 
  6. «Presidência da República: Lei nº 9.504 de 30/09/1997». Consultado em 22 de agosto de 2015