Eleições estaduais no Acre em 2018

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Eleições estaduais no Acre em 2018
  2014 ← Acre → 2022
7 de outubro de 2018
(primeiro turno)
Foto oficial de Gladson Cameli.jpg Marcus Alexandre (cortado).png
Candidato(a) Gladson Cameli Marcus Alexandre
Partido PP PT
Vice Major Rocha
(PSDB)
Emylson Farias
(PDT)
Votos 223.993 144.071
Porcentagem 53,71% 34,54%

Titular
Tião Viana
PT

Eleito(a)
Gladson Cameli
PP

As eleições estaduais no Acre em 2018 foram realizadas em 7 de outubro como parte das eleições gerais no Brasil. Os eleitores aptos a votar elegeram seus representantes na seguinte proporção: oito deputados federais, dois senadores e vinte e quatro deputados estaduais. Também escolheram o Presidente da República e o Governador do Estado para o mandato que se inicia em 1° de janeiro de 2019 e termina em 31 de dezembro de 2022.[1] No pleito realizado em 7 de outubro, o candidato Gladson Cameli do PP, foi eleito recebendo 223.993 votos (53,71% dos votos válidos), sendo o segundo colocado Marcus Alexandre, do PT, que recebeu 144.071 votos (34,54% dos votos válidos). Para a representação de Estado no Senado Federal, foram eleitos Sérgio Petecão, do PSD (244.109 votos, 30,72% dos votos válidos) e Márcio Bittar, do MDB (185.066 votos, 23,28% dos votos válidos).

Candidatos[2][editar | editar código-fonte]

Candidatos a governador do estado[editar | editar código-fonte]

Cinco candidtos disputaram o governo acreano:[3]

  • Coronel Ulysses (PSL): O Partido Social Liberal (PSL) definiu o nome de Ulysses Araújo (PSL) como candidato ao governo do Acre em convenção no dia 28 de julho, em Rio Branco. O advogado e economista Réssene Jarude foi confirmado como vice-candidato ao governo.[4] Ulysses foi um dos fundadores da Comando de Operações Especiais (COE) no Acre e comandante do Batalhão de Operações Especiais (Bope). É coronel da Polícia Militar do Acre (PM-AC) e foi subcomadante da PM. Em 2016, ele pediu demissão do cargo alegando "incompatibilidade de pensamento" com o atual governo. Essa é a primeira vez que ele concorre a um cargo político. Os partidos que compõem a coligação são: PSL, PSC e Patriotas (PATRI).
  • David Hall (AVANTE): O Avante definiu o nome de David Hall como candidato ao governo do Estado em convenção partidária em 27 de julho, em Rio Branco. O candidato a vice-governador é o pecuarista e graduado em hotelaria, Thiago Gonçalves.[5] David Hall tem 30 anos e é professor de filosofia na Universidade Federal do Acre (Ufac) e na escola José Rodrigues Leite. Ele começou na militância política no movimento estudantil. Hall foi um dos fundadores da Rede Sustentabilidade no Acre e atualmente é um dos dirigentes do partido Avante. Esse é o primeiro cargo político que ele concorre. O Avante não coligou com nenhum outro partido.
  • Gladson Cameli (PP): O nome do senador Gladson Cameli foi confirmado como candidato ao governo do Estado em convenção partidária neste sábado (4), em Rio Branco. O candidato a vice-governador é o major Wherles Rocha (PSDB), deputado federal.[6] Gladson Cameli tem 40 anos, é engenheiro civil formado pelo Instituto Luterano de Ensino Superior de Manaus (ULBRA), no Amazonas, mas exerceu atividades como sócio da empresa pertencente à família. Aos 28 anos, foi eleito pela primeira vez deputado federal. Em 2010, foi eleito deputado federal pela segunda vez e, em 2014, Cameli se elegeu senador. É filiado ao PP desde 2005. Antes, foi filiado ao PFL, entre 2000 e 2003, e ao PPS. Ele é sobrinho do ex-governador do Acre, Orleir Cameli. Os partidos que compõem a coligação Progressistas são: PPS, PSDB, PP, PSD, MDB, SD, DEM PMN, PR, PTC e PTB.
  • Janaina Furtado (REDE): A candidatura de Janaína Furtado ao governo do Acre foi confirmada na convenção da Rede Sustentabilidade, no dia 20 de julho, em Rio Branco. O vice-candidato ao governo é o servidor público Júlio César.[7] Janaína Furtado, tem 31 anos, é pedagoga, professora do ensino infantil e vereadora, exercendo o mandato pela segunda vez. No primeiro mandato, ela se elegeu pelo Partido Social Democrático (PSD), aos 25 anos de idade. Depois, fundou a Rede Sustentabilidade em Tarauacá, município onde se reelegeu vereadora. A REDE não coligou com nenhum outro partido.
  • Marcus Alexandre (PT): O nome de Marcus Alexandre (PT) para concorrer ao governo do Acre foi confirmada em convenção no dia 21 de julho, pela Frente Popular do Acre (FPA) que compõem 15 partidos. O ex-secretário de Segurança Pública, Emylson Farias, é o candidato a vice-governador.[8] Marcus Alexandre, tem 41 anos, é engenheiro civil, formado pela Universidade Estadual de São Paulo (USP). Foi eleito prefeito de Rio Branco pela primeira em 2012. Em 2016, foi reeleito para o mandato até 2020. Entre 2007 a 2012, Marcus Alexandre foi diretor-geral do Deracre. Esta é a primeira vez que ele concorre ao governo do estado. Os partidos que compõem a Frente Popular são: PT, PCdoB, PSB, PSDC, PMB, PODE, PROS, PRB, PV, PRP, PSOL, PDT, PHS, PPL e PRTB.


Candidato(a) a governador(a) Candidato(a) a
vice-governador(a)
Coligação/Partido
Coronel Ulysses
PSL
Réssini Jarude
PSL
17
Acre Livre
(PSL, PATRI, PSC)
David Hall
AVANTE
Thiago Gonçalves
AVANTE
70
AVANTE (sem coligação)
Gladson Cameli
PP
Major Rocha
PSDB
11
Mudança e Competência
(PP, MDB, DEM, PSDB, PSD, PTB, PR, PMN, SD, PPS, PTC)
Janaina Furtado
REDE
Júlio César Freitas
REDE
18
REDE (sem coligação)
Marcus Alexandre
PT
Emylson Farias
PDT
13
Frente Popular do Acre
(PT, PDT, PCdoB, PSOL, PROS, PSB, PRB, PODE,
PV, PHS, PRTB, DC, PPL, PMB)

Candidatos ao Senado Federal[editar | editar código-fonte]

Seis candidatos disputaram as duas vagas para a representação do Acre no Senado Federal: [9]

  • Jorge Viana (PT): Senador por oito anos consecutivos, é acreano e tem 58 anos. É formado em engenharia florestal e foi prefeito de Rio Branco de 1993 a 1996. Foi governador do Acre por oito anos, entre 1999 a 2006. Em 2013 foi eleito vice-presidente do Senado e em 2015 foi reeleito para o cargo.
  • Márcio Bittar (MDB): Com 55 anos, o ex-pecuarista nasceu em Franca (SP). Iniciou a carreira política em 1981 como secretário-geral da Juventude do Partido do Movimento Democrático Brasileiro (PMDB). Foi eleito deputado estadual em 1994 e deputado federal em 1998 e novamente em 2010.
  • Minoru Kinpara (REDE): Reitor da Universidade Federal do Acre (Ufac) de 2012 a 2018, Minoru Kinpara tem 49 anos e nasceu em Itapaci (GO). É graduado em letras, com doutorado em educação e pós-doutorado. Na Ufac ainda foi diretor de apoio ao desenvolvimento do ensino, diretor de cursos e programas especiais de graduação, diretor do núcleo de interiorização e educação a distância e chefe do departamento de educação.
  • Ney Amorim (PT): Nascido em Rio Branco, tem 41 anos e cursa direito em uma faculdade particular da capital. É deputado estadual pelo terceiro mandato consecutivo e presidente da Assembleia Legislativa do Acre desde 2015.
  • Paulo Pedrazza (PSL): Advogado, ele tem 67 anos, nasceu em Erechim (RS) e está há 32 anos no Acre. É pós-graduado em administração pública municipal e é a segunda vez que concorre a um cargo eletivo. Nos últimos anos trabalhou como administrador público municipal e também foi advogado dos tribunais de Contas e União.
  • Sérgio Petecão (PSD): Nascido em Rio Branco, tem 57 anos e teve três mandados de deputado estadual consecutivos, de 1994 a 2006. Foi presidente da Assembleia Legislativo do Acre (Aleac) por oito anos. Em 2006 foi eleito deputado federal com mandato até 2010, quando se tornou senador pelo Acre.
Candidato(a) a senador Candidatos a suplente Coligação/Partido
Jorge Viana
PT
1º: Nazareth Araújo (PT)
2º: Jamyr Rosas (PSOL)
131
Frente Popular do Acre
(PT, PDT, PCdoB, PSOL, PROS, PSB, PRB, PODE,
PV, PHS, PRTB, DC, PPL, PMB)
Ney Amorim
PT
1º: João Albuquerque (PSB)
2º: Joviniana Alves (PROS)[nota 1]
133
Márcio Bittar
MDB
1º: Eduardo Velloso (PR)
2º: José Eugênio "Macapá" (MDB)
151
Mudança e Competência
(PP, MDB, DEM, PSDB, PSD, PTB, PR, PMN, SD, PPS, PTC)
Sérgio Petecão
PSD
1º: Maria das Vitórias (PSD)
2º: Maria Alice (MDB)
555
Minoru Kinpara
REDE
1º: Joice Nobre (REDE)
2º: Eudes Lima (REDE)[nota 2]
181
REDE (sem coligação)
Paulo Pedrazza
PSL
1º: Frank Lima (PSL)[nota 3]
2º: Sueli Bessa (PSL)
177
Acre Livre
(PSL, PATRI, PSC)

Pesquisas de intenção de voto[editar | editar código-fonte]

Governo do Estado[editar | editar código-fonte]

Período da pesquisa Instituto Margem
de erro
Candidato Brancos ou Nulos Não sabe
Cameli (PP) Marcus (PT) Ulysses (PSL) Hall (AVANTE) Furtado (REDE)
18/08 a 21/08/2018 Ibope[10] ±3% 37% 37% 8% 1% 3% 7% 7%
17/09 a 19/09/2018 Ibope[11] ±3% 47% 38% 6% 1% 0% 4% 4%

Senado Federal[editar | editar código-fonte]

Levando em conta que para o senado o eleitor irá votar duas vezes, as pesquisas possuem um universo de 200%

Período da pesquisa Instituto Margem
de erro
Candidato Brancos ou Nulos Não sabe
Petecão (PSD) Bittar (MDB) Viana (PT) Amorim (PT) Kinpara (REDE) Pedraza (PSL)
18/08 a 21/08/2018 Ibope[12] ±3% 39% 34% 43% 30% 10% 2% 21% 21%
17/09 a 19/09/2018 Ibope[13] ±3% 52% 39% 35% 30% 12% 1% 16% 15%

Resultados[editar | editar código-fonte]

Governador[editar | editar código-fonte]

Segundo o Tribunal Superior Eleitoral houve 417.076 votos nominais (94,06%), 7.238 votos em branco (1,63%) e 19.115 votos nulos (4,31%) calculados sobre um total de 443.429 eleitores. O número de abstenções foi de 103.929 (18,99%)[14]

Candidato(a) Votos Porcentagem
Gladson Cameli
PP
223.993 53,71%
Marcus Alexandre
PT
144.071 34,54%
Coronel Ulysses
PSL
45.032 10,80%
Janaina Furtado
REDE
2.765 0,66%
David Hall
AVANTE
1.215 0,29%
  Eleito


Governador
Partido Candidato Votos Votos (%)
  PP Gladson Cameli 223 993
 
53,71%
  PT Marcus Alexandre 144 071
 
34,54%
  PSL Coronel Ulysses 45 032
 
10,8%
  REDE Janaina Furtado 2 765
 
0,66%
  AVANTE David Hall 1 215
 
0,29%
Totais 417 076  

Senadores[editar | editar código-fonte]

Segundo o Tribunal Superior Eleitoral houve 794.909 votos nominais (89,63%), 31.134 votos em branco (3,51%) e 60.815 votos nulos (6,86%) calculados sobre um total de 443.429 eleitores que nesta eleição, tinham o direito de votar em dois senadores. O número de abstenções foi de 103.929 (18,99%)[14]

Candidato(a) Votos Porcentagem
Sérgio Petecão
PSD
244.109 30,72%
Márcio Bittar
MDB
185.066 23,28%
Jorge Viana
PT
117.200 14,74%
Ney Amorim
PT
115.243 14,50%
Minoru Kinpara
REDE
112.989 14,21%
Paulo Pedrazza
PSL
20.302 2,55%
  Eleitos


Senador
Partido Candidato Votos Votos (%)
  PSD Sérgio Petecão 244 109
 
30,71%
  MDB Márcio Bittar 185 066
 
23,28%
  PT Jorge Viana 117 200
 
14,74%
  PT Ney Amorim 115 243
 
14,5%
  REDE Minoru Kinpara 112 989
 
14,21%
  PSL Paulo Pedrazza 20 302
 
2,55%
Totais 794 909  

Deputados federais[editar | editar código-fonte]

São relacionados apenas os candidatos eleitos, com informações complementares da Câmara dos Deputados.[15]

Nome Partido Votação Percentual Cidade onde nasceu Unidade federativa
Mara Rocha PSDB 40.047 9,42% Rio Branco  Acre
Jéssica Sales MDB 28.717 6,76% Cruzeiro do Sul  Acre
Alan Rick DEM 22.263 5,24% Rio Branco  Acre
Vanda Milani SD 22.219 5,23% Cedral  São Paulo
Flaviano Melo MDB 18.723 4,41% Rio Branco  Acre
Perpétua Almeida PCdoB 18.374 4,32% Porto Walter  Acre
Jesus Sérgio PDT 9.537 2,24% Tarauacá  Acre
Manuel Marcos PRB 7.489 1,76% Tianguá  Ceará

Notas

  1. Substituta de Josué Amorim (PT).
  2. Substituto de Max da Silva Teodoro (REDE).
  3. Substituto de Luiz Brandão Hassem (PATRI).

Referências