Eleições estaduais no Amapá em 1994

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
1990 Brasil 1998
Eleições estaduais no  Amapá em 1994
3 de outubro de 1994
(Primeiro turno)
15 de novembro de 1994
(Segundo turno)
João Capiberibe 10abr2012.jpg Replace this image male.png
Candidato João Capiberibe Jonas Borges
Partido PSB PTB
Natural de Afuá, PA Vera Cruz, RN
Vice Hildegardo Alencar (PT) Murilo Pinheiro (PFL)
Votos 69.907 57.517
Porcentagem 54,86% 45,14%


Brasão do Amapá.svg
Governador do Amapá

As eleições estaduais no Amapá em 1994 aconteceram em 3 de outubro no Distrito Federal e em 26 estados e nela foram escolhidos o governador, o vice-governador, dois senadores, oito deputados federais e vinte e quatro estaduais. Como nenhum candidato a governador recebeu a maioria dos votos válidos, a decisão foi para o segundo turno em 15 de novembro, em uma disputa entre João Capiberibe (PSB) e Jonas Pinheiro (PTB).

Capiberibe venceu Pinheiro a despeito de não contar com o apoio do ex-presidente e senador José Sarney nem do então governador Anníbal Barcellos.[1] Já para o cargo de Presidente da República, Fernando Henrique Cardoso (PSDB) elegeu-se no primeiro turno. No Amapá, FHC conseguiu mais de 59% dos votos válidos. Contudo, em municípios como Calçoene, Amapá, Cutias e Tartarugalzinho, o candidato recebeu mais de 80% dos votos.[2]

Para o senado, o grupo liderado por José Sarney quanto o a frente de esquerda ficaram com uma vaga cada. O grupo de Sarney elegeu seu fiel escudeiro Gilvam Borges, e a frente de esquerda elegeu Bala Rocha.

Capiberibe Tomou posse em 1º de janeiro de 1995 e já no início do governo fez uma auditoria em todas as obras estaduais envolvendo empreiteiras que tinham contribuído financeiramente para sua campanha eleitoral, argumentando que era uma boa forma de mostrar que não existia “compromisso entre compra de bônus eleitoral e administração pública”. Em abril de 1995 fez uma exposição no centro de convenções do Serviço Brasileiro de Apoio à Pequena e Média Empresa (Sebrae) sobre a corrupção durante a administração de Aníbal Barcelos, cujas perdas descobertas chegavam a 20% do orçamento do estado naquele ano. Em julho seguinte, a coligação que o elegera foi praticamente desfeita, devido ao rompimento do PT e do PDT com o governo estadual. A crise teve origem na Assembleia Legislativa, onde a coligação, com apenas três dos 17 deputados estaduais, não conseguia aprovar os projetos apresentados pelo governo.[3]

Resultado da eleição para governador[editar | editar código-fonte]

Primeiro turno[editar | editar código-fonte]

Candidatos a governador do estado Candidatos a vice-governador do estado Número Coligação Votos Percentual
João Capiberibe
PSB
Hildegardo Alencar
PT
40
Tudo Por Nossa Terra
(PSB, PT, PDT, PCdoB e PV)
60.272
48,20%
Jonas Pinheiro
PTB
Murilo Pinheiro
PFL
14
Frente Democrática Cabralzinho
(PTB, PSDB, PFL e PSD)
35.811
28,64%
Salomão Alcolumbre
PMDB
Eraldo Trindade
PPR
15
Um Amapá de Trabalho
(PMDB, PPR, PP e PPS)
27.214
21,76%
Ailton de Oliveira
PL
Fernando Santos
PRP
22
Frente Progressista Liberal
(PL e PRP)
1.753
1,40%
  Segundo Turno
Primeiro turno (03/10/1994)
Partido Candidato Votos Votos (%)
  PSB João Capiberibe 60 272
 
48,2%
  PTB Jonas Pinheiro 35 811
 
28,64%
  PMDB Salomão Alcolumbre 27 214
 
21,76%
  PL Ailton de Oliveira 1 753
 
1,4%
Totais 125 050  
Fonte: [1]

Segundo turno[editar | editar código-fonte]

Candidatos a governador do estado Candidatos a vice-governador do estado Número Coligação Votos Percentual
João Capiberibe
PSB
Hildegardo Alencar
PT
40
Tudo Por Nossa Terra
(PSB, PT, PDT, PCdoB e PV)
69.907
54,86%
Jonas Pinheiro
PTB
Murilo Pinheiro
PFL
14
Frente Democrática Cabralzinho
(PTB, PSDB, PFL e PSD)
57.517
45,14%
  Eleito(a)
Segundo turno (15/11/1994)
Partido Candidato Votos Votos (%)
  PSB João Capiberibe 69 907
 
54,86%
  PTB Jonas Pinheiro 57 517
 
45,14%
Totais 127 424  
Fonte: [4]

Resultado da eleição para senador[5][editar | editar código-fonte]

Candidato a senador(a) Candidato a primeiro suplente Número Coligação Votação Percentual
Gilvam Borges
PMDB
Geovani Borges
PMDB
152
Um Amapá de Trabalho
(PMDB, PPR, PP e PPS)
50.249
22,32%
Bala Rocha
PDT
Maria Benigna Jucá
PSB
122
Tudo Por Nossa Terra
(PSB, PT, PDT, PCdoB e PV)
46.798
20,78%
Gilton Pinto Garcia
PPR
Édson Barbosa
PP
113
Um Amapá de Trabalho
(PMDB, PPR, PP e PPS)
35.473
15,79%
Henrique Almeida
PFL
Francisco Tozzatti
PSD
252
Frente Democrática Cabralzinho
(PTB, PSDB, PFL e PSD)
32.917
14,62%
Jorge Wagner Gomes
PT
Assilon Soares
PT
132
Tudo Por Nossa Terra
(PSB, PT, PDT, PCdoB e PV)
31.922
14,18%
Telma de Sousa
PRONA
Oidio Oliveira
PRONA
562
Sem Coligação
11.828
5,25%
Rodolfo Santos
PL
Carlos Antônio Martins
PL
222
Frente Progressista Liberal
(PL e PRP)
9.054
4,02%
José Muniz Ferreira
PTB
Wilson Fernandes
PFL
143
Frente Democrática Cabralzinho
(PTB, PSDB, PFL e PSD)
4.066
1,80%
Jaci Almeida Siqueira
PRN
Rogério Gaguim
PRN
362
Sem Coligação
2.811
1,24%
  Eleitos(as)


Referências

  1. a b TSE. «Resultado da Eleição - 1° turno». TSE. 2 páginas. Consultado em 7 de Janeiro de 2014. 
  2. «Atlas das Eleições Presidenciais no Brasil». Google Sites. 2 páginas. Consultado em 10 de Janeiro de 2014. 
  3. Brasil, CPDOC - Centro de Pesquisa e Documentação História Contemporânea do. «JOAO ALBERTO RODRIGUES CAPIBERIBE | CPDOC - Centro de Pesquisa e Documentação de História Contemporânea do Brasil». CPDOC - Centro de Pesquisa e Documentação de História Contemporânea do Brasil. Consultado em 1 de maio de 2018. 
  4. «Resultados das Eleições 1994 - 2º turno - Amapá». TSE. 2 páginas. Consultado em 10 de Janeiro de 2014. 
  5. «Resultados das Eleições 1994- Amapá - senador». www.tse.jus.br. Consultado em 1 de maio de 2018. 
Ícone de esboço Este artigo sobre política ou um cientista político é um esboço relacionado ao Projeto Ciências Sociais. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.