Eleições estaduais no Amazonas em 1962

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
1958 Brasil 1966
Eleições estaduais no  Amazonas em 1962
7 de outubro de 1962
(Turno único)
Plínio Ramos Coelho, governador do Amazonas.tif Replace this image male.png
Candidato Plínio Coelho Paulo Nery
Partido PTB PSP
Natural de Humaitá, AM Manaus, AM
Vice Não havia Não havia
Votos 54.800 42.878
Porcentagem 56,10% 43,90%


Brasão do Amazonas.svg
Governador do Amazonas

As eleições estaduais no Amazonas em 1962 ocorreram em 7 de outubro como parte das eleições gerais no Distrito Federal, em 22 estados brasileiros e nos territórios federais do Amapá, Rondônia e Roraima. Foram eleitos o governador Plínio Coelho[nota 1], os senadores Mourão Vieira e Artur Virgílio Filho, sete deputados federais e trinta estaduais.[1]

Pela primeira vez na história, um mesmo partido venceu três eleições consecutivas para o governo do Amazonas e este ano a disputa trouxe Plínio Coelho de volta ao poder após uma relação tumultuada com Gilberto Mestrinho, de quem se afastou até a derrota na eleição para prefeito de Manaus em 7 de janeiro quando foi derrotado por Josué de Souza, todavia a proximidade da sucessão estadual reaproximou Plínio Coelho e Gilberto Mestrinho, sendo que este migrou para o PST e foi eleito deputado federal por Roraima.[2] O governador Plínio Coelho nasceu em Humaitá, é professor formado pelo Instituto de Educação do Amazonas e advogado pela Universidade Federal do Amazonas, além de ser jornalista e membro da Academia Amazonense de Letras. Sua vida política foi edificada no PTB e nessa legenda foi eleito deputado federal em 1950 e governador do Amazonas em 1954.[3]

Na eleição para o Senado Federal o PTB elegeu dois políticos nascidos em Manaus e formados na Universidade Federal do Amazonas: o mais votado foi o engenheiro agrônomo Mourão Vieira, deputado estadual cassado pelo Estado Novo e que depois assumiu a prefeitura de Manaus em 1942 por escolha do governador Álvaro Maia.[4] Após o ingresso na UDN elegeu-se deputado federal em 1947, mudou para o PTB e foi eleito senador em 1954.

O advogado Artur Virgílio Filho, que se elegera deputado estadual em 1947, 1951,[nota 2] e 1954 venceu a eleição para deputado federal em 1958 e foi eleito senador em 1962, contudo teve o mandato cassado pelo Ato Institucional Número Cinco em 1969.[5][6][nota 3]

Resultado da eleição para governador[editar | editar código-fonte]

Conforme o Tribunal Superior Eleitoral foram apurados 97.678 votos nominais.[1]

Candidato a governador(a) do estado
Candidato a vice-governador(a) Número Coligação Votação Percentual
Plínio Coelho
PTB
Não havia
-
14
PTB, PDC, PL, PST
54.800
56,10%
Paulo Nery
PSP
Não havia
-
52
PSP, PSD, UDN
42.878
43,90%
  Eleito

Resultado da eleição para senador[editar | editar código-fonte]

Conforme o Tribunal Superior Eleitoral houve 178.869 votos nominais.[1]

Candidatos a senador da República
Primeiro suplente de senador Número Coligação Votação Percentual
Mourão Vieira
PTB
Edmundo Levi
PTB
141
PTB, PDC, PL, PST
52.774
29,50%
Artur Virgílio Filho
PTB
Desiré Guarani
PTB
144
PTB, PDC, PL, PST
50.474
28,22%
Álvaro Maia
PSD
Flávio Brito
PSD
411
PSP, PSD, UDN
39.802
22,25%
Alberto Rocha
UDN
Moisés Benaros Israel
UDN
222
PSP, PSD, UDN
35.819
20,03%
  Eleito

Deputados federais eleitos[editar | editar código-fonte]

São relacionados os candidatos eleitos com informações complementares da Câmara dos Deputados.[7][8]

Deputados federais eleitos Partido Votação Percentual Cidade onde nasceu Unidade federativa
Almino Afonso PTB 13.870 Humaitá  Amazonas
Paulo Coelho PL 10.380 Humaitá  Amazonas
João Veiga PTB 9.240 Recife  Pernambuco
Abraão Sabbá PSD 8.581 Belém Pará Pará
Leopoldo Peres PSD 6.109 Manaus  Amazonas
José Esteves PTB 5.266 Manaus  Amazonas
Djalma Passos PL 3.306 Boca do Acre  Amazonas

Deputados estaduais eleitos[editar | editar código-fonte]

As trinta cadeiras da Assembleia Legislativa do Amazonas foram assim distribuídas: seis para o PTB, seis para o PSD, cinco para o PST, três para a UDN, três para o PDC, três para o PL, duas para o PSB e duas para o PRT.[1]

Notas

  1. Como não existia o cargo de vice-governador e assim o substituto legal do titular seria o presidente da Assembleia Legislativa.
  2. A escolha dos deputados estaduais aconteceu num pleito suplementar em 11 de março de 1951.
  3. As cassações baseadas no Ato Institucional Número Cinco proibiam a convocação do suplente conforme o Art. 4º § único do referido diploma.

Referências

  1. a b c d «Banco de dados do Tribunal Superior Eleitoral». Consultado em 30 de março de 2018 
  2. «Câmara dos Deputados do Brasil: deputado Gilberto Mestrinho». Consultado em 7 de agosto de 2014 
  3. «Câmara dos Deputados do Brasil: deputado Plínio Coelho». Consultado em 7 de agosto de 2014 
  4. «Senado Federal do Brasil: senador Mourão Vieira». Consultado em 30 de março de 2018 
  5. «Câmara dos Deputados do Brasil: deputado Artur Virgílio Filho». Consultado em 30 de março de 2018 
  6. «Senado Federal do Brasil: senador Artur Virgílio Filho». Consultado em 30 de março de 2018 
  7. «Página oficial da Câmara dos Deputados». Consultado em 8 de agosto de 2015. Arquivado do original em 2 de outubro de 2013 
  8. «BRASIL. Presidência da República: Lei nº 9.504 de 30/09/1997». Consultado em 8 de agosto de 2015